Subscribe: Lavadeira
http://lavadeira.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
cada  está    lhe  mais  médico –  médico  nos  não  parafina –  parafina  quem  sempre  tia  todos  tão  vida   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Lavadeira

Lavadeira





Updated: 2014-10-05T08:56:55.763+01:00

 



Fui ao médico e descobri que sofro de parvoeira congénita

2009-01-15T23:55:19.817+00:00

Tive um enfarte no espírito e fui ao médico. Foi detectado um aneurisma emocional.
Expliquei-lhe que me sentia tão cansada e farta de uma rotina que me consome que preferia ir criar patos para o Afeganistão. Perguntou-me os motivos de tão excelente ideia e expliquei-lhe de forma cirúrgica (tal como eles gostam):
Parafina – Faço tudo pelas pessoas de quem gosto.
Médico – continue...
Parafina – Abdico de fazer o que gosto e o que me apetece para fazer os que me rodeiam mais felizes.
Médico – hum...
Parafina – Mesmo estando infeliz mantenho sempre boa cara para não incomodar...
Médico – pffff...
Parafina – Gosto de oferecer coisas para depois ver os sorrisos.
Médico – tchiii....
Parafina – Raramente exijo seja o que for.
Médico – tá bonito...
Parafina – E é isso...
Médico – A Parafina sofre de parvoeira, é completamente parva.
Parafina – Tem cura?
Médico – Não. A única forma de sobreviver é encontrar e conviver com pessoas parvas...ou então criar os patos no Afeganistão, isso agora é consigo.
Parafina – Obrigada. Boa Tarde.
Médico – Nada...eu criava os patos....mas enfim....



Feriados para quê?

2008-05-30T01:13:30.009+01:00

Tomei consciência que muito brevemente iremos ter dois feriados numa semana. Não estava à espera e até fiquei nervosa, diria mesmo transtornada. Um deles até calha a uma sexta-feira...incomoda-me o facto de o fim-de-semana ser prolongado...mas pior é o de terça-feira, esse é que me deixa à beira da guilhotina...uma autêntica sentença de morte à segunda-feira. O que eu gosto de segundas-feiras, dou por mim aos domingos a pensar nunca mais é segunda-feira, até conto as horas para ouvir o "gritinho matinal" do despertador.
2, two, deux, dva: feriados! Até estou deprimida...o que se faz numa sexta-feira 13, em casa? Não tem a mesma graça que dar uso ao seguro automóvel, que desmagnetizar o único cartão MB que tinha saldo, de deixar cair o telemóvel num sanitário público, entre outras possibilidades que tornam a vida mais colorida.
Não me conformo.



Que chova mais que nós gostamos!

2008-12-13T01:21:30.090+00:00

(image)
Estão tão farta...tão fartinha - sei que nós lusitanos gostamos de diminutivos, coisas pequeninas...pouco visíveis (não se dá nas vistas que é feio!) - tão... que nem sei que adjectivo, verbo ou substantivo se pode encaixar no enfarte de espírito com que ando. De manhã aguenta-se a histeria de um despertador que faz questão de nos lembrar que estamos vivos a horas perfeitamente dispensáveis...lá nos entregamos à vida com muito jacto de água na encefálica.
Sai-se de casa a pensar na Primavera...chove, está frio, os pássaros ou estão mortos ou sofrem de rouquidão aguda e anda tudo triste com cara de farda de Staline....e segue-se mais um maravilhoso dia de trabalho onde o relógio encrava a cada segundo, como se do Sol dependesse...esse safado.

Adoro a rotina...tanto como a palavra quotidiano. Sinto-me amarrada a uma cadeira em frente a uma natureza morta, como se o melhor já tivesse passado.



A tia confessa...

2008-05-03T01:41:04.578+01:00

A tia está contente. A tia gosta de todos: do Baguito, do Ico, da Catarina e da "estreia" Ema (a mana do Ico). A tia continua à espera dos outros sobrinhos que estão em estágio nas barrigas das amigas e quer mais sobrinhos e sobrinhas, muitos. A família da tia está a encolher...e a avaliar pelos descarrilamentos da vida da tia...nem com muita Branca-de-Neve com fermento a coisa vai. A tia espera que tenham uma vida gira e agitada de filhos e amigos, que não consigam sentar todos à mesa, que não sobrem lugares vazios.
Conselho de tia nova: à mesa tenham sempre mais pessoas que cadeiras.



Coisas do passado

2008-04-23T23:38:49.261+01:00

Dei por mim a ouvir o clássico «Build Me a Buttercup» e fui invadida por uma nostalgia crua e realista dos bons tempos em que observava de forma tímida os meus amigos a cantar "desalmadamente" nos karaoke's dos restaurantes, onde os sorrisos nunca eram demais e uma alegria legítima era sentida por todos. Na altura a única preocupação avassaladora era a próxima frequência ou a falta de apontamentos. Onde os abraços eram dados sem reservas. Penso que éramos todos mais genuínos, não tínhamos sido ainda tolhidos ou violentados pelo medo do nada, pela incerteza quotidiana do que vai ser de cada um. Vivemos a curto prazo. Partimos para uma relação a pensar que pode acabar. Aceitamos empregos sabendo que não passam de estágios prolongados. Compramos casas a pensar que as devolvemos ao banco mais cedo ou mais tarde. Evitamos filhos porque as relações, casas e empregos primam pela volatilidade.
Hoje lamento não ter cantado mais.



Querido Pai Natal

2008-12-13T01:21:30.353+00:00

(image)
Escrevo-lho com alguma antecedência...bem sei...mas tenho alguma pressa e estou a tentar meter a «cunhazinha portuguesa» para uns presentes adiantados:

1. Reforma antecipada.

2. Passaporte vitalício para não ter que voltar ao portão do Atlântico para renovar o dito.

3. Um tupperware "dos bons" que não entorte a tampa para quando morrer mandar as cinzas para cá, pois o «bom filho à casa torna, e à casa torta ou nunca mais se endireita torna depois de morto».


Obrigadíssima pela atenção e veja lá se desta vez prova que existe que há 29 anos que o espero e a idade não perdoa, pula e avança.



Pluviosismos

2008-04-23T00:25:10.931+01:00

Esta bipolaridade climatérica deixa qualquer humor em estilhaços de guerra.
O responsável que se trate ou que se entretenha a massacrar outro Continente...ou vá às compras e contraia dívidas, ou perceba que o clima não é um comando de televisão.
O lisboeta é pouco rotineiro, mesmo naquilo que não deve (Marialvismo e a porta das traseiras), mas oferecer chuva e sol em estilo fotograma, ai Anthímio volte! e de urgência e explique-nos lá o que é que se passa lá em cima.
Trabalha-se
(temos pena que o novo “desacordo” ortográfico não elimine de vez esta palavra tão desagradável no português falado e escrito de Portugal, que agora é luso-afro-brasileiro?)
faça chuva ou faça sol...a intermitência das probabilidades convida-nos a pensar: aguardo em casa com serenidade e espero que chegue o Verão.



Demonstração de Resultados

2008-03-12T23:04:38.654+00:00

Apetece-me desligar mas tenho o botão off encravado. Estou na fase do sentido contrário em via rápida, o GPS não tem satélite e nunca mais chego ao destino.A necessidade de mudança urge e o que resta é vestir-me do avesso....largo gritos em afonia. Esgoto-me numa rotina que não deixa espaço para criar seja lá o que for, nem que seja o inverso temporal da mesma.
Abano-me sem resultados. Há quem diga que gostaria de voltar atrás “se eu soubesse o que sei hoje...”, por mim pressiono qualquer botão que indique “próximo capítulo”.



Dá-se Gata!

2008-12-13T01:21:30.595+00:00

(image)
A Bes-Nica parada não rende.



Uma Aventura no W.C.

2008-12-13T01:21:30.867+00:00

Hoje comprei a minha primeira OSRAM de 18 volts, fiquei "fluorescente" da vida. Temi instalá-la...trepei um pé direito de 2, 50 (metros, claro!) com a ajuda de um escadote e com a dificuldade de uma baixa estatura... e estiquei-me, estiquei-me como quem atinge o inatingível. Senti a morte por perto, vi a foice a sair do poliban.
A nós mulheres: valha-nos a "polibalência"!

(image)




Memórias de Inverno II

2007-11-01T00:37:13.508+00:00

Um simples sapato ou um sapato simples? Tudo o que é desprovido de complexidade ou é conseguido de forma natural e tudo o que depende do próximo, é-nos vedado como um atacador de nó consumado. Pedro, o engraxador, esperava que um sapato lhe contasse por onde tinha andado, o que tinha experimentado...que cada marca no couro lhe revelasse as emoções e histórias fantásticas de quem o visita.
- Têm sempre pressa e poucos cá passam...já ninguém engraxa sapatos, perderam o brilho...
- ...nos sapatos?
- Não. Esses, dizem, são o espelho de cada um...mas se estão gastos , baços...sujos...descurados...Nós é que andamos a perder o brilho.
Olha-se e não se vê.
Fala-se e não se sente.
Vive-se e apaga-se.
Está frio, mas descalço-me.



Memórias de Inverno

2007-06-18T00:08:32.735+01:00

Envolvo o corpo numa manta e furo-a com o indicador para agitar a imagem da que outrora foi uma caixa mágica...zap...zap...zap, troco-lhe as voltas, não lhe dou descanso, interrompo tudo e todos, até um simples beijo no plano preferido do cinéfilo. Amanhã descida de temperatura tão intensa que vos congelará a respiração (isto sim, seria uma conspiração meteorológica interessante e não um mero esquema informativo que se repete e que só varia entre subidas e descidas).
Arrisco...sou audaz e levo comigo uma carapaça polar. O dia ainda tem a luz apagada. As árvores de braços erguidos e pontiagudos ferem as nuvens, rasgam-nas...Caminho com cuidado, evito as folhas secas e encarquilhadas, não quero esmagar as suas memórias, não quero sentir aquele som devastador semelhante ao crepitar que elas tanto temem.
Continuo de forma lenta e cuidadosa, o sangue circula devagar. Sinto a agitação cardíaca que me impede de afastar a solidão. O frio torna-nos demasiado conscientes. Estamos tão sós e preservamos tanto o “ser individual” que não temos sobre quem escrever.
Vejo o engraxador, de rosto seco, cheio de coordenadas de uma vida difícil. Curvado e apático aguarda que alguém lhe dê um sapato...é tanto quanto ele espera, um simples sapato.
(continua....)




Pensamentos Higiénicos...

2007-06-05T00:24:44.519+01:00

…é sempre preferível viver num espírito mais caucasiano, num estado de pedra cinzenta e imperturbável…do que tocar numa espécie de felicidade que se segura entre diques frágeis e vulneráveis à próxima tempestade que se avizinha…constante e indesejável.
Serve o inexistente para abanar uma realidade que nos é tão confortável.



Falam...falam...mas vêm todos cá parar

2007-05-31T01:29:43.514+01:00

Não é o centro do Mundo...mas há quem venha jantar de propósito (parece que as cadeiras de C-c-c-c- não são muito confortáveis)...e mais, requerem a presença das moradoras TOP do cdm para que o nível seja total. E por falar em Santos mas Populares lá vem a marcha da "terrinha" em 19º lugar e pelo mesmo deve ficar...devem trazer bifes-na-pedra à cabeça!



Pensamentos Piratas

2007-05-30T00:29:21.863+01:00

Depois de ver a "pirataria", mais um flme demasiado longo, entre as "espadarias" e a natural parvoeira típica destes filmes, notei que:
Os piratas são convertidos a criaturas toscas e simpáticas, a usual defesa do Bem e dos maus serem extintos é aqui convertida à busca da eternidade daqueles que na História foram, não diria bárbaros mas os detentores da arte do saque e da pilhagem.
Não querendo ser destrutiva nos 248 minutos gostei de uma única frase: o Mundo está cada vez mais pequeno, no sentido de não haver espaço para todos, (e alguém responde) não, o Mundo está cada vez mais vazio. Gostei, aplica-se a nós enquanto seres únicos, que vivemos num total individualismo que nos é precioso. Estamos cada vez mais vazios, e tudo toma proporções desmedidas, damos importâcia ao irrelevante, irritamo-nos...criamos problemas na ausência de os ter, sentimos falta de espaço interior...mas na realidade ele está cada vez menos preenchido. É como viver numa casa enorme, sempre vazia e de repente alguém a ocupa, e nesse momento o espaço fica totalmente preenchido. Nós, habituados a viver no vazio, sufocamos na inabilidade claustrofóbica que nos acompanha num estado latente.



O Cosmos organiza-se...

2007-05-31T01:31:01.864+01:00

Estará sempre acima de nós uma condensação combinada à espera do momento exacto...o vento usa os lençóis numa éspecie de dança, embaraça-os na sua sensualidade...e nós, esticamos o tempo...aguardamos na decisão o destino daqueles lençóis, de perfume e rugas írrepetíveis, observamos a elegância dos seus movimentos, escutamos o sussurro de um velejar longínquo...o tempo passa, e não decidimos. É naquele instante que eles terão que ser resgastados, estarão perfeitos...o tempo passa, e não decidimos.
E é exactamente entre o "tempo passa" e o "não decidimos" que o abismo se constrói, à espera que o perfume evapore, que as rugas rasguem a imaculada sensualidade da dança do vento. Podiamos salvar o sublime mas o relógio humano é incerto, arrasta-se entre cordas enferrujadas. Será o Futuro sublime ou uma sublimação?



Lavadeira de cara lavada

2007-05-28T10:22:31.513+01:00

A Lavadeira tem um novo look. Um especial agradecimento à melhor designer do "Centro do Mundo" (gente com muito bom gosto). És grande!
Sim, nem todos vivem em C-c-c-c-c-a.....nide.



Filosofia Tónica

2007-05-25T01:24:04.092+01:00

Há coisas na vida que são como castelos de cartas (por muitos trunfos que se tenha)...basta tirar uma, que caem todas abruptamente e de forma desordenada. Não importa a paciência e o tempo que lhe dedicamos...há sempre alguém que abre a porta e a janela num dia de tempestade.



Compro fim-de-semana

2007-05-27T02:00:12.071+01:00

Tenho sono até à próxima vida. Sinto que arrasto o Universo nos pés. O cérebro mais parece um disco rígido cheio de vírus e não há scan que me valha.
Há quem tome comprimidos para dormir, eu tomaria com todo o gosto comprimidos para acordar. Espero que os meus alunos tenham estudado ou habilitam-se que eu "tire uma sesta" durante a tarde. Com o café que vou beber hoje, mais valia ser accionista da Delta, da Buondi ou da Sical. A Lavadeira deixa hoje a sua roupa em sabonária, não há forças para a esfregar!



I.R.S. - Instituição Reguladora de Sofrimento

2007-05-21T23:44:13.224+01:00

Para terminar o dia em glória, eis que a Lavadeira decidiu fazer as continhas à vida e lançar os dados (uma jogada perdida de uma aposta alta).
Já não aguento estes verdes...recibos...ranhosos...um livreco de merceeiro de papel encarquilhado.
Sempre detestei verdes...cheira-me sempre a fundamentalismo e estes verdes, grupo organizado, enviar-me-ão uma ameaça aterrorizadora no mês de Setembro.
Detesto o mês 9!



Querem praia?Andam a atormentar quem trabalha?

2007-05-20T19:36:02.538+01:00

Ventum seminabunt et turbinem metent.



Domingo, time to be:

2008-12-13T01:21:31.411+00:00

(image)

Fada-do-Lar! Hoje é o dia do aspirador, do Sonasol, da esfregona e todos os indispensáveis à verdadeira "lide" doméstica.
Antes andar na "lide" do que ter que "lidar" com o típico dia de Domingo, que dá no passeio ao "shopping" ou até Belém para o pastelinho de nata.
Depois estarei mais próxima do que nunca da segunda-feira.
Preciso de férias e descanso...como dizem os Nossos.




Zodiac

2008-12-13T01:21:31.627+00:00

(image)
...de David Fincher. Gostei de ver os 158 minutos de filme (podiam ser menos, mas enfim).

As salas do CinemaCity do Campo Pequeno não são arcas congeladoras, não têm o som no volume para utilizadores de sonotone, previnem a ausência de visibilidade com uma possível cabeça de tamanho 58, vendem pipocas e coca-cola...mas ninguém sorve a dita ou mastiga as pipocas de boca aberta. Recomendo vivamente.

Horóscopo do Assassino:
Signo : Sagitário
Amor: nunca foi amado e nunca será
Sorte: teve alguma mas acabou por gastar os créditos
Saúde: problemas graves de coração
Número de azar: 18




Sábado perdido...

2007-05-19T16:15:01.248+01:00

Está sol!Está bom tempo!É Sábado!Tive uma semana terrível de trabalho e a próxima não será melhor!Estou em casa a olhar para as paredes!Os meus amigos estão na praia!O Pai está na marina a ver o mar!Tenho saudades de ir a Sintra ver o mar e comer um travesseiro!Tenho saudades de passear!Tenho saudades do Pai e das nossas saídas divertidas!...ah..um momento...que o telefone toca!
Afinal já não vou passar o Sábado em casa!É tão bom ter bons amigos.



Conversas da minha aldeia...

2007-05-19T15:55:52.450+01:00

Estava eu a tomar o pequeno-almoço e entra um par de humanos de sexo oposto e de aspecto cuidado...de faixa etária de meio século.
Na solidão de um croissant e um café estava atenta ao que me rodeava...
(o cavalheiro)- Ouça quer um pãozinho-de-leite com fiambre?
(a cavalheira)- Pode ser, mas dos redondos com pouca manteiga.
(o cavalheiro)- Olhe, quero um pãozinho-de-leite redondo com fiambre e com pouca manteiga.
(a cavalheira)- Vá, dê uma trinca enquanto espera pela sua tosta. Ah, já viu aquela laranja?
(o cavalheiro)- Ah, que engraçada. Já viu aqueles bolos de chantilly?O Pedro é viciado.
(a cavalheira)- Ah, eu também adoro, mas prefiro aqueles que não têm massa de pastel de nata em baixo.
(o cavalheiro)- Pois eu "tamén", sou igualzinho.

Como é que alguém com ar de casado há trinta anos ainda discute o tipo de pastelaria que gosta?Será falta de comunicação ou ausência de assunto?