Subscribe: bragaparks
http://bragaparks.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
conceição  dos  ele  foi  grupos  mais  nos  não  portugal  quando  raparigas  ser  são  sérgio conceição  sérgio   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: bragaparks

bragaparks



phantasmagoria of wonder and possibility



Updated: 2017-12-26T11:22:17.687+00:00

 



Annette Peacock

2017-12-26T01:26:45.863+00:00




Final do Jogo

2017-12-08T19:14:25.988+00:00

“Mas onde acabávamos mesmo era nas vias do Central Argentino, quando a casa ficava em silêncio e víamos o gato a estirar-se debaixo do limoeiro para dormir também ele a sua sesta perfumada e ciciante de vespas. Abríamos devagar a porta branca e ao fechá-la outra vez era como se houvesse uma lufada de vento, uma liberdade que nos tomava pelas mãos, pelo corpo todo, e nos lançava para a frente. Então corríamos para ganhar impulso e trepar de um salto o muro curto da estação de comboios, e elevadas por sobre o mundo contemplávamos, silenciosas, o nosso reino.”
Julio Cortázar - "Final do Jogo" - 1954



0 Comentários

2017-07-18T00:02:49.280+01:00

(image)
Graffiti - Caminha - Novembro 2016



Campo de Ténis

2016-11-06T12:59:15.921+00:00

Tuy - Espanha - novembro 2016



O Jogador

2016-08-04T15:49:47.709+01:00

“Basta ter coragem, nem que seja uma única vez, e numa hora posso mudar todo o meu destino. O essencial é a coragem. Basta lembrar-me do que aconteceu há sete meses em Ruletemburgo, antes de me arruinar definitivamente. Foi um caso notável de decisão. Nessa altura tinha perdido tudo, tudo… Ao sair do casino notei que no bolso do casaco havia um florim: “Pelo menos, ainda tenho com que jantar”, pensei; mas, depois de andar cem passos, mudei de opinião e dei meia volta. Coloquei o florim no manque (daquela vez fora no manque) e, na verdade, experimenta-se uma sensação muito especial quando, só, em terra estranha, longe de parentes e amigos, sem saber o que se vai comer dali a pouco, se aposta o último florim, exactamente o último!”
Fedor Dostoievski – “O Jogador” - 1866



Señoritas

2017-12-26T01:27:19.965+00:00




A Ilha

2016-04-05T12:21:44.842+01:00

“Continuavam a caminhar em silêncio. Um resmalhar atrás deles fê-los voltar o rosto. Duas raparigas de bicicleta ultrapassaram-nos; as suas roupas coloridas e movimentos ágeis sobressaíram no ar com a vivacidade da vida, as suas vozes alegres foram transportadas pelas asas do vento durante muito tempo. Desapareceram.
A estrada ficou de novo deserta. Essa estrada que seguia sempre a direito atá ao infinito azul de mar e céu, despida, com raras casas à margem, fechadas, aparentemente desabitadas, e aqui e acolá montões de pedras estéreis; essa estrada plana, igual, sem poeira, surda aos passos, predominava sobre todos os impulsos da alma, sobre todos os pensamentos, com a feição de um destino implacável.”
Giani Stuparich – “A Ilha” - 1942



Orçamento Participativo - Braga 2016

2015-09-03T23:48:42.288+01:00

O projecto "Penico do Céu" nasce da necessidade de intervir, comunicar, gerar interacções e criar novas energias com a cidade. É um projecto democrático e de fruição gratuita que pretende facultar o contacto inesperado com o trabalho de autores de diferentes áreas, suscitando reacções de interrogação, surpresa e reflexão. 
A inspiração partiu dos placares públicos informativos que ainda hoje existem em várias cidades, relacionados maioritariamente com obituários, anúncios classificados e divulgação de actividades diversas, pretendendo-se reinventá-los criativamente. O projecto consiste na realização de intervenções artísticas em novos placares ou utilizando estruturas já existentes, como a rede de painéis publicitários espalhados pela cidade. Para além de alguma dose de irreverência, que um projecto como este beneficia, é a situação de exposição a céu aberto que justifica a utilização do epíteto meteorológico como identidade. A programação seria desenvolvida ao longo do ano em quatro edições/estações, recorrendo a sete pontos distribuídos pela cidade. As primeiras edições seriam colectivas e teriam como tema comum as memórias da cidade, podendo ser apresentadas através da fotografia, design gráfico, ilustração, pintura, poesia, história, etc., sendo impressas em papel de acordo com o suporte, preexistente ou não, que venha a ser seleccionado.
Todas as informações relativas ao Penico do Céu e à identificação/localização dos trabalhos estarão disponíveis na Internet.



The Catcher in the Rye

2015-08-07T10:23:09.150+01:00

"Como ainda era cedo quando lá cheguei, sentei-me num daqueles bancos de couro, mesmo por baixo do relógio, e comecei a admirar as raparigas que passavam. Em muitas escolas já havia férias e por isso estavam ali dezenas de miúdas aguardando os namorados. Raparigas com as pernas cruzadas, raparigas com as pernas estendidas, raparigas com pernas formidáveis, raparigas com pernas medonhas, raparigas com aspecto terno, raparigas que certamente não passavam de verdadeiros estupores. Era um belo espectáculo. Em certo sentido, porém, não deixava de ser desagradável, pois comecei a matutar no que viria a acontecer a todas elas quando saíssem da escola ou da Faculdade. Casar-se-iam com tipos ordinários, daqueles que estão sempre a dizer que fazem mil quilómetros com um único galão de gasolina. Tipos que ficam chateados quando perdem um jogo de golf ou mesmo uma estúpida partida de pingue-pongue. Tipos idiotas. Tipos que nunca lêem livros. Tipos maçadores…"
J. D. Salinger - "The Catcher in the Rye" - 1951



Sérgio Conceição pode continuar?

2015-06-06T14:50:48.749+01:00

O jogo da final da Taça de Portugal, foi de certeza, o jogo mais penoso para mim, enquanto adepto do SC Braga há mais de 35 anos. Ainda não consigo acreditar no que aconteceu ontem… Leio as declarações de Sérgio Conceição e fico estupefacto: “Fomos superiores em tudo” – de que é que ele está a falar??! – com menos uma unidade desde os 15 minutos, o Sporting foi superior no tocante à posse de bola, número de ataques, remates, cantos, para não falar na atitude. Ou seja, mesmo em inferioridade numérica, o Sporting foi superior em todas as variáveis determinantes num jogo de futebol. Então Sérgio, fala de quê? – Fomos superiores em quê, afinal? Certamente, só pode estar a referir-se à nossa superior incompetência para controlar e ganhar um jogo, que não podíamos perder da forma que perdemos. Domingo era o nosso dia.Avalio o trabalho realizado por Sérgio Conceição ao longo da época 2014/15 como globalmente positivo, pois pegou numa equipa desmoralizada pela péssima campanha, que culminou na pior classificação da última década e praticamente com os mesmos jogadores, atingiu o 4.º lugar no Campeonato e realizou um brilhante percurso até à final da Taça de Portugal. No entanto, não consigo compreender como mantém um jogador como Baiano a titular: Baiano a atacar nunca provoca qualquer desequilíbrio, e os seus cruzamentos para a área são inofensivos; mas de um defesa espera-se, pelo menos, que saiba defender, e Baiano nesse aspecto, é incapaz de ganhar qualquer duelo 1x1 e quando apanha pela frente um jogador mais dotado tecnicamente, defende-se a ele próprio, recuando, recuando, até ao interior da área, com medo de disputar a bola e ser fintado. Enfim, com Sérgio Conceição esta "pérola" é titular indiscutível.Salvador Agra é outro caso inexplicável – eventualmente, teria valido a pena apostar na sua adaptação a lateral direito, pois muito dificilmente seria pior que Baiano – e com Sérgio Conceição joga sempre. Baixar a cabeça e correr em frente, faz de alguém um jogador de futebol? Em quase duas épocas no SC Braga, a única coisa de jeito que fez, foi marcar um golo ao Benfica, pois tirando isso, tudo o resto é para esquecer.Colocar Sasso a defesa esquerdo na Final, não lembraria a ninguém, a não ser a Sérgio Conceição: quantas vezes jogou Sasso nessa posição, esta época? Com Tiago Gomes (outra preciosidade) e Pedro Santos no banco, em que estaria Sérgio a pensar, ao colocar Sasso na lateral esquerda? Alguém ainda se lembra do que aconteceu quando Jesualdo teve igual ideia brilhante contra o Sporting em Alvalade?A derrota na Final da Taça de Portugal, nas condições e circunstâncias em que ocorreu jamais se ultrapassa, nem será esquecida. Por isso, Sérgio Conceição não terá condições para ser o treinador do SC Braga na próxima época – a margem de tolerância será zero e aos primeiros maus resultados (e eles inevitavelmente vão surgir) a contestação será crescente e insustentável, obrigando a Direcção a trocar de treinador com a época a decorrer e isso raramente dá bom resultado. Basta recordarmos Rogério Gonçalves e Jorge Paixão.[...]



Os erros dos médicos

2017-12-26T01:29:11.622+00:00

“Alguns dos erros mais frequentes devem-se ao facto dos médicos simplesmente terem deixado de observar os doentes com atenção. Acrescentem a essa falta de atenção uma tendência para apressar o tempo das consultas – os incentivos económicos e as pressões para ver mais pacientes em menos tempo são enormes – e os erros cognitivos tornam-se habituais. Quando colocados perante uma grande pressão em termos de tempo, os médicos irão forçosamente confiar cada vez mais em atalhos deste tipo para fazer as suas avaliações. O reconhecimento de um padrão com base numa avaliação instantânea do doente vai tornar-se a norma.
Na realidade, a capacidade para realizar diagnósticos instantâneos já é uma competência admirada entre os médicos.”
“Nos seus contactos com os pacientes, independentemente dos incentivos financeiros para serem mais eficientes e produtivos, os médicos devem tentar ser sistemáticos e meticulosos, quando tomam nota da história do paciente e realizam os exames clínicos. Os atalhos são perigosos. Pensar exige tempo.”
Jerome Groopman – “How Doctors Think” – 2007 [tradução livre] – Foto: Pedro Guimarães



Mulheres e Homens

2014-08-24T00:11:06.467+01:00

"E durante muito tempo fiquei muito quieto e senti-me como se estivesse completamente fora do mundo, sem referências de início ou fim, apenas lançado no espaço como um rapaz num foguete. Mas passado um bocado devo ter sustido a respiração, porque o coração me começou a bater com mais força e tive aquela sensação, a assustadora sensação que se tem quando se está a sufocar e a vida se está prestes a acabar – depressa, depressa, segundo a segundo – e é preciso fazer alguma coisa para nos salvarmos, mas não conseguimos. Só então nos lembramos que nós é que provocamos esse efeito, e nós é que temos de o fazer parar. Então parou e, depois, consegui respirar de novo. Olhei para a noite através da janela, onde as nuvens tinham aparecido e se tinham dispersado, a neve parara e o céu sobre o vasto solo branco era macio como o mais macio dos veludos. E senti-me calmo. Talvez pela primeira vez na minha vida, senti-me calmo. Tanto que, por um momento, também eu fechei os olhos e dormi."
Richard Ford – “Mulheres e Homens” - 1997



David Eugene Edwards

2014-08-23T00:21:35.372+01:00




0 Comentários

2014-06-27T23:57:14.937+01:00

Rua de Cedofeita - Porto - Maio 2014



Um Dia Ideal para o Peixe-Banana

2014-08-23T23:57:50.503+01:00

"Tu estás bem, Muriel? Diz-me a verdade.
- Estou óptima. Pára de me perguntar isso, por favor.
- Quando é que chegaram aí?
- Não sei. Quarta de manhã, cedo.
- Quem guiou?
- Ele – disse a jovem – E escusas de ficar nervosa. Guiou lindamente. Até fiquei admirada.
- Guiou ele? Muriel, deste-me a tua palavra de …
- Mãe – interrompeu a rapariga -, já te disse que guiou lindamente. A menos de oitenta o caminho todo, para dizer a verdade.
- Ele pôs-se com aquelas coisas dele com as árvores?
- Eu disse que ele guiou lindamente, mãe. Vá, por favor. Pedi-lhe para não se afastar da linha branca, e isso tudo, e ele percebeu o que eu queria dizer, e fez o que eu pedi. Até fazia por não olhar para as árvores…via-se que sim. A propósito, o papá mandou arranjar o carro?"
J. D. Salinger – “Nove Contos” – 1948



0 Comentários

2014-05-16T15:01:50.710+01:00

Stencil - Rua do Heroísmo - Porto - Abril 2014



FORÇA PORTUGAL

2014-05-20T13:08:24.990+01:00

No meio de tanta notícia sobre a crise, a austeridade, o desemprego, a emigração e com uma profusão de profetas da desgraça a papaguear diariamente o pior dos cenários para Portugal, eis que surge um novo indicador que nos enche de esperança para o futuro. Segundo os dados de Janeiro de 2014 da Associação Comércio Automóvel de Portugal (ACAP), venderam-se 31,9% mais carros do que em Janeiro do ano anterior. Mas quem pensar que o líder do mercado nacional de ligeiros é a Renault, a Volkswagen, a Nissan ou a Peugeot, vai ficar surpreendido ao saber que é nada mais, nada menos que a BMW. Os portugueses podem estar perigosamente próximos do precipício, mas se caírem, caem em grande estilo.



Gente do Milénio

2013-12-01T23:54:33.146+00:00

"As pessoas não gostam delas próprias hoje em dia. Somos uma classe que vive dos rendimentos do século passado. Toleramos tudo, mas sabemos que os valores liberais foram concebidos para nos tornar passivos. Pensamos que acreditamos em Deus, mas estamos aterrorizados com os mistérios da vida e da morte. Somos profundamente egocêntricos, mas não conseguimos lidar com a ideia dos nossos eus finitos. Acreditamos no progresso e no poder da razão, mas somos perseguidos pelos aspectos mais sombrios da natureza humana. Estamos obcecados com o sexo, mas tememos a imaginação sexual e temos de nos proteger com enormes tabus. Acreditamos na igualdade, mas odiamos os excluídos sociais. Tememos os nossos corpos e, sobretudo, tememos a morte. Somos um acidente da natureza, mas pensamos que estamos no centro do universo. Estamos a alguns passos do oblívio, mas temos esperança de sermos de alguma forma imortais…"
J. G. Ballard – “Gente do Milénio” - 2003



Victor Vasarely

2013-11-09T00:01:48.962+00:00

[...]



Anita Lane

2013-11-01T23:40:17.648+00:00

(image) (image)



Quem Governa?

2013-10-20T23:51:31.713+01:00

Partilho esta análise muito lúcida, corajosa e perspicaz do que somos, e do que nos trouxe até aqui, publicada na edição de 18 de Outubro do jornal "Correio do Minho". O autor, Prof. Oliveira Rocha tem publicado nos últimos tempos uma série de artigos que deveriam ser de leitura obrigatória para todos os que se interessam pelo presente e futuro de Portugal. "Há mais de cinquenta anos foi publicado um importante livro intitulado: Quem Governa? R. Dahl procurou uma alternativa à visão marxista que via na classe económica dominante a origem do poder. Por outro lado, não acreditava que as políticas fossem determinadas pelos eleitores; criou desta forma a abordagem pluralista à política, insistindo em que vários grupos de interesses competem na esfera política e o papel do governo é funcionar como mediador entre esses grupos.Relativamente a cada política concreta, nenhum dos grupos tem recursos para decidir só por si; tem que fazer alianças. Ainda, segundo Dahl, os grupos são mais efetivos que os indivíduos; a pluralidade de grupos assegura a competição política; e o processo de negociação dificulta a aparição de extremismos.Neste contexto, as eleições visam fundamentalmente legitimar os grupos de interesses e não determinar o sentido das políticas públicas.Esta abordagem comum a G. Sartori, R. Dahl, S. Huntington e J. Shumpeter, explica o que se passa presentemente em Portugal.Também aqui as decisões políticas resultam da interação entre diversos grupos de interesses que monopolizam o processo político. Só que no nosso país estes grupos não competem entre si, são aliados, funcionando em rede; o seu pessoal circula de grupo para grupo e casam-se entre si. Trata-se de uma classe dominante que suga o país e que decide da nossa vida.O centro da rede é ocupado pela classe política, constituída pelos partidos que geram os governos e a assembleia, os gestores públicos e a alta administração que implementa as políticas. Mas, na verdade quer Passos Coelho ou Seguro são apenas figurantes; eles dependem dos outros grupos de interesses e presentemente das imposições dos credores.Neste contexto, os meios de comunicação social têm um papel importante que não se pode confundir com o quarto poder. Desempenham algum controlo sobre os comportamentos dos agentes políticos; todavia, este papel tem limites impostos pela estabilidade e respeito pelos interesses instalados.Por exemplo, o Secretário de Estado das Finanças e Orçamento foi simplesmente assassinado pelos comentadores políticos (Marcelo Rebelo de Sousa, Marques Mendes e Correia Campos), enquanto Rui Machete com um comportamento incomparavelmente mais reprovável foi sempre desculpabilizado. E porquê? Porque é um dos “nossos” - ex-ministro, gestor público, advogado de um grande gabinete e consultor dos diversos bancos. A “pequena” falha do BPN é uma coisa de família em que é melhor não tocar.Os magistrados têm igualmente um papel importante na rede, já que gerem politicamente os processos que envolvem os políticos. Ora investigam agressivamente para pouco depois congelarem o seu andamento, ora deixam sair informações para a comunicação social. E não falamos do Tribunal Constitucional cujos juízes são escolhidos pelos partidos maioritários e contribuem decididamente para a estabilidade deste sistema.Em quarto lugar, as grandes empresas de construção civil têm influenciado decididamente as decisões políticas. Parte da crise atu[...]



Blixa Bargeld

2017-12-26T01:30:45.956+00:00




Noites de Cocaína

2013-08-20T00:30:57.274+01:00

“Notei as características daquele mundo silencioso: a imémore arquitectura branca; o ócio forçado que fossilizava o sistema nervoso; o ar quase africanizado, mas de um Norte de África inventado por alguém que nunca pusera os pés no Magrebe; a aparente ausência de qualquer estrutura social; a intemporalidade de um mundo para lá do tédio, sem passado, sem futuro, com um presente cada vez mais curto. Seria aquilo de facto a antevisão de um amanhã dominado pelo ócio? Nada podia acontecer naquele domínio despido de afectos, onde a deriva entrópica acalmava as superfícies de um milhar de piscinas.”
J. G. Ballard – “Noites de Cocaína” – 2000



Mark Sandman

2017-12-26T01:31:54.382+00:00




A Confraria do Vinho

2013-05-26T02:20:34.781+01:00

"Enchi o copo e fui para o alpendre da frente. Sentei-me na cadeira de baloiço que rangeu e acendi um cigarro. A escuridão não tardou. Mais abaixo uma mãe saía de casa para chamar as crianças para jantar. O lampião da esquina acendeu-se e um cão velho passou por baixo dele no caminho para casa. Os olhos brancos dos televisores brilharam através das janelas do outro lado, com cowboys a correr através de ecrãs, e o tiroteio a estalar no crepúsculo de San Elmo. Uma cidade solitária. Todas as terras do vale eram assim: desoladas, uma decadência mística, enclaves da existência humana, com pessoas agrupadas por detrás de pequenas vedações e frágeis paredes estucadas, barricadas contra a escuridão…à espera."
John Fante – “A Confraria do Vinho” - 1977