Subscribe: Transitórios
http://transitorios.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
ainda  big things  big  está  foi    mais  mesmo  minha  muito  não  pra  quando  sem  things big  things  vida 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Transitórios

Transitórios





Updated: 2015-09-17T07:09:22.238+02:00

 



Fechando a casa.

2010-07-08T10:12:55.081+01:00

Eu acho que o Transitórios está meio desaparecido do mapa por uma questão conceitual. Transitórios foi criado por mim em 2006 para dar uma perspectiva da minha vida em trânsito. Foi criado antes mesmo de virar blog, quando eu fui pra Londres, em 2004, e de lá enviava umas mensagens coletivas já com este prisma. Entre 2005-2006, em Moçambique a vontade de me comunicar com o Brasil com notícias e idéias sobre meu transitar se tornou ainda mais pulsante. Afinal eu estava pela primeira vez na África, com seu cheiro e cores e luzes tão particulares. Continuei transitando e vim pra Namíbia, ainda muito inspirada. Mas após 4 anos aqui, a vida se tornou normal. Demais. Não que tenha se tornado estagnada, muito pelo contrário. Marido, filha, cachorros, trabalho, tudo isso se assentou. E então a necessidade urgente e demandante de transitar sumiu de dentro de mim. E aos poucos o Transitórios se tornou o blog que dava notícias da Julia, das tardes de domingo na horta, e das excitações profissionais. Quer dizer, deixou de se relacionar com seu conceito inicial, perdeu o eixo, e aos poucos foi ficando vazio, desatualizado, antigo.

É a partir desta constatação que eu decidi fechar o Transitórios. Me perdoem os que ainda são leitores (se ainda existem), mas acho que será mais justo comigo, pois não fico me sentido culpada por não atualizar a casa, e com vocês, pois não fica a sensação de abandono.

Este é o último post e marca também alguns passos importantes no meu transitar. Este ano está tomado de planejamentos de longo prazo – que muito diferem de trânsito. Primeiro, estou grávida, em dezembro teremos novo filhotinho (ou filhotinha). A família aumenta e a vontade de assentar é ainda maior. Além disso, estamos focados em fazer um novo e derradeiro trânsito – derradeiro por um tempo, ao menos. Estamos nos organizando pra mudar pra o Brasil em 2011. Ainda não temos certeza de quando, exato, ou como, mas muito provavelmente acontecerá.

Transitórios merece descanso após 4.5 anos de postagem. Quem sabe o fato de estar próxima dos que amo faça nascer outro blog – ou outra forma de comunicação – nesta que será uma nova etapa na minha vida.

Obrigada a todos que participaram de alguma forma, me comunicar com vocês sempre foi minha inspiração.


--
p.s O blog Bicicleta-Bicycle-Ombasikela continuará ativo enquanto eu tiver o que documentar sobre o processo de desenvolvimento de linguagem de minhas crias. Por ora, acontece.



Somos um dos finalistas do Ashoka Changemakers!

2010-06-03T12:15:02.476+01:00

Nosso trabalho com foco no empoderamento de namibianas é um dos 10
finalistas do concurso Ashoka Changemakers "Women | Tools | Technology
Challenge"!!

Com seu voto podemos ser um dos 3 vencedores! Vote aqui.

Para conhecer um pouco mais sobre nosso trabalho:
Fotos e site da BEN Namibia.

Contamos com seu voto! Espalhe para seus amigos e contribua para que
continuemos fazendo diferença!



Confesso.

2010-04-19T20:43:11.018+01:00

Segunda-feira, 8:30 da noite em Okatana, uma vila no norte da Namíbia. Segunda-feira, meio cansada, longe da família, mas confesso - estou eu aqui, dançando The Cure no quarto da "pousada" da Missão Católica. Foi um dia cheio: curso, cobras e mosquitos, entrevistas com uma penca de participantes em nosso projetos. Porém o cansaço não me cansa, pelo contrário, sinto uma vontade imensa de trabalhar, de pensar, de articular, de fazer. Facebook pergunta what's on your mind. E eu dançando. E fazendo. E absurdamente feliz ao constatar o óbvio porém de difícil alcance... fazer diferença na vida das pessoas... NÃO TEM PREÇO.



In the Namibian bush

2010-04-19T12:06:41.840+01:00

Saí de casa ontem de manhã. Bernadette e eu dirigimos aproximadamente 700km, revezando. E conversando se parar, tagarelas total. Chegamos em Okatana no meio da tarde. Viemos para um curso que começou nesta manhã de segunda. Estamos nós duas com 23 participantes nos projetos da BEN Namibia.Semana imersão total. A-do-ro.

(aha - parenteses total. Uma COBRA acaba de entrar na sala do curso)


No entanto... saudades MIS já da minha cria e do maridão.



multilingual family

2010-04-15T14:04:29.346+01:00

Our multilingual family was profiled in the Bringing up Baby Bilingual blog! It was nice to answer her questions.
Thanks, Sarah!



Coelhinha da Páscoa o que trazes pra mim...

2010-04-12T08:52:29.473+01:00

(image)
outras aqui



rodaviva

2010-03-24T10:46:49.569+02:00

Após muito transitar, estamos de volta em Windhoek e agora, finalmente, de volta aos trilhos da nossa vidinha. Passamos 3 semanas na Austrália entre dezembro e janeiro. Em fevereiro foram 2 semanas no Rio. Ambas as viagens foram maravilhosas, cada uma com suas peculiaridades, e obviamente em ambos os países o calor foi realmente de matar. A volta, no entanto, nunca é muito simples. A começar pelos fusos: a diferença entre aqui e o Rio são de apenas 4 horas, mas pra Austrália são 10, o que de fato desaparafusa a mente de qualquer ser. Mas não das crianças, eles se adaptam que é uma beleza... e quando não se adaptam não importa (pra eles). Na hora que dá sono se dorme, na hora que acorda se levanta. ** Chegamos em Windhoek da nossa última viagem numa segunda-feira, passamos 2 dias meio que dormindo, e 3 dias depois nada mais nada menos que 4 canadenses separados em 2 grupos e com objetivos diferentes chegaram. Na semana seguinte a esposa de um deles chegou com os 3 filhos. Foi um tal de recebe-los (todos...), organizar transporte e hotéis ou camas na nossa casa, preparar comida e roteiros e atividades e visitas que não está no gibi. Exaustão total. Mas nada muito diferente do que, ao que tudo indica, será nossa vida em Windhoek daqui pra frente. É um mundaréu de jornalistas, cineastas, estudantes, voluntários, fotógrafos, doadores, financiadores, curiosos e demais tipos que decidem pousar no meio do deserto pra ver que diabos Michael e eu estamos fazendo por aqui... Semana passada, meio de saco cheio de ter que lidar com questões logísticas alheias, resolvi nadar. Entre uma braçada e outra tentei contar quantas pessoas estiveram aqui no último ano (desde janeiro de 2009), sem contar família e amigos que vieram única e exclusivamente pra nos visitar. E sem contar também filhos que vieram acompanhando os pais. Quer dizer, só mesmo work-related people -- muito rapidamente contei 32 pessoas. 32!!? Cara, 32 galegos e galegas que de uma forma ou de outra resolveram se juntar a nós por alguns dias... entender a realidade daqui... ver de perto o que na distância parece ser interessante... checar se no fundo é tudo verdade... se inspirar um pouco com a vida. Tem noção? Fiquei meio chocada com a constatação... Uma média de quase 3 pessoas por mês! Michael olha pra mim neste exato momento que lhe falho o número e pergunta how can that be?. Nos anos anteriores sempre tivemos alguns visitantes mas sempre em menor número. E pelo calendário que já está sendo posto em prática para 2010 e 2011... a roda-viva agora precisará rodar em modo turbo. ** Julia agora com 2 anos e 4 meses está linda, serelepe, falando muito português, inglês e oshivambo, obcecada com quebra-cabeças, e fazendo aulas de dança e música. Sexta-feira passada Michael perguntou pra ela what did you do at school today?, ao que ela prontamente respondeu I kissed someone. ** De resto, a vida vai passando. Fiz 31 anos. Tenho uns dias bons, outros ruins, mas de um modo geral o sol sempre brilha e o céu é azul de brigadeiro. A horta no nosso jardim já não é mais coisa simples, a plantação inclui cenouras, beterraba e brocólis. Come-se bem, o salário aumenta em março, o carro é novo, muitos livros ainda não lidos me aguardam na estante, e o vinho verde d`O Portuga é caro mas vale o pileque. [...]



de ferias

2010-01-11T00:40:10.045+02:00

Aproveitando MUUUITO ferias na Australia, super inspirada pra postar mas na buena, vontade zero de ficar na frente do computador... portanto quando eu voltar pra casa, promessa. Lingua inglesa DOMINA minha filha, vocabulario expandido, coisa linda de ver. Fevereiro no Brasil tera que compensar! Comprinhas, muita comideira, horta no quintal, dias de bater perna em Melbourne, outros de fazer nada em Gippsland, nao da pra reclamar. Mas amanha partimos para nosso trajeto de 26 horas ate chegarmos em casa. Haja livrinhos de colorir! Ainda nao consigo nem IMAGINAR que tenho minha listinha de pendencias emergenciais relacionadas a trabalho quando chegar. Portanto vou pra rua aproveitar meu ultimo dia em aussie land. beijo-tchau. Ate!

Ah, sim - feliz 2010 pra todos nos!

4 fotinhos aqui, em breve postarei milhares.



festa do peixe

2009-12-07T13:21:15.794+02:00

Festa de 2 anos da Julia.



o fish que é um peixe que é um fish

2009-11-30T13:28:51.429+02:00


(image) Julia adora fish. E peixes. Por isso gastamos nossa manhã de sábado fazendo o bolo pra sua festa de aniversário, um peixe lindo. Fiquei boba de ver, afinal virei mesmo uma boa boleira. Tão bom passar uma manhã fazendo algo desafiador (para pessoas meio lesa na cozinha como eu este é um grande desafio), só pra ver sua menininha sorrir e bater palma! Delícia. A festa foi um sucesso, depois mostro fotos. Mas infelizmente a miúda ficou muuuito elétrica, e acho que por isso caiu doentinha. Sua primeira inflamação de garganta, com direito a antibiótico e tudo. Dá dó... pelo menos seguramos 2 anos sem remédios além de paracetamol... Bem vinda ao mundo da medicina...



quantos anos vc tem? "doix"

2009-11-22T19:14:34.385+02:00

(image)
(image)
Nossa pequena Ovambo, com 2 anos.


(detalhe: há 2 dias que ela não desgruda deste vestidinho que a Maria deu de presente, segundo vestido Ovambo da moleca.)



ó eu aí!!!

2009-11-20T14:46:26.495+02:00

(image)

Windhoek, onde o vento faz a curva. O post do programa que vai ao ar no domingo. Estou até me sentindo famosa (além de super curiosa pois sabe-se lá deus quando eu vou assistir este programa...).



fora de casa

2009-11-16T20:31:30.065+02:00

(image)
Olás!

A quem interessar:
O programa da GNT mudou de horário.
Será no próximo domingo, dia 22 de novembro, 17:30hs.
Reprises no fim de semana seguinte (sábado 28/11, 06:30 e domingo 29/11, 13:30).

Pra quem quiser ver javalis, rinocerontes, girafas, namibianos, Michael, Julia,
Clarisse, Nampa, Kornelia... Minha casa no fora de casa.

Beijos e abraços!
Nós



estamos juntos

2009-11-10T15:14:43.693+02:00

Ando postando muito no Facebook o que obviamente contribue ainda mais para o abandono do transitórios...

...a vida continua corrida, o marido continua no Ghana, a Pixy continua latindo.

Filha sem fralda (iupi!) e falante serelepe. Uma mistura de inglês, português e oshiwambo, portanto nem sempre totalmente compreendida. Obcecada com formigas e aranhas. Em 2 semanas, completa 2 anos... e eu sem entender como assim, passou tão rápido.

Ainda na casa da contabilidade... mês passado completei 4 anos de continente (Moçambique + Namíbia). A vida na África não é tão diferente da vida em outros cantos, e muitas vezes até me esqueço que há um quê de misterioso nesta minha escolha. Apesar de saber que não ficarei em Windhoek pra sempre (e ser grata por este saber), a vida já está bastante enraizada, e é difícil imaginar o recomeço em outro lugar.

Sem noção de para onde caminho. Portanto sigo apenas caminhando.

como dizem os moçambicanos (adoro): "estamos juntos".



Flog! Flog! Flog!

2009-11-01T21:18:53.709+02:00

notícias da filha trilingue.






marido-no-ghana-cachorro-latindo-e-filha-doente

2009-11-01T21:20:20.440+02:00

Hoje, domingo 20hs, retomo meu post rascunhado de sexta-feira. Tentei mas, como podes ver no próprio conteúdo, tá tudo sem rumo. Posto mesmo assim, sem reler muito que é pra não perder o encanto (ui).

"Ando com saudades de mim mesmo. Sabe como é? Quando você acorda, trabalha, carrega filho pra escola, faz o supermercado, e quando vê já está na hora de dormir, e quando abre o olho já são 6 da manhã e o quarto já está claro e a filha já chama lá de longe mamãe, mamãe, e tudo começa de novo. O cachorro late a noite toda e o vizinho liga pra dar um "toque". Porque talvez eu não tenha ouvido que o cachorro latiu a noite toda e ele, coitado, não dormiu nada. O escritório é assaltado 2 vezes em 10 dias, que é pra não ter problemas, dúvidas ou esquecimentos. Eu passo a fazer back-ups a cada 2 dias, pois a vida under pressure tem um quê de saborosismo. O Marido está no Ghana. Por um mês. Consequências na minha vida mundana não precisam ser descritas, certo? Um mês sem marido basta para qualquer alma. Você esquece de pegar dinheiro para pagar o jardineiro no fim do mês. E logo em seguida recebe telefonema da adolescente adotada que não tem mais dinheiro pra pagar o taxi pra ir pro curso de francês, e que também a mesada está atrasada, e tudo é urgente, urgentíssimo. Uma reunião de 5 horas com financiador, seguida de muitas outras reuniões e entre uma coisa e outra banco, correio, e todos os serviços que prenchem o job description de um motor boy. Que no momento sou eu. Não é que tudo esteja ruim, muito pelo contrário, a vida tem dado bons e belos frutos. É que tudo é muito e tudo ao mesmo tempo e eu ando MESMO é com saudades de mim mesma. A filha saiu das fraldas e ontem teve até apresentação na escola. Ela deveria ter cantado umas das songs of Namibia, e feito a tal da coreografia que eu tenho visto numas noites sim, noutras não, enquanto cozinho mas no rabo-de-olho observo, os bracinhos prum lado e pro outro, Namibia from east to west, algo do gênero. Mas na hora do palco, metade da turminha dos Waddle Ducks começou a chorar, a outra metade ficou que nem a a Julia, com cara de não estou entendendo nada, luzes câmera ação e o que mesmo?! As 2 musiquinhas passaram e somente uma miudinha cantou tudinho e ainda fez a abelhinha dançar. Não houve fotos. Seguido o episódio, que foi ontem, a bichinha tem febre febre febre, daquelas de sapo mas intermitentes. Este é meu pobre relato de uma sexta-feira às 19:55hs. Tento me comunicar com Marido no skype, a conexão cai a cada 2 minutos. Tem uma garrafa de vinho na minha frente e penso beber ou não beber..."

Fim do post. Michael liga, tentamos por mais 20 minutos nos comunicar. De África pra África, meus caros, a conexão fica AINDA pior. Resolvo me recolher aos meus aposentos.

Hoje, domingo, sou eu quem estou doente, com dor de garganta e sono. Passei o dia inteiro de pijama, literalmente enrolando a Julia. Abri o sofá no meio da sala, me deitei, e passei o dia falando pra ela trazer os brinquedinhos, livros, DVDs e o que mais quisesse para que brincássemos juntas. Ela assim o fez, e eu dormitava a cada 10 minutos, abria o olho pra ler uma frase de um livrinho ou pra ver a estrelinha que ela agora adora desenhar, fechava o olho de novo, até sonhava. Acho que perdi pontos na categoria mãe.

That's all folks.
Já são 20:20hs e eu estou CAINDO de sono.
beijos abraços e sorrisos
meus



meia-hora de bobeira

2009-09-10T16:53:46.457+02:00

me perdoem a volta sera sem acento ou cedilha, estou num computador do tipo que nao consigo escrever direito. mas resolvi escrever mesmo assim porque, pela primeira vez em... quase 2 meses... eu me encontro numa "meia hora de bobeira".

dai resolvi vir contar rapidinho porque ando sumida. a vida deu uma reviravolta destas ruins--mas ja voltou pro lado bom. o michael esteve super doente, e encaramos umas 4 ambulancias, uma evacuacao de Ongwediva (cidade no norte da Namibia) pra Windhoek num voo paramedico, semanas internado, enfim, uma festa. ele teve encefalite, que nem vale a pena aqui explicar. mas ele agora esta otimo, ainda precisa ir 2x dia ao hospital todo dia ate o fim da semana que vem. mas esta otimo. como eh bom viver. este tem sido o lema.

neste maremoto, o trabalho ficou ainda mais pesado, e eu quase sufoquei de tanto estresse, tensao, no na garganta e lista de pendencias por fazer. mas tudo deu certo, a vida continuou andando, e agorinha mesmo, por exemplo, eu me sinto ate feliz. que coisa ne?

ah, sim, outro motivo pelo qual eu quis postar eh porque estreiou na semana passada um programa na GNT chamado Fora de Casa. Serao 13 episodios, um a cada semana, sobre 13 mulheres diferentes, cada uma em um pais do mundo. Os dois primeiros episodios foram na Turquia e em Nova Iorque. Eu sou a personagem do ultimo episodio! (segundo eles eh bom sinal, mas sei lah, neh... vai ver o programa nao rendeu muito, eheheh). Sera no dia 25 de novembro. O programa eh sempre as 9 da noite, e tem umas reprises que nao sei bem quando sao. Aqui neste blog http://colunas.gnt.globo.com/foradecasa/ vc pode acompanhar algumas estorias.

hm... acho que eh isso por ora.

beijo mocada!
ate minha proxima meia-hora de bobeira



séria e linda

2009-07-20T09:17:30.213+01:00

(image) mais fotinhos da minha cria.



Assim eu começo a semana.

2009-07-20T09:14:33.622+01:00

(image) Esse GATO aí é o meu marido, entendem? coisa linda de se ver e beijar.
A senhôura da foto é Olivia, que dirige o Walvis Bay Multipurpose Centre, um dos nossos parceiros.


E para lhes inspirar nesta segunda-feira de manhã... uma mostra das nossas inspirações diárias, inusitadas e bem-humoradas.

(image)
(image)



e assim se passam os dias.

2009-07-12T22:59:09.030+01:00

breve oi, beijo, tchau.ando pegaaaada. burro de carga total. mas tchudo bem.acabamos de concluir uma auditoria financeira do nosso trabalho (auditoria externa por bichos grandes, obviamente), de modos que agora são 4 anos nas claras, transparência total, limpeza e organização. me tomou meses da vida, me deu cabelos brancos, me quase tirou o fôlego. mas rolou. e, convenhamos, se você dirige uma ong, tem mais é que ter a cara limpa e comprovada, né não. u-hu!uns moços muito simpáticos, carioquíssimas da gema e ainda por cima zona sules, vieram me fazer uma visita e gravar minha vida durante 4 dias. me senti o ó do borogodó, estrela, com 3 moços ao meu redor tirando foto de tudo quanto é pose e palavra, vos digo. foi uma coisa. tudo indica que estarei no GNT em breve, aviso quando (se souber de antemão, assim o espero). foi uma semana super alto astral, como se tivessêmos assim, tomando chopp no jobi.no dia em que os cariocas foram embora, chegaram os wakefields, que é minha família australiana super querida e bacana (irmã do Michael, marido e filhotes). passamos quase 3 semanas viajando, alguns dias acampando, outros em hotéis e até mesmo numa treehouse em cima do rio okavango. te mete! maravilha total. Julia se deleitou com os primos e aprendeu que o lance é ter livros pra colorir. nos deliciamos com muitos, muitos, muitos elefantes, girafas, zebras, hipopótamos... e com uma visita inesquecível a uma comunidade San.ni-qui wakefields se foram, voltamos a vida corrida, com seus grandes e pequenos desafios diários. é muita desaprendizagem para uma pessoa tão miúda como eu!hoje Nampa e Kornelia voltaram para o hostel após passarem conosco o mid-term break. São do samba estas meninas... passaram todos os dias estudando, e nas noites jogamos muito Uno na beira da lareira.e para encerrar o breve brevíssimo relato corrido e sem maiúsculas ou revisão apropriada, saiu um escrito meu numa publicação online inglesa Public Service Review: International Development, sobre "the ride of their lives", caso interesse. ;-)agora em fotos:minha sala virou um estúdio.a caminho do deserto, encontramos com um simpático grupo de avestruzes.Lucy, Michael e Julia em Sossusvleifarra de primosSan - mulher fazendo colardançaMichael lançando uma flechaamizadefazendo fogoour treehouseleitura na beira do rio com tio Simepasseio de barco por entre hipopótamoscafé da manhãsaudades do babar. uma família de 14. kissbeijo de esquimówakefields and linke clans~beijo, tchau~[...]



From little things big things grow

2009-06-07T12:15:38.620+01:00

Entre posts africanos, um pouco de história australiana. Chega choro quando ouço.

From little things big things grow
Paul Kelly

Gather round people let me tell you're a story
An eight year long story of power and pride
British Lord Vestey and Vincent Lingiarri
Were opposite men on opposite sides

Vestey was fat with money and muscle
Beef was his business, broad was his door
Vincent was lean and spoke very little
He had no bank balance, hard dirt was his floor

From little things big things grow
From little things big things grow

Gurindji were working for nothing but rations
Where once they had gathered the wealth of the land
Daily the pressure got tighter and tighter
Gurindju decided they must make a stand

They picked up their swags and started off walking
At Wattie Creek they sat themselves down
Now it don't sound like much but it sure got tongues talking
Back at the homestead and then in the town

From little things big things grow
From little things big things grow

Vestey man said I'll double your wages
Seven quid a week you'll have in your hand
Vincent said uhuh we're not talking about wages
We're sitting right here till we get our land
Vestey man roared and Vestey man thundered
You don't stand the chance of a cinder in snow
Vince said if we fall others are rising

From little things big things grow
From little things big things grow

Then Vincent Lingiarri boarded an aeroplane
Landed in Sydney, big city of lights
And daily he went round softly speaking his story
To all kinds of men from all walks of life

And Vincent sat down with big politicians
This affair they told him is a matter of state
Let us sort it out, your people are hungry
Vincent said no thanks, we know how to wait

From little things big things grow
From little things big things grow

Then Vincent Lingiarri returned in an aeroplane
Back to his country once more to sit down
And he told his people let the stars keep on turning
We have friends in the south, in the cities and towns

Eight years went by, eight long years of waiting
Till one day a tall stranger appeared in the land
And he came with lawyers and he came with great ceremony
And through Vincent's fingers poured a handful of sand

From little things big things grow
From little things big things grow

That was the story of Vincent Lingairri
But this is the story of something much more
How power and privilege can not move a people
Who know where they stand and stand in the law

From little things big things grow
From little things big things grow
From little things big things grow
From little things big things grow



viagem em etapas: Buffallo

2009-06-07T12:07:19.893+01:00

Buffallo Park é parte da zona de conservação do West Caprivi, a faixa estreita que liga o resto da Namíbia às Cataratas Vitória (Victoria Falls), aquela pontinha onde se encontram Zimbábue, Zâmbia, Angola e Botswana. Temos uma amiga morando no parque, Kami, uma voluntária que está trabalhando com as comunidades que vivem no West Caprivi. Passamos 3 dias com ela, visitando o resto da região e um dos nossos próximos projetos com Eramos e Ludwig. Foi simplesmente fantástico. Claro que rolou um certo estresse (da parte da mãe), afinal é preciso andar com cuidado para não esbarrar em hipopótamos, que vêm a noite comer graminha, kudus, que passeiam por entre o acampamento (não atacam, mas não que eu queira me deparar com um tête-à-tête, certo?), e demais bichinhos... assim... bichinhos em geral... tipo...hã... bem... em nossa visita ao parque o Michael viu uma leoa, e só então soubemos que há leões, leopardos e demais felinos na área... estive a ponto de fechar as malas e partir, porque todos sabem que combinação criança pequena e felino não rola. Decidimos ficar, no entanto, e foi só mesmo causo de atenção redobrada. Divertido, né? Se chama morar na Á-África!

(image)
mais fotos...



"a humanidade faz a sua própria história"

2009-06-07T12:02:31.533+01:00

o que Eric Hobsbawn espera sobre o futuro:

"Se a crise ambiental global não for controlada, e o crescimento populacional estabilizado, as perspectivas são sombrias. Mesmo se os efeitos das mudanças climáticas possam ser estabilizados, produzirão enormes problemas que já são sentidos, como a crescente competição por recursos hídricos, a desertificação nas zonas tropicais e subtropicais, e a necessidade de projetos caros de controle de inundações em regiões costeiras. Também mudarão o equilíbrio internacional em favor do hemisfério Norte, que tem largas extensões de terras árticas e subárticas passíveis de serem cultivadas e industrializadas. Do ponto de vista econômico, o centro de gravidade do mundo continuará a se mover do Oeste (América do Norte e Europa) para o Sul e o Leste asiático, mas o acúmulo de riquezas ainda possibilitará às populações das velhas regiões capitalistas um padrão de vida muito superior às dos emergentes gigantes asiáticos. A atual crise econômica global vai terminar, mas tenho dúvidas se terminará em termos sustentáveis para além de algumas décadas. Politicamente, o mundo vive uma transição desde o fim da Guerra Fria. Se tornou mais instável e perigoso, especialmente na região entre Marrocos e Índia. Um novo equilíbrio internacional entre as potências — os EUA, China, a União Européia, Índia e Brasil — presumivelmente ocorrerá, o que poderá garantir um período de relativa estabilidade econômica e política, mas isto não é para já. O que não pode ser previsto é a natureza social e política dos regimes que emergirão depois da crise. Aqui as experiências do passado não podem ser aplicadas. O historiador pode falar apenas das circunstâncias herdadas do passado. Como diz Karl Marx: a humanidade faz a sua própria história. Como a fará e com que resultados, muitas vezes inesperados, são questões que ultrapassam o poder de previsão do historiador."

Parte da entrevista dada por ele pra Revista Sem Terra, divulgada nos sites da Alê. Vai lá ler...

***

(image) Na entrevista, Hobsbawn cita Amartya Sen, que indico aqui para quem não conhece -- seus artigos (e principalmente o livro Development as Freedom) foram, para mim, das melhores leituras que já fiz na vida. Colocou a caixola pra pensar, criar, produzir, AGIR. Acho mesmo que o "meu descobrimento" de Sen é uma das origens de muitas de minhas escolhas. Fiquei até emocionada agora ao pensar, e rapidamente o capturei na estante. Voltará para minha mesa de cabeceira, pois está na categoria tem quer ler vez ou outra, que é pra não se acomodar na vida jamais. Afinal de contas, a história já está sendo feita, e somos TODOS autores ativos.



Minha pingüim

2009-06-07T12:02:42.162+01:00

Acordamos cedo, nos arrumamos prontamente, café da manhã reforçado, mochilinha nas costas. Como Michael está viajando e o nosso carro pessoal ainda não está na garagem, fomos atrás de um dos taxis lotação. Julia num braço, no outro computador, bolsa e mochila. Chegamos no Little Penguins 7:30hs, a escolinha mais concorrida do pedaço (entramos na lista de espera quando a pequena estava recém-nascida). Entrei na salinha dos Waddle Ducks (a turma dos miúdos) sem saber direito o que fazer, e lá estavam as tias Jackie e Thelma. Achei que a Julia fosse chorar, ficar meio perdida, mas ela logo se inteirou com uns patinhos de plástico e eu sai de mansinho. Quem chorou foi eu, enquanto esperava por um táxi para me levar ao trabalho. Emoção pura!