Subscribe: planeta b612
http://planetab612.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade C rated
Language:
Tags:
até  dias    foi    lado  mais  manhã  minha  nos  não abandono  não  quando  quem não  quem  sempre  tempo  vida 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: planeta b612

planeta b612





Updated: 2016-04-12T04:50:20.842+01:00

 



façam o favor de ser felizes!

2015-06-09T09:48:35.861+01:00

é ousado falar de felicidade na televisão. os mais intelectuais dizem que é um tema fácil, desajustado da espuma dos dias. os mais sensíveis revêem-se no tema. o prós e contras de ontem foi dedicado à felicidade. o debate foi o mais ajustado à espuma dos dias, porque lhe despiu a essência. as pessoas pararam um segundo e perguntaram-se: onde está a minha felicidade? o que é a felicidade? é esta a



Berit we will hug again

2015-05-14T16:07:15.500+01:00

A vida dá-me muitas coisas boas. Sou grata por todas as pessoas que entraram e, de algum modo, fizeram/fazem a minha vida. Nos momentos certos e incertos. Há 11 anos que a Berit, loirinha do lado direito, não nos vemos. A nossa amizade nunca teve a ver com o tempo, mas mais com o espaço e o tempo no espaço. Durante 6 meses foi minha irmã e amiga. E eu dela. sabemos disso. Pareceu um vida inteira.



urgência para ontem - para depois de amanhã

2015-05-05T00:20:20.887+01:00

Armando Jorge. Hoje - ontem - quem visitasse as urgências do Hospital de Santo António no Porto deparar-se-ia com Armandos Jorges por todo o lado. Camas com corpos doentes, ao relento de cuidados, desprovidos de amor. No corredor camas em fila indiana, profissionais de saúde atropelam-se nas fichas médicas e a gritar 'não pode isto, não pode aquilo'. Rodopios e ziguezagues de nomes, chamadas,



mãe e filha. de manhã para manhã. um poema para nós. para as mulheres. e quem delas gosta.

2015-04-27T23:03:10.419+01:00

páginas em branco, um sonho por desembrulhar. é assim que te vejo, quando me olhas fundo nos olhos. parecemos duas manhãs a olhar uma para a outra. os olhos desviam o olhar para o resto do dia. o dia passa. e no nosso rosto pousado um no outro é sempre manhã. um sol a acordar. um relógio a rebentar. e uma roupa por estrear. quando me pousas os olhos. é como camisola segura no estendal. chuva



crónica de uma portista sossegada

2015-04-21T23:11:14.258+01:00

o futebol é uma vida inteira. o que aprendemos das bofetadas da vida, e do entusiasmo da vida aplica-se em tudo ao relvado com 22 homens mais um, e uma bola. mais uma série de regras. ainda na semana passada o peito enchia-se de emoções azuis e brancas. o facebook enchia-se de suspiros portistas, de orgulho e de alegria contagiante. mas hoje. hoje. há pouco, o peito mingou, o suspiro saia



da teoria

2015-04-13T22:54:38.654+01:00

o tempo voa, vive no carpe diem, come de boca fechada, vegetais e fruta, açucar rima com avc, sorri a um estranho, dá valor aos teus amigos, trabalha hoje para colheres frutos amanhã, sê positivo, deixa o passado onde ele está, lá trás, dá um passo, segue em frente, não ligues a quem não te liga, liga a quem te liga, sonha mais, pede menos, o que interessa é cá dentro, os bens, as coisas não



da abundância, Eckhart Tolle - palavras sábias

2015-03-18T15:49:38.407+00:00

Quem nós pensamos que somos está intimamente ligado a como nos consideramos tratados pelos outros. Muitas pessoas se queixam de que não recebem um tratamento bom o bastante. “Não me tratam com respeito, atenção, reconhecimento, consideração. Tratam-me como se eu não tivesse valor”, elas dizem. Quando o tratamento é bondoso, elas suspeitam de motivos ocultos. “Os outros querem me manipular, levar



parabéns avô

2015-02-27T15:10:53.645+00:00

sentia sempre pena quando o via a assomar-se a casa com a enxada na mão. trazia suor no rosto, cansaço ao peito - respiração queimada pelo sol. eu admirava-o do portão da casa ao vê-lo, assim, robusto, como uma velha árvore. mas sentia pena, daquela que dá um beliscão no coração. um velho com uma enxada na mão a trabalhar duro, debaixo do sol duro. em pouco tempo, estariam vivos (



até à essência -

2015-02-25T10:31:51.768+00:00

Amar-te até ao fundo de ti. Não quero dizer até aos teus ossos, Não, Nada disso. Amar-te ao fundo de ti Onde tu, És invisível, Ao mesmo tempo virginal. Até ao fundo de onde não estás, Fisicamente, Digo. Quero perfurar a última veia Da tua alma Vê-la nua sem pudor. Abraçar-te destemidamente. Alcançar-te desmesuradamente. Perder-me no verbo amor. Ah, desculpa, amar. Para além de ti. Teus gestos,



Estejamos vivos, então!

2015-02-21T18:38:25.668+00:00

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem destrói o seu amor próprio, quem não se deixa ajudar. Morre lentamente quem se transforma escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajecto, quem não muda as marcas no supermercado, não arrisca vestir uma cor nova, não conversa com quem não conhece. Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o "preto no



do jogo de palavras...

2015-02-15T21:35:51.779+00:00

Entre o tamanho do corpo e o tamanho do passo Olhemos Segredos assim Para aprender a resistência do preto gracioso. O meu quebrar é uma curva branca e muito mais pobre do que a vida das espécies. Um risco da idade azul Ligeiramente falando Pode estar uma interessante realidade Em tentar futuros.



teorias a entranhar

2015-02-09T22:35:12.898+00:00

Stephen Hawking, físico, cientista, cosmólogo. Apanhado pelo corredor da vida, aos 21 anos descobriu que fechada em si existia uma doença - esclerose lateral amiotrófica - que não lhe tirou um segundo de vida. Ainda hoje envergonha a ELA (ainda não foi descoberta a cura). Hawking casou - duas vezes - tem três filhos e três netos. Ensinou, escreveu, publicou, é um exemplo de superação. A Fé não é



'o poema me levará no tempo'

2015-02-04T10:05:03.244+00:00

O poema me levará no tempo Quando eu já não for eu Quando as notas desaparecerem Do piano que não existe. Eu encaixo-me no poema Como um peixe no meio do oceano. Um vazio preenchido por um tempo Que está lá Onde a vida sobrevive. Tenho saudades de tudo No meio de nada. Penduro-me na árvore Como um pássaro À espera de voar. O poema me levará no tempo Quando eu já não for eu Quando tu fores



persianas apunhaladas

2015-01-31T11:54:46.709+00:00

Às sete da manhã as pérolas batem-me à porta. Eu sorrio em concha alargo os sonhos e abro muito os braços em jeito de abraço. Gosto de lâminas a apunhalarem as persianas. Sinto o corte feliz do sangue em jacto. Às sete da manhã o sono pára o sonho continua o desassossego calmo de quem espera o amor em visita. Às sete da manhã as persianas são apunhaladas o sangue



Ana Luísa Amaral

2015-01-30T11:58:57.249+00:00

invadia de amor o teu reflexo e em estilhaços de vidro mergulhava em ti. Ana Luísa Amaral, poetisa portuguesa, in 'anos 90 e agora'. Ana Luísa Amaral foi a poeta convidada nas Quintas de Leitura deste mês no Teatro do Campo Alegre. Gostaria de escrever em acta tudo o que lá foi dito, conversado, mostrado, demonstrado, cantado, tocado, documentado. Seria pouco para tantas emoções e aprendizagens.



Palma na CdM

2015-01-28T12:15:15.798+00:00

É extraordinário um músico entrar em palco, e uma plateia encher a sala suggia da Casa da Música de aplausos, quando ainda o músico não tocou uma canção. Isto aconteceu ontem com o Jorge Palma. Só a figura faz o serão. O concerto também foi bom. Pareceu um poema ao relento, abrigado debaixo de um céu de estrelas e de uma lua cheia. Tocou muitas das muitas músicas que lhe valem a carreira de



uma sombra de Londres

2015-01-25T22:41:42.660+00:00

Não é uma fotografia turística. É uma imagem que representa uma fase da minha vida. Londres. Uma cidade que esteve quase um ano nos 32 anos que carrego comigo. Foi cinzenta e soalheira ao mesmo tempo. No meu currículo aparece sob forma de mestrado, mas o verdadeiro significado não tem forma, tem conteúdo. Neste conteúdo cabem amigos que foram o suporte para a solidão de muitas horas e uma



não te abandono, não

2015-01-21T17:16:20.173+00:00

não te abandono, não. como o vento não abandona o mar que por sua vez não é abandonado pelas gaivotas. não te abandono, não. como não abandono este corpo de todos os dias. como o coração dentro do peito. não te abandono, não.



no limite

2014-10-28T12:18:08.683+00:00

não há paletes de cores sufcientes para descrever os sentimentos que moram cá dentro e lá ao longe. há sempre um entre-cores, entre-linhas, entre-qualquer-coisa. é bom. é bom estar no meio, no meio da balança, no equilíbrio. de um lado uma extremidade, do outro lado, outra extremidade. gosto de abrir os braços e aconchegar os pontos limite de cada lado. abraço apertado ao limite de cada realidade



'ama como a estrada começa'

2014-10-24T18:35:20.062+01:00

há um verso do poeta Mário Cesariny que é um dos meus lemas de vida. 'ama como a estrada começa' de alguma forma este conjunto de palavras dá-me sorte em todas as estradas que se mostram diante de mim - como linha na agulha para continuar a cozer a minha vida. de novo o verso pousa à minha frente. eu recordo o verso. amo-o como um filho. e ele ama-me. porque vem sempre até mim. 'ama como a



a liliana que há em nós

2014-09-18T19:04:32.569+01:00

há dois ou três dias foi publicada uma estória no jornal Público sobre a grávida que perdeu o trabalho por estar...grávida. por querer fazer crescer a natalidade do país. por querer fazer do país um sítio menos velho. por querer contribuir para futuras pensões. por querer contribuir para a economia e desenvolvimento de um país. por responder que sim, ao fim e ao cabo, aos apelos do governo. a



Deus dá nozes a quem não tem dentes

2014-09-09T16:28:17.966+01:00

Deus dá nozes a quem não tem dentes. uma mulher de corpo bem feito, bonita de cara, pobre de espírito. um homem, jeitoso por sinal, sorridente, a arrotar amabilidades com a mulher - mulher dele, ele, homem dela. os dois com dois filhos - dos dois, ternuras. filhos bonitos. cena de cinema. todos lindos, de férias, ao sol, longe de todos os defeitos, de todos os males - embrulhados numa película de



da anunciação

2014-09-06T17:20:03.385+01:00

anunciação. de coisas boas e más. desde sempre, há uma anunciação para cada momento das nossas vidas. eu tenho uma amiga que se chama Anunciação. todas as vezes que digo 'Anunciação' há necessidade de repetir/anunciar o nome. eu nunca tive esta incerteza na fonética. gostei mais do nome quando conheci a pessoa. foi há três anos na Acapo - associação dos cegos de portugal. reunião marcada numa



estórias de metro a metro - all night long

2014-08-25T18:12:10.669+01:00

os dias da semana adormeceram. todos. as noites dormem como sempre, à excepção das noites de sexta-feira e de sábado. não existe noite. os dias continuam das zero horas às zero horas. de sexta-feira ao acordar de domingo. dá imenso jeito o move do metro na cidade do porto. a malta pode dar corda aos ponteiros que ainda assim não perde a hora da carruagem na estação. mas atenção: andante na mão,



segredos abertos

2014-08-20T01:15:25.070+01:00

há segredos que nos sussuram uma vida inteira. só os ouvimos quando a vida quer. passei a minha vida com a certeza que todas as minhas características vinham do meu lado materno. até que. até que a aproximação a uma tia do lado paterno mostrou-me que afinal. afinal o meu lado paterno corre-me nas veias e no sorriso. há um retrato da minha avó - que nunca conheci - na parede branca na casa dos