Subscribe: Egos de Sophia
http://egosdesophia.blogs.sapo.pt/data/rss
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
bem  cada  dia  dos  filme  foto  hoje    lado  mais  mim  não quero  não  quero  sei  sentir  teu  tudo  vida 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Egos de Sophia

Egos de Sophia



Egos de Sophia - SAPO Blogs



Last Build Date: Fri, 18 Jul 2008 14:01:56 GMT

 



Back and forward

Fri, 18 Jul 2008 14:00:25 GMT

Para a casa primeira:

 

Egos de Sophia

 

 




Hoje, tal como Rett Butler...

Wed, 16 Apr 2008 12:16:51 GMT

(image)

Foto: aqui

 

Frankly my dear, I don´t give a damn!

 




Breaking trough

Mon, 14 Apr 2008 12:16:38 GMT

(image)

Foto: aqui

 

Não há piores limites do que aqueles que nós criamos.

 




Limpezas...

Fri, 11 Apr 2008 10:10:15 GMT

(image)

Foto daqui

 

Limpeza, desperdício e reciclagem.

A Primavera já chegou, embora não pareça pelo tempo que se faz sentir. Manda o hábito que faça grandes limpezas e arrumações lá por casa. Arrumar roupas de Inverno e realojar as roupas mais frescas. Mesmo processo se passa com botas, sapatos, ténis e sandálias.

Este ano vou incluir mais uma divisão: eu. Tentar perceber o que se pode e deve reciclar e deitar fora tudo o que é desperdício.

 

 




Um apontamento na história

Tue, 08 Apr 2008 11:00:24 GMT

(image)

Foto: aqui

 

Escrevo e reescrevo. Não mudo a história. Errei tantas vezes que hoje já não sei se foi erro ou não. Há tantas coisas que poderia mudar na minha vida. Mas não quero. Aceitei este estranho encontro que tem sido uma loucura. Hoje o dia é triste como as pessoas que passam por mim. A saudade do reencontro é mais forte. O teu sol acende no meu rosto uma réstia de esperança. Espero pelo momento de te voltar a ver. Amor, vem depressa, eu não resisto à distância. Se tu não chegas, eu não existo. Não existo. O tempo mudou e está a chover. Resta-me esperar. Não me importa o que o mundo pode pensar. Eu não quero andar. Olho para mim e procuro, mas não encontro. Não encontro nada, sou apenas uma réstia de esperança perdida. Tudo se confunde na minha mente. A minha sombra está cansada de me seguir, enquanto o dia morre lentamente. Nada me resta senão voltar à minha vida. Esta vida que tenho e que quero partilhar contigo. Não quero que este amor se perca. Porque sem este apontamento a minha história não existe.

 




Don't be afraid to dream*

Fri, 04 Apr 2008 10:12:00 GMT

(image)

*Foto: aqui

 

Humm... acho que é o que preciso aprender.

 




Grão de areia

Tue, 01 Apr 2008 14:27:46 GMT

Sento-me na areia. Deixo que o meu olhar se perca no imenso azul. Num desejo profundo que me envolva e me disperse na sua eternidade. Quero perder-me ali. Quero ficar ali. Imóvel. À procura de paz. Fico. Minutos, horas... Não sei. Sinto que o tempo parou. Quero que o tempo fique assim. Imutável. Que não me obrigue a avançar. Que não me obrigue a mudar. Que não me obrigue a aceitar. Não terei mais tempo do que este. Teimosa. Fico. Nem que o tempo me faça confundir com o grão de areia que sonha ser mar.

 




Chorei e calei

Thu, 27 Mar 2008 12:36:01 GMT

(image)

Foto: aqui

 

Não fales. Calei.

Calei a dor. Calei a mágoa.

Não estavas presente. Chamei outra pessoa. Não me chamaste.

Não sou precisa. Eu sei. Magoaste-me. Calei.

Não adianta mostrar a dor. Não vou mostrar as lágrimas.

Não falo. Pudera não sentir. Pudera não chorar. Chorei.

É dor que me acompanha pela vida. É mágoa que não posso depositar no fundo de um poço. É tristeza que só posso calar em mim. Calei.

E assim fiquei.

 




Nesta Páscoa

Wed, 19 Mar 2008 14:04:20 GMT

(image)

Foto daqui

 

Que cada ovo seja um desejo realizado!

Boa Páscoa!

 




Alone in the dark

Tue, 18 Mar 2008 10:58:44 GMT

(image)

Foto daqui

 

porque há dias assim.

 




Porque o céu não acaba aqui...

Fri, 14 Mar 2008 12:50:31 GMT

(image)

Imagem daqui

 

quero um dia adormecer nas estrelas e ter na cabeceira o luar.

 




A cada beijo teu...

Tue, 11 Mar 2008 12:53:05 GMT

(image) O meu coração pára. E recomeça o seu bater. Fico em suspenso. O leve aproximar da respiração. Pressentir o teu toque. Fico ali, à espera. O beijo há-de chegar. Um beijo só, por vezes, basta. Para sentir o teu amor, para confirmar o meu. Pode ser apenas o desejo de te ter por perto. Pode ser amor. Pode ser por a cada beijo teu eu me sentir mais eu. Eu te sentir mais tu. E a cada beijo somos sempre nós. Demoro-me a olhar os teus lábios. Gosto. Sabem-me bem. Demoro o momento da espera. Quero sentir-te respirar. Quero ver de perto os pormenores do teu rosto, dos teus lábios. Quero percorrer todos os sentimentos que ao pressentir o teu beijo acordam em mim. Quero demorar-me nos teus lábios e deixar que a cada beijo eu te sinta mais em mim.

 

Foto: pormenor de um retrato original aqui.

 




No comboio

Fri, 07 Mar 2008 14:53:21 GMT

O Sol quase me cega. Viajo à beira mar, enquanto ouço música. "... I´m not afraid of dying, but I just don´t want to..."  Acabo por me distrair com outros pensamentos e  o texto inicial fica em suspenso. O Sol continua a tentar cegar-me. O mar está com um brilho apetecível. Por momentos esqueço que a água deve estar gelada. Apetece-me um mergulho. Ainda falta para o Verão. Talvez nem tanto para o calor. Definitivamente, sinto saudades de praia. O Sol continua a dificultar-me a tarefa. É complicado escrever assim. Mas insisto. Poucas linhas. A minha mente vai vagueando entre o texto que tento escrever e a música. Distraio-me. Novamente. "... I'm loving angels instead...". Ocorre-me que, há razão na música, além de ser mais fácil para me sentir amada, sabe bem sentir-me segura. Acho que talvez seja mais fácil amar um anjo. Mas depois a reciprocidade não é na mesma medida. Talvez seja mais fácil amar um anjo, mas prefiro amar um homem. E, entretanto, já ouço "... the look of love is in your eyes...". Fico apenas a ouvir. Volta-me a imagem de imenso azul. A ideia do texto inicial fugiu, dispersou-se ao som da música.

 




Ao lado

Tue, 04 Mar 2008 10:41:20 GMT

(image)

Foto: Bruno Brismontier

 

Por um dia não posso apenas contemplar? Hoje quero que o mundo, a vida, quero que tudo me passe um pouco mais ao lado. Embrenho-me em mim, contemplo o mundo que os meus olhos vêem. Quero saborear a vida do lado de dentro de mim. Do lado de dentro de nós. Quero deslumbrar-me com cada um dos brilhantes. Com cada um dos teus sorrisos. Com cada parte e  com o todo que nós criamos. Hoje o mundo passa-me ao lado.

 




No rescaldo dos Óscares...

Mon, 25 Feb 2008 15:06:01 GMT

Não. Não vou falar dos filmes e actores galardoados. Vou mesmo armar-me em crítica de cinema.

Se há coisa que sempre detestei são aqueles diálogos/monólogos dos heróis e dos vilões, naqueles momentos de matar ou morrer, que se alongam pelos dramas pessoais regredindo em muitos dos casos até à infância.

Acho, não conhecendo a fundo as motivações da situação, que se é para dar um tiro em alguém é dar e pronto. Quanto mais não seja no caso dos filmes, em que todos os interessados sabem o porquê daquele tiro, incluindo os espectadores que estão a ver o filme desde o início. Sempre achei que em muitos casos a outra personagem ia acabar por morrer de tédio, antes de qualquer outro ferimento. Senão fosse a personagem, cenas houve em que eu quase o fazia.

Ontem, vi, finalmente, um filme que queria ter ido ver ao cinema, "The Brave One", cuja tradução para português ficou "Estranha em Mim", com a Jodie Foster. Curiosamente, ao contrário do que acredito ser costume, a tradução fez jus ao filme.

Neste filme, esse momento do tiro é frio e duro. Aliás, esses. São vários os tiros disparados ao longo do filme, sem delongas, nem justificações. Se estamos a ver o filme do início, já percebemos o que se passa. E, mesmo, no momento crucial de vingança, a personagem não está ali com monólogos enfadonhos do género 'mereces morrer pelo que fizeste' ou americanice que o valha. Tem dois apontamentos de ironia em frases curtíssimas e um de descontrole. Quase pensei que vinha por ali um arrependimento tardio, típico deste género de filme, estragar todo um argumento. Mas não. A personagem é coerente.

Gostei do filme. Não julgando nem justificando. Gostei e pronto.

Acho que em tudo na vida, se há coisas que sentimos que devem ser feitas, é fazer e siga!

 




Nota do dia

Fri, 22 Feb 2008 15:06:32 GMT

Sexta - Feira: último dia da semana.

Fim-de-semana: aproveitar ao máximo.

 




Num dia cinzento...

Tue, 19 Feb 2008 13:36:44 GMT

A cada lágrima que cai do céu, por mim cai uma gota de chuva. Ping. Ping. A pouco e pouco. Aumenta a cadência. Até que cada lágrima solta forma uma torrente e eu começo a chover. Vejo as lágrimas juntarem-se às minhas gotas de chuva. Não distingo a chuva das lágrimas. Não quero. Quero apenas que a natureza de umas e das outras se funda para que as lágrimas se tornem menos salgadas. E o que vejo cair no chão não passe de chuva.

 




Dias especiais?

Fri, 15 Feb 2008 11:48:38 GMT

Podia ter-te escrito ontem. Hoje também é um bom dia para o fazer.

Ainda não sei muito bem tudo o que quero, mas já tenho uma lista razoável das coisas que sei bem que não quero.

Não quero uma vida feita de raros dias especiais. Os dias em que devemos comemorar. Sei que quero uma vida feita de todos os dias. De sorrisos e de lágrimas. Quero um vida feita do dia-a-dia. De problemas e sucessos. De tristezas e alegrias. De bom e de mau. Quero uma vida de tudo está bem e de tudo está bem quando acaba bem.

Quero sentir-te e saber-te perto. Ao lado. O teu lugar. Na vida, lado a lado.

Não é de palavras que vivemos, mas, ouvi-las, lê-las, sabe bem. O mais importante é viver.

Podia contar tantas coisas, pequenas coisas, grandes coisas, que me desfilam na memória. Sei que são todas elas que nos constroem dia após dia. São todos os dias, todos os momentos, todas as palavras, todos os gestos, todos os pensamentos. Tudo, é o que faz do tu e do eu um nós.

 




Last dance...

Tue, 12 Feb 2008 15:55:56 GMT

(image)

Foto daqui

 

Aproximas-te de mim, de mansinho, vens com pele de cordeiro. Sabes que não quero voltar a dançar.

Tentas seduzir-me com o teu suave murmurar, essa brisa quente que sempre me sussurras ao ouvido e me fez ceder.

Não era preciso muito, mal te adivinhava colocava o melhor vestido e calçava os sapatos que me ofereceste. Esperava-te para dançar.

E como dançámos, noites, dias, num tempo que não tinha fim. E depois, tudo mudava, nada era como dantes, apenas a dança. Mas agora não quero mudar. Admito que talvez não tenha perdido o gosto pela dança, mas perdi o gosto de mudar.

Devolvo-te os sapatos, guardo o vestido. Não volto a dançar.

- Guarda os sapatos com o vestido. Talvez um dia me voltes a chamar.

Deixo de sentir o calor da tua voz em mim. Sei que te afastas. Sopras-me um quente adeus... talvez um dia voltemos a dançar.

 




First life

Fri, 08 Feb 2008 15:32:32 GMT

Ficção de mim. Um mundo que se veste de aparência, esforça-se em vão para iludir a essência. Máscaras sem fim, que quase nos fazem perder o centro da razão. Mas também as uso, por vezes, no dia-a-dia. Protegem-me.

Não dou tudo de mim, porque em mim não conheço tudo. Parte do que fui, sou, sei. Sei que sou grande parte do que me conheço para poucos. Sei que sou quase tudo o que me conheço para ti. Tudo o que sei que sou, sou-o sozinha, frente a mim, só para mim.

 




Verdade

Wed, 06 Feb 2008 14:26:02 GMT

A saliva não deve gastar-se em palavras inúteis porque então estaremos a desperdiçar a água dos deuses.

Malinche, Laura Esquivel

 




Dove si va se non c’è

Mon, 04 Feb 2008 13:18:45 GMT

Sentir os raios de sol que se esforçam por rasgar as nuvens

e iluminar o mar prata...

 




É mais sem cabeça!

Mon, 04 Feb 2008 13:03:14 GMT

(image)

 

A Ly achou que eu mereço, eu agradeço.

 




A pressa

Tue, 29 Jan 2008 11:30:06 GMT

É o que hoje me move entre tanto que me preocupa e soluções rápidas que preciso encontrar.

Por algum motivo o pc não me deixava aceder ao Egos. Mas não pensei em desistir. Não nesta altura em que não me posso permitir desistir de nada.

Por dificuldades técnicas quase não conseguia escrever.

 

Dia 29 de Janeiro.

Conheci-te há uns anos, eras a namorada do meu amigo. Extrovertida como ninguém diria, foste simpática. Eu não. Recordo as primeiras impressões com que fiquei de ti... Não foram as melhores, mas a vida encarregou-se de me provar que estava errada. Foi mais ou menos nessa altura que começou a nossa amizade. Não por seres a namorada do amigo, mas por seres uma amiga. Tantas conversas... outras tantas noitadas... LOL! Lembro-me de algumas de muita loucura, outras mais dramáticas. Mas todas fantásticas!

Hoje é o teu dia e nasceu cheio de Sol! Por isso, aproveita-o bem!

 




Rise and shine

Fri, 25 Jan 2008 12:01:42 GMT

Hoje madruguei. Saí para a rua ainda o dia estava escuro. Momentos de beleza foram os que pude testemunhar à medida que o Sol começava a despontar. O céu azul, do escuro ao claro e vários tons de laranja. Parei por momentos. Madruguei por pressa mas a aurora fez-me abrandar. Parei. No corre-corre quotidiano são raros os momentos em que paro apenas para apreciar beleza. A rabugice matinal pelo duro acordar desvaneceu-se ali, naqueles breves momentos em que parei. Parei só para olhar, ver o espectáculo que o céu me apresentou, que não via há muito. Guardei a imagem. Hoje acompanha o meu dia. Tornou doce madrugar.