Subscribe: Reflexos e Sinais da Alma
http://luissousareflexosdaalma.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
assim  dos  luis sousa  luis  mais  mundo  nos  não  qualquer  ser  sousa “  sousa  tempo  vida    “em “ 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Reflexos e Sinais da Alma

Reflexos e Sinais da Alma





Updated: 2018-03-06T08:33:43.109+00:00

 



Ladrão do Tempo ( excerto)

2016-07-18T19:14:22.895+01:00

(image)


(…) Cada instante é rápido e efémero, a secura é tão grande, e não há terra que amoleça.

O Sentimento, esse fluxo imaterial, é uma fragrância cada vez mais rara, cada vez mais distante no horizonte, e nós, em resposta ao que vemos e percecionamos, respondemos com os olhos poisados no umbigo, ornamentando e fortificando as vedações das nossas pequenas ilhas.

Mas permitir o Sentimento é outra coisa, é assumir que a chuva nos molha por dentro, amolecendo a cartilagem rugosa da nossa distancia, como água que bebemos submergindo a indiferença, o egoísmo, e transmutando-nos para aquele palco, onde nascem pensamentos nutridos por todos os Sonhos.

© Luis de Sousa in “ O Ladrão do Tempo “ - Excerto
All Rights Reserved – SPA – Tencent Inc. – Sparc’s Autor Rights Initiative




2016-03-10T13:17:06.007+00:00

(image)

“… há quem leve a vida inteira a ler sem nunca ter conseguido ir mais além da leitura, ficam pegados à página, não percebem que as palavras são apenas pedras postas a atravessar a corrente de um rio, se estão ali é para que possamos chegar à outra margem, a outra margem é que importa, A não ser, que, a não ser que esses tais rios não tenham duas margens, mas muitas, que cada pessoa que lê seja, ela, a sua própria margem, e que seja sua, e apenas sua, a margem a que terá de chegar…”

José Saramago (A Caverna )




2016-02-25T09:01:39.163+00:00

(image)

A lei da mente é incontornável
O que tu pensas, tu crias
O que tu sentes, tu atrais
O que tu verdadeiramente acreditas
Em ti se torna realidade


Filosofia Budista





2016-02-19T18:14:13.559+00:00

(image)


Eu Acredito, neste Poder Superior que existe no Universo.

Acredito nessa Energia, e acredito nessa Inteligência invisível que nos trespassa, algo muito Superior a esta nossa efémera existência humana.

Eu Acredito que foi esse Poder Superior que Existe no Universo, que um dia lançou os dados e as coordenadas circunstanciais, que congeminaram o nosso Encontro, e os nossos laços que assim perduram.

O que teria sido, que caminho teríamos seguido, se esse Poder e essa Inteligência invisível não nos tivesse colocado no mesmo Caminho?
Pois, ninguém poderá alguma vez, responder a esta pergunta.

Mas o que eu sei, é que és, e serás sempre uma Dádiva, uma tocha acesa, mesmo que por vezes despercebida, que sempre me acompanhou, comigo sempre lutou, e que me tem aconchegado até hoje.

Neste Teu dia, os meus Pensamentos, as minhas Preces silenciosas, pedem somente coisas simples, e ao mesmo tempo, nesta elementar simplicidade, não deixam de ser, majestosas.

No meio das intempéries, no meio das circunstâncias e dos relevos de todas as etapas, a minha Gratidão por seres quem és, e por tudo o que tu representas, será sempre de uma dimensão infinita.

Que o nosso Amor, o Companheirismo, a Perseverança e a Compreensão, nos ilumine, e perdure em nós para todo o sempre.

AMO-TE, MEU AMOR!

Luis de Sousa in “ Para Ti, Amor da Minha Vida “





2016-02-16T18:14:49.171+00:00

(image)

A lei da mente é incontornável

O que tu pensas, tu crias
O que tu sentes, tu atrais
O que tu verdadeiramente acreditas
Em ti se torna realidade


Filosofia Budista




2016-02-09T13:23:17.409+00:00

(image)

Quando as pessoas se reconhecem no outro, e quando o outro através das suas Palavras e dos seus gestos, proporciona o conhecimento e a revelação de coisas que acontecem em nós mesmos, somos gratos e ficamos gratos, pelos novos Olhares que administramos, pelas janelas que abrimos, e pela luz que por elas vai entrando...


Luis de Sousa in “ Dissertações “



A calma e a paz.

2016-02-02T18:37:40.273+00:00

(image)

Quando chega o momento em que a calma e a paz são o nosso mais pretendido horizonte, é porque já conquistamos em nós planícies de muitos mundos, e assim sabemos o valor das coisas que mais queremos.

Luis de Sousa in " Dissertações "




2016-01-28T08:41:32.837+00:00

(image)

(…) Corríamos e saltávamos por cima do capim, olhávamos para o horizonte, e ele era uma linha lá longe feita de cores, tonalidades e brilhos.
Éramos pássaros de asas leves e livres, preenchidos de uma substância cujo nome não sabíamos definir, mais tarde soubemos, chamava-se magia, ela era tanta, tão intensa e transbordante, tanto quanto a gente corria.
Conhecemos o azul mais azul de todos os céus, o avermelhado mais extasiante de que qualquer outro sol poente, as areias brancas e finas peneiradas pelo vento, e aquele cheiro intenso, a iodo do mar, que invadia de sabor o nosso respirar, e isso, despertou em nós o início de uma viagem, uma viagem silenciosa que nos agarra e se prolonga pelo tempo, povoando os poros mais recônditos da nossa alma, concedendo uma única certeza, a de amar verdadeiramente, aquele único lugar.


Luis de Sousa in excerto de “ Mil e uma estradas “




Os Famintos ( excerto)

2016-01-26T14:11:38.107+00:00

(image)

(...) Para haver vida, é necessário digerir a água e lavar os olhos,
vibrar as cordas de todos os sentidos, dar aso à cascata, que é só o tropeço, o passo esquecido desse rio profundo das emoções.
Desejar e sentir, que tudo isso aconteça, até que dentro do nosso corpo, anoiteça.
Talvez sejamos só invólucros, peças cambiantes feitas de tecidos orgânicos,
transportando ferramentas, que são pensamentos, sonhos, vontades erguidas, asas caídas e desilusões.
Tudo isto é mergulho, entulho e convulsão em cada estágio, seguido de continuidade, que se torna planície, depois a escada, de uma outra etapa.
Mas continuamos, apesar dos sorrisos, dos acenos, dos gestos cativos, por vezes até felizes viajando no dorso de uma ave, outras, caminhamos imbuídos de uma coisa intratável, inexplicável, talvez perdidos, tremendamente sozinhos e solitários.

Luis de Sousa in excerto de “ Os Famintos “




Excerto de " Os Famintos "

2016-01-20T18:09:10.745+00:00

(image)


Mariano Donato estava cansado, segurou carinhosamente os braços de Lucília, e mergulhando naqueles grandes olhos amendoados, castanhos, cor de avelã, disse-lhe;

- O mundo está cada vez mais líquido e efémero, e este não é o meu mundo.
Eu quero outras coisas, quero deixar-me ficar com esta chuva sem tréguas e este remoinho de vento que nos faz mais vivos, quero guardar para sempre a infinita maciez da tua pele, reencontrar-me na profundidade e no cheiro do teu corpo, sentir o êxtase de todos os teus prazeres, guardar-te nos meus contrastes, nos pigmentos que emolduram o teto côncavo da minha vida, e onde eu estiver, num lugar qualquer, serás sempre o meu gesto, a razão da minha sobrevivência, e a miragem indescritível, que os meus olhos inventam.

Lucília escutou, sorriu, e chorou.

***
Luis de Sousa - excerto de “ Os Famintos “





ESTÁ EM QUALQUER LUGAR

2016-01-17T15:16:39.259+00:00

(image)


O que procuro,
Não está nesta pressa, nesta velocidade
Não tem a ver, com deixar de ser jovem
Ou ter mais idade
Não está neste padrão, nesta imposição
Nesta constante aceleração
Ou na vertigem da cidade

O que procuro, está no vagar
No tempo a soletrar
No sentido verdadeiro de estar
Nos sinais da espiritualidade
Nos sentimentos que se instalam
Na pausa, onde espraio o meu olhar

O que procuro, está em qualquer lugar
Num pensamento que se acende
No diálogo que me seduz
Na palavra fecunda
Numa frase profunda
Naquele saber que traduz
O verdadeiro feitiço mágico da luz


Luis de Sousa in “ Está em qualquer lugar “
Em “ Poemas Rasgados “





Ser, outra vez

2016-01-13T08:42:02.227+00:00

(image)


SER, OUTRA VEZ


Tantas vezes
Queria voltar a ser criança
Perder esta adulta ignorância
Queria voltar a ter
Aquele olhar, aquela forma de estar
Onde não há memória
De qualquer dura lembrança

Queria sentir a leveza
Voar na fantasia
Abrir asas, ser albatroz
Planar, na onda térmica da melodia
Ser mágico brilhante
Nos eventos da minha magia

Sentir o sorriso quente
Inventar reinos, desvendar mundos
Em qualquer chama reluzente
Ser puro, ser novamente inocente
Regressar ao olhar limpo
Chegar ao outro lado do mundo
Abraçado, ao sol poente

Pois, é assim tantas vezes
Este desejo, de voltar a ser criança
Brincar com a terra
Encher-me de areia
Sentir-me livre
Estar longe, de qualquer teia
Abrir o coração
Acariciar a vida
Desbravar o chão, como quem semeia


Luis de Sousa in “ Ser, outra vez “
Em “ Poemas Rasgados “






2016-01-11T09:41:24.089+00:00

(image)

“Depois de tantas noites, tantas madrugadas gastas e vividas, de tantas tertúlias incandescentes e conseguidas, ele continuava imerso nas suas divagações mal geridas, mas, o que ele mais se encantou, e o que ele aceitou e se entregou, não foi a sedução da carne ou o apelo do sexo, foi aquela poesia de estar e de viver, aquela forma sublime única e perfumada, que forja o papel que embrulha o sentido da vida, que naquela mulher povoada de loucura, ele encontrou. “

Luis de Sousa in excerto de “ O regresso “
Em “ vozes que vêm de dentro “




Nos fragmentos dos dias

2016-01-07T08:51:23.705+00:00

(image)


Nos fragmentos dos dias, em que se repetem um pouco por todo o lado, ressonâncias de ruídos e sinais de várias ausências, compreende-se cada vez mais, a imperativa necessidade do encontro connosco mesmo. Não por uma questão de distanciamento do mundo ou dos outros, mas na demanda e na busca desse lugar interior, o nosso centro, aquele espaço único dentro de cada um de nós, onde com o vagar do tempo e a sabedoria da persistência, se tecem os fios da serenidade, pois só assim, é possível alicerçar o sentido do essencial, e empreender uma relação mais serena com todas as coisas.


Luis de Sousa in “ Imerso na bruma “




Ecos do Tempo

2016-01-06T08:42:03.184+00:00

(image)


Desloco-me
Na asa dos pensamentos
Alcançam-me
Poderosos ventos
Íngremes
São estes momentos

Quebro-me
Nos ecos do tempo
Rasgo-me
No fustigar do vento
Assim resisto
Como vinha que perdura
Em terras de xisto

No abraço eternizado
Explodes-me o peito
O beijo vertiginoso
Em alucinado efeito

Lembras-me, a vastidão
A planície e a montanha
A água, o mar e o rio
O fogo deslizante
A alquimia, em total combustão



Luis de Sousa in “ Ecos do Tempo”
Em “ Poemas Rasgados “





Todos os Anos

2016-01-04T16:01:56.590+00:00

(image)


Todos os anos a mesma coisa, os mesmos rituais em manifestações de alegria,
o mesmo recitar de desejos para um novo ano neste lado privilegiado do mundo, onde existem luzes e sinais de imensa fartura, fogos de artifício de estonteante beleza, numa noite em que todos nós ao sabor da vertigem adocicada de vinhos e champanhes, cometemos os nossos pequenos ou grandes excessos, sintomas de prazer, talvez desejos de fuga, emoções escondidas ou vontades de simplesmente esquecer.

Nestes ciclos em que termina um ano, dando início a um outro, sou sempre invadido por múltiplos sentimentos que entre si se digladiam.

Se por um lado, coloco a esperança como semente para a fertilização de coisas melhores, por outro, é um sentimento claro de que o tempo na sua magnitude omnipresente não para, reduzindo o nosso tempo como caminhantes terrenos, reduzindo o tempo dos que mais amamos, subtraindo assim os dias em que com eles partilharemos todas as magias da vida.

Nesta conjunção de realidades, todas as passagens de ano são assim para mim, um misto de maior tomada de Consciência de tudo, entre a Esperança do que é a renovação traduzida em novos ciclos de vida, e a noção clara ditada pelo tempo, de tudo o que vamos perdendo.



Luis de Sousa em “ Reflexões “



Desejos

2015-12-26T22:07:03.463+00:00

(image)


São gotas de orvalho
Em desfiladeiros escondidos
Fórmulas de sonhos
Em planícies floridas

São riachos
De pensamentos líquidos
Curvas de desejo
Que se guardam no tempo

São vertigens
Vapores inebriantes
Descobertas alucinantes
Que eu em ti invento



Luis de Sousa in “ Desejos “
Em “ Poemas Rasgados “




Máscaras

2015-12-24T17:28:53.661+00:00

(image)


A gentileza
A amabilidade
A afabilidade
A reciprocidade
A integridade
A Verdadeira essência de ser

Está
Ou não está
Em cada pessoa

Nenhuma rede social
Ou nova tecnologia
Repõe
Valores fundamentais
A quem quer que seja


Luis Sousa in “ Máscaras “
Em “ Olhares percetíveis “



Eu, criança

2015-12-23T18:55:13.173+00:00

(image)


Em criança, inventava odisseias
Contemplava o céu
Na cinza das nuvens
Emergiam
Contornos de deuses

Tecia viagens
Via miragens
Era sopro
Suspiro leve de vento
Assim eternizava
O lastro
Do meu tempo

Depois,
Edifiquei o corpo
Somei idade
Caiu a inocência
Daquela liberdade

Agora,
Nestes dias que já são outros
Ainda guardo na mão
A eterna ranhura
Aquele feixe de luz
Que me inspira


Luis de Sousa in “ Eu, criança “
Em “ Poemas rasgados “




Woman

2015-12-22T20:29:37.042+00:00

(image)


O sorriso
É o marulhar das ondas
Que afagam a areia do corpo

O olhar
Criador de estrelas
Que abrem os pórticos
Que transformam a alma

A pele
Dunas do deserto
De aromas cristalinos
Que eternizam o espírito


Luis de Sousa in “ Woman “
Em “ Vozes que vêm de dentro “







Palavras

2015-12-21T18:53:28.852+00:00

(image)

Palavras

São silhuetas
Que se acendem
Nas inúmeras viagens
Do meu pensamento

Não querendo perdê-las
Escrevo-as
Guardo-as
Em pequenos instantes
Dos meus sentidos

Nessa simbiose
Nessa lava
Nessa erupção

Abrem-se caminhos
Inventam-se trilhos
Que me descobrem
Na curva
De um qualquer momento


Luis de Sousa in “ Palavras “
Em “ Vozes que vêm de dentro “




Dissertações

2015-12-19T10:12:34.977+00:00

(image)


De repente
Dei-me conta
Do meu alheamento
Olhar perdido no firmamento

Encontrava-me na penumbra
Envolto em dissertações
Encruzilhadas
De vagos pensamentos

Coisas minhas
Imaginando melodias
Aprofundamentos
De outras vias

Divagando
Consolidando enredos
Uma espécie de mago
Criando
Suas próprias alquimias



Luis de Sousa “ Dissertações “
Em “ Vozes que vêm de dentro”




Na Órbita do Mundo

2015-12-17T18:16:31.905+00:00

(image)


Yasmin estava desolada, durante três dias não saiu de casa, o mundo parecia ter perdido as suas cores, e não havia nada que fizesse acender qualquer estrela no seu coração.

Isaac Farouk, abraçou-a, e durante algum tempo assim permaneceram juntos, unidos pelo maior laço de todos os amores, aquele milagre vitalício, que enlaça pais e filhos.

Com a sua voz calma e serena, disse-lhe;

- Minha filha, a maior armadilha de todas, é a armadilha da desilusão, quando esperamos dos outros, o preenchimento dos espaços vazios que habitam a nossa morada.
Esses espaços vazios são só nossos e de mais ninguém, são como mares revoltos onde aprendemos a nadar.
Com as braçadas do tempo, vamo-nos tornando seres salinados e aquáticos, como peixes ou estrelas-do-mar. Esses mares outrora revoltos, parecem reconhecer-nos, tendo assim tendência a acalmar.

Palavras sábias que Yasmin bebeu, como se aquela água pura e límpida feita de palavras, fossem gotas miraculosas, que por vezes salvam a vida de um qualquer naufrago.

Para Yasmin, a vida começara a mostrar-lhe outras faces, a realidade impunha-se cada vez mais, e de forma cruel e avassaladora, essa realidade ia conquistando dia a dia mais espaço à utopia dos seus pensamentos. O mundo ia deixando de ser o jardim encantado que foi construindo e criando na sua imaginação, mostrando as suas farpas, as suas incongruências, e todas as suas contradições.




Luis de Sousa in excerto de " Na Órbita do Mundo"
em " Vozes que vêm de dentro"





Oásis

2015-12-16T14:53:44.607+00:00

(image)


Neste lugar, invadem-nos coisas simples, imagens primordiais, sinais, expressões e profundidades, abrindo as portadas da contemplação, convocam-se assim olhares demorados, pausas intencionais, degustação dos instantes, e no espelho sereno acontecem apaziguamentos, anunciado prenúncio de tréguas interiores.


Luis de Sousa in excerto de " Oásis "
em " Vozes que vêm de dentro "




Procurando-me

2015-12-15T16:56:46.477+00:00

(image)



Nas mãos das árvores
Encontro as sombras
Que quebram a noite

Nas encostas do vento
Descubro as dunas
Que formam
O sopro do tempo

Na tua margem
Encontro o sentido
Que me faz resistir
A tudo
Que não me revejo
Neste mundo



Luis de Sousa in “ Procurando-me “