Subscribe: Comments on portugal dos pequeninos: DOS LIVROS - 6
http://portugaldospequeninos.blogspot.com/feeds/1444689924974568021/comments/default
Preview: Comments on portugal dos pequeninos: DOS LIVROS - 6

Comments on portugal dos pequeninos: DOS LIVROS - 6





Updated: 2017-12-02T21:48:37.709+00:00

 



Pois é, não há CONHECIMENTO...apenas informação! E...

2007-07-25T12:53:00.000+01:00

Pois é, não há CONHECIMENTO...apenas informação!

E, se formos aos "princípios"...às "referências" não vemos nada, só encontramos publicidade, marketing, virtualidades........

Estou muito feliz com os meus 50! Adoro ter aprendido quando se ENSINAVA! Adoro ter sido educada quando nos transmitiam VALORES!!!



O problema de Steiner é que nunca conseguiu explic...

2007-07-25T12:23:00.000+01:00

O problema de Steiner é que nunca conseguiu explicar quando é que o mundo foi um sítio melhor, menos medíocre. Quando foi? Quando havia só dois ou três literatos?



Gostava de ter sido eu a escrever este texto.

2007-07-25T10:04:00.000+01:00

Gostava de ter sido eu a escrever este texto.



Uma mediocridade convencida de sapiência e dai que...

2007-07-25T02:17:00.000+01:00

Uma mediocridade convencida de sapiência e dai que sempre urgente em usufruir materialmente aquilo que não é capaz de produzir.

Enfim uma sociedade sem valores e sem princípios, onde aos direitos não correspondem os respectivos deveres (sociais, familiares, etc.).

A propósito , uma historia engraçada:
O meu amigo Vasco ofereceu-se para, gratuitamente, dar aulas de informática num bairro degradado, através de uma instituição religiosa que ali dá apoio social, isto senão quando, ao ajustar os termos do seu voluntariado se apercebeu que os “alunos” iriam receber uma determinada quantia por cada aula recebida.
O Vasco, sexagenário experiente e de princípios, com uma saudável e sempre irreverente “loucura”, que sendo um "bem nascido" comeu, ingloriamente, "o pão que o diabo amassou" na Guerra do Ultramar, que aos 50 e poucos anos sofreu o desemprego quando a multinacional “ se pirou”, "pôs os pés à parede" e em ultimato exigiu que só fazia o voluntariado se os beneficiários usufruíssem apenas o que aprendiam e não fossem “remunerados” por fazerem o favor de aprender. E, lá conseguiu impor os seus princípios.

Moral da historia:
1.
A corrupção de princípios conduz á mediocridade;
2.
É preciso pormos os “pés à parede” face à corrupção de princípios.
3.
A prática da corrupção de princípios pode estar, até ingenuamente, onde menos se espera.