Subscribe: [[[[Canalhismo Fantástico]]]]
http://canalhismo.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
ainda  ano  aqui  banda  das  disco  dos  foi      mais  mesmo  não  pior  pra  sobre  tem  – “o   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: [[[[Canalhismo Fantástico]]]]

[[[[Canalhismo Fantástico]]]]



Cultura canalha: fotografia estourada, garagens sujas, folhas amareladas & achismos a dar com pau



Updated: 2014-10-05T00:05:21.037-03:00

 



De volta novamente, repetir mais uma vez

2009-03-11T20:04:30.609-03:00

(image)
Voltamos, agora em wordpress. Direcione suas angústias, dúvidas ou explosões de euforia para



Ainda estamos vivos

2009-02-10T00:16:38.580-02:00

(image)
Calma, o blog não morreu. Ainda. Estamos arrumando a casa nesses dias. Em breve, novidades. Enquanto isso, todo mundo feliz, naquela alegria pré-carnaval. Ô diliça!



Framboesa de Ouro 2009

2009-01-23T18:09:21.605-02:00

Oscar? Porra nenhuma. Bom mesmo é acompanhar, torcer e apostar em quem vai levar pra casa o Framboesa de Ouro (Razzie Awards), prêmio que agracia e faz justiça ao que pior se produziu em Hollywood no último ano.Entre as indicações desse 2009, fiquei muito feliz em ver o nome de M. Night Shyamalan entre os concorrentes, junto com seu último esforço, Fim dos Tempos. Fico na mais sincera torcida para que o figura leve o caneco, mas acho difícil. Os outros candidatos são bem mais fortes.Esse ano pegaram pra Cristo um tal de Uwe Boll, alemão cujo o "ponto alto" da carreira foi uma adaptação daquele jogo Alone in The Dark. O dvd, aliás, tem de monte no balaio dos indesejáveis de 9,90 das Lojas Americanas.Eis a lista completa dos indicados ao Framboesa de Ouro 2009:Pior filme: “Super-heróis - A liga da injustiça” e “Espartalhões” “Fim dos tempos” “A gostosa e a gosmenta” “Em nome do rei” “O guru do amor” Pior ator: Larry the Cable Guy – “Witless protection” Eddie Murphy – “O grande Dave” Mike Myers – “O guru do amor” Al Pacino – “88 minutos” Mark Wahlberg – “Max Payne”Pior atriz: Jessica Alba – “O olho do mal” Todo o elenco de “Mulheres – O sexo forte” - Annette Bening, Eva Mendes, Debra Messing, Jada Pinkett-Smith e Meg Ryan Cameron Diaz – “Jogos de amor em Las Vegas” Paris Hilton – “A gostosa e a gosmenta” Kate Hudson – “Um amor de tesouro” Pior ator coadjuvante: Uwe Boll – “Postal” Pierce Brosnan – “Mamma mia” Ben Kingsley – “O guru do amor” Burt Reynolds – “Em nome do rei” Verne Troyer – “O guru do amor Pior atriz coadjuvante: Carmen Electra - “Super-heróis - A liga da injustiça” Paris Hilton – “Repo! The genetic opera” Kim Kardashian – “Super-Heróis - A Liga da Injustiça” Jenny McCarthy – “Witless protection” Leelee Sobieski – “88 minutos”Pior casal em cena: Uwe Boll e QUALQUER ator, câmera ou roteiro Cameron Diaz e Ashton Kutcher – “Jogos de amor em Las Vegas” Paris Hilton e Christine Lakin ou Joel David Moore – “A gostosa e a gosmenta” Larry the Cable Guy e Jenny McCarthy – “Witless protection” Eddie Murphy E Eddie Murphy – “O grande Dave” Pior prólogo, remake, sequência ou cópia: “O dia em que a Terra parou MESMO” “Super-heróis - A liga da injustiça” “Indiana Jones e o reino da caveira de cristal” “Speed Racer” “Star Wars – A guerra dos clones” Pior diretor: Uwe Boll – “Postal” Jason Friedberg & Aaron Seltzer – “Super-heróis - A liga da injustiça” e “Espartalhões” Tom Putnam – “A gostosa e a gosmenta” Marco Schnabel – “O guru do amor” M. Night Shyamalan – “Fim dos tempos” Pior roteiro: “Super-heróis - A liga da injustiça” e “Espartalhões” “Fim dos tempos” “A gostosa e a gosmenta” “Em nome do rei” “O guru do amor” Prêmio pela PIOR carreira Uwe Boll – a resposta da Alemanha para Ed Wood[...]



The Crawling Distance

2009-01-17T23:56:15.201-02:00

(image) O disco novo de Robert Pollard, a mente doentia por trás do Guided By Voices, chega às prateleiras na semana que vem.

Como na internet isso é só uma mera formalidade, o disco já está na rede há umas boas duas semanas.

Para baixar, clique aqui.

Para ler resenha sobre o disco, publicada n' O Inimigo, vá aqui.

E boa viagem.



Será??

2009-01-15T18:03:13.510-02:00

(image)

Torno a perguntar: será mesmo? Tudo indica que sim, o Pavement deve voltar aos palcos em 2009. Como tá todo mundo vivo e saudável e, aparentemente, de bem com a vida, porquê não? Parafrasenado a o infeliz título nacional do filme novo de Kevin Smith, pagando bem, que mal tem?

Num indício do sinal dos tempos, o guitarrista Scott Kannberg (aka Spiral Stairs) deu uma entrevista à revista Loud & Quiet dizendo que o retorno pode rolar no Coachella 2009. O G1 ecoou a história, aqui.




Post duplo + faixa bônus

2009-01-14T22:32:02.264-02:00

Para compensar a falta de atualizações recentes, eis um post com três assuntos diferentes de uma caralhada só. Ei-los:1) Loser Manos de volta?Como pontualidade não é o meu forte, por essas alturas você já deve estar sabendo. Boatos fortes, iniciados por um post casual de um blog até então obscuro que acabou ventilado aos quatro cantos pela esfera indie, começam a se confirmar : depois de pouco mais de um ano de recesso,uma coletânea da Som Livre e dois bons projetos solos, o Los Hermanos, a banda que virou culto messiânico, pode voltar aos palcos em março. E pior, no mesmo festival onde tocam Radiohead e Kraftwerk.Independente do revival rolar ou não, o lado mais triste da história nem é a volta das viúvas barbadas do setor de Comunicação Social, mas sim a confirmação dos nossos temores de que o Little Joy pode mesmo virar uma banda de um disco só. Também em março, Fabrizio Moretti volta a Nova Iorque e entra em estúdio com o Strokes. Prego número um na tampa do caixão.Leia mais sobre a volta dos que não foram aqui e aqui.2) Franz Ferdinand: é hoje!Tonight: Franz Ferdinand, disco novo do Franz Ferdinand, vazou na rede. Óbvio. Mas, apesar do inevitável, a Domino prepara para o dia 26 o lançamento oficial do disco na Grã-Bretanha em CD simples ou com DVD bônus, CD duplo com versões dub (!) de todas as faixas, vinil duplo e - o mais massa - num box contendo todas as faixas do disco divididas em vinis de 7 polegadas.E pode apostar que vai vender a rodo. Apesar das vendas de CDs nas major terem caído vertiginosamente em 2008, o número de fãs e colecionadores de boa música só aumenta.Enquanto isso, a versão vazada tem rolado no playlist das tardes de ócio criativo lá em casa. Aguardem resenha sobre o disco para os próximos dias, assim que O Inimigo retomar as atividades após o recesso de fim de ano.Pra baixar, via Rapidshare, tu vai aqui.3) Faixa - bônus: 5 nomes (legais) de bandasFaz um tempo queria fazer um post sobre isso: nomes de bandas que eu acho legais. Como o tempo e a disposição andam curtos, eis uma rápida amostra grátis.* Guided By Voices - Estranho, surreal e condizente com o modus opernadi da banda, ou melhor, de Robert Pollard, o maluco por trás dela.* Television - Simples, enxuto e eficiente. E ainda soa moderno. Futuro antigo, eu diria.* Os Bonnies - Não é bairrismo: gosto mesmo desse nome. Segundo os próprios, é uma referência à "My Bonnie", canção que os Beatles gravaram ao lado de Tony Sheridan em priscas eras. Mas o charme mesmo é não querer dizer nada.* Os Replicantes - Antes de ser uma referência à Philip K. Dick e Blade Runner, já era um nome genial para uma banda punk. Ainda mais uma que tenha como vocalista uma criatura tão abjeta quanto Wander Wildner.* ...And You Will Know Us By The Trail of Dead - Tem que ter muito peito pra poder tocar numa banda chamada "...E Tu Vai Se Ligar Na Gente Pelo Rastro de Defuntos". Arre.Guiados pelas vozes, maltratados pelo cabeleireiro...[...]



E só piora

2009-01-09T10:24:05.497-02:00

Depois da péssima notícia da morte de Ron Asheton, o NME me aparece com mais uma de deixar qualquer um com um mínimo de senso do ridículo corado de vergonha.

Segurem essa: os três senhores que atualmente respondem pelo Led Zeppelin (o guitarrista Jimmy Page, o baixista John Paul Jones, e Jason Bonham, filho do homem das baquetas original, John "Bonzo" Bonham) decidiram que vão GRAVAR UM DISCO DE INÉDITAS. em 2009. Calma, tá rindo? Não notou nada de estranho?

Pois é: nada de Robert Plant. A diva loira e desmunhecada em uma atitude sábia e inédita nos últimos 20 e tantos anos decidiu não continuar com essa brincadeira sem graça de revival e pediu as contas.

De acordo com o empresário dos três mal-feitores remanescentes, "John Paul Jones e Jimmy Page adoram tocar juntos e Jason Bonham é um ótimo baterista, então por quê não? Só precisamos arrumar um vocalista".

Embora ainda não se tenha nenhuma informação concreta de quem vai assumir o posto de Robertão, boatos assustadores ventilam nomes como Chris Cornell e Steven Tyler. Ai.

Sem maiores comentários. Se você ainda tiver estômago, leia a notícia completa no site do NME aqui.


(image) "Me dá um dinheiro aí..."





R.I.P. Ron Asheton

2009-01-07T12:05:05.579-02:00

(image) Péssima maneira de começar o ano: Ron Asheton, guitarrista e membro-fundador dos Stooges, foi encontrado morto ontem (vulgo terça-feira, 06 de janeiro), em sua casa em Ann Arbor, nos arredores de Detroit.

A causa da morte, aparentemente, foi ataque cardíaco. O corpo foi descoberto depois que o agente de Asheton procurou a polícia após tentar contactá-lo por vários dias, sem sucesso. Aparentemente, o Stooge já estava morto há vários dias. Ron Asheton tinha 60 anos.

Asheton fundou os Stooges ao lado do irmão Scott, que era baterista, do baixista Dave Alexander (o primeiro Stooge a morrer, em 1975) e de um tal de Iggy Pop. No terceiro álbum da banda, Raw Power, Ron passou para o baixo dando a vez ao bicão James Williamson que, embora longe de ser um guitarrista meia-boca, nada mais era do que um macaquito do guitarrista original.

Após algumas participações nos discos solos de Iggy Pop, Ron e o irmão Scott se reuniram ao Iguana na nova encarnação dos Stooges, que pariu o controverso The Weirdness. A banda ressucitada (com o reforço de Mike Watt no baixo), passou pelo Brasil no festival Claro Q é Rock, nos idos de 2005. O último show com Ron, segundo a wikipedia, foi no dia 24 de setembro, em moscou.

Além dos Stooges, Ron Asheton tocou nas bandas Destroy All Monsters e New Race.

De acordo com o articulista Stuart Berman, do site Pitchfork, a influência de Ron Asheton como guitarrista foi "fundamental para o surgimento de qualquer subgênero do rock que habite as prateleiras de uma loja de discos: glam, metal, punk, indie rock, gótico, hardcore, indie rock, shoegazer, metal e noise".

Assino embaixo. De volta ao expediente, com aquela sensação que todo fã de música experimenta ao menos uma vez na vida: a de se sentir convalecido pela morte de alguém que você não conheceu ou que sequer sabia da sua existência. Isso, claro, é o do menos, se é que vocês me entendem.




Pra fechar a tampa e passar a régua

2008-12-30T11:17:36.311-02:00

No último post do ano, uma notícia que talvez faça de 2009 um ano melhor. Quem sabe nos livramos dessa fria.


[[Fox diz que vai tentar barrar lançamento de "Watchmen"]]

Advogado afirmou que pretende continuar briga com a Warner. Adaptação de HQ de Alan Moore deveria estrear em 6 de março.

Fonte: G1

Um advogado do 20th Century Fox afirmou que o estúdio irá continuar buscando uma ordem para atrasar o lançamento do filme "Watchmen", adaptação da HQ de Alan Moore que é uma das mais esperadas para 2009.

Na semana passada, o juiz Gary Feess concordou com a Fox que a Warner Bros. havia infringido seus direitos ao desenvolver e filmar o longa de super-heróis, programado para estrear em 6 de março.

Feess disse que planeja realizar um julgamento no dia 20 de janeiro para decidir as questões pendentes.

A Fox alega que nunca abriu mão completamente dos direitos sobre a história que conquistou em um acordo no final dos anos 80, por isso resolveu processar a Warner. Em fevereiro, a Warner defendeu que a Fox não teria direito a distribuir o filme.

Na última segunda, o advogado da Warner informou que não sabia se o estúdio apelaria da decisão. Segundo ele, um julgamento é necessário, mas um acordo seria improvável.

(image) Tô fora.



A felicidade é uma arma quente

2008-12-25T14:54:36.228-02:00

Lembra? – Por volta das 7 da manhã. Segunda feira de sol morno, vento agradável correndo asfalto, nuvens simpáticas e corriqueiras. Banquinho daqueles de praça, pintado de branco descascado, numa quina mais tranqüila do pátio do colégio, eu sozinho sentado nele. É meu primeiro dia nesse lugar. Já não sou mais uma criançinha de jardim, é verdade, mas nada impede que eu me sinta desconfortável. Espero a campainha tocar. Não estou usando meias e sinto uma vontade tremenda de ir ao banheiro. Ah, sim... disso eu lembro muito bem... Não só a música, mas toda arte de uma maneira geral tende a refletir o estado de espírito do artista. Músicos famosos por sua melancolia como Nick Drake, Jeff Buckley ou Eliott Smith (se ainda estivessem vivos) não surpreenderiam se em novos trabalhos apresentassem a habitual tristeza de um garoto solitário e sua guitarra. O mesmo pode ser dito de bandas como Television, Cowboy Junkies, Galaxie 500, Mogwai, Joy Division, Travis, Radiohead e boa parte da atual cena musical inglesa. O que surpreende mesmo é quando um nome do naipe do Supergrass diminui o volume das guitarras, põe as palminhas do refrão no bolso e entrega um disco tristonho e com a velocidade reduzida. No ano em que mudei de colégio pela terceira e última vez, aconteceu de eu por as patas no primeiro disco do Supergrass, I Should Coco. Disco rápido, barulhento, feliz. A injeção de ânimo que eu precisava para suportar os primeiros meses num lugar novo com gente nova e desconhecida vinha principalmente dos acordes rápidos e sujos de “Caught By The Fuzz” e da alegria “somos jovens, tudo bem” do hit “Alright”. Sobrevivi, e o Supergrass seguiu como uma das minhas bandas favoritas. Naquele mesmo ano, a banda lançou Life On Other Planets, outra ode à felicidade e ao lado bom da vida, ao lado dos amigos camaradas, das noites em claro e do rock’n roll. Dessa vez era “Rush Hour Soul”, “Za”, “Grace”, “Never Done Nothing Like That Before”, “Seen The Light”… felicidade plugada em pedais fuzz e piano acelerado, correndo atrás de um vocal debochado, em volta de uma sala cheia de cinzeiros e latinhas de cerveja, espalhadas entre os cabos do equipamento. “I’m a rock’n roll singer in a rock’n roll band, thank you very much”, agradecia o vocalista e guitarrista Gaz Coombes, ao fim de uma das canções. Road to Rouen, disco mais recente da banda frustra toda e qualquer expectativa de quem espera ir à mais uma festa hoje a noite. O clima agora é de ressaca, de dia seguinte que se estenderá por muitos outros dias ainda. “Hello my honey/ my beautiful friend/ It’s hard to imagine/ It’s come to an end...”, canta o mesmo Gaz Coombes na primeira estrofe de “Roxy”. Há quem diga que seja estafa criativa, há quem diga que seja maturidade. Se tratando do Supergrass, acredito que sejam as duas coisas. É, em parte, o cansaço de se chegar aos trinta anos compondo canções com três acordes e recheadas de “lalalás”. E desse cansaço é que vem a maturidade. E da maturidade um disco do quilate de Road to Rouen, um dos melhores do ano passado. Ainda estão lá alguns pontos altos de felicidade, como a faixa-título e a divertida “Coffee In A Pot”. Mas o tom aqui é realmente a chegada inevitável da vida adulta, as contas a pagar, a namorada que se transformou em esposa de uma hora para outra, os amigos ausentes e o nosso senso de humor, cada vez mais amargo. “We were younger/ Oh the way you turned my head...”, diz a letra de “Low C”. Um disco que se distancia do passado, mas não o renega. Um dia precisaremos acordar, e aí, faremos discos como esse. A felicidade, já dizia o velho beatle, é uma arma quente... - lembra?* Texto e[...]



Chocolate Jesus

2008-12-16T20:52:54.596-02:00

(image) Don't go to church on Sunday
Don't get on my knees to pray
Don't memorize the books of the Bible
I got my own special way
But I know Jesus loves me
Maybe just a little bit more

I fall on my knees every Sunday
At Zerelda Lee's candy store

Well it's got to be a chocolate Jesus
Make me feel good inside
Got to be a chocolate Jesus
Keep me satisfied

Well I don't want no Anna Zabba
Don't want no Almond Joy
There ain't nothing better
Suitable for this boy
Well it's the only thing
That can pick me up
Better than a cup of gold
See only a chocolate Jesus
Can satisfy my soul

When the weather gets rough
And it's whiskey in the shade
It's best to wrap your savior
Up in cellophane
He flows like the big muddy
But that's ok
Pour him over ice cream
For a nice parfait

Well it's got to be a chocolate Jesus
Good enough for me
Got to be a chocolate Jesus
Good enough for me

Well its got to be a chocolate Jesus
Make me feel good inside
Got to be a chocolate Jesus
Keep me satisfied

(object) (embed)

(Tom Waits, in Mule Variatons, 1999, ANTI-)

Na sequência, vídeo de uma perfomance sui generis de "Chocolate Jesus", no programa de David Letterman, seguido por uma entrevista.

(object) (embed)




Alegrias de verão

2008-12-16T20:47:58.024-02:00

O canal oficial do selo Rought Trade já soltou os primeiros vídeos oficialis do Little Joy, a banda de Rodrigo Amarante (ex-Los Hermanos), Fabrizio Moretti (Strokes) e Binki Shapiro, (ex-anônima) que vai mudar o seu verão. E pra melhor, que fique bem claro.

Eis abaixo o filmete de "No One's Better Sake", com a assustadora participação do maldito hippie sujo Devendra Banhart. Na sequência, um vídeo, também produzido pela gravadora, de uma sessão de sofá com "Next Time Around", dirigido por um certo Thunderbird. Seria o ex-VJ da MTV e melhor amigo de Júpiter Maçã? Só o tempo dirá. Enquanto isso, continuamos na torcida para a confirmação das datas dos shows da banda em Recife.

[[Little Joy - "No One's Better Sake"]]

(object) (embed)

[[Little Joy - "Next Time Around"]]

(object) (embed)



Happiness in magazines

2008-12-11T21:04:58.737-02:00

Em plena segunda-feira, adentrei em um daqueles sebos da Ulisses Caldas e me pus a fuçar uma pilha de revistas velhas. Fuçar qualquer coisa em sebos é, na sincera minha opinião, um hábito tão necessário ao desenvolvimento humano quanto comer feijão no almoço. O problema é que a prática repetida desse ato tão simples pode acabar se revertendo em sérios prejuízos ao seu bolso (falo por experiência própria). Dessa vez não foi o caso. Na pilha jogada num canto de parede do sebo, entre revistas de surf e fascículos de cursos práticos de inglês, encontrei quatro exemplares da finada, saudosa e, ao menos pra mim, fundamental revista Bizz. Para os incautos que não admitem qualquer justificativa para uma frase tão cafona quanto a anterior, eis uma informação confidencial que eu reservava para um futuro volume de memórias: meu presente de aniversário de 11 anos foi uma assinatura da Bizz. O primeiro número que recebi, lembro até hoje, tinha na capa meio esverdeada os irmãos Gallagher, então na moda mas já entrando no pós-hype do Oasis. Daí pra frente, a revista passou a ser a minha principal fonte de informação musical, e influência decisiva na minha maneira de encarar e escrever sobre música alguns anos mais pra frente. Acompanhei a revista de 1997 até a primeira morte, em 2001, passando por mudanças de nome (de Bizz pra Showbizz e depois, pra Bizz outra vez) e formatos. Quando ressuscitaram a coitada, em 2005, segui em coleção conjunta com o também órfão Tiago Lopes, até a segunda e, ao que parece, definitiva morte no início de 2007. Os exemplares adquiridos pela soma total de 4 pilas ainda que de capas não tão convidativas (Bruce Dickinson, Dexter Holland, do Offspring, Dinho Ouro Preto e, fechando o quarteto, Roger do Ultraje a Rigor nu em pêlo e recém-saído da capa da G Magazine), escondiam um conteúdo da porra. Textos que, na medida em que fui folheando as páginas, já sentado dentro do ônibus, fui reconhecendo dos tempos em que era leitor assíduo da revista. Foi como um daqueles filmes B em que um sujeito viaja no tempo e, ao dar de cara com um de seus antepassados, percebe no coroa as características seminais que o definem no presente. Nas páginas das revistas saídas do sebo estão lá todas as figuras que hoje habitam de forma quase obsessiva a minha estante de discos e o meu aparelho de som. Pavement, Yo La Tengo, Neil Young, Stooges, Nação Zumbi, Mogwai, Mutantes,Violent Femmes. Todos assinaram a lista de presença. Ao invés de aparecerem em notinhas sociais disfarçadas de matérias, os senhores do parágrafo acima eram personagens de textos escritos por quem entendia de música e escrevia com a preocupação de despertar alguma opinião no leitor. E com grandes piadas no meio, claro. Vejamos: alguém pode botar preço num texto em que Luis Antônio Giron elogia Paulo Miklos chamando o titã de “bulbassauro do rock”? E uma cobertura do Abril pro Rock de 99, em que tocaram Nação Zumbi, Mestre Ambrósio e nomes esquecidos ou obliterados como Via Sat e Sheik Tosado? Ou numa entrevista de duas páginas, mais uma discografia comentada de Frank Black? Ou que tal uma matéria com clima de teoria da conspiração, que define o então pouco conhecido Belle & Sebastian como “uma misteriosa banda escocesa cujos integrantes se recusam a tirar fotografias ou dar entrevistas”? Chamem o Mastercard, porque essa porra simplesmente não tem preço. Dos quatro exemplares adquiridos, aquele que mais me empolgou foi o número 188, de março de 2001, estampado com o abominável frontman do Capital Inicial. Apesar de representar a fase terminal que levou ao primeiro cancelamento da Bizz, é a minha encarnação favorita da revista. Na [...]



Bufallo Bill está morto...

2008-12-07T12:07:48.673-02:00

...E quem ainda não viu o fantasma, vê aqui no clipe novo d' Os Bonnies pra uma das melhores faixas do disco novo dos caras.

(object) (embed)



Jesus Cristo Superstar

2008-12-04T18:17:27.668-02:00

(image)


"[...] a Igreja junto com a imagem de Cristo e dos cultos são um tanto engraçados se você pensar um pouco sobre eles, já que na missa o padre bebe o sangue de Cristo, com a hóstia divide o corpo de Cristo e no final todo mundo adora um cara que ressuscitou. Quer dizer, são linguagens figuradas que eu posso interpretar como vampirismo, canibalismo. E adoramos um morto vivo, um zumbi. [...]"

De Vlad, vocalista do Sick Sick Sinners, explicando de onde vem a inspiração para as letras da banda, em entrevista ao site O Inimigo. Leia.





Now it's on, GRINGO!!!

2008-11-30T22:36:17.349-02:00

Alguns de vocês já devem ter visto, mas o negócio agora é pra valer. Está no ar, em full extreme noise terror, o site O Inimigo, tocada pelas malévolas mentes de Hugo Morais, Tiago Lopes, Daniel Faria e do próprio que vos escreve.


(image)
O lay-out definitivo, criado pelo casal bizarro Alexandre Honório e Kênia Castro (um milhão de obrigados, bróders!), tá supimpa, simples, eficiente e elegante. Perfeito pra começar uma revolução. O negócio agora é manter o barraco atualizado, com resenhas de discos, matérias, entrevistas, artigos e o que mais aparecer.

Na estréia, tem um monte de coisa boa pra ler. Tem uma ruma de entrevistas que fizemos por ocasião do Festival DoSol e já estão no ar há algum tempo, mas que valem uma lida. Estão bons nomes favoritos da casa como Macaco Bong, Cätärro, O Garfo, Mukeka di Rato e quetais.

Nas resenhas, impressões sobre as novas bolachas do The Walkmen e d' Os Bonnies, já lançadas algum tempo mas que valem umas boas linhas.

E ainda tem a cobertura das duas noites principais do Festival DoSol 2008, matéria com o Sergio Ugeda do Debate e do selo Amplitude, artigo sobre os 50 anos de Bossa Nova e por aí. vai É uma refestelação sem limites.

Adicione aos favoritos, apareçam sempre que puderem e se preparem para a vindoura era do terror. Rá.

Ó paí, ó. Ui.



Piada pronta

2008-11-27T13:05:54.843-02:00

(image) Eis a capa de Alone II: The Home Recordings of Rivers Cuomo, segundo volume da compilação de demos e outras esquisitices gravadas pelo líder do Weezer, entre 1992 e 2008. A bolacha chegou nas lojas (gringas, claro) anteontem e, assim como primeiro volume da série, desovado no ano passado, vem recebendo boas críticas. Vale o download e, quem sabe, até uma compra mais ousada no E-Bay . A capa, como vocês todos podem comprovar, é absolutamente genial. Prova irrefutável de que em seus dias de juventude transviada, Cuomo andava perfeitamente sintonizado com as tendência capilares do cenário infanto-sertanejo brasileiro, como evidencia a foto abaixo.


(image)



It's the arts!

2008-11-20T12:19:40.311-02:00

Se vivo estivesse, tio Bill cachoalharia as mandíbulas rindo desta presepada. Pior é que há quem goste e ainda pague dinheiro por isso.A pergunta que não quer calar é: onde se viu um tiro de espingarda fazer um furinho fashionista na testa de alguém? No mínimo, teríamos uma bela sopa de miolos espalhada pelo tapete da sala de estar. Não entendeu? Leia a notícia abaixo, tirada do G1.Em tempo: William Burroughs não matou sua esposa com um tiro de espingarda e sim com uma pistola. Saravá.Obra de arte mostra escritor beat matando Amy WinehouseArtista criou estátuas de Amy em poça de sangue e William S. Burroughs com armaUm artista plástico está expondo em Nova York uma estátua em tamanho real da cantora de rock britânica Amy Winehouse caída no chão em uma poça de sangue, com um tiro na cabeça. Ao fundo, há uma estátua também em tamanho real do escritor americano William S. Burroughs com uma espingarda na mão.A instalação é do artista plástico italiano Marco Perego e chama-se O único rock star bom é o rock star morto. Ela está a venda por cerca de US$ 100 mil e começou a ser exposta na semana passada na Half Gallery, de Nova York. Perego explica que a obra é uma brincadeira com um incidente envolvendo Burroughs. Em 1951, o escritor da "Beat Generation", que é célebre por seu envolvimento com drogas, matou supostamente por acidente a sua esposa, Joan Vollmer, com um tiro de espingarda na cabeça.Em uma festa no México, Burroughs estaria tentando imitar a famosa cena da lenda medieval de Guilherme Tell, em que o arqueiro acerta com uma flecha uma maçã na cabeça de uma pessoa. Na obra do artista plástico italiano, há também uma máscara de Minnie Mouse ao lado do corpo caído de Amy, que, segundo ele, é uma referência a um vídeo do YouTube em que a cantora aparece brincando com um rato ao lado do músico e amigo Pete Doherty. Perego afirma que a obra é uma "espécie de homenagem" a estrelas do rock como Amy Winehouse, que, para o artista, servem de "animais de sacrifício para sociedade". Amy, assim como Burroughs, é conhecida pelo uso de drogas e álcool. Um porta-voz da cantora disse que a obra exposta em Nova York é "engraçada". "É um tributo engraçado. A artista parece estar presa dentro de uma personagem de tablóide que não é a Amy verdadeira. As pessoas em geral usam a imagem dela para vender seus trabalhos", disse o porta-voz ao jornal britânico The Times.Perdeu, Amy![...]



O inevitável se aproxima

2008-11-17T16:23:59.737-02:00

Essa semana soltaram outro trailer de Watchmen, o filme mais esperado com os dois pés atrás do lado de cá.

No novo preview, aparecem mais algumas cenas-chave da HQ original, como a invasão do apartamento do Comediante (incluindo o voô janela abaixo, mostrado de um ângulo diferente do trailer anterior), cenas da Silk Espectre e do Dr. Manhattan e um diálogo entre Coruja e Rorschach. O desajustado de sobretudo, aliás, aparece e fala um bocado no vídeo, provando que o desconhecido Jackie Earl Halley pode afinal ter sido uma boa escolha para o papel. Mesmo por pouco segundos, dá pra notar que o ator conseguiu - sabe-se lá como - transmitir na voz e na postura a presença incômoda e sombria de Rorschach. Uau.

Em relação às cenas do Dr. Manhattan, ainda há algo que me incomoda bastante na caracterização do semi-deus Azulão. Ultimamente tenho tido pesadelos onde o Hulk de Ang Lee se apresenta num boteco sujo, tocando versões emo de Bob Dylan. Talvez exista alguma relação, não sei. Mas o fato é que a caracterização do personagem ainda me parece excessivamente artificial.

Mas verdade seja dita: as novas cenas injetaram uma pequena dose de otimismo em mim. A palavra "visionário" na frente do nome de Zack Snyder continua tão ridícula quanto antes, que fique bem claro. Mas a julgar pelo tratamento dado a algumas cenas importantes, a estranha suspeita de que o sujeito tenha afinal aprendido algo começa a se insinuar. Oh, céus...!

A data de estréia está marcada para 06 de março de 2009.

Para ver o novo trailer, entre no site do filme. Clica aqui.


(image) Tenho uma sugestão para uma adaptação REALMENTE revolucionária... OK, esqueçam.





Execício # 2: Do comportamento das aranhas (urbanas)

2008-11-18T12:15:33.141-02:00

É típico do comportamento das aranhas urbanas estancar a marcha sem motivo aparente - às vezes na quina da parede ou na beira de um precipício - quando estão a caminho de algum compromisso inadiável e se pôr a esfregar com força as patas dianteiras uma nas outras ou no rosto. Não se trata, como a sabedoria popular talvez insista em afirmar, de um sexto sentido que as alerte do perigo próximo e prejudicial a sáude. Longe disso: na maioria das vezes, o ato brusco e atribulado tem mais relação com a memória sobrecarregada desses atarefados seres do que com meditações cotidianas sobre a mortalidade.

Desajeitadas, essas criaturas freqüentemente deixam a teia ou o ninho (se a aranha em questão for mãe de família), em desabalada pressa, esquecendo sem a menor parcimônia a carteira de dinheiro, documentos, relógios ou as chaves do carro. Como conseqüência do costume involuntário, o senso de precaução as obriga a parar e checar se levam consigo todos os apetrechos necessários a sua sobrevivência diária. Caso se verifique a falta de algum item essencial, imediatamente giram em torno das oito patas e se põem a percorrer o caminho de volta, não sem os resmungos e xingamentos de praxe, como é próprio do comportamento rabugento das aranhas.

No caso das espécies peludas, há uma preocupação estética adicional com o asseamento das pernas ou da barba no caso dos machos, em especial naqueles indivíduos de tez mais escura. Ao inventário desses somam-se um pente e um espelho portátil, de boa superfície refletora, comprado nos estabelecimento mais modesto da região, o que denota outro comportamento inerente às aranhas: a incurável sovinice. Desnecessário dizer que, no caso do esquecimento desses itens essenciais, a carga de palavrões é intensificada e redobrada.

No caso excepcional de ordem absoluta no inventário pessoal, a aranha urbana e moderna rapidamente retoma o passo rumo ao compromisso adiante, com humor e confiança reforçados.

(image)




Grandes bobagens da internet

2008-11-14T19:28:37.441-02:00

(image)
O site Akinator tem uma brincadeira tão viciante quanto besta. O negócio é o seguinte: você entra na página e pensa em um personagem - dos quadrinhos, TV, cinema, literatura ou qualquer figura real, de artistas plásticos frescos à políticos de qualquer parte do mundo - e o tal Akinator, o "Gênio da Web" adivinha por meio de uma série de perguntas.

Faz mais ou menos meia hora que estou nessa e o tal boneco não errou uma. E olhe que eu não dei folga. De J.D. Salinger, The Dude (do Grande Lebowski) e Bob Dylan, passando por Russo , Gretchen e Mussum, o Gênio acertou todas.

Se você não tem medo de desafiar as forças do mal, clique aqui e perca alguns saudáveis minutos do seu dia. Ah, o site - e as perguntas, óbvio - são em inglês.



Introducing The Heavy Trap's \m/

2008-11-09T14:50:35.771-02:00

A crônica metaleira no Brasil, apesar de ainda escassa, faz justiça a nomes de inegável importância para as hordas trajadas de preto como Dorsal Atlântica, Sarcófago, Salário Mínimo, Harpia dentre tantos outros incensados como defensores máximos do estilo no país.

Um grupo, no entanto, permanece relegado aos porões escuros do underground heavy, cultuado apenas por uma pequena minoria devota de fãs. Graças a internet e a alguns headbangers de boa vontade, o mundo não precisa mais ser sofrer com tamanha lacuna musical.

Eis então, o melhor e o mais injustiçado grupo de metal brasileiro. Com vocês, The Heavy Trap's numa performance irrepreensível do clássico "Tô Sem Sorte", tirada do filme Os Trapalhões no Reino da Fantasia (1985).

(object) (embed)



Meu candidato

2008-11-07T11:11:33.976-02:00

(image)
Nesse cara eu votava.



Pare de inventar desculpas...

2008-11-05T23:53:32.137-02:00

... e vá ver esse filme. Agora.

(object) (embed)



Sobrivendo no inferno - e ainda achando bom!

2008-11-04T17:39:42.725-02:00

(image)
Fim de semana que passou findou-se a primeira etapa do Festival DoSol 2008. O negócio foi de impressionar olhos e ouvidos incautos. Som e luz de primeira, shows memoráveis e cerveja relativamente barata (era Sol, mas OK, dessa vez passa), cachorros-quentes estratégicos e gente feia a dar com pau. Ou seja, tudo que um bom festival de rock tem que ter.

Mais detalhes sobre o massacre que contou com a presença de gente do naipe de Macaco Bong, MQN, Black Drawing Chalks (foto metal acima), Forgotten Boys, Catarro, Camarones Orquestra Guitarrística, Mukeka di Rato e as gringas The Donnas no blog do ainda vindouro site O Inimigo.

Clica aqui e te vira. E aproveita e coloca o endereço no teu favoritos, porque dias 12 e 13 têm a segunda etapa do DoSol com shows de O Garfo, Debate, Elma, Os Poetas Elétricos e Edu Gomez.

[[P.S.:]] A visualização do blog com o Internet Explorer vem apresentando alguns problemas. Para melhor se refestelar, melhor usar o Mozilla Firefox, Safari ou outro navegador de sua preferência.