Subscribe: Mural da Existência
http://muraldaexistencia.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
dos  ele  isso  mais  mesmo  mundo  nos  nossa  não  outros  quando  quem  sem  ser  seu  sua  são  tudo  vida 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Mural da Existência

Mural da Existência



"O apelo do Caminho do Campo acorda um sentido que ama a liberdade e, no lugar oportuno, suplantará as aflições numa última serenidade. Em sua via se encontram a tormenta do inverno e o dia da colheita, em sua via se cruzam à mobilização estimulant



Updated: 2016-09-07T21:30:20.935-07:00

 



Pós Modernidade

2012-07-30T10:04:49.002-07:00


A Pós-Modernidade marca o declínio do que Freud chamaria de Lei-do-Pai, cujo efeito mais imediato no social é a anomia, onde a perversão se vê livre para se manifestar em diversas formas, como na violência urbana, no terrorismo, nas guerras ideologicamente consideradas “justas”, “limpas” ou “cirúrgicas”. A razão cínica é cada vez mais instrumentalizada. Isto é, não basta ser transgressivo ou perverso-imoral, é preciso se construir uma justificativa “moral” para atos imorais ou perversos. Zizek cita o escabroso caso dos necrófilos, nos EUA, que se julgam no “direito” de fazer sexo com cadáveres. Ou seja, ele diz que qualquer cadáver é um potencial parceiro sexual ideal de sujeitos tolerantes que tentam evitar toda e qualquer forma de molestamento. Por definição: não há como molestar um cadáver.

Na Pós-Modernidade, a perversão e o estresse são sintomas resultados da falta-de-lei, da falta-de-tempo e da falta-de-perspectiva de futuro, porque tudo se desmoronou (do muro de Berlin à crença nos valores e na esperança). A sociedade é regida para além da ânsia de espetáculo; existe a ânsia de prazer a qualquer preço, a maioria parece se sentir na obrigação de se divertir, de “curtir a vida adoidada” e de “trabalhar muito para ter dinheiro ou prestígio social”, não importando os limites de si próprio e dos outros. As pessoas se sentem no dever de se vender como se fosse um prazer, de fazer ceia de Natal em casa à meia noite, de comemorar o gol que todo mundo está comemorando, de curtir o carnaval nos 3 ou 4 dias, de seguir uma religião, de usar celular sem motivo concreto, de gastar o dinheiro que não têm, de ter relações sexuais toda noite porque todos dão a impressão de fazê-lo, de fazer cursos e mais cursos, ascender na empresa, escrever mil e um artigos por ano na universidade. Enfim, todos parecem viver na “obrigação” de se cumprir uma ordem invisível, e de ser visivelmente feliz e vencedor.

Heidegger coloca que esse mergulho no impessoal é uma maneira de lidar a angústia. Ao passo que o Homem é um ser-no-mundo e a angústia se torna uma possibilidade, ela o acomete e lhe causa um desconforto em seu ser. Se não se encontra conforto e amparo em si mesmo, passa a se refugiar na massa, no impessoal. Como a angústia mostra de maneira mais nua a inospitabilidade do mundo e isso causa um estranhamento, a possibilidade de se refugiar nas manifestações da massa parece sedutora, pois se poderá ter a ilusão de que não se é estranho, as coisas não estão estranhas e, evidentemente, aqui se poderá estar amparado, protegido, sentindo-se pertencente, acolhido.

Quem não obedece a si mesmo é regido por outros. É mais fácil, muito mais fácil, obedecer a outro do que dirigir a si mesmo...



Sorria

2012-06-28T06:13:37.867-07:00

CONTARDO CALLIGARISSorria!Pesquisas mostram que valorizar a felicidade produz insatisfação e mesmo depressãoNa frente da câmara fotográfica, ninguém precisa nos dizer "Sorria!"; espontaneamente, simulamos grandes alegrias, sorrindo de boca aberta. Em regra, hoje, os retratos são propaganda de pasta de dentes -se você não acredita, passeie pelo Facebook, onde muitos compartilham seus álbuns, rivalizando para ver quem parece melhor aproveitar a vida.O hábito de sorrir nos retratos é muito recente. Angus Trumble, autor de "A Brief History of the Smile" (uma breve história do sorriso, Basic Books), assinala que esse costume não poderia ter se formado antes que os dentistas tornassem nossos dentes apresentáveis.Além disso, os retratos pintados pediam poses longas e repetidas, para as quais era mais fácil adotar uma expressão "natural". O mesmo vale para os daguerreótipos e as primeiras fotos: os tempos de exposição eram longos demais. Já pensou manter um sorriso por minutos?Outra explicação é que o retrato, até a terceira década do século 20, era uma ocasião rara e, por isso, um pouco solene.Mas resta que nossos antepassados recentes, na hora de serem imortalizados, queriam deixar à posteridade uma imagem de seriedade e compostura; enquanto nós, na mesma hora, sentimos a necessidade de sorrir -e nada do sorriso enigmático do Buda ou de Mona Lisa: sorrimos escancaradamente.Certo, o hábito de sorrir na foto se estabeleceu quando as câmaras fotográficas portáteis banalizaram o retrato. Mas é duvidoso que nossos sorrisos tenham sido inventados para essas câmaras. É mais provável que as câmaras tenham surgido para satisfazer a dupla necessidade de registrar (e mostrar aos outros) nossa suposta "felicidade" em duas circunstâncias que eram novas ou quase: a vida da família nuclear e o tempo de férias.De fato, o álbum de fotos das crianças e o das férias são os grandes repertórios do sorriso. No primeiro, ao risco de parecerem idiotas de tanto sorrir, as crianças devem mostrar a nós e ao mundo que elas preenchem sua missão: a de realizar (ou parecer realizar) nossos sonhos frustrados de felicidade. Nas fotos das férias, trata-se de provar que nós também (além das crianças) sabemos ser "felizes".Em suma, estampado na cara das crianças ou na nossa, o sorriso é, hoje, o grande sinal exterior da capacidade de aproveitar a vida. É ele que deveria nos valer a admiração (e a inveja) dos outros.De uma longa época em que nossa maneira e talvez nossa capacidade de enfrentar a vida eram resumidas por uma espécie de seriedade intensa, passamos a uma época em que saber viver coincidiria com saber sorrir e rir. Nessa passagem, não há só uma mudança de expressão: o passado parece valorizar uma atenção focada e reflexiva, enquanto nós parecemos valorizar a diversão. Ou seja, no passado, saber viver era focar na vida; hoje, saber viver é se distrair dela.Ao longo do século 19, antes que o sorriso deturpasse os retratos, a "felicidade" e a alegria excessivas eram, aliás, sinais de que o retratado estava dilapidando seu tempo, incapaz de encarar a complexidade e a finitude da vida.Alguém dirá que tudo isso seria uma nostalgia sem relevância, se, valorizando o sorriso e o riso, conseguíssemos tornar a dita felicidade prioritária em nossas vidas. Se o bom humor da diversão afastasse as dores do dia a dia, quem se queixaria disso?Pois é, acabo de ler uma pesquisa de Iris Mauss e outros, "Can Seeking Happiness Make People Happy? Paradoxical Effects of Valuing Happiness", em Emotion on-line, em abril de 2011 (http://migre.me/9CT8e).Em tese, a valorização ajuda a alcançar o que é valorizado -por exemplo, se valorizo as boas notas, estudo mais etc. Mas eis que duas experiências complementares mostram que, no caso da felicidade (mesmo que ninguém saiba o que ela é exatamente -ou talvez por isso), acontece o contrário: valorizar a felicidade produz insatisfação e mesmo depressão. De que se trata? Decepção? Sentimento de inadequação?Um p[...]



Canibais do Agreste

2012-04-19T08:07:50.392-07:00

Canibais do Agreste - Por C. CalligarisOs canibais do agreste são três loucos. A partir de que número eles seriam uma seita? E uma religião? Na quarta-feira retrasada, em Garanhuns (PE), a polícia prendeu Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 51, sua mulher, Isabel Cristina Torreão Pires da Silveira, também 51, e Bruna Cristina Oliveira da Silva, 25, que vivia com o casal e era a amante de Jorge. Os três são acusados de ter matado no mínimo três jovens mulheres: duas nos últimos meses, em Garanhuns, e outra, em 2008, em Olinda. Eles confessaram ter comido pele, vísceras e carne das vítimas. Isabel declarou ter usado esses ingredientes na preparação de empadas que ela vendia cidade afora. Os restos das vítimas recentes foram encontrados no quintal da casa do trio.Jorge, formado em educação física e com uma segunda faculdade ao menos começada, deixou um manuscrito de 34 minicapítulos e cinco desenhos registrado em cartório (como se temesse pelos direitos autorais). Também existe um filme, que Jorge e Isabel produziram e no qual eles atuaram, anos atrás. Bruna, ao que parece, escreveu um diário, que acaba de ser encontrado.Passei a tarde de domingo lendo o manuscrito de Jorge; o memorial se interrompe pouco depois da primeira vítima, Jéssica (a qual, antes de ser morta, pariu uma menina, que passou a viver com o trio e de quem Jorge afirma ser o pai).No memorial, Jorge também relata o diagnóstico de esquizofrenia paranoide, as tentativas de medicação e a passagem por diversos serviços de saúde mental.Numa entrevista televisiva (http://migre.me/8GY8q), Jorge conta que as vítimas precisavam ser purificadas, e purificar as almas era a "missão" do trio. As mulheres, atraídas por propostas de trabalho, eram levadas, na conversa, a falar "coisas boas", de maneira a poderem morrer "perdoadas".Comer a carne era parte do ritual de purificação; talvez os assassinos incorporassem assim a nova "pureza" de suas vítimas -afinal, segundo muitos antropólogos, o canibal assimila as qualidades da pessoa de quem ele se alimenta. De fato, depois do primeiro assassinato, Bruna passou a ser chamada de Jéssica, nome da primeira vítima.Seja como for, o crime do trio inspirou um horror descomunal. Populares de Garanhuns, não podendo linchar os três, lincharam a casa, que foi saqueada e queimada por duas vezes.De fato, o autocanibalismo é frequente (as pessoas comem suas unhas e peles sem problema), mas o canibalismo é muito raro. Aparece na ficção (Hannibal Lecter) e em alguns casos em que está ligado a fantasias sexuais extremas (vide o caso de Jeffrey Dahmer e o caso de Armin Meiwes, que, na Alemanha, em 2003, encontrou Bernd Brandes, o qual queria ser devorado e participou da comilança de seu próprio corpo até morrer). Desse canibalismo sexual sobra em nós a vontade de morder o ser amado -além do duplo sentido lusitano de "comer".Fora isso, o canibal é sobretudo uma construção cultural, que serve para apontar a selvageria no primitivo e no outro em geral (sobre isso, ler o excelente "An Intellectual History of Cannibalism", de Catalin Avramescu, Princeton).Agora, o canibalismo, para Jorge, não foi um transporte sensual ou sexual, mas o jeito louco de se dar uma identidade e um sentido. Os cristãos sustentam sua força espiritual incorporando simbolicamente o corpo de Cristo na comunhão; Jorge tentou se tornar alguém no mundo devorando realmente suas vítimas purificadas. Ele conseguiu: tornou-se a mão vingadora do arcanjo, com a "clara" missão de purificar o mundo.Alguém me perguntou: como três pessoas podem compartilhar a mesma loucura?A psiquiatria francesa do século 19 nomeou a "Folie à deux" (loucura a dois), que o DSM (manual de diagnóstico de transtornos mentais) hoje chama de Transtorno Psicótico Compartilhado. Às vezes, dois ou mais psicóticos podem influenciar reciprocamente a elaboração de seus temas delirantes. Mais frequentemente, a loucura é imposta a outros (não psicóticos) por um personagem dominante[...]



Sintonia no ciclos da vida

2012-04-02T07:10:29.230-07:00

(image)



Ja desejei não mais chorar pensando em não mais sofrer. Já desejei não mais amar para não mais me machucar. Já desejei não mais ter amigos para não mais me decepcionar. Já desejei dormir e não mais acordar para poder descansar. Mas a vida ensina que tudo serve para nada e nada serve para tudo. Viver é descobrir que não há senão caminhos para conduzir a uma existencia legítima, apenas um: O seu próprio caminho. E o segredo que tanto buscas, aparece e desaparece na insconstancia da vida, viver é se surpreender. Não perca o interesse pela vida, não ache que já descobriu tudo sobre a vida. Quando não há tristeza, é porque a alegria esta debaixo de nosso travesseiro e quando há apenas alegria é porque a dor dorme e descansa até o limiar do próximo nascente.



(Jean Monbourquette)

2012-03-08T06:22:27.779-08:00

(image)

Todo o amor, todo o talento, todo tempo, toda a aplicação. Todas as alegrias, todas as carícias, todos os sofrimentos, todas as promessas, todas as preocupações.

Tudo esta perdido. É o grande vazio, é a morte, é o nada. Graça da evidencia, dura e tranquilizadora realidade.

Abandono completo. Minha dor se transforma em luz, em purificação, em vida que jorra. Por que devo morrer deste modo, para aprender a viver?

(Jean Monbourquette)



Terminalidade

2012-03-08T06:13:25.757-08:00

(image)

No fim sei retornarei de onde vim... do pó vieste e ao pó retornareis... Poeira do espaço... Gostaria de ser cremado e como sei que nesta hora terei de estar sozinho, coloquem minhas cinzas dentro de uma garrafa de vinho.

No fundo, gostaria de ser uma garrafa de vinho... Para aguardar em plena serenidade o momento de ser celebrado. O momento solene de alegrar ou inebriar o bohemio, o poeta, o homem de Deus, a prostituta, o rapinante, o homem de negócios... Enfim, trazer dionisíacamente o ensejo do ledice sabor: Vida! Uma vez mais Vida! E nesse momento todas as nossas dores serão esquecidas...



Privacidade

2012-02-24T06:04:59.224-08:00

(image)

Perdemos a privacidade?



Estamos nos expondo desnecessariamente e cada vez mais? Escondemos nos sorrisos, nos disfarces dos protocolos nossa dor, nossa angústia, nossa necessidade de compartilhar a existencia. Será que para ter a garantia que sou feliz, preciso testemunhar que os outros vejam minha felicidade?



É preciso prezar a intimidade. É preciso cuidar da privacidade. A excessiva exposição, o modo como nos exibimos em sites de relacionamento, em fotos postadas, em comportamentos de auto-afirmação de felicidade, a necessidade de sermos vistos, invejados, admirados nos causa um grande vazio. Por que? Porque nos torna superficiais. A superficialidade vive no escancaramento da privacidade, no estupro da intimidade. Nos tornamos fúteis quando nos preocupamos com a vida do vizinho, com a ostentação e a busca de sermos vistos, com a necessidade de exibirmos o que fizemos ontem, que fui a europa, andei a cavalo, nadei, sorri, senti, sorri, quando queremos nos comparar e espiar os "posts" dos amigos virtuais que na realidade nem conhecemos! Me olhe, sou mais feliz que você, olhe pra minha privacidade, aqui eu mostro até com quantas pessoas eu fiquei e transei! Me olhe! Me deseje... Como diria Zygmunt Bauman, não criamos mais vínculos, criamos redes sociais... Basta um clique no FaceBook para eu deletar alguém ou adicioná-lo como "amigo". Aliás, a palavra amigo perdeu seu significado... em breve teremos um novo dicionário...



Se não prezamos nossa privacidade nos tornamos superficiais...


Do mesmo modo que compartilhamos os momentos alegres com verdadeiros amigos, também há necessidade de compartilhar nossa dor, nossos momentos de tristeza, sem censura e sem a frívola necessidade de mostrar que somos apenas o gozo e extase da uma ejaculação precoce.


Amigos... prezem a privacidade!




Certeza do agora

2012-02-23T11:03:20.406-08:00

(image)


"A vida de um homem é o instante onde o mundo, em vão, se ilumina. A pedra, a lua e o rosto do outro não seriam comemorados e celebrados se o breve trânsito de nossa aparição não contasse com a língua e com a palavra. Também os gestos ou a dança, e a pintura, igualmente celebram, mas é na palavra das línguas que o mundo deixa de ser mundo e pode tocar a aparição. Se o homem deixar de existir e apenas o lagarto ou outro animal grunhir para a lua, então ela será menos lua e algum deus criador que acaso persista em sua incansável persistência terá de reconhecer que sua "obra" não é devidamente celebrada e ele, junto de seu imenso narcisismo trabalhista, teria de se suicidar. Celebrar é estar exposto e atingido pelas coisas a ponto de, ao dizê-las, guardar-lhes a vibração, comemorá-las."


Juliano Pessanha no livro "Certeza do Agora"



Pré-Pânico

2012-01-29T10:39:26.484-08:00

(image)


Eu sei. Não pode. É perigoso. Cuidado. Bem que eu disse. Eu não faço isso por nada. Controle. Segurança. Garantia. Medo. Desconfiança. Medo de avião - insegurança. Medo de navios. Medo de mar - liberdade. Não se duvida de nada. Não se questiona nada. Esse é o princípio da eclampsia existencial - Síndrome do Pânico.



Paralisia existencial

2012-01-13T09:45:04.804-08:00

(image)



Tenho visto pessoas de todas as idades, homens ou mulheres perderem o encantamento pela vida. Uns sondam as nostalgias. Vivem seu passado como se só estivessem realmente existido nele. Não conhecem mais músicas novas, não descobrem novos estudos, novos lazeres, novos vinhos. Outros vivem das previsões do futuro. Delimitam o controle sobre suas vidas e se perdem na fugacidade de amores sem raízes, relacionamentos relampagos, nada os convoca, nada os prende e já não se cria, já não se é espontâneo - existencia fast-food. Somos feitos para aprender, para criar, descobrir... algo que só subexiste se questionarmos, duvidarmos e semearmos os questionamentos necessários do amadurecer. Aqueles que estão resignados, estão engessados, ressentidos e ásperos nas micoses da existencia. Os pés caminham para frente, não tenha medo. Se vc se lembrasse de cada escorregão, de cada tombo que levou aprendendo a andar nos primeiros anos de vida, vc estaria agora numa cadeira de rodas, com medo da instabilidade, da surpresa e epifania da vida. Amigos, sondem os labirintos!



A utopia da melhor idade | CPFL Cultura

2012-01-13T09:45:54.173-08:00

(image)

Em síntese, o narcisista não é, como sugere a vulgata do mito de Narciso, alguém apaixonado por si mesmo ou por sua imagem no espelho. Ao contrário, o problema do narcisista é que ele depende totalmente dos outros para se definir e para decidir seu próprio valor: ele se orienta na vida só pela esperança de encontrar a aprovação do mundo.

Infelizmente, nunca sabemos por certo o que os outros enxergam em nós. Às vezes, o narcisista se exalta com visões grandiosas de si, ideias infladas do amor e da apreciação dos outros por ele; outras vezes, ao contrário, ele despenca no desamparo, convencido de que ninguém o ama ou aprecia.

Ora, a modernidade é isso: um mundo sem castas fixas, onde cada um pode subir ou descer na vida justamente porque seu lugar no mundo depende da consideração (variável e sempre um pouco enigmática) que os outros têm por ele. (C.C)

Boa palestra a todos... assistam! Video na íntegra:

http://vodpod.com/watch/3150847-ntegra-a-utopia-da-melhor-idade-cpfl-cultura

(embed)



Ouvir...

2011-07-29T08:17:42.538-07:00

(image)




O homem está dividido dentro de si. A vida volta-se contra si própria através da agressão, do ódio e do desespero. Estamos habituados a condenar o amor-próprio; mas aquilo que queremos realmente condenar é o oposto do amor-próprio. É aquela mistura de egoísmo e aversão por nós mesmos que permanentemente nos persegue, que nos impede de amar os outros e que nos proíbe de nos perdermos no amor com que somos eternamente amados. Aquele que é capaz de se amar a si próprio é capaz de amar os outros; aquele que aprendeu a superar o desprezo por si próprio superou o seu desprezo pelos outros.

Mas a profundidade da nossa separação reside, justamente, no fato de não sermos capazes de um grande amor, clemente e divino, por nós próprios. Pelo contrário, existe em cada um de nós um instinto de autodestruição, tão forte como o nosso instinto de autopreservação. Na nossa tendência para maltratar e destruir os outros existe uma tendência, visível ou oculta, para nos nos destruirmos.


A crueldade para com os outros é sempre também crueldade para com nós próprios. Deste modo, o estado de toda a nossa vida é o distanciamento dos outros e de nós próprios, porque estamos distanciados da Razão do nosso ser, porque estamos distanciados da origem e do objetivo da nossa vida. Estamos separados do mistério, da profundidade e da grandeza da nossa existência. Ouvimos a voz dessa profundidade, mas os nossos ouvidos estão fechados. Sentimos que algo radical, total e incondicional nos é exigido; mas rebelamo-nos contra isso, tentamos fugir à sua urgência e não aceitamos a sua promessa.


"O primeiro dever do amor é escutar" (Paul Tillich)



Ainda está chovendo...

2011-07-29T08:04:12.619-07:00

(image)




Ainda está chovendo. Não posso deixar de sentir os pequenos acenos de meu corpo em direção as águas que agora caem. Livro-me de algumas roupas e deixo que a chuva caia sobre mim. Sento por alguns intantes sobre o chão e fecho meus olhos. Em meu corpo começam a brotar as sementes que antes não vingavam. Perdo-o a todos, enclusive a mim mesmo. Por alguns instantes, sinto uma alegria juvenil pairando sobre minhas pernas, um pouco cansadas. Refresco-me, refaço-me, renasço dessas águas junto as plantas que sacodem pingos pelo vento, que diante de mim aplaudem a liberdade que contemplo. Existem flores que desabrocham apenas aos olhares atentos que quem se assusta e sente o sopro epifanico da existencia... O começo, o meio e o FIM caminhando juntos no ritmo do infinito...



Círculos

2011-06-14T09:00:02.776-07:00

(image)


Teorias, explicações, conclusões, encerramento de caso. Tudo isso para nos trazer a consolação, o travesseiro, o colo. Mas teoria é algo que não é, e a gente finge que é para saber como seria. Concluímos os assuntos, estabelecemos certezas para abafar a angústia necessária do encontro com nós mesmos. Para não nos desesperarmos com o navio sagrado que é o mundo, girando em torno de si mesmo, repetindo os ciclos. E a insídia metafísica que ela precisa para gerenciar o poder e o controle. Eles querem que você abaixe sua cabeça e aceite o infortúnio da mundanidade. Mas eu os admiro. Gostaria de poder entregar minha vida para um outro governar, realizar as escolhas, pensar por mim, se responsabilizar e me dar sempre leite no seio e colo quentinho. Mas, sou o escavador do inexplorado, estrangeiro na aristocracia e o não-pertencimento é onde reside o meu leito.


E enquanto isso, somos só mais um... Somos? Alguns que se arriscam a sair do próprio conforto, da resignação que enfraquece nos tornando burros de carga de conhecimentos confiados a razão. A razão é a que nos tira da experiência real. E eu? Não sei, tudo pode. Não sei como as coisas deviam ser, mas sei como não deviam ser. Não sei o que é isso ou aquilo, mas sei o que isso ou aquilo NÃO é.

"Emigrado neste canto sem cura ousei recitar um hino, ams minha voz retirou-se e eu me vi face a face com o segredo da noite. Impossibilitado de revelá-lo, a ele me fundi e, nesta viagem sem volta, fui convertido ao silêncio". (Juliano Pessanha)



Quando se chega ao Final

2011-06-09T11:04:33.751-07:00

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. Foi despedida do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações? Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu....Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora...Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos.Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais. Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal". Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és...E lembra-te: Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão[...]



Curtir é Covardia

2011-06-06T13:18:04.270-07:00

Celebrado escritor e ensaísta norte-americano, Jonathan Franzen é um dos principais nomes da atual literatura de seu país. Ele atingiu esse status ao lançar o livro As Correções (Cia. das Letras) em 2001, quando ganhou o National Book Award e foi finalista do prêmio Pulitzer do ano seguinte. O ensaio aqui publicado é quase uma continuação de outro (I Just Called to Say I Love You) que escreveu há três anos para a revista Technology Review e que colocava os celulares na berlinda. O alvo desta vez são as redes sociais. Duas semanas atrás, substituí meu BlackBerry Pearl, já com três anos de idade, por um BlackBerry Bold, muito mais poderoso. Nem preciso dizer como fiquei impressionado com o quanto a tecnologia avançou em três anos. Mesmo quando não havia ninguém para telefonar ou mandar e-mail, eu queria continuar mexendo no meu novo Bold e sentir a maravilhosa nitidez de sua tela, a movimentação sedosa do seu trackpad, sua chocante velocidade de resposta, a sedutora elegância de seus gráficos.Em resumo, fiquei apaixonado por meu novo dispositivo. É claro que o dispositivo anterior também tinha despertado em mim uma paixão semelhante; mas, com o passar dos anos, nosso relacionamento perdeu brilho. Surgiu uma série de problemas na minha relação com o Pearl: problemas de confiança, de responsabilidade, de compatibilidade e até, na porção final de nossa história conjunta, algumas dúvidas em relação à própria sanidade do meu Pearl, até que finalmente vi-me obrigado a reconhecer que eu tinha amadurecido e perdido o interesse naquele relacionamento.Será que preciso destacar o quanto nosso relacionamento era – na ausência de uma extravagante e antropomorfizante projeção segundo a qual meu antigo BlackBerry teria ficado magoado com o esmaecimento do amor que eu sentia por ele – absolutamente unilateral? Permita-me destacá-lo mesmo assim.Permita-me destacar ainda a frequência absurda com que a palavra “sexy” é usada para descrever os modelos mais recentes de dispositivos eletrônicos; e o quanto as coisas extremamente bacanas que podemos agora fazer com estes dispositivos – como ativá-los por meio de comandos de voz ou usar os dedos espalhando-os sobre a tela do iPhone para aumentar as imagens – pareceriam ser, para as pessoas de cem anos atrás, verdadeiros encantamentos de mágico, gestos de mago; e o quanto recorremos, na tentativa de descrever um relacionamento erótico que esteja funcionando perfeitamente, à metáfora da magia.Permita-me propor a ideia de que, conforme nossos mercados descobrem e respondem àquilo que os consumidores mais desejam, nossa tecnologia se torna extremamente hábil na criação de produtos que correspondam ao nosso ideal fantasioso de um relacionamento erótico, no qual o objeto amado se entrega por completo sem exigir nada em troca, instantaneamente, fazendo que nos sintamos todo-poderosos, sem criar cenas constrangedoras quando é substituído por um objeto ainda mais sexy, sendo então relegado a uma gaveta.Falando numa perspectiva mais geral, o objetivo definitivo da tecnologia, a teleologia da techné, é substituir um mundo natural indiferente a nossos desejos – um mundo de furacões e dificuldades e corações partíveis, um mundo de resistência – por outro mundo que responda tão bem a nossos desejos a ponto de ser, com efeito, uma mera extensão do ser. Permita-me sugerir, finalmente, que o mundo do tecnoconsumismo é, portanto, incomodado pelo amor verdadeiro, restando-lhe como única escolha responder perturbando o amorSua primeira linha de defesa é transformar seu inimigo em commodity.Todos saberão citar seu favorito [...]



Hidden

2011-02-17T09:08:40.344-08:00

(image) A essência esta onde nossos olhos não podem alcançar... O que esta escondido, não por escolha, mas por precisar estar submerso naquilo que nossa consciência não pode de um só vez perceber, guarda os segredos de nossa história, de nossos medos e de nossos desejos. Entrar-me-ei nos jardins secretos de minha existencia? Poderei eu não enlouquecer com aquilo que posso esconder me mim mesmo? Vou adiante? Ou estuprarei meus receios e caminharei adiante?



Na noite passada eu sonhei...

2011-02-17T13:16:47.451-08:00

(image)
Antes de dormir, fui dormir com o gosto de carvalho em minha boca, gosto de húmus, com perfume doce de um vinho que não se repetirá. No sonho, sangue e algodão... são cores que enxergo em uma sinestesia desenfreada. Noite? Dia? No céu azul eu via o sol mas também a lua... Acordei do sonho dentro do sonho. Ah! era um sonho lúcido... Via-me num grande campo verde, rodeado de animais selvagens que me observavam, a espreita... Não tinha medo, estava prenhe de uma alegria serena e um sorrido juvenil... sabia que era perigoso mas evitava dar passos p/ trás... Me arriscava como quem provoca a morte sabendo que não se morre no mundo da própria criação... Eu tinha o controle de tudo menos de uma coisa: o desejo e o medo... E corria p/ o precipício sabendo que não devia, que não podia... mas queria aprender a voar mesmo sabendo que minhas asas estavam na mão de uma mulher... E caía em camera lenta, despencando do nada ao nada... num sonho estranho, sem interpretação ou explicação...



caminhos

2011-02-09T08:06:27.156-08:00

(image) Talvez eu fique, talvez eu vá.
Quero sombra mas também quero o clarão da lucidez
que cegou o velho sábio com os inigmas da existencia
Eu quero água, e também quero vinho
Aqui onde estou, posso estar acompanhado
Mas também posso estar sozinho.
Nos becos por onde caminho
Poucos são aqueles que encontro
Mas quando os vejo, digo-lhes: não me siga amigo
Caminhe ao meu lado onde as margens se cruzam mas não se destinam.
Eles podem se cruzar, mas por onde exploro meus passos
Não há nada além de mim mesmo
E assim que os pássaros se aquietam e o silêncio ressoa
Fundo-me na plenitude do Vazio - sou o que sou
sondei meus labirintos...



piparotes

2010-11-27T06:41:23.219-08:00

Posso respeitar a tenacidade corajosa de quem se mantém fiel a suas convicções, mas no que ela difere da teima de quem se esconde atrás dessa fidelidade porque não sabe negociar com quem pensa diferente e com o emaranhado das circunstâncias que mudam? Aplicar princípios e nunca se afastar deles é uma prova de coragem? Ou é a covardice de quem evita se sujar com as nuances da vida concreta?

Olhando para trás, descubro (com certo orgulho) que, ao longo da vida, fiz inúmeras concessões, inclusive na hora de escolhas fundamentais. Poucas vezes lamentei não ter sido coerente. Mas muitas vezes lamento não ter sabido fazer as concessões necessárias, por exemplo, na hora de ajustar meu desejo ao desejo de pessoas que amava e de quem, portanto, tive que me afastar.

A coerência é uma virtude só para quem se orienta por princípios. Para o indivíduo moral, que se orienta (e desorienta) por dilemas, a coerência não é uma virtude, ao contrário, é uma fuga (um tanto covarde) da complexidade concreta. Oscar Wilde, que é um grande fustigador de nossas falsas certezas morais, disse que "a coerência é o último refúgio de quem tem pouca fantasia" e, eu acrescentaria, de quem tem pouca coragem.

(C. Calligaris)



Eterno Retorno

2010-08-16T09:43:21.207-07:00

(image) Tudo vai, tudo volta; eternamente gira a roda do ser.
Tudo morre, tudo refloresce, eternamente transcorre o ano do ser.
Tudo se desfaz, tudo é refeito; e
ternamente fiel a si mesmo permanece o anel,
Eternamente constróí-se a mesma casa do ser.
Tudo se separa, tudo volta a se encontrar; do ser.
Em cada instante começa o ser; em torno de todo o "aqui " rola a bola "acolá ".
O meio está em toda parte. Curvo é o caminho da eternidade.


(NIETZSCHE, Assim falou Zaratustra, "0 convalescente", § 2).


O conceito do Eterno Retorno nos remte a um questionamento sobre a vida: na existência escancarada de cada ser, amamos ou não amamos a vida? Se tudo torna e retorna - o gozo, a dor, a angústia, criação, destruição, alegria e tristeza, saúde, doença, bem e mal, belo e feio… tudo vai e tudo retorna... Se tudo isso volta sem nenhuma ordem ou ciclo — isto é divino ou maldito? Amamos a vida a tal ponto de desejarmos ela, infinitas vezes sem fim? Vivendo todos os nossos ocasos, bandições e decepções com a mesma intensidade? Seríamos capazes de amar a vida que temos - a única vida que temos - a ponto de querermos vivê-la sem a menor alteração, infinitas vezes ao longo da eternidade? Temos tal amor ao nosso caminho?

Todas as coisas que parecem ser antagônicas. Ou seja, todos os opostos na realidade não se opõem, mas são faces de uma mesma realidade. Um complementa o outro, são continuidades de apenas um jogo. Alegria e tristeza são faces de uma única coisa experienciada em diferentes graus. O retorno de tudo não se reporta a uma demarcação temporal cíclica e exata, mas às nuances de vivências que se complementam e dão o colorido da vida.

O devir não ocorre exatamente igual, são variações de sentidos já vivenciados. O que ja senti de bom e de mal, não serão iguais amanhã, mas voltarei a experimentar esses estados em diferentes variações...

Então, se tudo retorna - será que queremos mesmo viver à eternidade onde nada de novo irá acontecer além de vivências com nuances variadas de uma mesma realidade?
Só você pode responder a essa pergunta, ninguém pode fazer isso por você. Lembre-se: uma resposta lógica, pronta e acabada não faz sentido. Há de remoer e buscar nas entranhas da angústia e nas portas do desespero reflexões fecundas, prenhes de insights...

Temos tal amor ao nosso caminho? Aos destinos que trilhamos? Sou Autor de minha vida? Escrevo ela com minha carne e meu sangue? Ou outras pessoas escrevem p/ mim, tornando-me mero ator ou coadjuvante? Sigo meu caminho ou ando por trilhas já trilhadas?

É hora de criarmos novos valores, e irmos p/ uma reformulação total de ideais...



O castigo físico

2010-08-09T07:06:26.845-07:00

O castigo físico O castigo físico acaba com a autoridade de quem castiga, pois revela que seu argumento é a forçaUMA RECENTE pesquisa Datafolha (Folha, 26/7) mostra que, no Brasil, 69% das mães e 44% dos pais admitem ter batido nos filhos.Parêntese. Os pais são tão violentos quanto as mães: simplesmente, eles passam menos tempo em casa e lidam menos com o "adestramento" dos filhos.A pesquisa constata também que 72% dos adultos sofreram castigos físicos quando crianças. Como se explica, então, o fato de que 54% dos brasileiros se declaram contrários ao projeto de lei que proíbe os castigos físicos em crianças? Há várias hipóteses possíveis.1) Talvez quem apanhou quando criança não queira perder o direito de se vingar em cima dos filhos.2) Talvez não aceitemos a ideia de que os nossos pais tinham sobre nós uma autoridade maior do que a que nós temos ou teremos sobre nossos filhos.3) Na mesma linha, talvez estejamos dispostos a apanhar dos superiores sob a condição de sermos autorizados a bater nos subalternos. Nota: aceitar apanhar dos mais poderosos para poder bater nos mais fracos é a caraterística que resume a personalidade burocrático-autoritária do funcionário fascista.4) A autoridade, dizem alguns com razão, sempre tem um pé na coação e recorre à força quando seu prestígio não for suficiente para ela se impor. Hoje, a autoridade simbólica dos adultos é cada vez menor. É provável que os próprios adultos sejam responsáveis por isso (principalmente, por eles se comportarem cada vez mais como crianças); tanto faz, o que importa é que o prestígio dos adultos não lhes garante mais respeito e obediência. Portanto, a palavra aos tabefes.É um erro: o castigo físico acaba com a autoridade de quem castiga, pois revela que seu argumento é apenas a força. A reação mais sensata da criança será: tente de novo quando eu estiver com 15 anos e 1,80 m de altura.Esses e outros argumentos a favor da palmatória não encontram minha simpatia. Até porque verifico que os rastos desses castigos não são bonitos. Mesmo um simples tapa é facilmente traumático tanto para o pai que bateu como para o filho: ele paira na memória de ambos como uma traição amorosa que não pode ser falada por ser demasiado humilhante (para os dois). Há pais violentos que passam a vida na culpa, e há crianças cuja vida erótica adulta será organizada pela tentativa de encontrar algum sinal de amor no sadismo dos pais.Apesar disso, se tivesse sido consultado na pesquisa, provavelmente eu teria me declarado contra a nova lei, por duas razões.A primeira (e menos relevante) é que existem violências contra crianças piores do que a violência física, e receio que uma lei reprimindo o castigo físico nos leve a pensar que, por assim dizer, "o que não bate engorda". Infelizmente, não é preciso bater para trucidar uma criança.A segunda razão (e mais relevante) é que a nova lei não surge num contexto em que os pais teriam poder absoluto sobre o corpo dos filhos. Mesmo sem a nova lei, o professor que visse sinais de violência no corpo de um dos alunos avisaria à polícia e à autoridade judiciária. O mesmo valeria para o pediatra ou para o psicoterapeuta. Inversamente, um pai cujo filho fosse batido na escola processaria o professor e a instituição. Também, com um pouco de sorte, uma criança batida pode denunciar o adulto que a abusa.Pergunta: para que servem leis que pouco mudam o quadro legal e só explicitam e particulariza[...]



Preconceitos...

2010-08-09T07:01:21.065-07:00

(image)
... É banal que, ao descrever uma reunião, digamos: "Havia cinco pessoas". No entanto, havia seis: a gente não se contou entre os presentes. Esse deslize exemplifica o oitavo pecado capital: tirar o corpo fora, ou seja, falar dos outros e do mundo como se nossa subjetividade não atrapalhasse nem o mundo nem nossa fala. O preconceito é filho desse pecado: se me esqueço de mim e de minha história na hora de falar dos outros, é provável que eu acabe lhes atribuindo exatamente aquela parte de mim ou de minha história que quis suprimir...



C. Calligaris

2010-06-22T06:58:46.780-07:00

(...)"A união faz a força". Mas faz a força a que preço? Uma história recente dizia que a massa era poderosa e irresistível, mas irremediavelmente burra e cruel. Meus pais tinham conhecido os 20 anos do fascismo italiano e assistiam ao desastre do socialismo real, manifesto (para quem quisesse ler e ouvir) desde os anos 50. Não seria no Brasil de hoje que eles seriam desmentidos: partidos e movimentos, sobretudo quando têm uma forte coesão, parecem ser sempre piores do que as pessoas que os compõem.Mais tarde, consagrei minha tese de doutorado a esta pergunta: como é possível que homens quaisquer, como você e eu, sejam levados a funcionar como o braço armado de genocídios e extermínios que repugnariam a suas consciências se eles agissem sozinhos? Cheguei a uma conclusão que tento resumir: não é por medo de punições nem por convicção ideológica. É porque, para o sujeito moderno, tanto a dúvida sobre quem ele é quanto a incerteza sobre o que ele quer da vida são fardos imensos. Ele pode ser levado, portanto, a sacrificar sua individualidade à condição de que o grupo lhe ofereça a ilusória impressão de "saber" quem ele é e quais são suas tarefas. Um homem qualquer pode colocar fogo numa sinagoga repleta ou despedaçar nenês contra uma parede para ganhar o "conforto" de sentir-se parte eficiente de um grupo.A desconfiança dos grupos não se desmentiu quando me ocupei um pouco da função da turma e da gangue (sobretudo adolescente) na violência criminosa. Por caminhos psicológicos um pouco diferentes, aqui também o grupo potencializa o que há de pior em alguns de nós. Sentir-se reconhecido pelos "compadres" é uma razão suficiente para esquecer-se de inibições e freios morais básicos. Os quatro rapazes que, em 1997, em Brasília, queimaram vivo o índio Galdino, tomados um a um, nunca teriam perpetrado aquele horror.Aparte: a sedução do grupo não constitui um atenuante. Ao contrário, a covardia que leva alguém a trocar sua humanidade pelo conforto coletivo é, a meu ver, uma agravante.Dos grupos só se salvaria, em princípio, a família: já em 1812, o alemão J.D. Wyss publicara "Os Robinsons Suíços", em que transformava a gloriosa solidão de Robinson Crusoé no ideal da vida familiar numa ilha deserta. A idéia alimentou um seriado televisivo americano nos anos 60. Na mesma linha e época, a família de "Perdidos no Espaço" chamava-se Robinson. Mas, desde os anos 70, a antipsiquiatria inglesa (Laing, Cooper, Esterson) mostrava que a família era a fonte originária do sofrimento neurótico e da loucura.Em suma, durante os dois últimos séculos, inventamos utopias coletivas, mas elas devoram nossa liberdade; sonhamos com o calor do lar, mas ele parece ser responsável por muitos de nossos males. Atrás da "união que faz a força", paira o medo (justificado) de que, nessa união, nossa singularidade perca o melhor de si. E, atrás do sonho de Robinson, paira o pavor (também justificado) de uma solidão sem conforto.Para lidar com esse paradoxo, quando sou chamado a "ajudar" grupos em dificuldade (famílias e casais), adoto um pequeno artifício: em vez de explorar as falhas (ou seja, em vez de perguntar o que cada um estima estar perdendo por causa da relação), tomo, às vezes, o caminho oposto e pergunto o que cada um estima estar ganhando na convivência com o outro.É pouco, mas é um jeito de as pessoas se lembrarem de que, apesar de todos o[...]



5 coisas

2010-06-14T09:25:20.287-07:00

(image)
Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando (Pablo naruda)