Subscribe: A Origem das Espécies
http://origemdasespecies.blogs.sapo.pt/data/rss
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
anos  coluna  das  dos  era  foi    livros  mais  mulheres  nos  não  onde  parte  sem  ser  seus  são   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: A Origem das Espécies

A Origem das Espécies



A Origem das Espécies - SAPO Blogs



Last Build Date: Thu, 05 Apr 2018 10:31:41 GMT

 



Almoços grátis.

Thu, 05 Apr 2018 10:27:00 GMT

O primeiro-ministro chamou a S. Bento o ministro e o secretário de Estado para lhes dizer que estava “surpreendido” com os protestos “da cultura” e que era preciso resolver esse problema e impedir a morte das “companhias de bandeira”. Este é o resumo, e é funesto, porque mostra como o governo pensou que tinha domesticado “a cultura” – que participou na esparrela dos banquetes pré-eleitorais, com genuflexões, embevecida com a promessa de “um novo ciclo”. Ora, como se resolve este problema? Com o aumento das dotações do Orçamento de Estado (mais 900 mil?, mais 1,5 milhão, mais 2 milhões?, mais 7, como pede o PCP?, subiram mais 37%, como diz Centeno?, ou mais 59%, como diz o SEC?), porque o problema, ao contrário do que se diz, parece não ter nada a ver com “o modelo de financiamento” – e sim com o dinheiro do “modelo de 2008”, que é hoje impraticável. Parte dos protestos apresentados fazem algum sentido. Mas não é isso que está em causa, como compreendeu o PM. O problema é que “a cultura” pensava que o mundo já tinha mudado e havia dinheiro a rodos. Quem pagou almoços grátis a quem?

[Da coluna no CM]




Luther King, Maya Angelou.

Wed, 04 Apr 2018 16:39:00 GMT

Martin Luther King (1929-1968) foi assassinado há cinquenta anos, no dia do 40.º aniversário de Maya Angelou (1928-2014). A coincidência não é feliz: a morte de Luther King é uma nódoa que perseguirá a vergonha do racismo americano; Maya Angelou, de quem estão publicados dois livros em Portugal (Sei Porque Canta o Pássaro na Gaiola, na Antígona, e Carta à Minha Filha, na Estrela Polar), foi uma poetisa delicada, uma memorialista de eleição, combatente dos direitos civis ao lado de King (e a primeira motorista negra em S. Francisco). A década ficou marcada, logo a abrir, em 1961, pela vitória de James Meredith, o primeiro negro a ser admitido pela universidade do Mississípi, o que exigiu uma intervenção militar (depois do caso de Dorothy Counts no colégio de Harding, em 1957). As marchas de Selma e Montgomery foram em 1965, um ano depois do Nobel da Paz para Luther King, e quatro anos depois de Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson (vejam o filme Elementos Secretos) terem sido admitidas como matemáticas pela NASA. 50 anos depois da morte de Martin Luther King, esta homenagem é importante.

[Da coluna no CM]

 




Veganocriminalismo.

Tue, 03 Apr 2018 16:38:00 GMT

(image)

Admito que os militantes anti-touradas rejubilem quando um toureiro é morto pelo touro; no fundo, é um dos resultados possíveis da luta entre duas forças da natureza, o homem e o touro – na qual é permitido tomar partido. Mas vale a pena analisar o que ocorreu em França, na semana passada: uma militante vegana declarou-se satisfeita por um terrorista ter executado o funcionário do talho de Trèbes; não por concordar com a ação de Radouan Lakdim, autor do atentado reivindicado pelo Estado Islâmico, mas porque ela via o homem da charcutaria como “um assassino que vende carne de animais”; portanto, a sua execução – como escreveu na net – era um acto de justiça. Este raciocínio é absurdo, sim, mas foi lido por muita gente que, intimamente, concorda com este nível de justiça. Não quero maçá-los, ó leitores, com a conversa sobre como o número de chalados aumentou nos últimos tempos. Mas gostava muito de lembrar-lhes que, se o excesso de legumes e de tofu não prejudica os neurónios, a verdade é que há causas que começam a ser excessivas no seu nível de ressentimento contra a humanidade.






Nórdicos, tão nórdicos.

Tue, 03 Apr 2018 16:37:00 GMT

Os tempos favorecem o otimismo; felizes dos que contemplam o horizonte e ele lhes parece promissor. Pode parecer que em tempo de Páscoa fiquei em toada bíblica, mas o caso é de pura ironia (primeiro) e de algum temor (depois). Os leitores sabem fazer contas – e sabem que tudo o que sobe tem tendência a descer. Razão por que me parece importante a notícia de que cerca de 15% dos portugueses aceita fazer um empréstimo bancário para pagar férias e viagens em 2018. Onde é que já vimos isto? Recuemos dez anos – os tempos favoreciam o otimismo e os economistas incumbentes anunciavam décadas de prosperidade, telemóveis, sexo seguro, troca de carros e juros em conta, tudo em abundância. O Presidente da República disse há tempos que éramos “os nórdicos do sul da Europa”; Marcelo não conhece o pessimismo nórdico, cheio de frugalidade e temperança, mas ouviu falar da competência da multidão portuguesa para passar da euforia à estratosfera – e da estratosfera à depressão. Pelas minhas contas estamos na euforia; o mundo é um lugar amável até se iniciar a contagem descendente.

[Da coluna no CM]

 




Guerra Fria.

Thu, 29 Mar 2018 16:36:00 GMT

Salazar foi a velha raposa amoral e prudente que, até ao limite, manteve o país a flutuar entre os dois lados durante a II Guerra. A situação repete-se agora: Portugal parece o funâmbulo equilibrando-se num arame, declarando-se “europeu” mas sem se juntar ao clube. Ora, por detrás da “crise Russa” há um combate entre o Ocidente e a Rússia que não se reduz ao envenenamento de um espião – e tão pragmático como o pragmatismo português, que joga em vários tabuleiros (o da geringonça interna e o das exportações). Putin, o patrão da autocracia eletiva russa, cujo avô foi cozinheiro de Lenine, é um produto da Guerra Fria – e só sabe viver nesse clima, onde a regra é esticar a corda (na Crimeia, na Síria e na internet) e minar o adversário. O cenário é, por isso, o da Guerra Fria num tabuleiro quadripartido, mas com a Europa sem autoridade moral para se opor ao populismo russo e sem energia (e impérios) para comparar com a economia asiática. Churchil, entrou na guerra em nome de valores nobres; hoje esses valores (como o da liberdade) não comovem os europeus. Maus tempos, maus tempos.

[Da coluna no CM]




Uma lei: free-range parenting

Wed, 28 Mar 2018 16:35:00 GMT

Eu jogava à bola na rua principal, saltava muros e íamos em bando nadar no rio, regressando a casa ao fim do dia; e os pais que vigiavam ou protegiam demasiado os filhos eram alvo da pequena chacota habitual. Mudou tudo; os perigos aumentaram, os celerados multiplicaram-se; e infantilizámos os nossos filhos até tarde. Vão ao pediatra até aos 18 anos. Os jardins deixaram de ter areia e pedra e os baloiços passaram a assentar em ‘tartan’ para que as crianças não esfolassem os joelhos ou sujassem as calças na erva. Este ano, uma revista universitária de psicologia, em Inglaterra, “descobriu” que, afinal, talvez elas precisassem de se sujar, de se esfolar e de conhecer o cheiro da terra. Tremi de inveja com a descoberta, claro. Esta semana, o estado do Utá, nos EUA, conseguiu fazer passar uma lei (a ‘free-range parenting’) que (atenção!) descriminaliza os pais que deixam os seus filhos ir para a escola a pé ou brincar no parque sozinhos e que os autoriza a participar de algumas atividades sem supervisão parental, “incentivando a auto-suficiência” desde cedo. Talvez ainda haja esperança.

[Da coluna no CM]




Manuel Reis.

Tue, 27 Mar 2018 16:33:00 GMT

Naquela altura não havia hipsters, nem empreendedorismo, nem subsídios ou pão para malucos. Mas, felizmente, houve uma geração que soube viver acima das possibilidades do país e da inteligência média habitual – e que libertou a velha pátria do neo-realismo e da sensibilidade de alcoviteira. O Manuel Reis (1946-2018) foi uma estrela nesse céu do Bairro Alto lisboeta, lugar onde, durante algum tempo, se podia encontrar uma parte do mundo a dançar no Frágil. Essa Idade da Prata era tão frívola como se podia ser em Lisboa, mesmo para um rapaz como eu, que tinha chegado de Trás-os-Montes há pouco tempo. O país mexeu-se aqui e ali a partir daquele empurrão. Os lugares que ele inventou fizeram mais pela libertação sexual e cultural da rapaziada do que os ideólogos e engenheiros sociais posteriores. Manuel Reis (o tipo que criou o Frágil, o Pap’Açorda, a Loja da Atalaia, depois o Lux e a Bica do Sapato) era discreto (falava pouco, era da província) e inovador, conhecia o risco e a graça de olhar as coisas de cima – e sem ter de esperar na fila para entrar. Foi o primeiro a fazê-lo numa Lisboa de papalvos. Lá de cima – o lugar onde está, naturalmente.

[Da coluna no CM]




Dick Haskins, 1929-2018.

Mon, 26 Mar 2018 16:31:00 GMT

(image)

Morreu na quarta-feira passada e andei estes dias à procura do essencial para dizer acerca de António Andrade Albuquerque, 88 anos (1929-2018), um pacato cidadão de Peniche, onde vivia rodeado do que lhe era mais querido: as recordações familiares, os livros que amou – e o mar. O seu nome civil não diz muito aos leitores de literatura policial, que reconhecem, antes, o de Dick Haskins, que assinou livros como O Sono da Morte, O Isqueiro de Ouro ou o mais do que best-seller Lisboa 44 – e que ajudou a divulgar em Portugal alguns dos clássicos policiais. Como outros portugueses que escolheram ou viriam a escolher pseudónimos americanos (Dennis McShade, Frank Gold, Ross Pynn, Simon Ganett, Rusty Brown ou W. Strong-Ross), Dick Haskins percebeu que o moralismo lusitano não gostava de crimes cometidos na nossa língua – nem mesmo ficcionais. Os seus livros, traduzidos em muitos países, são de uma larga inocência, como ele próprio: um entusiasta do género, uma adolescência prolongada, um humor simples. O que lhe falta em literatura sobra em imaginação e vontade de contar histórias.

[Da coluna no CM]




Limpar as matas.

Fri, 23 Mar 2018 22:38:00 GMT

(image)

Desde o célebre “dia de trabalho para a nação” decretado pelo III governo provisório em 1974, e desde a comemoração do título europeu de futebol, que não se via esta mobilização na “sociedade civil”. Prevejo que, com manifestações de júbilo e alegria, envergando trajes regionais ou fatos de treino coloridos, com farnéis às costas, brigadas de portugueses partam para “o Desconhecido” a fim de limpar as matas. Vai o primeiro-ministro, vão os ministros, vão os membros da Associação de Municípios, vão os entusiastas dos telejornais, vai – enfim – a “sociedade civil”. E indo toda esta gente, vai também o Presidente da República. Em rancho, debaixo de chuva, irão esquadrinhar “o Desconhecido” de enxada, tesoura de poda, foice, bússolas e Betadine na mão – limpando as matas. Mesmo gente que não sabe distinguir uma planta de canabis de um eucalipto irá, de cantil a tiracolo, cortar giestas, urze, carqueja e ramos de pinheiro bravo. Deputados dos mais variados clubes associam-se também “a esta nobre causa”. Na segunda-feira, “o Desconhecido” (ou seja, Portugal) estará como novo, rapado.

[Da coluna no CM]

 




Amiguinhos no Facebook.

Thu, 22 Mar 2018 22:36:00 GMT

(image)

O destrambelhado e maravilhoso romance de Jarett Kobek, Odeio a Internet, publicado em janeiro passado, é uma premonição destes tempos amargos do Facebook, das chamadas “redes sociais”, da explosão das notícias falsas e da manipulação de dados e identidades. No romance, as personagens debatem-se com a perda de privacidade à medida que vão compreendendo que são parte de um negócio nebuloso por parte dos gigantes digitais; mas na vida real as coisas são ainda mais amargas, obscuras e perigosas. A privacidade está posta em causa (vejam o caso Snowden, de que resultou um mau filme, mas muito educativo); o nosso trabalho aqui, no jornal, é desvalorizado por esses colossos que vivem de sugar a propriedade inteletual e explorar – sem pagar – os conteúdos produzidos para a edição em papel. Como os leitores imaginam, depois de alguns anos a alertar para os perigos dessa coisa maravilhosa que é a internet, o alarme social destes dias, contra o Facebook, não surpreendeu: nesse mundo somos instrumentos apetecíveis, manipuláveis apesar da nossa resistência. É uma lição sobre a liberdade.

 




Esquerda e direita no duche.

Wed, 21 Mar 2018 11:59:00 GMT

Ser de esquerda e de direita – como se distinguem as pessoas de cada campo? Provavelmente, pelas suas ideias, pelas suas companhias e comportamento em sociedade. Para investigadores ouvidos pelo diário inglês The Guardian (um jornal de esquerda que frequentemente tem páginas de gazeta cómica), há outros factores: as pessoas que têm maior tendência detestar o cheiro de urina, suor e outros odores corporais são mais propensas a frequentar a ala direita. O título do artigo era notável: “Não gosta de odor corporal? É mais provável que tenha ideias de direita.” A base da coisa é esta: o sentimento de repulsa pelo mau cheiro dos outros pode significar que se alimenta algum género de discriminação social, logo, de “direitista”, “eleitor de Trump” (não estou a brincar) e “autoritarismo”. Acho a ideia, além de imbecil, muito adequada a piadas sobre quem toma banho e se apresenta (retomo uma expressão usada pelo magnífico e saudoso Rui Knopfli) “lavado, barbeado e talqueado” – e quem falha nos seus propósitos de higiene, muito esquerdalhufo, amigo e tolerante. Que nem um banho de ética.

[Da coluna no CM]

 




O Facebook imita os papalvos, nada mais.

Tue, 20 Mar 2018 23:57:00 GMT

Umas almas cheias de arte & cultura escandalizaram-se porque o Facebook (uma plataforma que mostra por que o género humano é como é) censurou os seios no quadro A Liberdade guiando o povo, de Eugène Delacroix (1798-1863), tal como já tinha censurado a Vénus de Willendorf, uma estatueta de calcário com 11 centímetros de altura e com 25 mil anos de idade. A culpa não cabe ao Facebook, que se limitou a fazer na sua página aquilo que museus, câmaras municipais, governos, universidades, estudantes palermas, radicais avariados dos neurónios e empresas públicas fazem por todo o mundo: censura. A diferença entre o Facebook e essa galeria de papalvos é que a “rede social” não analisa as peças uma a uma, utilizando um algoritmo que lhe permite fazer o trabalho por atacado. O metro de Londres censurou Boticelli. Um museu de NY foi instado a censurar Balthus. Estudantes da universidade de Colúmbia, NY, censuraram Henry Moore. Tudo em nome de princípios nobres, o que é mais assustador e imbecil. Este é o mundo em que vamos viver enquanto esta canalha pateta e moralista andar à solta.

[Da coluna no CM]

 




Ler, escrever.

Mon, 19 Mar 2018 23:56:00 GMT

Em França, desde que se demonstrou que os estudantes têm cada vez mais dificuldade em ler, escrever e compreender a sua língua, está em curso uma reforma do ensino que retoma coisas tão ‘reacionárias’ como os ditados na sala de aula ou as leituras para férias (há escolas portuguesas onde, apesar do desleixo do Ministério da Educação, tenho testemunhado um esforço notável dos seus professores para incentivar a leitura e a boa escrita). Em vez de escolher um ideólogo para presidir a essa reforma, o governo francês escolheu um neurocientista, Stanislas Dehaene, de quem acabo de ler uma entrevista. Para Dehaene, a leitura é o instrumento mais satisfatório para reduzir o stresse, aumentar o amor ao conhecimento e à curiosidade – e melhorar o desempenho do cérebro. Estas qualidades não são menosprezáveis, se bem que pareçam evidências. Por isso, não se trata apenas de ‘ler’, mas – ao contrário dos otimistas que governam as coisas da educação, de ‘ler melhor’, de ‘ler bons livros’, de melhorar a ortografia, de voltar a considerar a boa expressão do Português uma coisa inestimável.

 

[Da coluna no CM]




Mulheres.

Fri, 16 Mar 2018 23:55:00 GMT

Onde estão as verdadeiras mulheres? Em que ajuntamentos, congressos, conferências, companhias, camas, universidades, devem estar as verdadeiras mulheres? Quem são as verdadeiras mulheres? Estas perguntas não são brincadeira e podem ser feitas depois de o secretario-geral do PCP ter anunciado que as verdadeiras mulheres deviam estar numa manifestação em que ele marcava presença e não num congresso do CDS. Aliás, as verdadeiras mulheres estavam numa manifestação promovida por uma organização satélite do PCP, um partido que nunca foi dirigido por uma mulher – e não no congresso de um partido dirigido, imagine-se, por uma mulher. Se queriam uma definição perfeita, ela estava ali. Há consequências a tirar desta definição e desta exclusão, imagino. Theresa May e Angela Merkel ou Ines Arrimadas, por não estarem na manifestação apoiada pelo secretário-geral do PCP, não são mulheres ou, pelo menos, estão enganadas quanto ao seu género. Jerónimo de Sousa não é o único a cair nesta misoginia ideológica. Mário Soares, quando foi derrotado por uma mulher no parlamento europeu, chamou “dona de casa” à sua adversária. Algumas almas de esquerda dirigiram insultos machistas à então liderança de Manuela Ferreira Leite. Para ser “mulher verdadeira”; era também necessário ser submissa.
[Da coluna no CM]

 




Hawking.

Thu, 15 Mar 2018 23:54:00 GMT

Estávamos em 1988 e ‘Uma Breve História do Tempo’ entrava na vastíssima mitologia da edição como um best-seller inesperado. Ninguém imaginava que um livro sobre a origem do universo e do tempo, sobre os buracos negros e o espaço vazio, se convertesse num sucesso editorial – sobretudo quando o autor era praticamente desconhecido. Sabia-se de Stephen Hawking (1942-2018) que ensinava em Cambridge (nasceu em Oxford) e sofria de esclerose lateral amiotrófica, uma gravíssima doença degenerativa, o que fez dele uma personagem mais do que singular: um combatente, um resistente – mas também uma estrela reconhecível nos média. A ciência deve-lhe também isso: Hawking contribuiu, tal como o americano Richard Feynmann, por exemplo, para popularizar temas e livros científicos. Sou incapaz de discutir qualquer teoria de Hawking, ainda que tenha lido esse seu primeiro livro, mas reconheço a sua importância. Ultimamente dedicava-se também a combater pelo ateísmo (a sua ideia de Deus era antiquada e reaccionária); para Hawking, a única religião era a da ciência – o que não lhe assentava mal.

[Da coluna no CM]




Universidades.

Wed, 14 Mar 2018 23:53:00 GMT

Parte ínfima, mas ruidosa, da universidade lusitana está muito indignada porque o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas convidou Pedro Passos Coelho para os seus quadros. Vamos e venhamos, é uma campanha política à boleia do nome do ex-PM, tanto mais que outros políticos de esquerda estão nas mesmas condições de Passos. Ao longo da história académica são numerosos os nomes de professores convidados por universidades para dar aulas (servindo-se da sua experiência), muito embora não tenham obedecido aos trâmites curriculares nem dado as tradicionais facadas nas costas dos seus colegas – uma prática comum na universidade. Geralmente, quem fica a ganhar são as universidades. Acontece que as nossas escolas superiores, salvo exceções localizadas, se perpetuam a si mesmas, se vigiam e avaliam a si próprias com bastante soberba. Neste caso, a hipocrisia é evidente; trata-se de um veto político. Boa parte dos cursos de “ciências sociais” transformaram-se numa irrelevância onde uns falam para outros, aplaudindo-se muito, como se a humanidade em redor fosse um incómodo.

[Da coluna no CM]




Library Hotel.

Tue, 13 Mar 2018 23:51:00 GMT

(image)

Livros que servem para fingir de livros, mesmo quando podem acabar por ser lidos. Gosto da ideia: onde senão num hotel nos podemos entregar ao prazer da leitura sem que ninguém nos incomode? Veja-se, em Nova Iorque, o Library Hotel (na Madison – entre a 6.ª e a 7.ª Avenidas), que espalhou dezenas de milhares de livros pelas suas salas, bares e quartos, além de oferecer aos seus hóspedes uma seleção dos e-books mais vendidos durante cada semana. Em Paris, entretanto, a Librarie du Marais disponibiliza – no piso superior da livraria – uma suite onde as estantes guardam cerca de 4500 livros para os hóspedes que, além de apreciarem o bairro (um dos que mais e melhores alfarrabistas dispõe em toda a cidade), também gostam de estar rodeados de livros. Na Cornualha britânica – naquela paisagem de filme –uma livraria de livros em segunda mão decidiu também abrir quartos a fim de que os seus clientes pudessem ter tempo suficiente para apreciar o seu catálogo; foi uma forma de salvar o negócio e de juntar a perversidade de ler à mania de ficar acordado a noite toda.

[Da coluna no CM]




Anschluss.

Mon, 12 Mar 2018 23:50:00 GMT

Apesar do Tratado de Versalhes, e do que se lhe seguiu três meses depois, em S. Germain-en-Laye (que determinou o fim da unidade austro-húngara) , nunca foi clara a vontade de manter uma Áustria independente; Hitler acrescentou dois factores: o “pangermanismo austríaco”, garantido por referendo (a par do poder crescente e ruidoso do partido nazi), e o antisemitismo das ruas, que o deleitava (além de ele próprio ser austríaco). Aquilo que fora uma sociedade livre, aberta e cosmopolita regressava, a pouco e pouco, à nuvem da Grande Alemanha que, do outro lado da fronteira, tinha levado Hitler ao poder e ao crime, diante da passividade de uma Europa que não estava disponível para enfrentar o demónio do novo Reich. A 12 de Março, há 80 anos (em 1938), o exército alemão desfaz as dúvidas e sobe o primeiro degrau da escalada pelo domínio dessa Europa amorfa e desistente, entrando na Áustria com aplauso. No dia seguinte, a Anschluss (anexação) é anunciada oficialmente. A Alemanha estava preparada para começar a guerra com este pequeno passo, esmagando a Áustria a pedido dos austríacos.

 




A minha arma não perdoa

Fri, 09 Mar 2018 23:47:00 GMT

(image)

Filho de pai irlandês e de mãe escocesa – o que resultaria disto? Mickey Spillane, um dos autores que mais fascinou os leitores portugueses de romances policiais dos anos 50 e 60 em Portugal. Começa por escrever histórias para os heróis da época (Capitão América, Super Homem ou Batman), e participa na II Guerra como piloto. Em 1947 estreia-se com O Juiz Sou Eu, a primeira aparição de Mike Hammer, o detetive protagonista da maior parte dos seus livros. Sem cerimónias, explica a razão por que escolhe o nome ‘Hammer’ (martelo): “Porque o homem, no fundo, gostaria de ser um martelo para esmagar a cabeça do seu próximo.” Vingança, justiça, reparação, nada de sentimentos – nos seus livros mata-se e morre-se. Os títulos são fatais: o melhor deles é A Minha Arma Não Perdoa (My Gun Is Quick), mas há Ofício de Matar, A Vingança É Minha ou O Assassino Implacável. Há um rasto de melancolia em Uma Noite Solitária, mas é coisa pouca; o tom é violento, conservador e sem misericórdia. Nos seus livros há bons e maus, com poucas variantes. Nasceu há exatamente 100 anos, em NY.

 




Violência sobre as mulheres.

Thu, 08 Mar 2018 01:55:00 GMT

(image)

 Sim, eu gosto de Camille Paglia.

 

Um elogio ao CM. Há cerca de dez anos que se legislou no sentido de transformar a “violência doméstica” em crime público. Nas páginas do CM já o era há muito, com as altas burguesias a resmungar baixinho, preferindo que essas notícias não aparecessem nas páginas de crime – porque eram coisas de mau gosto. Durante anos, o CM esteve solitário nessa denúncia da violência sobre as mulheres, do machismo mariola, dos namorados que batem nas namoradas, dos maridos que transformam ex-mulheres em cadáveres, da violência que persegue e não deixa só nódoas negras – muito antes de a “imprensa bem educada”, cheia de pudor, ter descoberto que esses crimes eram abundantes e vergonhosos. Ainda assim, eu diria às mulheres: envenenem os maridos que vos batem, castrem os namorados que vos tratam mal, abandonem esses biltres, ponham-lhes laxantes na sopa, chamem a polícia em altos gritos, exijam que os tribunais sejam rápidos, façam macumba para eles ficarem sem tesão, troquem-lhes os medicamentos, eduquem as vossas filhas e ensinem-lhes a usar a inteligência e o varapau em doses idênticas. Respondam. 

[Da coluna no CM]




Trump, os Óscares e isso.

Tue, 06 Mar 2018 12:59:00 GMT

A cerimónia dos Óscares não teve piadas sobre Trump, o que foi um alívio de bom gosto e evitou que pensássemos nele por instantes. Gay Talese, um dos grandes nomes do “novo jornalismo” americano (com Gore Vidal e Norman Mailer constituíam um trio de respeito) resumiu bem a situação numa entrevista recente: “Trump, Trump, Trump todo o dia a merda do Trump. Agora, os jornalistas vêm da mesma classe que o pessoal do mundo financeiro ou político. Vão às mesmas universidades e os seus filhos aprendem a nadar na mesma piscina. Por isso os jornais e as televisões não prestaram atenção à gente que votou em Trump, porque não se misturam com eles.” De entre os candidatos aos Óscares, Três Cartazes à Beira da Estrada é talvez o filme destes anos, o da América silenciosa e magoada. Mas a Academia de Hollywood, compreendendo o cansaço acerca de Trump, não só evitou as piadas sobre o homem, como premiou A Forma da Água, um filme que fica a caminho de qualquer coisa sem ser coisa nenhuma, além de uma bela fotografia, um amor impossível, uma atriz serena e umas cenas de banda desenhada.




Tonia Carrero. (1922-2018)

Mon, 05 Mar 2018 22:56:00 GMT

(image)

Ontem à tarde uma militante do grupo feminista Femen fez ‘topless’ em protesto contra Silvio Berlusconi. Não há nada tão absurdo como mostrar os seios ao italiano, que agradece. Mostrar as maminhas é banal. Corajoso e com sentido era no tempo de Tonia Carrero (1922-2018), que há 40 anos defendeu o gesto na telenovela Água Viva (o seu papel era o de, recordam-se?, Stella Simpson). Tonia Carrero foi um rosto importante para as mulheres do Brasil – e de Portugal. Os seus papéis mostravam uma mulher corajosa, independente, brava nas suas interpretações, parte daquela geração de que fizeram parte Cacilda Becker, Leila Diniz ou Eva Wilma – poderosa, livre, descarada, fazendo o feminismo derivar de outros movimentos libertários (contra a censura, a ditadura e os capangas ideológicos) e não do moralismo atual. Vi-a apenas uma vez em palco, em A Visita da Velha Senhora, de Dürrenmatt (curiosamente, no Teatro Nelson Rodrigues, no Rio), genial; interpretou Shakespeare, Sartre, Goldoni, Ibsen, Tennessee Williams ou Pirandello. A vida das mulheres também foi mais livre com Tonia Carrero.

[Da coluna no CM]




Fantasias que não ferem.

Fri, 02 Mar 2018 22:54:00 GMT

Um dos objetivos da ciência, e do conhecimento em geral, é ajudar-nos a evitar a dor. A contorná-la, a mitigá-la. É por isso que usamos anestesia e analgésicos, químicos que ajudam a regular as reações do nosso corpo, terapias que transformam a nossa vida numa coisa melhor. Num pequeno livrinho lançado ontem, Terapias, Energias e Algumas Fantasias (Fundação Francisco Manuel dos Santos), João Villalobos leva-nos de passeio pelos corredores das chamadas “terapias alternativas”, do Reiki à leitura da aura e ao estudo das “vidas passadas”, dos “tratamentos holísticos” à visitação dos anjos e à hipnose e ao reconhecimento das “energias”. À tentação de muitos leitores – considerar que essas terapias “não servem” porque não curam constipações –, prefiro a generosidade e o espírito de tolerância de Villalobos: tudo serve se o objetivo for o de contornar ou diminuir a dor de viver. A nossa vida é demasiado curta para recusarmos conhecer essas experiências. Sim, podemos até concordar que algumas são fantasias. Mas nenhuma fantasia é dispensável se nos ajudar a encontrar alguma luz.

[Da coluna no CM]




Ilha de Moçambique

Wed, 28 Feb 2018 22:52:00 GMT

(image)

Mandam os calendários dizer que amanhã, 1 de março, se cumprem 520 anos sobre a chegada de Vasco da Gama à Ilha de Moçambique – um pequeno território de 3 quilómetros de comprimento, a cerca de 2500 quilómetros da capital, ligada a terra por uma frágil ponte que sobrevive ao sal e à erosão. Antes de ser primeira capital da colónia portuguesa, Muhipíti (o nome macua) era já um grande entreposto comercial que ligava o Índico às carreiras para a Pérsia, o mar vermelho e o resto da Ásia – e continuaria a sê-lo até finais do século XIX, nomeadamente devido à escravatura. Conheci ainda o velho xeique Abdurrazaque Djamú, que partilhava com o Padre Lopes o pastoreio das almas nos momentos difíceis: muçulmana, cristã e brâmane, “a Ilha”, Património Mundial da Unesco (uma arquitetura notável), recebeu Camões e Tomás Gonzaga, Rui Knopfli (que lhe dedicou um livro, A Ilha de Próspero), Jorge de Sena ou Alberto de Lacerda. Mia Couto escreveu partes dos seus livros com este cenário, onde hoje vive J.E. Agualusa. 520 anos depois, com a sua beleza recuperada, é finalmente “a ilha de todos”.

[Da coluna no CM]




Neve.

Wed, 28 Feb 2018 22:50:00 GMT

(image)

Telefonaram-me a avisar: “Lembras-te daquele caminho que subíamos na serra e que se enchia de neve quando éramos miúdos? Está outra vez coberto de neve.” Não nevava ali há dez, onze anos. Peço desculpa aos lisboetas para quem a neve é um episódio de “férias de inverno”, chique e vagamente nos Alpes, mas a aldeia onde eu vivi parte da infância ficava isolada pela neve durante semana e meia, todos os anos. Sem correio, sem autocarro, sem aulas durante um ou dois dias. E havia frio porque era inverno. Há três semanas, a Proteção Civil e a imprensa coligaram-se para decretar que Portugal era uma espécie de icebergue; o alarme irritou-me: havia sol e, como estava de viagem, verifiquei que os picos da Serra da Estrela estavam escuros como num dia de verão. Ontem, ao fim da tarde, o tom de tragédia regressou, mas foi acompanhado do telefonema familiar: onde há trinta, quarenta anos, nevava todos os anos, voltou a nevar. Eu sei que é mau para o lifestyle lusitano, que promulgou uma meteorologia eternamente estival e de manga curta. Bem vinda sejas, neve. É inverno. Como deve ser.

[Da coluna no CM]