Subscribe: MUNDO ESTRANHO DE PB
http://mundoestranhodepb.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
anos  aqui  banda  bem  brasil  das  disco  dos  essa  esse  foi  mais  muito  música  nos  não  pra  sua  são 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: MUNDO ESTRANHO DE PB

MUNDO ESTRANHO DE PB



matando a cobra e mostrando ela morta...



Updated: 2018-01-12T17:54:39.893-02:00

 



9 Comentários

2015-06-06T12:18:42.764-03:00

Este trabalho renasceu no Facebook.
This work reborn on Facebook.

Mundo Estranho de PB Facebook




Alexander Laszlo/Dr. Samuel J. Hoffman - The Secret Music of China - USA - 1947

2011-07-10T22:03:51.983-03:00

Essa é uma boa dica pra quem curte o Theremin e especificamenteseu célebre intérprete Dr. Samuel J. Hoffman.Alexander Laszlo nasceu em Budapest, Hungria, em 22 denovembro de 1895 e morreu em Los Angeles no dia 17 de novembrode 1970.Compositor, pianista, maestro, produtor e inventor de um aparelhochamado Colorlight, que segundo o IMDB, era capaz de produzir musicaà partir de cores e foi apresentado no festival de Música de Kiel em 1924.começou como Concertista até se tornar cidadão americanoe se envolver com trilhas de cinema defilmes de Sci-Fi e Terror nos anos 50 como:Attack of the Giant Leeches (1959)Beast from Haunted Cave (1959)Forbidden Island (1959)Ghost of the China Sea (1958)Night of the Blood Beast (1958)Esse disco, que antecede esse período, já tem uma pincelada desse estilo musical mainstream da época, mesmo se tratando de um tema bastante curioso e bizarro, paralelamente ao trabalho de Les Baxter e Martin Denny que surfavamna onda do gênero musical EXOTICA.No mesmo ano que esse disco foi produzido, Les Baxter lançavaseus discos de Theremin, onde tinham em comum o mesmo Theremista.Lembrando que nessa época os discos eram de 78 RPM.As versões em 10 polegadas foram relançamentos de 49.Até recentemente esse disco era quase uma lenda, mas consegui descobrirbastante coisa no site da maravilhosa LYDIA KAVINA.O disco tem vários momentos de vozes faladas em Cantonês.Me pergunto qual foi a motivação de Laszlo a produzir esse disco.Provavelmente a mesma de Les Baxter com as ilhas do pacífico. MODA.Sem mais delongas... mergulhe neste sinistro e exótico passeio a China.tracklist:01) Rape of Nanking02) Pigeon Serenade03 Yellow River04) On a Flower Boat05) Ghosts of the Great Wall06) Cricket Fight07) Jade Lady08) Lantern StreetDOWNLOAD[...]



2 CRUZEIROS DE BALA - TUA INVEJA TE CARCOMENDO OS OLHOS - JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - BRAZIL - 80's

2011-04-05T10:00:19.587-03:00

"Aperte o cinto, Garoto! Bem Vindo à Era do Constrangimento" Numa cidade do interior de Minas Gerais chamada Juiz de Fora, existia nos anos 80 uma forte cena de bandas de rock. Umas mais conservadoras que outras.O 2 Cruzeiros de Bala estava no extremo do que havia de inovador. Éramos sarcásticos, críticos, dissonates, debochados, complexos, barulhentos, resumindo, nossa música não era "Bonitinha". Uma combinação estranha de influências dava o tom da coisa. Quando eu conheci o Walter Willy por causa de uma amiga em comum, o assunto não saía do nosso apreço pelo YES. Ele também compunha e escrevia letras bastante criativas.Nesse momento eu já tinha uma outra banda com outros amigos. Um trabalho que tendia mais para o neoprog, apesar de nunca termos ouvido essa expressão na época. Mas não resisti montar uma nova banda com aquela criatura estranha e agitada. Com o Walter era possível de ir além, onde eu não conseguia com meus outros amigos da outra banda. Encontrei nele uma pessoa que estava interessada em conhecer coisas novas ou mais obscuras, mesmo tudo terminando em YES. Tocamos nuns eventos e festivais da cidade, mas a banda só tomou forma mesmo quando Wagner Daibert assumiu o baixo. Tivemos dois ótimos bateristas também, Serginho Mello e Gerson. Vivíamos planejando shows, compondo, ensaiando à exaustão, enquanto sonhavamos em ser descobertos por um selo.3 bandas brasileiras nos inspiravam muito: De Falla Akira S e as Garotas que Erraram Gueto Mas o nosso grande norte passou à ser o Robert Fripp/King Crimson. As exaustivas vezes que ouvimos o disco RED ou EXPOSURE com certeza mudaram nossa vida pra sempre.Mas estávamos enterrados entre as montanhas da Zona da Mata. Nenhuma noção timbristica e de gravação. Nossas tentativas em estúdio pareciam só piorar as composições. Sem graça... sem sal... Era uma época sem as facilidades que existem hoje, inclusive de informações técnicas tão compartilhadas em revistas ou internet. Os amplificadores eram um lixo e quase tínhamos que ligar tudo num único. Imagine como o vocal ficava bom... A coisa mais sofisticada que conseguíamos ter eram alguns pedais da BOSS, mesmo assim emprestados de amigos. Overdrive, Digital Delay e a merda do Chorus que fazia tudo parecer THE CURE.Na hora achávamos que fazia o som ficar na moda, mas dá nos nervos ouvir isso hoje...A vantagem é que tínhamos tempo pra ensaiar, e ensaiar, e assim conseguir resultados surpreendentes de performance.O material disponibilizado aqui é uma mistura de nossas parcas incursões em estúdios fuleiros de Juiz De Fora e um ensaio na casa do Serginho Baterista, gravado com o fabuloso "Jingombell", microsystem que gravava super bem e em Stereo de nossa amiga Ivanice (Nitchú). Talvez seja a gravação que melhor registrou nossas qualidades. Claro, pra hoje em dia, o som é uma merda completa.Não sei à quem possa interessar esse registro hoje em dia, de uma banda que, mesmo marcando sua presença numa cidade do interior e nunca saindo de lá. Mas me sinto na obrigação de compartilhar isso com o objetivo de mostrar a todos que a História do Rock Brasileiro não é apenas construído pelo que reverberou em grande escala, mas também nos milhares de pequenos focos nos lugares mais inusitados.Tracklist:01 - bola esférica02 - o mundo diante do meu olhar estrábico03 - radio frequência livre04 - ambulância parte 0105 - ambulância parte 0206 - paranóia relativa do ar07 - so ma pissoa08 - autofagia09 - larks tongues in aspic parte IV10 - morte ao falso metal11 - brasileiros e brasileiras12 - pão com manteiga (metamorfose do ornitorrinco)13 - cárcere14 - mal estar generalizado15 - autofagia (estúdio)morra de inveja e baixe aqui[...]



BLACK TAPE CABRA CEGA - podcast 01 - Brasil/2010

2010-09-19T17:22:43.780-03:00

(image)

Em geral você é aquela pessoa que se ouvir uma música
interessante precisa urgente saber como ela chama, de
que disco ela é e de que artista?
Às vezes não parece mais que você é mais dependente
do vício da informação do que um apreciador de música?
Bem, minha proposta aqui é: ouça isso e divirta-se!
A velha brincadeira de CABRA CEGA.
Imagine aquela fita cassete sem nada anotado...
Com certeza a maioria das coisas são bem conhecidas.
Esse disco reúne em parte as últimas coisas que adquiri
recentemente, ou nem tão recente assim.
Está tudo mixado.
É uma viagem pelo mundo do vinil.
Tem trilha sonora, aliás começa com uma, tem banda atual,
tem disco mais atual de bandas antigas e tem, com certeza
algumas velharias.
Um exercício de audição às cegas e sem preconceitos.
Perfeito pra colocar no ipod ou no carro enquanto dirige-se
de um lugar à outro.
Ou simplesmente deixe rolando em casa enquanto vc
arruma as gavetas...




Coletânea ZEROUM INFLUENCE PARTE UM - Brasil - 2010

2010-09-08T00:53:24.396-03:00

Esse post foi feito originalmente no blog de minha banda Zeroum:http://01zeroum.blogspot.comEm pleno processo de produção do nosso primeirodisco, apresento aqui músicas e bandas que dealguma forma influenciam ou apenas nos inspiramem nossas próprias criações.Uma mistura do lado mais Punk da eletrônica popdos anos 80 com a abertura da dissonância e oruído encontrados no rock experimentaldos anos 70.Um olhar especial é dado à produção alemã, por ummero interesse as formas mais minimais e repetitivasda expressão da música pop, e não exatamente porum afinidade cultural de forma mais ampla.Acho que essa compilação reúne as bandas de maiorinfluência que o ZEROUM pode ter.Além de conter a versão original da música "It's RainyDay, Sunshine Girl" do grupo FAUST no qual fazemosao vivo nossa versão.Baixe, ouça e dê sua opinião.1) Countdown - PETER THOMAS2) Fyuz - ADD N TO (X)3) A Brutal Light - TOOLS YOU CAN TRUST 4) Grünes Winkelkanu - PALAIS SCHAUMBURG 5) Messages Received - CABARET VOLTAIRE 6) Program - SILVER APPLES 7) Faceless - A CERTAIN RATIO 8) Contort Youself - JAMES WHITE AND THE BLACKS 9) P - adic - PHEW 10) Body Me - POLYROCK 11) Im Dschuguel Der Liebe - D.A.F. 12) Ghost Rider - SUICIDE 13) Eisbär - GRAUZONE 14) Papier - ABWÄRTS 15) Take Care - FAUST 16) Vom Himmel Hoch - KRAFTWERK 17) Prothese - CLUSTER 18) It's Rainy Day, Sunshine Girl - FAUST 19) 7:42" - CLUSTER 20) La Dusseldörf - LA DUSSELDÖRF 21) Klangkörper - MICHAEL ROTHER 22) Crashing - THE RESIDENTS & RENALDO AND THE LOAF 23) Future Days - CAN DOWNLOAD[...]



UM DIA, ALICE 2010 - 11 de Abril de 2010 - Cultura Inglesa

2010-04-03T23:52:44.833-03:00

UM DIA, ALICE 2010 video from paulo beto on Vimeo.Um dia Alice – Evento MultimídiaAcontecerá no dia 11 de Abril.Um dia repleto de atividades relacionadas a Alice no País das MaravilhasRealização: Sociedade Lewis Carroll do Brasil. Apoio Cultural Inglesa.Local: Centro Brasileiro BritânicoEndereço: Rua Ferreira De Araújo, 741Tel.:(11) 3039-0500Quando: (11/04) 16h00 às 20h00. Entrada gratuita.umdialice.blogspot.com@umdiaaliceProgramação16h00 - Recepção do público.16h16 - Abertura.16h25 - A história da criação do livro. Uma contadora de históriasfalará sobre o passeio de barco de Alice Liddell e Lewis Carroll em1862, em que Lewis Carroll contou a história que daria origem à obra“Alice no País das Maravilhas”.16h40 - Palestra sobre Alice e seus ilustradores.A designer e artista plástica Adriana Peliano fala sobre a história dasdiferentes ilustrações de Alice no País das Maravilhas que já foram realizadas.O passeio vai das ilustrações originais de Lewis Carroll e John Tenniel naInglaterra Vitoriana a experiências inovadoras de artistas contemporâneos.A apresentação multimídia contará com ampla projeção de vídeos e imagens emúsicas.17h20 - Leitura de carta inspirada em Alice.A professora de literatura Thereza Vasques faz uma leitura da carta de Paulo Mendes Campos para sua filha Maria da Graça sobre o livro de Alice. O início da carta diz assim: “Este livro é doido, Maria, o sentido está está em ti.”17h40 - Palestra sobre Lewis Carroll e o imaginário da cultura popular brasileira. Palestra do escritor Wilson Bueno sobre Lewis Carroll e a obra “Alice no País das Maravilhas”. Partindo de sua experiência no sertão aonde viveu até os sete anos, a proposta do escritor é aproximar Lewis Carroll das adivinhas caipiras, do nonsense do sertão profundo onde cobras cozinham bezerros e óculos novos não têm aro nem lentes, mas são óculos novos. Uma palestra leve, engraçada, brincalhona.18h30 - ‘TEA BREAK’ A decoração do ‘Tea Break’ será temática, inspirada em ícones do universo de Alice. Durante o ‘Tea Break’ haverá uma trilha sonora ambiente de conteúdo temático. É vasto o repertório de músicas inspiradas na obra de Lewis Carroll.18h50 - Apresentação multimídia da obra "Menina Sonho" de Adriana Peliano.19h10 - Trilha sonora ao vivo. Projeção do raro filme mudo 'Alice in Wonderland' (1903) com trilha executada ao vivo pelo grupo Frame Circus. O grupo é formado pelos artistas Paulo Beto, Tatá Aeroplano e Maurício Fleury.19h25 - Jabberwocky em poesia, música e imagem. Apresentação interativa em que o ilustrador Manuhell cria ao vivo uma ilustração para o poema de Lewis Carroll, Jabberwocky. A ilustração que vai sendo criada é projetada em um telão enquanto uma trilha sonora é improvisada pelo grupo Frame Circus. Durante esse período o poema é cantado segundo uma versão musical de Donovan, e em seguida, lido em português, nas traduções de Augusto de Campos (Jaguadarte) e nas translações de Bráulio Tavares (Jararacorvo, Javaligátor e Javaleão). Os poemas serão lidos pela professora de literatura Thereza Vasques.20h00 - Encerramento.[...]



PANORAMA ÁFRICA

2010-03-09T23:52:26.936-03:00

Apresento à todos uma nova maneira que bolei
para fazer novos posts: Os Panoramas.
Reunindo discos de um mesmo assunto e os disponibilizando
de uma só vez e de maneira mais dinâmica e objetiva.
Com muita honra apresento o que chamo de Panorama África.
Dirvintam-se com o rip destes discos originais gentilmente
cedidos da coleção particular do amigo Peter Price.

(image)

Oriental Brothers International Band
Led by F. Dansatch Opara

download

(image)

Franco Et Le T.P.O.K. Jazz En Colere
on entre o.k on sort k.o.

download

(image)

Chef Commander Ebenezer Obey and his inter-reformers band
Current Affairs

download

(image)

Alhaji (chief) Kollington Ayinla
"oro idibo nigeria"

download

(image)

Chief (Dr.) Sikiru Aynde Barrister
Fuji Garbage

download

(image)

Kollington Ayinta
Megastar

download

À todos os irmãos africanos e descendentes!!!!



Música Eletroacústica (TIME) - Jóvenes Compositores Cubanos - 1987 - CUBA

2010-03-07T20:46:17.463-03:00

Time nesse caso não é tempo em inglês ou Time de Futebol.Taller ICAP de Música Eletroacústica.Taller é uma palavra em espanhol para WORKSHOP.ICAP é um outra sigla, o que torna as coisas bem curiosas,uma sigla dentro de outra sigla, confeço que nunca tinha visto isso,mas que seu significado já foi referido no post anterior:Instituto Cubano de Amistad con los Pueblos.O que prova que os Cubanos possuem uma lógica muito peculiarpara siglas.Independentes de qualquer sigla, as atividades do ICAP com o seu TIME,sob a orientação do diretor de estúdio Juan Blanco, está em atividadedesde 1983, onde jovens estudam, trabalham, criam grupos edesenvolvem trabalhos de interesse na área de Música Eletroacústica.Este é mais um disco dedicado à este assunto e resolvi postá-locomo complemento do assunto, dada a sua raridade.EL OTRO HUEVO DE LA SERPIENTEFernando Rodriguez (ICAP - 1984)O título, claro, faz uma referência ao filme de Ingmar Bergman:"O Ovo da Serpente" que é sobre o massacre dos Judeus pelosNazistas na Segunda Grande Guerra.O compositor faz uma referência à contemporâneos fatos similaresconhecidos como "O Massacre de Sabra e Chatila" (em árabe: مذبحة صبرا وشاتيلا‎, transl. Maḏbaḥat Ṣabrā wa Shātīlā) foi o morticínio de refugiados civis palestinos e libaneses perpetrado por milicianos das Forças Libanesas após o assassinato do presidente-eleito do país e líder falangista, Bachir Gemayel. O evento ocorreu nos campos palestinos de Sabra (صبرا, Sabrā) e Shatila (وشاتيلا, Shātīlā), situados na periferia de Beirute, a sul da cidade, área que se encontrava então sob proteção das forças armadas de Israel.O massacre ocorreu em uma área diretamente controlada pelo exército israelense, durante a Invasão do Líbano de 1982, entre 16 e 18 de setembro daquele ano. A Corte Suprema de Israel considerou o Ministro da Defesa do país, Ariel Sharon, pessoalmente responsável pelo massacre, por ter falhado na proteção aos refugiados. O número de vítimas não é bem conhecido e, conforme a fonte, a estimativa pode variar de algumas centenas a 3.500 pessoas.Sharon, quando candidato a primeiro-ministro de Israel, lamentou as mortes e negou qualquer responsabilidade. A repercussão do massacre, entretanto, fez com que fosse demitido do cargo de Ministro da Defesa, na época.Falando sobre a música, Fernando Rodriguez utiliza alguns trechosda obra de Arnold Schoenberg intitulada:"Um Sobrevivente de Varsóvia, Op. 46 (em alemão: Ein Überlebender aus Warschau)" e o reprocessa utilizando um vocodercujo resultado é misturado à camadas de sons sintéticos.A obra original de Schoenberg tem duração muito breve: entre 6 e 7 minutos. É considerada por muitos críticos uma das mais importantes obras musicais dedicadas ao holocausto.O compositor Cubano cria um ambiente sonoro no qual pretendedemonstrar seu repúdio a todo tipo de genocídio e parece sugeriruma mensagem de paz e harmonia ao terminar sua peça com umsonoro acorde de LA Maior.NIDIAJosé Manoel Garcia Suárez (ICAP - 1984)Trabalho realizado sobre material acústico e eletrônico modificadoe editado baseado nos velhos recursos que deram origem a linguagem.Nidia é uma misteriosa garota que se materializa fugazmente nasbrumas sonoras.A peça tem mesmo um certo tom fantasmagórico e ainda terminacom um sutil som de grito feminino.EL PELDAÑO OMITIDOMiguel Bonaches (ICAP - 1984)Obra inspirada no poema CRIME em BARBADOS de Angel Escobar sobrea sabotagem que gerou a queda de um avião cubano provocando amorte de um grande número de pessoas, que em sua maioria eramcubanos.O título da música corresponde à um dos versos do poema e o materialsonoro produzido foi feito à partir de material acústico utilizandoum violão somado à material sintetizado eletronicamente e modificadoem estúdio.EL PRIMER ABRAZOMirtha de la Torre[...]



Música Eletroacústica Cubana - CUBA - 1984

2010-03-05T18:00:33.008-03:00

(image)

Este disco é apresentado como o auge dos resultados da
Música Eletroacústica cubana no início dos anos 80.
Um grande investimento por parte de artistas, compositores
e do próprio governo cubano resultou num enorme
orgulho pelos méritos obtidos em festivais internacionais da
linguagem musical referida.
Este LP apresenta obras vencedoras no XII Concurso Internacional
de Música Eletroacústica de Bourges e na I Tribuna Internacional
de Música Eletroacústica em Paris no ano de 1984.

TRES DE DOS (22'10)
(PARA FITA MAGNÉTICA))
Edesio Alejandro e Juan Piñera

São três partes realizados por dois compositores: Edesio Alejandro
e Juan Piñera. Trata-se de material elaborado com sintese eletrônica
misturado a sons acústicos reprocessados.
É uma música que flui de maneira poética numa transformação do
sintético para o orgânico.
Em sua primeira parte Harmônicos similares se encontram, oscilam,
se chocam, alcançam climax e retornam a sua origem.
Na segunda parte uma atmosfera romântica de desenrola até que
é acrescida de sons de sinos dentro de uma esfera multitonal.
A terceira parte se desenrola sobre um pedal sonoro onde fluem
elementos em forma contrapontística que, por associação de imagens
remete ao mar e a gaivotas.
Essa obra ganhou o primeiro prêmio "ex-aequo" em música eletroacústica
analógica no XXI Concurso de Música Eletroacústica de Bouges de 1984 e
foi realizada no estúdio do "Instituto Cubano de Amstad con Los Pueblos"
(ICAP) en La Habana.

HALLEY 86 (11'35)
(PARA FITA MAGNÉTICA)
Julio Roloff

Trata-se de uma visão poética da passagem do Cometa Halley pela Terra
e seu avistamento em 1986.
Essa obra foi composta 2 anos antes do fenômeno acontecer.
As características dessa obra são:
Um amplo range dinâmico e um particular manejo com as durações dentro
de uma sensível estrutura e com uma incrível economia de recursos que são,
por sua vez levados ao extremo.
Foi realizada em Fevereiro de 1984 nos Estúdios do "Instituto Cubano de Arte
e Industria Cinematográfica" e com a colaboração de Ricardo Istueta como
Engenheiro de Som.
Essa obra foi selecionada na I Tribuna Internacional de Música Eletroacustica
organizada em 1984 em Paris pelo CIME e pala UNESCO.

RITUAL (9'36)
(PARA FITA MAGNÉTICA)
Juan Marcos Blanco

Essa peça apresenta um grande dinamismo rítmico com uma rica variedade
timbrística numa transformação expansiva.
Uma camada central de tranqüilidade contrasta com interferências agitadas.
A obra é elaborada com materiais básicos obtidos com sintese eletrônica
analógica modificados e editados estruturalmente nos estúdios da ICAP.
Essa obra também foi selecionada na I Tribuna Internacional de Música Eletroacustica
organizada em 1984 em Paris pelo CIME e pala UNESCO.

Esse disco chaga aqui até nós graças à viagem do amigo Agnaldo Mori à CUBA
no final dos anos 80, onde encontrou esse LP sendo vendido na rua.

ouça aqui

Vem mais CUBANOS por aí!!!!
aguarde!!!!



ESPECIAL CARNAVAL - Brasil - 2010

2015-02-10T13:39:17.265-02:00

Carnaval em São Paulo é a melhor época do ano!Todos os babacas foram pro Rio ou pra Bahia.A cidade fica uma maravilha.Até agora não choveu, o que já é ótimo, mas faz calor pra casseta.E nesse clima de calor e falta do que fazer vai essa coletâneazinha pressão.Essa tá simplesmente arrasadora, sente o clima:01) romance de uma caveira/os iguaisEssa é a versão original daquela musiquinha que sempre alguém sabe cantarsó a primeira frase. Pra começar arrepiando!02) pinga com limão/alvarenga e ranchinhoOutro registro original de música que todos lembram só do refrão.Com certeza combina com carnaval, nêgo tirando de espertinhoe enchendo a cara. Bonito é vomitando depois...03) garota barra limpa/waldecyr limaBabaca tirando onda com garotas. Do tipo que não come ninguém.04) o calunga/os românticosAaaah, agora fez sentido... calunga... KalungaO calunga não levou seus brinquedos mas resolveu investir em produtor ligados à informática e papelaria e dessa forma leva a sua grana.05) a gargalhada/nelson gordim com os anjosVersão original que foi eternizada pelo mestre supremoRonnie Cócegas (padroeiro desse blog).As risadas dessa versão são mais hardcore.06) rapaz moderno/ted boy marinoportunhol maravilhoso do ídolo das multidões e lutador detelesketch e ex-trapalhões de didi mocó...07) a diligência/artiz artoniBabaquinha se achando...08) a perereca da vizinha/dercy gonçalvesPuta que pariu...09) é bom saber/as brasasBanda de garotas é sempre essa coisinha...10) estranheleza/aguilar e a banda performaticaO lingua plesa Aguilar (dublê de artista plástico) tira uma ondacom essa música de Arnaldo Antunes que era de sua banda.Essas são as origens desse Titã. Parei por aqui.11) ouriço/sergueiMe lembro do amigo Calanca me contando:Ontem o Serguei me ligou dizendo "Calanca estou aqui pelado em frente ao espelho de páu duro... eu querovoltar ao rock'n'roll"Gêêênio... Bicho muito louco12) são benedito/tom zé (1965)Imagino que essa seja uma das primeiras gravações de Tom Zé.Musica bem divertida!13) tema do hospital/walter franco e silvia mariaOutro grande gênio estreando.14) mande um abraço pra velha/mutantesmomento muito interessante na carreira dos Mutantes.Essa música foi apresentada no 7º Festival da Canção e lançadano Lp do respectivo em 72.Eles já tinham mellotron, hammond e minimoog nessa época.a música é uma tiração de sarro com o fato deles nunca teremganho nada em nenhum festival de música brasileira.Eles mandam um sambistico "abraço pra velha" dos jurados,pra não dizer outra coisa.Nítida influência de YES que abusa dos teclados e parece mesmoxerocopiar a banda de John Anderson.Mas mesmo fazendo um prog-cópia com qualidade a beldade dabanda, a dona RITA LEE preferiu sair em carreira solo.15) betty davis eyes/the chipmunksPresente dos deuses!!!!!16) eu hoje vou me dar bem/piu piu de marapendiParódia baixo nível baixo leblon de BLITZ.Excelente!!! Isso eu entendo!17) il guarany/alan and his orchestraA versão definitiva de Carlos Gomes.Agora é só agitar.Cada um com seus pobrema...Baixe Aqui com o Link Atualizado 2015[...]



PTOL - AOOL - BRASIL - 2010

2015-02-10T20:54:37.340-02:00

(image)

O que pode acontecer quando dois amigos malucos
se encontram?
Sábado, 30 de Janeiro, noite.
Pedimos um lanche e logo após sacamos nossos
dispositivos portáteis de produzir som.
Ligamos à um gravador de CD de mesa e mandamos
ver em 5 temas criados instantaneamente.
Falo de mim e do amigo Agnaldo Mori.
O nome do disco e do projeto veio da combinação
aleatória de um dos aplicativos que usamos chamado
TOPLAPapp.
Que estas músicas sejam uma boa surpresa pra vocês
como foram para nós.

tracklist:

01 - trilo bit
02 - pescando com john cage
03 - fairy hilaire
04 - lightsaber
05 - horizonte dos eventos

DOWNLOAD LINK 2015



70's SYNTH BRAZUKA - Só as Boas Series - Brasil - 2010

2010-01-30T08:37:37.241-02:00

Inaugurando uma nova série nesse Mundo Estranho,Só as Boas reúne o que há de melhor em poucos discosescolhidos e agrupados por um assunto determinado.Nesse caso presenteio à vocês com o que há de melhorde Synthexploitation Brasileiro.Muito provavelmente inspirados em artistas internacionaiscomo Mort Garson, Jean-Jacques Perrey ou Gershon Kingsley,alguns brasileiros lançaram toda sua ginga pra brincar comos fantásticos sons dos sintetizadores citando clássicos damúsica brasileira e obras internacionais.O primeiro é um achado:BANDA ELÉTRICA.A capa do disco não fala claramente quem é o responsávelpelo trabalho e nem sequer cita os músicos.Pode com certeza ter artistas conhecidos tocando.O selo é CONTINENTAL e o ano de lançamento 1973.Mas, para nosso deleite, é citado o sintetizador utilizado:Um SYNTH A EMS conectado à um teclado DK-I.Isso é um exemplo claro de que os famosos discos de "MOOG"nem sempre eram criados com os sintetizadores MOOG propriamente ditos, mas com muitos de seus concorrentes.A portabilidade do SYNTH A com certeza interferiu em suaentrada ao Brasil e isso acabou possibilitando a produçãodeste que, com certeza é um dos primeiros discos à usarsintetizador no Brasil, principalmente com destaque.Diretor de Produção: Ramalho Neto.Produção Artística: AdemirCordenação de Produção: Júlio NagibArte da Capa: Sérgio Grecu.Curiosamente esse disco tem composições inéditaspensadas no sintetizador. Uma delas, encontrada aqui, sechama MUG-UG, uma clara referência ao "nosso adorado".O próximo disco também é um clássico da linguagem.RENATO MENDES - ELECTRONICUS "música brasileirainterpretada em moog Sinthesizer".O disco é de 1974, um ano após o BANDA ELÉTRICA.A capa já trás informação pra caramba desse que éum autêntico disco de MOOG.Mas sua aparência deixa à desejar.Vale por colocar o Minimoog Model E.L. em primeiroplano, mas a qualidade da foto e a imagem de fundo que simula um clichê de lugar exótico espacial, caga tudo.Renato Mendes que era um tecladista bastante respeitadoem sua época gastou 217 horas gravando esse discoque foram alternadas nos "Estúdio Prova" e "Estúdios Reúnidos".Foi um processo muito trabalhoso.Gravado em 8 canais, além da bateria executada por NORIVAL RICARDO D'ANGELO, o resto todo é som do Minimoog que apenas emite uma nota de cada vez.Toda a harmonia foi construída num processo que na épocaera conhecido por "reduções", que consiste em ir pré-mixandovárias pista numa única e depois ir re-aproveitando novamente as mesmas. Nos anos 80 esse processo era conhecido por "ping pong".O povo do selo RGE discos que lançou essa maravilha ficou muitoempolgado com este lançamento.Ainda era uma grande novidade no mercado brasileiro que prometiaum futuro na música brasileira.Sabe-se que os desdobramentos não foram bem estes.O terceiro contido nessa série é do já consagrado J. T. Meireles,aqui apresentando se como "MEIRELES E SUA ORQUESTRA".Do mesmo ano de 1974, o disco foi lançado pela EMI brasileira.Nenhum músico intérprete é citado na capa do disco.Diz apenas que a orquestração e regência é do próprio e a direçãomusical é do incrível maestro GAYA.Meireles se valeu do charme e da sofisticação do sintetizador, mas o disco não chega a ser um puro disco de "MOOG".Apenas algumas faixas tem a presença do "bicho", mas são faixasmemoráveis.Por ser um disco mais conhecido, me bastei citando apenas doismomentos e dando prioridade aos outros. Aproveitem essa beleza de um Brasil Futurista!!!!Tracklist:01 - dança ritual del fuego/banda elétrica02 - marcha da quarta feira de cinzas/renato mendes03 - na baixa do sapateiro/meireles04 - a montanha/banda elétrica05 - a banda/renato mendes06 - also sprech zarathustra/meireles07 - bo[...]



Psico Periferia - Amargurado, Triste e Sozinho - Brasil - 2010

2015-02-10T17:55:04.762-02:00

O último sábado antes do Natal de 2009 talvez tenha sido o dia doano que dei mais risadas.Convidei dois bons amigos pruma visita na minha casa para ouvirsom e jogar conversa fora. Yupo e Agnaldo.Acabamos por nos concentrar num pequeno lote de compactosque a grande lenda viva do mundo dos disqueiros de São Paulo, ELVIS,deixou comigo para que eu analisasse pra uma possível compra.Ao ouvir melhor esses compactos com os amigos, percebemos que eram obras primas da bizarrice autêntica Brasileira.Dou a palavra ao Agnaldo que explicará melhor: AMARGURADO, TRISTE E SOZINHO – É uma compilação das desventuras dos músicos da periferia de São Paulo em busca da fama e do sucesso. A maioria das gravações são de produtoras independentes, ou seja, dos próprios músicos. Os discos, geralmente compactos duplos, eram a porta de entrada desses músicos no mercado fonográfico. Quase todos os discos dessa compilação são de meados dos anos 80 e as gravadoras são em sua maioria da Rua Cásper Libero e da Avenida Rio Branco em São Paulo. Nessas ruas da Boca do Lixo de São Paulo, nos anos 80 existiam também várias distribuidoras de discos e inúmeras lojas onde se podiam comprar encalhes e todo tipo devinil de 5ª categoria... Aqui podemos ouvir a tentativa de se clonar os sucessos da época, bem como dos ídolos eternos como Roberto Carlos, Odair José, Milionário e José Rico, Amado Batista, Waldik Soriano e Raimundo Soldado, dentre outros... O estilo vai desde a jovem guarda passando pelo brega e com pitadas de disco e de musica mexicana. O mais importante disso tudo é ver a pretensão desses artistas em tentar entrar para o show bussines, com gravações toscas e de produção semi-artesanal, e de um outro lado, a utilização de um discurso de uma camada social que saia do lumpesinato. Pelas capas dos compactos vemos pessoas simples, que provavelmente são pedreiros, entregadores, ajudantes ou simples trabalhadores braçais, mas que tiveram a gana de enfrentar os desafios da Indústria Cultural e de tentar fazer parte dela. Outro aspecto relevante, é que são produções custeadas pelos próprios artistas que acreditaram neles mesmos e que não foram atrás da facilidade do patrocínio governamental, bem como de assaltar os cofres públicos para satisfazer os seus próprios interesses com projetos. Enfim, como até hoje são desconhecidos, tudo terminou em fracasso... pois todos eram feios, sujos e malvados. Esperamos que essa pequena amostragem seja uma homenagem ao esforço e a ilusão de querer fazer arte.Texto de Agnaldo MoriTracklist:01 - cisco no tanque/Zé Alves02 - cachorro é você/João Bosco03 - agora é só amor/Edval Rafael04 - anticonsepcionais/Luiz Heleno05 - dia dos namorados/Nivaldo Targas06 - empregada doméstica/Catui07 - eu banquei o gostoso/Zé Alves08 - falta de vergonha/Sidney Roberto09 - festa do tá doendo ai/Lasaro10 - funcionária exemplar/Walter José11 - garota da lanchonete/Japecanga12 - o marmanjo levou/Mirian Cunha13 - o ultimo homem da sua vida/Lúcio Flávio14 - passat/Geraldão da Colina15 - prostituta eroina/Catui16 - um virus na neblina (gasolina)/Paulo Mamedi17 - você não é cega/Gesildo Calixto18 - coquetel no céu/Geraldão da ColinaGaleria de Capas, ou Circo dos Horrores:Esse disco tem uma capa ótima, inclusive é o único que merece mostrar a contra-capa também (abaixo).Pena que nenhuma música boa para entrar na coletânea...DOWNLOAD ATUALIZADO 2015[...]



JON APPLETON, HAPPY BIRTHDAY!!! por Vanderlei Lucentini

2010-01-07T01:13:04.286-02:00

Jon AppletonJon Appleton completou no dia 04/01 71 anos. Mesmo não tendo sido convidado para essa festa, resolvi aparecer de bicão. Encontrei Jon pela última vez na solidão do aeroporto de Cumbica em meio a um clima de medo, temor-morte pós 11 de setembro. Num mundo protegido por muralhas e cercado por arames farpados.Momento diametralmente oposto ao que convivemos, por pouco tempo, nos Estados Unidos sob a atmosfera politicamente correta, em voga, dos tempos de Bill Clinton. Respiramos um pouco aliviado, talvez eu seja um privilegiado, ou me sentia assim, em ter conhecido um cidadão-mundo tão intrigante, controvertido, contraditório, idealista, apaixonado/apaixonante, gentil, rude, engraçado e principalmente uma pessoa generosa com todos os estudantes que ele levou pra desenvolver as suas potencialidades tecno musicais no Bregman Studio do Dartmouth College em Hanover-NH.Senhor de um grande carisma que envolve todos os que o cercam. Um lovely guy andando no fio da navalha em toda sua existência, talvez algum dia, também, num trem da Central (CPTM).Estivemos envolvidos em muitas discussões estético-existencial, aliás continuamos discutindo, só que hoje muito raramente. Nesses papos cósmicos sonoros na atmosfera bucólica da Nova Inglaterra, tivemos a oportunidade de flanar sobre muitos assuntos: o futuro da música, (ou o fim da música eletroacústica?!?!?) as relações que cercam o poder, a política internacional, os prazeres da carne, computadores, cognição e pesquisas acadêmicas.Jon esteve algumas vezes no Brasil. Passou por São Paulo, Salvador, Curitiba e no Embú na casa de Marlui Miranda. Como mostra as fotos abaixo...O cara "pálida"Jon ficou conhecido e reconhecido mundialmente pela invenção, juntamente com Sidney Alonso e Cameron Jones do Synclavier, um sintetizador/workstation digital que revolucionou a prática de fazer música. Synclavier que foi criado dentro dos laboratórios do Dartmouth College, e posteriormente tornou-se uma iniciativa privada. Sua utilização abrangeu um espectro que foi desde Michael Jackson (90% do álbum Bad foi inteiramente gerado no Synclavier), passando por Oscar Peterson, Laurie Anderson, Peter Gabriel, Frank Zappa chegando até as prática mais abstratas experimentais dos estúdios de música eletroacústicas em muitas partes do mundo.Zappa e o SynclavierQuero falar, na verdade, um pouco da trajetória que ele desenvolveu como compositor, professor e um dos maiores difusores da música eletroacústica. Appleton é uma das poucos pessoas que pensaram profundamente as relações e as implicações da tecnologia na música. Vai ser muito interessante conhecer essa personalidade ímpar, para vislumbramos possiveis para um futuro próximo para os nossos jovens músicos, que no presente momento estão envoltos numa atmosfera provinciana, egóica e musicalmente inexpressiva. Vamos nessa viagem, sem congestionamentos e alagões de fim de ano... Little BioJon Howard Appleton Howard nasceu em Los Angeles, California no dia 4 de janeiro de 1939. É compositor, professor e um dos pioneiros da música eletroacústica. Trafegando num meio sisudo que é o da música contemporânea (moderna), Appleton inseriu alguns procedimentos que marcam a sensibilidade polissêmica da nosso universo pós moderno. O humor, a paródia, a colagem, a paráfrase, a perlaboração, a anamnese e a pulverização das constelações musicais. Suas primeiras composições no meio, como, Chef d'Oeuvre e Newark Airport Rock atraiu a atenção, pois estabeleceu uma nova vertente que ficou conhecida como música eletrônica programático.Primeiro estúdio de música eletrônica Dartmouth College (1967)Em 1970 ele ganhou Guggenheim, Fulbright e as [...]



Clássicos da Fronteira Vol.3 por Marco Gaspari

2009-12-09T12:50:59.989-02:00

O Ano da França no Brasil encerrou sua programação em novembro, mas como 2009 não acabou acho que ainda cabe uma pequena contribuição às efemérides, como este 10 polegadas lançado em 1985 por ocasião da XVIII Bienal de São Paulo: BERTRAND BOLTANSKI BUREN LAVIER SARKIS LA FRANCE A LA BIENNALE – SÃO PAULO O disco foi editado pela Association Française d’Action Artistique e a seleção dos artistas foi feita pelo prestigiado jornalista/crítico de arte/curador Michel Nuridsany que assim escreve no encarte: O chato é que quando você pesquisa a respeito desta bolacha na net, não chega a lugar nenhum. No site da Fundação Bienal é como se não existisse e fica impossível contar sua historinha já que o disco, apesar de conter um libreto bem servido sobre os artistas, é um pouco vago sobre as faixas selecionadas. Jean-Pierre Bertrand, Christian Boltanski, Daniel Buren, Bertrand Lavier e Sarkis foram os artistas selecionados para representar a França naquela edição da Bienal. O libreto traz textos de Michel Nuridsany sobre eles - em francês, inglês e português - bem como reproduções de suas obras. No lado A temos as seguintes faixas: BERTRAND Un camion freine – Voiture de police – La musique passe 1985 SARKIS “Sérénades opus II” pour 12 kornemuses a “Ma mémoire est ma patrie” Kornemuse – Michel Aubry, 1985 (obs: Cornemuse pode ser traduzido como gaita de foles) BOLTANSKI Reconstitution de chansons qui ont été chantées a Christian Boltanski entre 1944 et 1946 E no lado B: LAVIER Madrugada Reine de Musette 1985 BUREN L’Indicible Texte Daniel Buren Musique Loupideloupe 1985 (obs: consta que foi feita uma montagem especial do grupo Loupideloupe para a Bienal, contendo as músicas Drupine e Chez Pax, com textos de Daniel Buren ditos pelo autor e por Georges Emmanuel. O grupo é formado por Bruno Courtin no clarinete baixo, Frédéric Costa no sax tenor, Alexandre Meyer na guitarra, Frédéric Minière no baixo e Mathieu Saladin na bateria) BERTRAND Un camion freine – Voiture de police – La musique passe 1985 Por alguma razão houve repetição da primeira faixa do lado A como Terceira do lado B. Como não existe diferença nenhuma no áudio, suprimimos essa faixa nessa versão em mp3 que pode, como sempre, ser baixada aqui. baixe aqui É isso aí, 10 polegadas de diversão para vocês. Marco Gaspari é dono da loja Mister Sebo e sabe nada sobre os discos que posta neste blog. Também escreve para a revista poeiraZine. [...]



MUNDO JAPAHITS DE PB - Brasil - 2009

2009-11-10T17:48:09.292-02:00

Por umas décadas ficamos totalmente isolados do mundo POP deoutros países e com certeza com Japão não foi diferente.Tudo que não vem dos países mais óbvios EUA, Inglaterra, França,Itália e etc tende a parecer extremamente exótico para nós quandoo assunto é o pomposo mundo do POP.A terra do sushi teve uma cena muito particular recheada de superstars nos anos 70 que eram conhecidos como IDOLS.Quase que a maioria esmagadora eram garotas.No início garotas recatadas e boas moças, até que o duo PINK LADYresolveu apimentar a cena trazendo sensualidade aos moldes ocidentais.No fundo elas resolveram assumir que o que o pessoal queria mesmoera SEXO.PINK LADYAgora, o que pouca gente sabe que no Japão POP dessa época a industria funcionava de uma maneira bem peculiar.Existiam as gravadoras que contratavam os compositores e prdutorese todo cast daquele selo interpretava apenas canções desse timede "song writers".Um dos nomes mais famosos e responsável pelo repertório do seloRCA foi KYOHEI TSUTSUMI, responsável por 6 canções dessa coletânea.Essa era a maneira como a gravadora tentava manter o controle dequalidade e suas regras de um tipo de controle mental.Os rostos dessa juventude cantante foram muitos e infelizmente nãoconsigo nesse momento dar nome à todos pois as imagens abaixoforam extraídas das capas de várias coletâneas que comprei curiosamentenão no bairro LIBERDADE de São Paulo, mas na MANCHESTER MINEIRAtambém conhecida como JUIZ DE FORA.Fato curioso pois não houve uma forte migração da colônia Japonesapor aquelas bandas.Essas coletâneas que deram origem à essa que apresento são de prensagemlocal feitas para a comunidade NIPO/BRASILEIRA.Com certeza, além de um negócio lucrativo, uma forma de atualizar ese vincular aos processos culturais contemporâneos.Infelizmente essas informações ficaram presas à colônia e não se tornaramrealmente populares no Brasil, apesar do primeiro disco do grupoPINK LADY tenha saído oficialmente em nossas terras tropicais.Talvez pela fato das meninas serem mais sem vergonhas e mais parecidascom o gosto brazuka.É um fato que este post não é nenhum tratado sobre o assunto, mas já éuma deliciosa mostra dessas garotas sensacionais.Arreste as cadeiras, prenda os cabelos com os pauzinhos do Sushi e dancesem parar nessa velha e fresca onda Niponica!Tracklist:01 - shiroi heya/megumi asaoka *02 - tokimeki/megumi asaoka *03 - mirai/hiromi iwasaki *04 - fantasy/hiromi iwasaki *05 - futari monogatari/zoo06 - sexy bus stop/yuko asano07 - moon light taxi/yuko asano *08 - kiss in the dark/pink lady09 - refrain/nobora inoue10 - sukidakara/nobora inoue11 - monday monalisa club/pink lady12 - sunshine superman/bibi ** composições de KYOHEI TSUTSUMIbaixe aquiPost com a colaboração do Mestre Yupo[...]



Clássicos da Fronteira Vol.2 por Marco Gaspari

2009-11-02T18:01:34.990-02:00

Coletânea é uma expressão de origem latina, coisa que me deixa muito frustrado.Fosse grega a sua origem, estaria explicado porque 87,55% dos discos coletânea são verdadeiros presentes de grego.Por outro lado sobram 12,45% de boas surpresas, uma quantidade mais do que suficiente para animar qualquer um a encher o cantil e sair à caça do vinil perdido. LEHRLINGE HALTEN ZUSAMMENComprei este disco nos anos 80 basicamente pela capa, pelos cabeludos que aparecem na foto da contracapa e, principalmente, pela participação do maravilhoso Floh de Cologne, o único grupo que eu conhecia. Como eu não sei lhufas de alemão, levei no escuro e é um dos discos que eu tenho mais orgulho de possuir na minha coleção. Hoje em dia, graças à internet, tenho alguma informação a respeito, mas ainda é bem pobrezinha. O disco foi lançado pelo selo Plane em 1969 e parece que nunca foi oficialmente reeditado. Como o Floh de Cologne, os outros grupos desta coletânea usam a sátira para dar forma a discursos sarcásticos de forte inclinação socialista. Isto posto, nem é preciso dizer que aqui o demônio é o capitalismo e que é imprescindível organizar toda a resistência possível contra esse sistema malígno. Na contracapa existe um resumo de seis pontos levantados por Karl Marx, o paladino mor da justiça social, na questão da juventude nas sociedades capitalistas. Mas o melhor do disco é que todo esse blá-blá-blá vem acompanhado de ótima música. É krautrock em seus primórdios, uma pérola obscura para quem aprecia o gênero.listenNEUE DEUTSCHE POST AVANTGARDE – UMA AMOSTRAGEM DA MÚSICA ALEMÃ PÓS-MODERNA Esta coletânea de música industrial foi lançada em 1987 aqui no Brasil e não deve ser nenhuma novidade para muitos de vocês que passeiam por este blog. Mas a historinha dela é interessante e merece ser registrada. Ela é considerada na Europa uma das melhores compilações da cena industrial alemã dos anos 80 e foi feita na Alemanha sob encomenda para o Instituto Goethe de São Paulo. A edição é limitada a 2950 cópias e apenas 150 delas foram vendidas na Europa.Segundo os colecionadores europeus, as 2800 cópias restantes estão “perdidas”, provavelmente para sempre, nas selvas do nosso primitivo país. Ela hoje é cotada por lá na base de 80 euros. Se você, caro leitor ouvinte, possui uma cópia, guarde-a com carinho. Caso ainda não tenha, vale a pena organizar um safári e procurar a sua. Deve haver ainda algumas cópias dando sopa por aí a preços convidativos. Só que é bom prestar atenção e ver se está encartado no disco o livretinho que apresenta, em português, todas as bandas da coletânea. Boa caçada. listenVIVA UNA EXPERIENCIA PSICOTOMIMÉTICA Você está diante de um importante pedacinho da história do rock na Venezuela. “Viva Una Experiencia Psicotomimética” não é apenas uma coletânea de grupos de rock do país, a primeira a mostrar seus jovens valores em 1968, mas a prova material de todo um projeto para uma série de concertos promocionais envolvendo efeitos de luz e som psicodélicos para impressionar o público. O disco foi gravado em mono e produzido por Jesús Pérez Perazzo que era não apenas o regente da orquestra Venezuela Pop, como também gerente contratado em 1967 pelo selo Fonograma para tirar a empresa do buraco em que se encontrava. Perazzo era também consultor de uma clínica psiquiátrica e participava na época de um projeto experimental na área de musicoterapia, estudando os efeitos da música no ser humano. Sua idéia foi contratar grupos jovens desconhecidos e gravá-los com acompanhamento de sua orquest[...]



Palhaço Carequinha - O Baile do Carequinha - Brasil - 1968

2009-10-17T10:44:30.029-03:00

(image)

Fudeu! Ligaram o Palhaço Carequinha no pedal Fuzz!!!!!
Acompanhado pela banda beat: OS FALCÕES REAIS da cidade de BARRA MANSA,
Carequinha é o mesmo de sempre, amigo da garotada e boa praça da ditadura.
A diferença desse disco é que ele estava na moda, ou seja, no ritmo do Yê-yê-yê.
Procurei esse disco por muito tempo. Pra mim era só uma lenda.
Mas ele existe mesmo e é bom pra caramba.
Alguns velhos sucessos do Palhaço e mais novas canções e interpretações.
A cereja do bolo é a última faixa "The Millonaire" com um arranjo que lembra
bandas como The Ventures e é totalmente instrumental.
Com certeza um agrado pra banda.
Aliás, esta banda chegou à acompanha-lo nesse período em seu programa de TV.
Agora, algo que realmente me intriga é o segundo integrante da esquerda para a
direita. Afinal, o que ele toca na banda?
Todos os outros estão posando em suas funções de forma bem clara, mas, e ele?
Será que dançava? Será que era o vocalista quando não tinha o Palhaço?
O coro infantil é formado por 8 crianças do "Pequenos Cantores da Guanabara",
com certeza um grupo coral da época.
Bem, pra quem preferir, chupem uma droga, coloquem o Carequinha no ipod e
saiam viajando na onda do Palhaço!
Podis crê, bicho!!!!!!

tracklist:
01 - dó-ré-mi
02 - tenta tatá
03 - eu vou cavando a mina
04 - gosto das crianças
05 - Lili (Hi-Lili, Hi -Lo)
06 - linda garotinha
07 - saudação a portugal
08 - a lâmpada de aladim
09 - o elefante e a formiguinha
10 - atrás de uma bola - essa faixa deu uma agarradinha. mil perdões.
11 - neném
12 - cavalinho branco
13 - the millionaire

baixe aqui



MAKI NOMIYA - Onna Tomodachi - Japan - 1981

2009-11-09T22:40:50.713-02:00

(image)

Mais uma vez Mestre Yupo nos brinda com mais uma pérola.
O primeiro compacto da carreira de MAKI NOMIYA, mais conhecida
no brasil como "a cantora do Pizzicato Five".
Mas não foi aí que sua carreira como cantora começou.
No final dos anos 70 mudando pra 80, ela e a maravilhosa JUN TOGAWA
eram como grupies da banda Moonriders cujo lider era KEIICHI SUZUKI.
Mais tarde tornaram-se backing vocals do grupo HALMENS que tinha como integrante
KOJI UENO que posteriormente fundou o GUERNICA.
Ambas garotas seguiram sua carreira solo.
Maki saiu à frente com este compacto e logo em seguida com seu álbum
"Pink no Kokoro" que acabou não emplacando sucesso.
Em contra partida sua amiga Jun ficou famosa mais cedo como vocalista do
grupo GUERNICA.

(image)

Anos mais tarde Maki Nomiya, que trabalhava como backing de estúdio
foi ser a 4º vocalista do grupo Pizzicato Five, justo um pouco antes da
banda assinar com o selo americano MATADOR, e foi quando a banda estourou.

(image)

Uma coisa curiosa sobre este compacto, como podemos supor mesmo sem
saber ler japonês é que a faixa principal foi trilha de um comercial aparentemente
de perfume ou algo semelhante.
Fiquei super surpreso de saber que esta maravilhosa cópia que pertence ao Yupo
não é um relançamento e sim o lançamento original, o que é raríssimo mesmo
no Japão, onde foi comprado, dado o seu estado impecável de conservação.
O precioso cuidado que os japoneses tem com seus discos.

(image)

(image)

(image)

Agradeçam todos ao grande Mestre por esta incrível oportunidade de serem menos
ignorantes.

download

(image)
Post com a colaboração do Mestre Yupo



ANVIL FX LIVE - A CASA DOS MIL ANDARES

2009-10-08T00:34:52.378-03:00

(image)

Fui convidado pelo Gui Barrela para fazer um show
junto com o camarada PANETONE num evento da
Peligro chamado PELIGRO APRESENTA.
Quando eu soube que o esquema funcionaria com
20 minutos de cada um solo e mais 20 minutos de
parceria no palco, me deu vontade de me divertir
com o meu tempo.
Resolvi inventar um show conceitual que no fundo
é uma grande diversão aos moldes dos anos 70.
Como eu vou estar cercado pelos meus sintetizadores
vintage analógicos, resolvi incrementar convidando
mais dois amigos e fazer um show ao vivão com
tudo tocado e mais um monte de instrumentos
exóticos que tenho.
Os amigos são:
CARLOS GADELHA, compositor e guitarrista da banda
"Jardim das Horas"
DIEGO CARTIER, baterista e fanático por música
produzida nos anos 60 e 70.
O instrumental será aproximadamente:
1 Theremin
3 MOOGS
1 Santur
2 Violões acusticos
1 bateria
1 tambor xamânico
2 samplers
1 guitarra
e um jogo de taças de cristal

A nossa viagem se inspira num livro muito interessante
que recomendo à todos:
"A CASA DOS MIL ANDARES".
É considerado um livro surrealista escrito na década de 20
por um artista Tcheco chamado JAN WEISS.
Ao que me consta, existe apenas uma edição em português
mesmo assim de portugal, traduzido por Ernesto Sampaio e
editado pela Editorial Estampa.
Minha cópia foi impressa em Lisboa em abril de 1971.
A história conta sobre um homem que acorda, após um sonho
bizarro, deitado numa escadaria gigantesca coberta por um
tapete vermelho, sem saber onde estava, sem saber onde
daria aquela gigantesca escadaria.
Sem saber se subiria ou desceria.
Sem saber seu nome, sua vida e nem sequer como era a sua
própria aparência.
Com o tempo, revirando os próprios bolsos descobre que seu
nome é Pierre Brok e é um detetive com a missão de salvar
uma princesa aprisionada dentro daquele monstruoso
edificil onde cada andar equivale à uma cidade e é controlado
por uma figura misteriosa chama MULLER.
Detalhe, Pierre Brok descobre ser para os olhos alheios,
totalmente invisível...
Adoro livros surrealistas, hehehehe

Musicalmente, estaremos buscando nesses 20 minutos construir
diferentes climas absurdos e contrastantes, cuja emoção
provem da imaginação evocada pelo livro.

Gostaria de ver os amigos lá, afinal dá um puta trampo fazer
isso tudo.

A arte foi criada pela minha querida Adriana Peliano.



MUNDO 7 POLEGADAS DE PB - Brasil - 2009

2009-10-25T11:28:18.775-02:00

Vejam vocês o nível que chegou a minha obsessão por discos...Agora estou revirando os lixos de São Paulo para encontrar "Pérolas".Bem... pérolas também seria um exagero dizer, né?Músicas divertidas, suficientemente ofensivas às vezes.Nesse sábado fui visitar aquela loja que todo mundo conhece portratar seus discos como tratam seus funcionários, ou seja, como LIXO.Munido de meu toca-disco portátil, fiquei pacientemente ouvindouma mísera caixa de compactos que a loja guarda no chão e queacabam mofando ou grudando com a umidade da água que eles jogamno chão à cada 2 anos...Felizmente estava de fone de ouvido, porque, pra variar, o funcionárioestava esculachando o subalterno com toda sua fúria e a música naorelha me poupava um pouco do baixo astral...Curioso foi quando localizei alguns discos absolutamente impraticáveisde se ouvir e os entreguei ao funcionário dizendo:acho que estes aqui podem ir pro lixo, né?no que ele respondeu:"no lixo eu não digo... vou passar pro meu chefe pra ele decidir"COMO ASSIM? A merda dos discos estão quebrados!!!!!Vai fazer o quê com aquilo???????? huahauhauahuaUm dos primeiro que encontrei que me interessou foi de Moog!Sim, isso mesmo, encontrei até disco de Moog.Disco de Moog quinto escalão, mas...01 - Bullfrog Legs (la rana)/Cash & CarryGrupo belga de quinta categoria!Começou bem!!!!Seguindo... algo bem ofensivo...02 - Birdie Num Num/The EntertainersEssa banda cafona faz uma referência ao personagemIndu interpretado por Peter Sellers no filme "Um ConvidadoBem Trapalhão".Aqui um idiota fica imitando a imitação impagável de Sellersdizendo "Birdie Num Num... Birdie Num Num..." pffffffffMe convenceu na hora à comprar!03 - Swing is The Thing/The Deep River QuartetEsse compacto pra mim foi um grande achado porqueeu adoro Swing e esse disco é bem bacaninha.04 - Ma-Ma-Du/Les ChakachasA capa desse chamou a atenção!Música latina é sempre bem vinda dessa época.05 - La Mula/Rudy RicksonEsse combina demais com as bobagens que eu adoro.Swing com cantor italiano machista no melhor estilode Fred Buscaglioni. Sensacional!!!!06 - Papa Bully/Love Collection starring Jean SharonSente o nível das bruacas da capa!Mas a faixa que selecionei é um Electro Disco bem legal.Valeu à pena revirar o lixo.07 - Favoritten-Spiritual/Herr Inspekta Singens WasTambém curto esse estilo de canção alemã.Algo me diz que se trata de música humorística.Tinha um monte deles lá. Alguns apenas falado.A capa desse eu acho realmente linda!08 - Capital Tropical/Two Man SoundDisco picareta Mexicana é seeempre bem vinda!!!!!09 - La Notte É Piccola/Le Gemelle KesslerLouge Italiano, ou cantado em italiano tambémé sempre Hit em potencial na minha coleção.O figurino dessas aí é sensacional!!!!!10 - Yoshua/Aric LavieEssa música realmente eu adorei!O fato de ser cantada em Hebraico torna elaainda mais sensacional!!!!!!Para encerrar eu coloquei outro compactoda banda de quinta categoria que utiliza Moogpara parecer descoladinha nos anos 70,11 - Who Needs Money?/Cash & Carry12 - Tchip Tchip/Cash & Carry13 - Buena Mooga/Cash & CarryComo sou um fã invertebrado de Moogscompletei a coletânea todas as faixas que descoleino gênero neste lote.agora, você deve estar achando que eu paguei umabagatela por tudo isso, né?Nada! Se tem algo que essa loja sabe fazer é cobrar.10 Real cada compacto.E veja você o nível de porcaria que são.Interessam muito mas é a gente retardada como nós.Bom, eles estavam lá, iam apodrecer e o idiota aquifoi lá dar uma sobre-[...]



RADIO SAFARI - programa Nº 1 - gravado em 02/10/09

2009-10-04T14:22:57.940-03:00

Está no AR o primeiro Poscast RADIO SAFARI!Seguindo o espírito deste blog que vocês já conhecem,o Podcast é uma oportunidade de encontrar pessoalmentecom os amigos e fãs dessa palhaçada que aprontamos aqui.Um jeito de tornar mais social e divertida o ato de garimpardiscos e música obscura, brega ou simplesmente legal.No comando: PB (eu mesmo) e Tatá Aeroplano.Ouçam abaixo: RADIO SAFARI numero 01 by PB - anvil FXEste primeiro programa gravado aconteceu noespaço + SOMA em São Paulo na festa das amigasdo blog MINAS DE OURO.Já deu pra perceber que não será um podcast muito educativoou de precisa transmissão de informação.Será sempre um grande esculacho! (adoro essa palavra! Bem carioca:SCHCULASCHO).Teka Paes de Carvalho, Nina Becker, Regina Strumpf, Adriana Cymes, Gisela Gueiros, Clarice Reichstul, Ana Strumpf e Dani de LamareEsse programa foi cheio de muitas piadas internas e fruto dasbobeiras que rolavam lá na hora.Um dos melhores momentos sem dúvida foi quando toquei pra encerraro tema dos Smurfs, que originalmente e em alguns países até hojesão conhecidos como "LES SCHTROUMPFS" e duas de nossas amigasMinas de Ouro tem um sobrenome que é algo bem próximo:Regina e Aninha STRUMPF (Mãe e Filha).Claro que eu não iria perdoar isso, heheheheGravar um podcast ao vivo dentro de uma festa é algo que pode darmuito errado. No meu aniversário nos tentamos gravar o Nº Zero,mas simplesmente deu tudo errado tecnicamente, embora o astral da festa estivesse altíssimo, com muito mais pessoas próximasà mim e num lugar muito mais fantástico e acolhedor, que foi o Bar Drosóphyla da querida Lili e do Tom!A idéia é tentar continuar o projeto exclusivamente lá, apenasprecisamos de condições técnicas mais adequadas.Aos poucos tudo irá ficar mais bem estruturado e com umacara mais definida.Espero que você também se divirta ouvindo agora e que possaestar presente nos próximos que serão divulgados aqui.[...]



Clássicos da Fronteira Vol.1 por Marco Gaspari

2009-09-29T12:52:36.426-03:00

Bom, uma vez convidado para colaborar neste conceituado blog, quero começar em grande estilo: puxando o saco do blogueiro.Para isso selecionei três curiosidades eletrônicas (som eletrônico cabeça, me parece, é a praia do PB). Mas se você, caro leitor ouvinte, não é muito chegado nos fiummm... bóing... pumpum... pumpum... típicos do gênero, fique tranqüilo que todos os sons têm um pezinho no rock. Como não são álbuns muito fáceis de achar nem mesmo em CD, tente compreender que os eventuais fiummm... bóing... pumpum... pumpum... alheios à música são de inteira responsabilidade do vinil.EN EL OMBLIGO DE LA LUNA – MUSICA DE AUTOREFLEXIONLUIS PEREZPrepare seus ouvidos para o desconhecido: sons de instrumentos pré-colombianos originários das mais variadas regiões do México mesclados a toda uma parafernália sonora pós-chapoliniana (câmaras de eco, frequency analyser, phase shifter, shin-ei, gong, guitarra, baixo elétrico...).O compositor, arranjador e único músico desta belezinha chama-se Luis Perez Ixoneztli.Ele nasceu em 1951 na Cidade do México e passou uma vida estudando as tradições musicais dos grupos étnicos mexicanos.Em 1977 juntou-se a Julio Estrada na formação do Grupo Experimental Mexicano, que tinha como marca registrada dar um tratamento eletrônico ao uso de instrumentos autóctones. Algo como música experimental + rock + antropologia sonora.A primeira edição do seu disco solo Ipan in Xiktli Meztli (é o nome desse álbum no idioma náhuatl) foi lançada em 1981 e bancada pelo governo federal, com uma capa muito bonita e uma arte bem bacaninha tomando todo o miolo. Mas como acontece com todos os governos, eles mais prejudicaram do que ajudaram Luiz Perez. O disco não chegou às lojas e virou presentinho para os amigos. Perez então foi obrigado a providenciar uma nova edição (a que ilustra este texto) e aí sim teve o reconhecimento que merece. No encarte do disco aparece a etimologia da palavra México:Metztli = LuaXiktli = UmbigoKo = indicativo de lugarDei uma resumida na explicação de Perez: metaforicamente México quer dizer “no umbigo da lua” ou “no centro do lago da lua”, pois o contorno dos antigos lagos que formavam a bacia fluvial mexicana tinha a forma de um coelho, semelhante à silhueta formada pelas manchas lunares vistas da Terra. E como a grande cidade de Tenochtitlan ficava no centro desses lagos, simbolicamente ela estava localizada no umbigo do coelho lunar. Coisas do México mágico, antes do homem branco estragar a festa. baixe aqui LÁCTEATÓ NETOEste disco tem uma grande virtude: é um pioneiro.Ele é considerado o primeiro disco de música eletrônica a ser gravado em Portugal. E olha que o cara nem patrício era e sim angolano, nascido na capital Luanda em 1951.António Eduardo Benedy Neto era filho de pai engenheiro e cientista chegado a pesquisas nas áreas de informática e música eletrônica. Dá para imaginar então que os sintetizadores do pai já estavam entre os primeiros brinquedinhos do pirralho Tó Neto.Em 1973, aos 22 anos, muda-se para Portugal e dez anos depois lança seu disco de estréia: Láctea, em pleno boom do rock português. A foto da capa foi feita no Planetário Calouste Gulbenkian, onde a obra foi apresentada ao vivo pela primeira vez.O que se ouve neste disco é uma mistura de passado e futuro. O futuro é representado pelos aparelhos eletrônicos que o artista domina com maestria, e o passado pela rica presenç[...]



anvil FX - Objeto Interno Quebrado - Brasil - 2009

2015-09-26T12:52:48.249-03:00

(image)

Objeto Interno Quebrado é o meu novo trabalho.
Pode parecer uma inovação para eu trabalhar com
harmonias tradicionais e instrumentos acústicos.
Quem me conhece melhor sabe que isso são as
minhas raízes como músico.
Claro, o bom músico de linguagem eletrônica
precisa saber bem como funciona o oposto do que
ele produz.
Eu sinto muita semelhança entre este disco novo com
outro que lancei em 1995, o Imperfection do Silverblood,
que também pode ser downlodado neste blog.
Uma farta utilização da mistura de música com sons
concretos fazem a semelhança ser ainda mais evidente.
Talvez a diferença maior seja que este foi tão
profundamente fundamentado na tristeza.
De fato foi feito numa época em que eu me encontrava
em frangalhos. Normal no percurso de qualquer
ser humano com 43 anos.
Claro, uma hora a porta bate em sua cara e seu mundo
desaba, e não é nada bonito.
Uma profunda melancolia nas harmonias e melodias
seguidas por uma repetição angustiante e obcessiva.
Pode até ser confundido como algo bonito...
A capa foi feita especialmente para este trabalho pelo
grande amigo e artista Roberto Bellini, um antigo fã
de Silverblood.
As faixas também não possuem nome.
Eu tentei nomeá-las mas descobrí que não valia à pena.
São conhecidas por:
Tr.01
Tr.02
Tr.03
Tr.04
Tr.05
Tr.06
Tr.07
Tr.08
Fique à vontade para dar sua opinião.

download



The Glass Orchestra - The Glass Orchestra - Canadá - !978

2009-09-22T11:17:54.565-03:00

(image)

Formado por Paul Hodge, John Kuipers, V. Eric Cadesby, Miguel Frasconi,
e Marvin Green, este grupo canadense se propunha a tocar música usando
apenas objetos e instrumentos feitos de vidro.
Todas as formas possíveis de extrair sons em vidro são utilizadas:
fazer taças de cristal vibrar, soprar garrafas, percutir e algo mais que não dá
pra saber apenas ouvindo. Até uma flauta de vidro foi tocada.
O resultado é mais abstrato e não apela para melodias conhecidas ou as
velhas virtuoses circences de tocar Mozart em taças de cristal.
O objetivo é criar ambientes sonoros e paisagens oníricas de um mundo
de vidro nunca imaginado.
Minha cópia foi trazida dos Estados Unidos recentemente e com certeza
trabalhou como objeto de divulgação em algum, ou alguns centros culturais
americanos, pois, como todos podem ver, tem um cartão de contato
do músico Paul Hodge colado na capa. O cartão também nos revela que
o grupo pertencia a uma galeria chamada MUSIC GALLERY.
Este foi o primeiro disco do grupo, gravado em 1977 e lançado em 78.
Depois disso ainda gravaram:
Tales from Siliconesia (1980) EP
Human (1988) CD
Live from the Archives Vol I and II (2007) CD
Mas se deram muito bem quando uma de suas faixas foi utilizada na
trilha do filme Hollywoodiano "GAROTA INTERROMPIDA".
Tem nada melhor pra fazer um bom troquinho!!!!

(image)
As faixas não possuem títulos e tudo me leva a crer que se tratava de um
projeto de improvisação musical.

ouça aqui