Subscribe: Um amador da Natureza - 2
http://umamadordanatureza.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade A rated
Language:
Tags:
dia  dos  este  foi  mais  não  papoila  temperatura máxima  temperatura mínima  temperatura  valor  valores  °c   
Rate this Feed
Rating: 3.4 starRating: 3.4 starRating: 3.4 starRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Um amador da Natureza - 2

Um amador da Natureza - 2



Amador ...que ou o que ama ...que ou quem se dedica a uma arte ou um ofício por gosto ou curiosidade, não profissional ...que ou aquele que ainda não domina a actividade a que se dedicou, revelando-se inábil, incompetente



Updated: 2017-11-23T14:53:25.754+00:00

 



Bufa de velha

2017-11-21T23:04:57.585+00:00

No final de Agosto, de um Verão seco e quente, apareceu debaixo do único carvalho que o terreno tem,  este cogumelo conhecido pelo nome de bufa de velha (Pisolithus tinctorius (Pers.) Coker & Couch (1928) ou Pisolithus arhizus (Scop.) Rauschert (1959)).

Desconhecia semelhante espécie, as fotografias mostram a fase inicial e a fase final, em que quase se cofunde com a terra.

Segundo a Wikipedia :
 Pisolithus tinctorius é também um dos maiores componentes nas misturas produtoras de micorrizas utilizadas em jardinagem e horticultura como estimulantes do desenvolvimento radicular



Dedaleira

2017-06-13T12:53:18.895+01:00



A dedaleira, Digitalis purpurea L. bem documentada aqui,



Embalagem ecológica

2017-05-30T12:07:35.883+01:00

Folha de couve, junça para uma dúzia de pés de segurelha anual (Satureja hortensis L)




Sophia de Mello Breyner

2017-04-25T14:25:07.637+01:00





Amora negra

2017-04-19T17:31:13.973+01:00

As Amoras negras (Morus nigra, L.) estão quase boas para começar a comer.As soroses, nome dado a este tipo de fruto, ainda estão muito ácidas, mas a cor já promete.São muito ricas em vitamina C .Amora Negra Refrão: Minha amora negra, minha flor silvestre Toda a gente soube que um beijo me deste. Um beijo é desejo a ninguém se nega Minha flor silvestre minha amora negra. Eu vi-te de manhãzinha Pela tarde te falei. O que dissemos à noite O que dissemos à noite A ninguém o contarei. Refrão Peço a Deus que me leve Para longe esta afeição. Tudo nasce e tudo morre Tudo nasce e tudo morre Só este amor é que não.Refrão  Adélia Pedrosa canta "Moda da Amora Negra", de Resende Dias e José Guimarães http://adeliapedrosa.blogspot.com[...]



Boletim Climatológico, Março 2017

2017-04-19T20:00:26.708+01:00

Dados do IPMA

Março 2017



Tempo quente em Portugal continental

2017-04-14T18:29:25.608+01:00

IPMA 12/4/2017 


O período 1 a 11 de abril 2017 caracterizou-se por valores altos da temperatura máxima, muito superiores aos valores normais para este mês.
No período de 1 a 11 de abril, em Portugal Continental, os valores médios da temperatura máxima, média e mínima do ar foram de 23.9°C, 15.9°C e 7.9°C, respetivamente. A estes valores corresponderam anomalias de +5.7°C, +2.7°C e -0.2°C relativamente aos valores médios no período 1971-2000. Em particular, os valores de temperatura máxima estiveram persistentemente muito acima do normal desde o dia 2.
O dia 11 foi o mais quente, com o valor de 18.9°C de temperatura média, seguido do dia 10, com 18.6°C. Relativamente à temperatura máxima, no dia 11, o valor médio em Portugal continental foi o mais alto do período, 28.0°C, superior aos 26.7°C do dia 10. No caso da temperatura mínima o valor médio no país no dia 10 foi superior ao do dia 11, 10.2°C e 9.8°C, respetivamente.
De realçar que nos dias 10 e 11 de abril valores de temperatura máxima superiores a 25°C (dias de verão) observaram-se em cerca de 87 % do território; valores de temperatura máxima superiores a 30°C (dias quentes) registaram-se no dia 10 em 6 estações da rede do IPMA; nestes locais a temperatura mínima variou entre 6.8°C (Cabeceiras de Basto) e 9.3°C (Pinhão). No dia 11 observaram-se dias quentes em 15 estações; nestes locais a temperatura mínima variou entre 5.0°C (Coruche) e 10.5°C (Coimbra/Bencanta).
No dia 11 foi registado o maior valor da temperatura máxima, 32.5°C, em Mora e o maior valor da temperatura mínima, 15.9°C, em Portalegre. Neste dia apenas em mais 3 estações (Lisboa, Lavradio e Proença-a-Nova) os valores da temperatura mínima foram superiores a 15°C. No dia 2, em Miranda do Douro ocorreu o menor valor da temperatura mínima, -1.2°C.
Durante este período quente, destaca-se a ocorrência de uma onda de calor que abrange quase todo o território (exceção para o Algarve e alguns locais das regiões do litoral ocidental) cuja duração, a 11 de abril, varia entre 9 e 10 dias; de acordo com os valores previstos de temperatura máxima, esta onda poderá prolongar-se por mais alguns dias, em particular nas regiões do interior.
Nos últimos 7 anos verificaram-se períodos muito quentes na primeira quinzena de abril nos anos de 2011, 2014 e 2015.



Evgueni Ievtuchenko

2017-04-03T15:11:02.088+01:00

A Metade Não Quero de Nada

A metade não quero
de nada.
Dê-me o céu todo.
Toda a terra.
Os mares e os rios, as torrentes das montanhas.
são meus. Não os divido.
Não me seduzirás a vida,
com uma parte.
Tudo por inteiro. Eu poderia com tudo.
Não quero nem parte da felicidade
nem parte da dor.
Quero sim, a metade do travesseiro
donde, emplastro a tua face
como uma pobre estrela fugaz,
brilhando no anel do teu dedo...

(1932 - 1/4/2017)

(tradução: Gilfrancisco)



Canela

2017-03-31T11:53:08.153+01:00


Cinnamomum zeylanicum J.Presl

E se buscando vás mercadoria
Que produze o aurífero Levante,
Canela, cravo, ardente especiaria
Ou droga salutífera e prestante;
Ou se queres luzente pedraria,
O rubi fino, o rígido diamante,
Daqui levarás tudo tão sobejo
Com que faças o fim a teu desejo.





Pimenta

2017-03-28T12:01:42.005+01:00


Piper nigrum L.

Toda a estrofe 14 do canto IX

Leva alguns Malabares, que tomou
Per força, dos que o Samorim mandara
Quando os presos feitores lhe tornou;
Leva pimenta ardente, que comprara;
A seca flor de Banda não ficou;
A noz e o negro cravo, que faz clara
A nova ilha Maluco, co a canela
Com que Ceilão é rica, ilustre e bela.



Camões

2017-03-27T15:11:03.671+01:00

Em Constância, Vila Poema, um jardim a visitar




Inverno passado

2017-03-21T12:07:34.003+00:00

Inverno 2016/2017 Fonte (IPMA - 20 Março 20179



Salir do Porto

O inverno 2016/2017 (Dezembro, Janeiro e Fevereiro) em Portugal Continental classificou-se como normal em relação à temperatura e seco quanto à quantidade de precipitação.
A temperatura média no trimestre foi de 9.91°C, superior em +0.30°C relativamente ao normal. O valor médio da temperatura máxima, 14.86°C, foi superior ao valor normal, com uma anomalia de +1.06°C, sendo o 4º valor mais alto desde 1931. O valor médio da temperatura mínima do ar, 4.95°C, foi inferior ao valor normal, com uma anomalia de -0.48°C.
O valor médio da quantidade de precipitação no trimestre dezembro-fevereiro, 242.5 mm, foi inferior ao valor médio correspondendo a 69 % do valor normal.
De destacar no inverno de 2016/2017:
•    No dia 19 de janeiro foram ultrapassados os anteriores maiores valores absolutos da temperatura mínima do ar em estações meteorológicas automáticas com séries de cerca de 20 anos;
•    Entre 14 e 26 de janeiro observou-se uma onda de frio com duração de 6 a 12 dias, em alguns locais das regiões do Centro e litoral da região Sul;
•    Entre os dias 1 e 4 de fevereiro ocorreram valores de rajada superiores a 100 km/h em alguns locais das regiões Norte e Centro. O valor mais elevado ocorreu na estação meteorológica da Guarda às 04:20 UTC, 129.6 km/h, valor que ultrapassou o anterior máximo (129.2 Km/h em 23 de janeiro de 2009);
•    Inundações no dia 11 de fevereiro no sotavento Algarvio, e em particular no concelho de Vila Real de Santo António. Valor máximo em 1h de 57.8 mm entre as 18 e 19 UTC;
•    Queda de neve em todos os meses do trimestre sendo de realçar o dia 19 de janeiro com relatos de queda de neve fraca no sotavento algarvio (S. Brás de Alportel e Serra do Caldeirão);
•    No final de dezembro 78% do território estava em seca fraca; final de janeiro 95% do território em seca fraca e 3% em seca moderada; final de fevereiro diminuição significativa da área em seca, ficando apenas 57% do território em seca fraca.



Prima veranum

2017-03-20T15:12:17.357+00:00

 No império romano, a contagem das estações do ano era diferente da actual.Para os romanos existiam só duas estações, uma longa e outra curta, a curta era a que corresponde ao nosso Inverno, a longa corresponde ao que que hoje é a Primavera, Verão e Outono e tinha o nome de Verão (Veranum, se não me engano) e a Prima Vera(num)é assim o primeiro Verão.Penso que esta é a explicação para esta passagem da Bíblia Reparai na figueira e nas restantes árvores. Quando começam a deitar rebentos, ao vê-los, ficais a saber que o Verão está próximo.Lucas 21,29-33.O início da primavera em 2017 ocorre a 20 de março, às 10h29.Esta é a hora do equinócio da primavera, ou seja, o instante exato em que começa a primavera.Equinócio da PrimaveraEntende-se por equinócio da primavera o momento em que o sol cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre que é projetada na esfera celeste). Quando este acontecimento decorre em março, ele recebe o nome de equinócio da primavera no hemisfério norte.[...]



Violetas

2017-03-17T16:49:00.521+00:00

 Viola Canina L.
 
A VIOLETA MAIS BELA QUE AMANHECE
Soneto CXIX

A violeta mais bela que amanhece
No vale, por esmalte da verdura,
Com seu pálido lustre e formosura,
Por mais bela, Violante, te obedece.

Perguntas-me por quê? Porque aparece
Em ti seu nome, e sua cor mais pura;
E estudar em teu rosto só procura
Tudo quanto em beldade mais floresce.

Oh luminosa flor! Oh sol mais claro!
Único roubador de meu sentido,
Não permitas que Amor me seja avaro.

Oh penetrante seta de Cupido!
Que queres? Que te peça, por reparo,
Ser, neste vale, Enéias desta Dido?
 LUIZ VAZ DE CAMÕES
In Obras de Luíz de Camões (Vol. II), 1861
Pelo Visconde de Juromenha

NOTA:
1. ortografia atualizada



Boletim Climatológico, Fevereiro 2017

2017-04-19T19:58:53.215+01:00

Dados do IPMA

Fevereiro 2017



Papoila (s)

2017-03-14T11:31:46.859+00:00

A nossa papoila comum ou papoula (Papaver rhoeas L.) insiste em cada ano antecipar-se à data de floração, estipulada nos antigos livros, devia florir entre Abril – Maio.Na literatura aparece com outros nomes, como papoila-das-searas, papoila-dos-cereais, papoila-ordinária, papoila-vermelha, papoila-vermelha-dos-campos. Além dela outras papoilas são referenciadas, na literatura portuguesa e brasileira, como tal, embora algumas sem parentesco próximo, comum.papoila-da-califórnia – globo de sol  - Eschscholtzia californica,Cham.papoila-das-praias – papoila-pontuda -glaucia, Glaucium flavumpapoila-de duas-cores – rosa-louca, Hibiscus mutabilispapoila-de-espinho – papoila-do-méxico -papoila-espinhosa - cardo-santo, Argemone mexicana.papoila-de-holanda – dormideira-dos-jardins, Papaver nigrum.papoila-do-são-francisco – cânhamo-brasileiro, Hibiscus cannabinus.papoila pelada – Papaver somniferum.(fonte Dicionário Houaiss).[...]



Os poetas hipocritas

2017-03-13T18:21:00.141+00:00



Frios hipócritas, não faleis dos deuses!
Vós sois tão razoáveis! não acreditais em Hélios,
Nem no Tonante e no Deus do Mar;
A Terra está morta, quem quer agradecer-lhe? ─

Confiança, Deuses! pois ornais a canção,
Inda que dos vossos nomes a alma já se foi,
E quando é precisa uma grande palavra,
Mãe Natureza! é em ti que se pensa.


Poemas, de Hölderlin, trad. Paulo Quintela, Relógio d’Água, 1991



Tubo de ensaio

2017-03-11T16:38:13.735+00:00

Sintra 2016

Árvores do Canadá, uma por uma,
A caminho de Otawa, de autocarro,
Propõem seus galhos hibernais ainda
À minha angústia já primaveril.
Com tão pouca matéria a fotossíntese,
Que oxigénio de amor espero eu delas,
Com que carbono as poderei amar?
Porque, enfim, eu morrendo dou-me aos bosques,
A tal selva de Dante é a dor da espécie,
E o mezzo dei camin aqui passar.
Só é estranho que fracos pensamentos
Eu verta nestes tubos de ensaiar:
Eu, que, por causa de Escherichia Coli,
Quase não sei (como se diz?) — meiar...
A Poesia é um louco laboratório,
E eu dispo a bata para não chorar.


(Os 3 últimos poemas in Poesias de Vitorino Nemésio, por Maria Madalena Gonçalves. Lisboa: Comunicação, 1983.)



Folhado

2017-03-10T20:24:21.259+00:00

A anunciar a Primavera, folhado, Viburnum tinus L.O fruto é uma pequena drupacarnuda, ovóide, de cor azul-metálico brilhante primeiro, depois negro com 5 a 7 mm de comprimento, coroado pelo cálice. Frutifica no final do Verão e durant o Outono. Os frutos permanecem na planta durante algum tempo; não são comestíveis. Em tempos idos os seus frutos eram usados como purgante. Quanto às folhas, muito amargas, em infusão eram usadas como febrífugo (combate a febre). Resistente à poluição urbana.Espontâneo em climas mediterrânicos, tanto aceita os solos ácidos como básicos, com preferência por solos ligeiros, frescos e ricos em húmus. Suporta um certo ensombramento em galerias ribeirinhas e matas frescas e sombrias.Possui um crescimento rápido em jovem, abrandando com a idade. Atinge a maturidade por volta dos 10 anos e vive para além dos 40 anos.  Encontra-se normalmente em altitudes baixas, mas como tolera temperaturas negativas (até -15°C), pode ocorrer até 1200 m.  Propaga-se por semente, por estaca, renova bem pelo cepo, ou por mergulhia.É bastante tolerante à poda, regenerando rapidamente, mesmo dos ramos velhos. Endémico na Região Mediterrânea ocidental: Sul da Europa, Norte de África e Ilhas atlântica. Em Portugal ocorre nas regiões sul, centro, vale do Douro e arquipélagos.Adaptado de Árvores de Portugal [...]



Planta de Jade, variações...

2017-03-09T23:19:00.792+00:00

Já aqui falei de Planta de Jade,novos desenvolvimentos, embora ainda dúvidas na classificação. A planta de jade, Crassula ovata (Miller) Druce (1917), é uma planta suculenta nativa de Moçambique e da Africa do Sul, adapta-se bem a muitos ambientes e necessita de pouca água.Embora apareça como sinónimo em muitas referências, a planta que intitulo, Crassula portulacea Lam., apresenta as folhas normalmente enroladas. O seu desenvolvimento é idêntico à C. ovata, Não consegui destrinçar qual a classificação actual desta planta.Os Khoikhoi, povo sul africado nómada que se dedica à pastorícia e outros africanos usam as raízes para alimento, ralam e cozem, com leite grosso. Usam folhas para fins medicinais. As folhas são fervidas em leite e usadas para tratar calos, como um purgante e para as diarreias. Há referência da sua utilização contra a epilepsia.[...]



Marmeleiro do Japão

2017-03-10T15:33:14.106+00:00

O marmeleiro do Japão, Chaenomeles japonica (Thunb.) Lindl.ex Spach, que dá poucos e pequenos frutos, mas é um espectáculo a anunciar a Primavera.[...]






Jean -Luc Godard

2017-03-06T15:33:57.746+00:00

Quando o pai do pai do meu pai tinha uma tarefa difícil de executar, ia a um certo lugar na floresta, fazia uma fogueira… e mergulhava numa prece silenciosa. E o que tinha a fazer era feito.  Quando o pai do meu pai se confrontou com a mesma tarefa, ia ao mesmo lugar na floresta e dizia: ‘Já não sabemos acender a fogueira, mas ainda sabemos a prece’. E o que ele tinha a fazer foi feito.  Mais tarde… Quando o meu pai se confrontou com a mesma tarefa, também ele foi à floresta e disse: ‘Já não sabemos acender a fogueira. Já não conhecemos os mistérios da prece, mas ainda sabemos o lugar exacto na floresta, onde tudo acontecia. E isso deve bastar’. E foi o suficiente.  Mas quando me deparei com a mesma tarefa, fiquei em casa e disse… ‘Já não sabemos acender a fogueira. Já não sabemos as preces. Já nem sabemos onde fica o lugar na floresta. Mas ainda sabemos contar a história’ Jean-Luc Godard, Hélas Pour Moi [1993][...]



Darwin, Huber, as azedas, os piolhos e as formigas

2017-03-05T15:46:46.839+00:00

 Azeda - Rumex sanguineus LEntre os exemplos que conheço de um animal que executa um ato com o fim único aparente de este ato aproveitar a outro animal, um dos mais singulares é o dos pulgões, que cedem voluntariamente às formigas o líquido açucarado que segregam. Foi Huber que primeiro observou esta particularidade, e os fatos seguintes provam que este abandono é muito voluntário. Depois de ter tirado todas as formigas que cercavam uma dezena de pulgões colocados numa planta de Rumex, impedi durante algumas horas a aproximação de novas formigas. Ao fim deste tempo, convencido de que os pulgões tinham necessidade de excretar, examinei-os à lupa, em seguida procurei com um cabelo acariciá-los e irritá-los como fazem as formigas com as antenas, sem que qualquer deles excretasse fosse o que fosse.Deixei depois chegar uma formiga, que, na precipitação dos seus movimentos, parecia consciente em ter feito um precioso trabalho; começou logo a palpar sucessivamente com as antenas o abdômen dos diferentes pulgões; cada um destes, a este contato, levantava imediatamente o abdômen e excretava uma gota límpida de líquido açucarado que a formiga absorvia com avidez. Os pulgões mais novos faziam o mesmo; o ato era, pois, instintivo, e não o resultado da experiência. Os pulgões, segundo as observações de Huber, não manifestam certamente qualquer antipatia pelas formigas, e, se estas faltassem, acabariam por emitir a secreção sem o seu concurso. Mas, o líquido sendo muito viscoso, é provável que seja vantajoso para os pulgões o serem desembaraçados dele, e por isso o não segreguem para simples vantagem das formigas.in  DARWIN, Charles. A Origem das Espécies, no meio da seleção natural ou a lutapela existência na natureza, 1 vol., tradução do doutor Mesquita Paul.pag. 276[...]



História...

2017-03-07T16:03:50.732+00:00

Prefiro, embora reconheça as contradições e a heterogeneidade do real ou do comportamento humano, tentar descobrir, por detrás delas, as harmonias resultantes dessa espécie de fantástica sinfonia que é a História, feita da incomensurável mistura de elementos de toda a espécie, tão dispersos e contraditórios como a própria vida, mas de cuja rede infinitamente complexa é fascinante procurar os eixos, os encontros e desencontros, os paralelismos e as divergências. As secretas regras da composição não se poderão reduzir, nunca, creio, a nenhum sistema válido, a nenhuma gramática definitiva, mas procura-las e dizer o que julguei descobrir é tão apaixonante como o prazer de viver.José Mattoso, A escrita da História – teoria e métodos, Editorial Estampa, 1997[...]