Subscribe: Mr.Writer
http://henriqueabreu.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
agência  ação  dos  ele  era  foi  futuro  isso  mais  muito  não  pela  propaganda  qual  ser  sobre  sua  são  você 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Mr.Writer

Mr.Writer



Publicidade, cotidiano, dentre outras coisas da vida moderna.



Updated: 2015-09-16T22:16:26.663-07:00

 



Far Beyond the Stars

2010-12-05T12:11:02.059-08:00

(image)
Tenho trabalhado muito. Isso é fato.
2010 foi um ano de ouro. Um ano de construção profissional e pessoal.
Novos aprendizados, novos mercados, novos erros e é claro, novos acertos.

Estava lendo a Vida Simples desse mês e uma matéria me chamou muito atenção, pois tocou fundo no que foi o meu legado nesse ano: o trabalho.

Eu assumo. Corri demais, sofri demais.
Mas era necessário. Afinal, parir uma nova marca, uma nova empresa em um mercado que não está acostumado com determinado tipo de serviço não é fácil.

Mas valeu a pena. E muito.
Pois 2011 vai ser um novo ano. Vou tentar, aos poucos, adotar o "Trabalho na medida".
Para me ajudar, vou acompanhar diariamente os posts do fotógrafo nova-iorquino Everett Bogue, no blog Far Beyond the Stars.

Ele se tornou o propagador de um modo de vida em que viver com menos é, realmente, mais. Lançou um livro (A Arte de Ser Minimalista, sem edição no Brasil) em que conta sua experiência sobre como é possível ter uma vida mais simples.

Que venha 2001.



Tempos de aprender, desaprender, reaprender

2010-08-15T11:19:03.647-07:00

Silvio Meira, uma das principais referências sobre a internet e o mundo em rede no Brasil, aponta os impactos que a conectividade, a singularidade, o acolhimento e as infinitas variedades geradas pelo processo tecnológico que vivemos trazem para o nosso cotidiano.

Aprender, desaprender e reaprender tornou-se fundamental para os profissionais de todas os setores que querem avançar neste novo ecossistema em formação acelerada e exponencial.

Convivemos e conviveremos cada vez mais com rupturas contínuas. O novo ecossistema favorece cada vez mais agentes independentes em contato competindo/cooperando para sobreviver.

A vida sempre foi expectativas, exercícios, experiências. O novo ecossistema promove o futuro vindo do futuro.

A tecnologia = plataforma para cOOpetir. Vivemos uma explosão cambriana. Que nos leva para as nuvens, o mundo da informaticidade (todo o processamento na rede) em contrapartida ao mundo da eletricidade.

A Era do Conhecimento chegou e, neste tempo de embate com a herança passada, vai varrer do mapa quem parou no tempo.

São sobre estas idéias que Silvio Meira discorre nesta apresentação feita no evento MediaOn, promovido pelo portal Terra e o Itaú, em outubro de 2009.



(object) (embed)



Como seriam os anúncios publicitários das atuais redes sociais se fossem criados nos anos 50?

2010-08-15T08:58:35.892-07:00

Com essa proposta na cabeça, a agência Moma, de São Paulo, criou três peças que mostram como poderiam ser anúncios do Facebook, YouTube e Skype de acordos com o visual e tecnologias da época.

"Seus filmes vão durar para sempre. YouTube, o endereço campeão da internet", diz o slogan do site de vídeos, elaborado em tons amarelados e com tipografia típica de revistas como a extinta Cruzeiro.

As peças foram criadas para o MaxiMídia, maior evento de Comunicação e Marketing da América Latina, que acontece em outubro, em São Paulo.


(image)



1Love NY | Nike em 5 mini docs

2010-08-15T07:41:07.746-07:00

Clique aqui e confira um pequeno documentário da Nike, chamado 1Love Brooklyn, que homenageia o bairro novaiorquino.

Este é um dos cinco documentários criados pela marca para celebrar Nova York, dentro da campanha 1Love, focada no World Basket Festival, evento que vai rolar na cidade.

Neste vídeo, o protagonista é o rapper, compositor e produtor Theophilus London.

Os outros docs são protagonizados pelo rapper Corey Gunz (Bronx); pelo grupo de BMX streetwear Format (Queens), pela rapper Miss Banks (Harlem) e por Emilio Sparks (Staten Island).

*Via CCSP


(image)



Vivemos a sociedade da comunicação

2010-08-11T06:23:37.202-07:00

por Alexandre Gama Em algum lugar do passado há um cemitério cheio de lápides, todas com a mesma inscrição: ?aqui jaz a pretensão de saber como é o amanhã?. As vítimas são as previsões sobre o futuro, mortas em série na flor da ingenuidade quando o ego de suas propostas ainda nem estava formado. É doce e tentador adivinhar o futuro. Mas toda previsão é um Suflair: cheia de furos e aerada por natureza.Exemplo recente? A Seleção do Futuro, que era a visão de Dunga antes da Copa sobre o futuro da seleção. Deu Espanha, cujo jogo lembra algo de Brasil. Um Brasil do passado. Do poder do toque de bola. Da importância do meio-campo. Lembra? Os futurólogos de plantão agora dirão que esse é o futuro para 2014. E é claro que é. Mas sempre foi.Já li incontáveis previsões sobre o futuro da propaganda, muitas que nem sequer previam mais a existência da própria propaganda. Já li também muita previsão que decretava o fim da propaganda como ela é hoje para substituí-la pela versão digital, como se o todo da propaganda pudesse ser definido por apenas uma de suas aplicações. Só acredito em revolução na propaganda sem o "R". (lembra?) Você mesmo já deve ter se cansado de ler tantas obviedades sobre protagonismo da marca, interação ao invés de interrupção, poder do consumidor, mídias sociais como novo fator de disseminação de mensagens e etc, etc, etc. Mas isso não é futuro, é a verdade da hora. É no máximo a agenda deste e do próximo ano. O futuro de verdade pede visão de telescópio e não de luneta.Na verdade a propaganda do futuro já está aí. É a maneira como tudo hoje é e será cada vez mais propaganda. A razão pela qual muitos não vêem isso é porque não assimilaram o fato de que no lugar da Era Industrial, estamos na Era da Informação e ao invés da Sociedade de Consumo, vivemos a Sociedade da Comunicação. E assim como é difícil para o peixe enxergar a água, é também para muitos de nós difícil ver que as coisas à nossa volta estão existindo cada vez mais para conectar e transformar tudo em comunicação.Tecnologia? É claro que tecnologia é o futuro. Mas há mais de cem anos que ela é o futuro de tudo. Nada mais natural que agora ela esteja- como nunca - a serviço da capacidade de gerar novas maneiras de conectar, entreter, comunicar e propagar.O problema com a tecnologia é nos deslum-brarmos com seu brilho que seduz a maioria a falar muito do meio e pouco da mensagem. E hoje foge-se do conteúdo como diabo da Bíblia. É como já disse em um comercial da TIM: toda banda larga é inútil se a mente for estreita.Por isso, ao invés de pensar sobre a propaganda do futuro, me preocupa mais saber qual é o futuro da propaganda. Porque nessa inversão de palavras acho que moram questões maiores: o que estamos fazendo neste exato momento, para garantir liberdade de expressão-pessoal, comercial e de imprensa? Qual o futuro da propaganda sem isso? Qual o futuro da comunicação sem isso? Qual o futuro de todo o resto sem isso? Para começar, aproveite que as eleições estão aí e veja que futuro está previsto nas agendas e programas dos candidatos.Outra questão: a relação cliente-mercado de comunicação. Como está e para onde vai? Qual o futuro da propaganda sem um modelo de negócio saudável para quem produz propaganda? Qual o NOSSO modelo de negócio? Aquele que é o melhor para quem vive do negócio aqui no Brasil?Outra: qual o futuro criativo da propaganda brasileira se continuarmos focando em ganhar Leões em Cannes na mídia impressa e outdoor - mais de 30 este ano - quando a mídia de maior investimento no País é a Eletrônica, que na categoria Film e Cyber tiveram apenas um Leão brasileiro? Veja que o problema não é ter muito no lugar de sempre. É ter pouco no lugar que precisa. Como e quando vamos desenvolver criativamente a linguagem cinematográfica que é a base de toda comunicação nova?Futuro não é previsão, é deco[...]



O fim do Google Wave

2010-08-05T13:44:48.068-07:00

A história durou pouco mais de um ano. Com muito alarde e com grande expectativa por parte do setor de tecnologia, o Google lançou no mercado, no ano passado, a plataforma de e-mail Wave, com a pretensão de criar mais um case de sucesso no universo digital que entrasse para o rol de suas demais ferramentas difundidas em todo o planeta, como o Gmail, o Orkut e o seu próprio buscador. A pretensão, porém, não refletiu em resultados e a companhia anunciou nessa quarta-feira 8 o fim dos investimentos no desenvolvimento da plataforma Google Wave. No comunicado, publicado no blog oficial do Google, a gigante da internet exalta que o lançamento fez parte da sua constante estratégia de buscar e apresentar projetos inovadores ao mercado, mas afirma que a ideia não teve a aprovação dos usuários. O Google também promete continuar desenvolvendo o Wave como um produto autônomo, aproveitando as ferramentas nele inseridas e garante que o site ficará no ar até o final de 2010. O Google ressaltou que o Wave foi muito importante para o desenvolvimento e a preparação de tecnologias úteis e facilitadoras para os internautas, como a partilha de imagens em tempo real, a melhoria da verificação ortográfica entre outras coisas. Por fim, o vice-presidente sênior de operações do Google, Urs Hölze, que assina o comunicado, revela sentir muito orgulho do Wave e que a plataforma tem ensinado muito toda a equipe e trazendo uma grande animação para os futuros desenvolvimentos da companhia.Quando lançou a plataforma de e-mail o interesse do público foi tanto que o Google abriu uma lista de inscrições para quem desejasse usar a versão experimental do produto. A companhia selecionou previamente os interessados para, posteriormente, disponibilizar o acesso.Smartphone O Wave, entretanto, não foi a única desistência do Google neste ano. Em junho a companhia anunciou ao mercado que não iria mais comercializar e nem fabricar o celular Nexus One, o primeiro aparelho de celular inteligente genuinamente feito pela companhia. Na época, a justificativa para o fim do produto foram as baixas vendas registradas pela companhia no mercado.[...]



Concurso Cultural “PÔSTER 50 ANOS” Salão do Automóvel e Saraiva

2010-08-03T04:26:33.744-07:00

(image)

Para comemorar os 50 anos do Salão Internacional do Automóvel, o maior e mais importante evento automobilístico da América Latina, estamos preparando muitas surpresas e novidades!
E a primeira delas é o concurso cultural “Pôster 50 Anos”.
Assim como o trabalho dos designers dos automóveis, o seu também pode ir para as ruas.
Faça um pôster comemorativo dos 50 anos de Salão Internacional Do Automóvel e concorra a um MacBook e a muitos outros prêmios .
Os posteres vencedores estarão expostos no 26° Salão do Automóvel no pavilhão do Centro de Exposições do Parque Anhembi.
Visite agora o hotsite do concurso e inscreva-se www.salaodoautomovel.com.br/concurso



O templo da cerveja

2010-08-03T04:13:42.750-07:00

Um grupo de monges budistas fez, mesmo que inocentemente, uma ação de buzz que muita agência gostaria de ter feito.Durante mais de 20 anos eles coletaram 1,5 milhão de garrafas de vidro para construir um templo budista ecologicamente correto. Além do próprio esforço, os aprendizes de Buda contaram com o engajamento do povo local.O critério? Que a maioria das garrafas fossem verdes.E qual a marca foi selecionada? Ela mesma, a Heineken.Foi assim que construíram um complexo de 20 edifícios, que inclui o tempo principal sobre um lago, o crematório, salas de oração, acomodações e até banheiros para os turistas.E nem os mosaicos de Buda escapam da empreitada verde - eles foram criados com as tampinhas de Heineken.(fonte: Portal Exame)[...]



Seu orçamento não dá para comprar um iPad? Vá de iNotePad então.

2010-06-09T11:58:55.604-07:00

O bloco de notas com cara e tamanho de iPad vem com 60 folhas e pode ser usado para texto, desenhos, e o que mais a imaginação mandar. O sistema operacional não precisa de upgrade e a bateria é infinita. O melhor, custa £9. Gostou? Compre o seu. Veja o vídeo demonstrativo.

(object) (embed)



iPad + Velcro = ❤

2010-06-04T10:17:09.571-07:00

O iPad tem utilidades infinitas através de seus milhares de aplicativos disponíveis. Mas ele não é necessariamente cômodo de se usar em qualquer situação. Muitos acessórios estão disponíveis pra ajudar no apoio, leitura, proteção e tantas outras coisas. Mas o mais lowtech de todos pode ser o ‘killer’ acessório que faltava para o iPad: o velcro.

(object) (embed)

iPad + Velcro from Jesse Rosten on Vimeo.




Pornografia na internet, uma indústria de US$4,9 bilhões (infográfico)

2010-06-04T09:55:26.609-07:00

by Michel Lent.

Que a pornografia na internet é um big business, todos nós sempre soubemos. Mas olhar para as estatísticas é ainda mais impressionante, principalmente se levarmos em consideração que alguns dos dados aqui devem ser menor do que a realidade que os pesquisados querem admitir. São 24 milhões de sites pornográficos mundo afora, com 28 pessoas por segundo vendo porn. E você acha que é um privilégio dos homens? 1/3 dos usuários vendo pornografia na internet é de mulheres. 25% de todas as pesquisas realizadas nos mecanismos de busca é sobre o tema, e 35% do tráfego da rede também. O infográfico foi elaborado peloOnline Schools.

(image)




Best Buy | e-Cycle | Outdoor reciclado

2010-02-15T04:19:56.598-08:00

A Best Buy resolveu dar um passo a frente no reaproveitamento de eletrônicos antigos e lançou um programa de reciclagem voltado para isso.

(image)

E para divulgar esse novo conceito de “e-Cycle” (reciclagem de eletrônicos), a empresa instalou um outdoor, em plena Times Square, com a escrita toda feita com equipamentos eletrônicos. A assinatura diz: “No matter where you bought it, we’ll recycle it.” (Não importa onde você comprou. Nós vamos reciclá-lo.)

(object) (embed)



Viral do Reveillon Enchanté Celebration

2009-12-08T12:24:20.736-08:00

Já está no youtube o primeiro viral, de três que compõem a ação, do Reveillon Enchanté Celebration, a maior festa de virada de Maceió, que já ocorre há 6 anos, sempre trazendo grandes atrações do cenário nacional. Este ano a banda que vai ditar a festa é a J.Quest, além de Trem de pouso, Dj paulo Pringles e outras atrações locais. O Enchanté vai ocorrer em vários estados do Nordeste.
A festa será à beira-mar na praia da Jatiúca e terá capacidade para 5 mil pessoas.

O viral foi criado pela agência ECO(@agenciaeco), uma nova agência no mercado publicitário alagoano. Os pontos de vendas para o Reveillon Enchanté Celebration são: Loja Hit, Flulook e Gazar Outlet.


(object) (embed)



Emissora de rádio mineira faz ação inovadora

2009-11-24T03:26:08.089-08:00

Telefone e campainha tocam imediatamente depois de comercial na TV.

Uma garota-propaganda aparece na TV dizendo que a Rádio Cidade FM quer fazer parte do seu mundo e surpreender você. E, de repente, o telefone da sua casa toca e você ouve uma mensagem da rádio convidando-o a participar de uma promoção. Ou um vizinho bate à sua porta, com um vaso de flor enviado pela rádio, também com um convite para participar da promoção. Surpreso? Pois foi isso que aconteceu com quase 2500 pessoas na noite desta quinta, 19/11, em Juiz de Fora e outras cidade da Zona da Mata de Minas Gerais.

A campanha “Cidade – muito mais que rádio” teve seu ponta-pé inicial com a ação com a veiculação de comerciais no Jornal Nacional e novela das 20h, seguida dos disparos de telefone e entrega de flores. O objetivo é estimular os ouvintes a perceber as mudanças na programação e no site da Rádio Cidade, agora mais interativos. A partir dos impactos, foi deflagrada uma reação em cadeia nas redes sociais, no site da Rádio Cidade e no Youtube de posts, comentários e um compartilhamento espontâneo pelos internautas impactados, gerando o buzz.

As pessoas impactadas de diferentes formas pela ação, seja pela TV, telefone ou visita, deixaram vários depoimentos nas redes sociais da Rádio que eram respondidos em tempo real, gerando um termômetro das ações realizadas. Foi criada uma comunidade no orkut chamada A Rádio Cidade me Surpreendeu, na qual as pessoas que foram impactadas pela ação dão seus depoimentos, contam histórias engraçadas, dividem sua surpresa e parabenizam a Rádio pela ação. Inclusive, as melhores histórias são relacionadas à entrega das flores, pois muitos dos voluntários que as entregaram acabaram conhecendo seus vizinhos por causa da ação.

Na estratégia da República Comunicação para a campanha, ainda serão realizadas mais quatro ações nos próximos 15 dias, potencializando o impacto e gerando ainda maior viralização.

(object) (embed)



Tilt-shift | Photoshop

2009-11-16T09:29:35.627-08:00

O que mais se comenta nas últimas duas semanas é a técnica usada pla DPZ, no novo filme do Itaú Personalitte. Para os Diretores de Arte que estão afim de aprender a técnica, segue o link do tutorial para o Photoshop.

http://www.tiltshiftphotography.net/photoshop-tutorial.php

Para quem ainda não viu o filme do Itaú:

(object) (embed)

Making of:


(object) (embed)




Guinness, World | AMV BBDO

2009-11-05T09:55:42.991-08:00

(object) (embed)



Brand experience: a arte de surpreender o cliente

2009-09-24T13:43:20.084-07:00

Dirce Domingues*Parece um tanto óbvio falarmos em começo, meio e fim de uma ação promocional. Mas, para muitos, infelizmente, não é bem assim. Principalmente no mercado de eventos, criar uma ação inovadora, baseada em conceitos bastante atuais como o brand experience, é ainda novidade e seus processos desconhecidos pela maioria.Gerar valor ao consumidor por meio de uma experiência em um ambiente controlado parece ser totalmente seguro. Porém, ao contrário do que se pensa, não basta colocar à disposição uma situação de interação com o produto. É preciso mais. É preciso um acompanhamento do início ao fim do processo interativo. Em alguns casos, para que o consumidor não se sinta abandonado pela marca, o planejamento precisa, inclusive, prever a continuidade deste relacionamento.A palavra-chave para todo o processo de experiência é “sentir”, ou seja, gerar sentimento, nem sempre controláveis, nos consumidores. Este deve ser o principal objetivo de uma ação com foco em brand experience. Aliás, a experiência é uma ação cujo resultado é de difícil mensuração. Como garantir que a intenção será bem interpretada pelo consumidor? Essa é a pergunta que nos cabe fazer a cada etapa de criação de uma ação de brand experience. E as etapas são: atração; experiência em si; conclusão; e, quem sabe, extensão.Tendo claro cada uma das etapas fica mais fácil desenhar um modelo adequado de experiência. O principal ponto, no entanto, está em conhecer o público-alvo em profundidade e estar certo que o produto tem algo, de fato, a agregar e oferecer.Um exemplo de experimentação em feiras e eventos é a ação que desenvolvemos para Electrolux. Inicialmente criada para a 25ª Edição do São Internacional do Automóvel em São Paulo, o sucesso foi tão grande que a ação será permanente em todas as ativações para promover as lavadoras de alta pressão e aspiradores da marca no ano de 2009. Para se ter uma ideia, no Salão do Automóvel, conseguimos impactar diretamente mais de dez mil pessoas.A ideia inicial era criar um ambiente propício à experimentação. O estande foi projetado para abrigar ações com as duas categorias de produtos, além do atendimento a convidados e possíveis novos clientes. Os promotores realizaram uma blitz junto aos visitantes da feira para convidá-los a participar da experimentação.No primeiro momento, os visitantes eram convidados a “sujar” o carro com armas de “paintball“. Muitos nunca haviam participado de uma brincadeira semelhante, o que cria uma sensação de liberdade e realização simultânea. É esta sensação que envolve o público e que pode fazer com que pequenas experiências gerem grandes resultados.Depois de sujar os carros, os consumidores podiam utilizar as lavadoras de alta pressão para limpeza. Posteriormente, o cliente seguia para o display equipado com bancos e carpetes. Nesta fase, ele podia sujar a vontade os bancos para testar a potência dos aspiradores de pó expostos no estande. O próximo passo era a participação do sorteio de um brinde, que inclua as lavadoras de alta pressão e aspiradores, para levar na mesma hora. Em uma ação com esta, em um grande evento no qual a maioria dos participantes apenas expõe os produtos, criar situações de participação, certamente, contribui para a criação de valor para marca. O ponto de partida é que, além de agir de forma criativa e inovadora, é preciso agregar conhecimento, sentimento, inteligência. E nada melhor para isso do que uma brincadeira inteligente.Com um consumidor cada vez mais participativo, criar oportunidades de inter[...]



Entrevista com Gustavo Sarkis

2009-09-21T07:06:48.258-07:00

Cachorro-Peixe para o SpaceFox, Gritos para o Twix, La Fortuna para a nova Saveiro e a campanha de novos planos para a Claro são alguns trabalhos realizados por Gustavo Sarkis, redator da AlmapBBDO e quarto entrevistado do blog. Bom, pela qualidade das campanhas torna-se fácil imaginar a qualidade da entrevista. Uma ótima aula em 8 perguntas.Boa leitura e bom aprendizado.1. Fale um pouco da sua trajetória em publicidade e seu início na AlmapBBDO.Eu comecei na Propeg em Salvador. Primeiro fiz aquele estágio rotativo, passando por todas as áreas, atendimento, mídia, produção, e, quando passei pela criação, tive a sorte de o diretor de criação ter notado que eu ficava fazendo títulos até às oito da noite. Nessa época e local, isso significava ficar até tarde. Com isso eu ganhei um estágio fixo na criação. Quatro anos depois, eu achava que já tinha uma pasta que não faria feio na mesa de um diretor de criação em São Paulo. Botei a pasta embaixo do braço e vim bater na porta da DM9, W/Brasil, todas as agências que faziam aqueles anúncios que eu olhava no anuário e sonhava em um dia fazer igual. E foi assim que eu troquei minha vaga de redator sênior na Propeg por três meses de estágio na Talent sem garantia de renovação. Fiquei lá por quatro anos, onde tive a chance de trabalhar com o Mauro Perez, Marcelo Aragão, Alexandre Peralta, Ana Carmem e Júlio Ribeiro. Até que um dia o telefone tocou e uma secretária disse um minuto que Marcello Serpa vai falar. Trabalhar numa agência como a Almap para mim era o máximo. Era tanta gente boa fazendo trabalhos incríveis que eu sentia que precisava dar tudo de mim para acompanhar o ritmo. Hoje, com sete anos de Almap, a sensação continua a mesma.2. O que realmente importa na hora de avaliar a pasta de um candidato a estágio?Um candidato a estágio tem que mostrar que é bom com os poucos recursos que têm. Não dá para impressionar com idéias mirabolantes que vão ficar no meio do caminho, porque não existe verba de produção. Pensem em idéias simples e criativas, não só em mídia impressa, mas também em ações de guerrilha, internet, outdoor, mídia integrada. Quando você é estagiário, vai receber jobs com pouca ou nenhuma verba. Quem for capaz de resolver isso com eficiência já vai sair na frente.3. Volkswagen, Havaianas e Gatorade são referências em boa propaganda. E você atende todas elas. Além de muito trabalho, como criar com freqüência diversas campanhas sem perder a qualidade?Em primeiro lugar vem o que você citou : muito trabalho. Dulcídio Caldeira, diretor de criação aqui da Almap, tem uma frase muito boa sobre isso. Ele diz que as boas idéias vem da herpes. Um job só fica bom quando você trabalhou a ponto de baixar a resistência, pegar uma gripe, estourar uma herpes. Depois, vem outra coisa também muito importante. Clientes como Volkswagen, Havaianas e Gatorade querem colocar boas campanhas no ar. Eles vibram com uma boa idéia, apóiam, lutam junto com a gente para que a campanha aconteça. Isso faz uma grande diferença. É muito mais difícil quando só a agência tem coragem de apostar num trabalho criativo.4. Você participa de reuniões de briefing? Como o redator pode ajudar o cliente a entender melhor o próprio pedido e fornecer informações relevantes?Ajudando o cliente a simplificar o máximo possível. Para mim, o brief bem feito é aquele que pode ser resumido em uma frase.5. Existem atenções especiais ao escrever para a internet? A linguagem deste meio é muito diferente dos meios tradicionais?Você precisa estar atento aos recurso[...]



A hierarquia do sucesso

2009-09-14T07:48:57.822-07:00

Eu a vejo a hierarquia do sucesso da seguinte maneira:1. Atitude2. Abordagem3. Objetivos4. Estratégias5. Táticas6. ExecuçãoNós gastamos todo nosso tempo na execução. Usar essa cor ao invés dessa outra. Escolher esse provedor. Aquela cor. Esse material ou essa freqüência de envio.Grande notícia: Ninguém jamais obteve sucesso em razão das táticas de execução aprendidas em algum livro com técnicas para principiantes.As táticas te dizem o que executar. Elas são importantes, mas dirigidas por uma estratégia. A estratégia é que determina quais táticas podem funcionar.No entanto, qual a razão de uma estratégia se os objetivos não estão claros ou são contraditórios?Isso nos leva aos dois primeiros pontos, sobre os quais quase nunca ouvimos a respeito.A abordagem determina como encaramos o projeto (ou nossa carreira). Você lê muitos livros? Faz muitas perguntas? Usa a ciência e testes ou prefere o instinto? É controlador? É prático? Qual foi a última vez que você admitiu um erro e fez uma correção dramática no percurso? Todo mundo tem um estilo, e, se você escolhe o errado, toda a estratégia, tática e execução do mundo não funcionará bem para você.Que eu saiba, a parte mais importante de todas, que fica no topo da hierarquia, é a atitude. Por que você está fazendo tudo isso? Quais são as suas crenças para lidar com pessoas e problemas?Algumas outras perguntas:• Como você lida com o fracasso?• Quando você desistirá?• Como você trata seus concorrentes?• Qual a personalidade que você busca nas pessoas que contrata?• Como isso vai funcionar para você? Por que? É uma escolha intencional?• Que tipo de decisão você toma quando ninguém está olhando?Claro, você pode começar pela parte de baixo, focando a execução. Lendo um típico blog (ou indo a uma escola típica para pessoas de 16 anos de idade), parece ser isso o que você deve fazer. Que desperdício.Não é estranho que essas seis perguntas são tão importantes e ainda quase ninguém fala ou escreve sobre elas?Se o topo da hierarquia está bagunçado, nem a mais brilhante tática ou execução pode te ajudar.*Seth Godin é um dos mais populares “gurus” do marketing na atualidade, autor de diversos livros e de um dos melhores blogs sobre o assunto.[...]



Chá com tubarão

2009-09-14T03:54:31.909-07:00

(image)
(image)
Boa ideia de um designer argentino. Quero um. hehe



Black Eyed Peas surpreende Oprah em Chicago

2009-09-13T10:41:01.118-07:00

Em uma ação promocional espetacular o grupo Black Eyed Peas surpreendeu a apresentadora Oprah Winfrey. Tudo estava combinado para realização de um show da banda em Chicago, para executar o Hit ”I gotta feeling”, na abertura da nova temporada do programa da apresentadora. A surpresa ficou por conta da atitude da platéia, que realizou a maior ação de flash mob, que se tem notícia. Sem que Oprah soubesse, will.i.am criou com um grupo de dançarinos uma coreografia e chamou 800 fãs para o espetáculo de TV. As 800 pessoas aprenderam os passos e ensinaram para mais de 20.000. Oprah não acreditou no que viu e o viral promocional deverá causar muitos comentários ao redor do planeta. Por trás da mega ação estava a T-Mobile. Assista o vídeo.


(object) (embed)






Sua agência está resolvendo os problemas certos?

2009-09-09T04:20:37.376-07:00

Certa vez, o dono de um restaurante procurou a agência em que eu trabalhava para alavancar suas vendas. Segundo ele, alguns bares e danceterias voltados ao público jovem que abriram nas redondezas estavam espantando sua clientela que, como afirmou, era basicamente casais das classes A e B com idade acima de 35 anos. Com isso, ele alegava que a região não era mais atrativa aos adultos. Sua solicitação era de uma campanha para reposicionar sua marca. O profissional responsável pelo marketing do restaurante havia sugerido que ele transformasse o estabelecimento em um local para o público mais novo, para competir com os outros bares.Logo de cara, apontamos que tal mudança exigiria mais do que uma simples campanha. Ele certamente teria que alterar o cardápio – e isso incluiria abrir mão do seu chef renomado -, mudar sua política de preços, reformular o ponto de venda, fazer mudanças na marca e, obviamente, rever todo seu sistema de custos. Com a queda do ticket médio que tais jovens proporcionariam, dificilmente ele conseguiria manter sua empresa lucrativa. Ou seja, seguir o brief do cliente poderia agravar ainda mais o problema. No entanto, pedimos um tempo para estudar melhor a situação.Sem verba para pesquisa, o planejamento se encarregou de resolver a situação. Avaliamos o histórico da marca, fomos conhecer o estabelecimento e a concorrência, conversamos com clientes e ex-clientes e até com o público de vinte e poucos anos que freqüentava a região. O diagnóstico foi surpreendente. A maioria daqueles ex-clientes haviam deixado de ir ao restaurante pois não tinham mais onde estacionar. Com a chegada desses novos estabelecimentos, as ruas próximas ficaram cheias de carros. Um jovem não liga de estacionar várias quadras adiante, mas o público adulto queria parar o mais perto possível. Se não tivesse vaga, eles iam direto para algum concorrente. E, com o tempo, o restaurante foi saindo da lista de opções desse pessoal. No entanto, a marca era muito bem avaliada pelos adultos. Pelos jovens, entretanto, ela era vista como algo caro e com a “cara” dos seus pais, o que indicava que o tal reposicionamento tinha tudo para fracassar.Em uma ação exemplar, a agência disse ao cliente que não havia nada que a comunicação pudesse fazer até que o problema real fosse resolvido. Sugerimos, então, que ele adquirisse um terreno que havia em frente ao local para construir um estacionamento. No início ele relutou, mas conseguimos convencê-lo. Em poucos meses, em uma obra rápida (subiu um muro, cimentou o chão e montou uma guarita), o estacionamento estava pronto.Agora tínhamos um objetivo claro para a comunicação: fazer com que o público soubesse da novidade para colocar o restaurante novamente na sua lista de opções. Sugerimos algumas mudanças na decoração, uma pequena e rápida “reforma”, uma festa de reinauguração com alguns formadores de opinião e ex-clientes, um trabalho de assessoria de imprensa e anúncios em alguns jornais (bem criativos, por sinal). Em pouco tempo, as filas haviam voltado à porta do estabelecimento.Pode até parecer um problema de cliente pequeno, sem um marketing bem estruturado, mas, trabalhando com grandes marcas, deparamos com problemas até piores. Aliás, quanto mais global a atuação, mais chances de existirem.Essa reflexão nos leva a duas conclusões fundamentais: a de que uma das principais tarefas do planejamento é entender claramente qual o problem[...]



Se for pra ter medo de algo, tenha da mediocridade

2009-09-09T03:56:37.941-07:00

Alex Bogusky*Um velho amigo meu passou pelo escritório um dia desses para me perguntar sobre o nosso processo de novos negócios. Ele tem uma agência menor e está buscando estratégias para fazê-la crescer. Quando o conheci, ele estava nos ajudando com parte do trabalho de lançamento da campanha Florida Truth. Na época, a CP+B tinha cerca de 60 pessoas e, portanto, ele nos viu passar por muitas mudanças, e acho que nós dois ficamos surpresos com muito do que a conversa revelou terem sido os direcionadores do nosso crescimento. Eu quis anotá-los enquanto estavam frescos na minha cabeça. 1 – Conte seus sonhos para outras pessoas. Isso foi muito importante pra nós. Por muitos anos o Chuck e eu tivemos esse segredo de querer ser uma grande agência um dia. Sabe-se lá o que isso queria dizer. Mas foi uma daquelas aspirações que você não ousa dizer em alto e bom som para ninguém pois soaria ridículo. As pessoas ririam, apontariam e diriam, “Lá vão aqueles caras que queriam ser grandes! Eles fracassaram!” No entanto, para ter sucesso você deve enfrentar o risco de fracassar. Então, decidimos contar pra toda a agência o que queríamos nos tornar. Era a nossa missão. Conhecíamos uma pessoa que estava na Fallon no início e tinha participado da criação da deles que, não sei se me lembro exatamente, mas dizia de forma muito simples e básica que queriam ser “a agência mais premiada dos Estados Unidos”. Nós pensamos sobre o que gostávamos no negócio da publicidade e não eram os prêmios, era a questão da cultura. Assim, nossa missão se tornou: “Criar a publicidade mais comentada do mundo.” Na época, provavelmente não tínhamos ainda alcançado nosso objetivo em Miami ou na Flórida. Então, era um pouco constrangedor. Meu amigo ficou realmente chocado quando soube da nossa missão. Tenho certeza de que ele teria rido se ficasse sabendo na época. Porém, na agência nós compartilhamos essa missão com todo mundo e confeccionamos pequenos cartões para anexar ao monitor ou à mesa, para que, durante o dia, nós pudéssemos tomar todas as centenas de decisões que precisávamos com nossa missão em mente. Em questão de semanas, algo novo estava começando, e a agência passou a, claramente, tomar a direção do nosso objetivo compartilhado. Das milhares de pequenas decisões que deram forma ao nosso futuro, dava pra sentir que mais da metade estava nos levando ao lugar que queríamos. Teria sido ainda melhor se tivéssemos tido coragem de fazer isso antes.2 - Os clientes que você tem são a sua verdadeira máquina de gerar novos negócios. Eu vejo tanta gente negligenciar isso. “Se eu tivesse um cliente assim ou um cliente daquele jeito.” É essencial ter uma clara ideia na sua cabeça do novo patamar que pretende atingir e do novo caso que você espera provar com cada novo cliente, antes de começar o trabalho. O que vai ser diferente em relação a agência seis meses depois da chegada dessa nova conta? Como essa nova receita e essa nova campanha vão tornar a sua agência mais inteligente e mais capaz do que era antes?3 - Encontre alguma paixão real em construir o seu negócio ou vá fazer outra coisa. Nós temos uma regra que diz que não podemos disputar um novo negócio até que todos os nossos parceiros sintam paixão por ele. E dinheiro não é uma razão aceitável para paixão. Pode ser qualquer coisa, menos dinheiro. Talvez você goste por ser uma e[...]



Como tornar uma agência famosa de uma hora pra outra

2009-08-22T06:41:12.858-07:00

É possível uma agência praticamente inexpressiva se tornar a mais conhecida de um país inteiro em questão de semanas? Foi exatamente o que conseguiu a agência espanhola Ruiz Nicoli Líneas, com uma ação inusitada que lhes rendeu até um bronze na categoria Promo do Cannes Lions 2009. O melhor de tudo foi que um trocadilho infame, daqueles de doer os ouvidos, foi o grande responsável pela façanha.Tudo começou com alguns boatos que a Ruiz Nicoli Líneas lançou na internet dizendo que havia sido eleita a Agência do Ano pelo Nielsen. Para espalhar ainda mais a informação, eles veicularam banners em respeitados sites de negócios e comunicação e anúncios nos principais jornais do país - sempre dizendo que, de acordo com o Nielsen, eles eram a Agência do Ano.No entanto, não fazia sentido uma agência totalmente desconhecida ser apontada como a principal de 2008 por um dos mais respeitados institutos de pesquisa do mundo. Aquilo não soava como algo normal. Essa desconfiança gerou um buzz enorme – com suspeitas, inclusive, de que a agência poderia ter “comprado” o prêmio.Para a surpresa geral, eles não estavam se referindo ao instituto Nielsen, mas sim ao ator Leslie Nielsen – aquele do filme 'Corra que a polícia vem aí'. Quem havia dito aquilo tudo sobre a agência havia sido ele.A verdade foi revelada em um hotsite e o caso foi parar até em um dos programas de TV mais assistidos da Espanha, oBuenafuente. Para aumentar o impacto, foram realizadas algumas ações de rua e alguns vídeos com declarações do ator foram colocados no Youtube.O resultado foi surpreendente: mídia espontânea estimada em 250 mil Euros, um Leão no maior festival de publicidade do mundo, dezenas de novos clientes e 80% de top of mind em toda a Espanha.O passo inicial foi fantástico. O desafio agora é reverter toda essa criatividade em grandes resultados para os clientes. Vamos aguardar.[...]