Subscribe: A Caveira Vesga
http://acaveiravesga.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
deve ter  dos  estado  filosofia parisiense  governo  inseguro tózé  inseguro  mais  não  parisiense  país  ser  ter  tózé 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: A Caveira Vesga

A Caveira Vesga



Vale tudo, mesmo tirar olhos



Updated: 2016-09-08T05:21:33.483+01:00

 



Mudança

2013-04-18T14:04:32.557+01:00

A gerência, a administração e a direcção deste blogue (composta por vários elementos, entre eles eu, eu e eu) decidiu por unanimidade e aclamação mudar o blogue para o sapinho. A nova morada é:


http://acaveiravesga.blogs.sapo.pt
(image)



O País das reuniões reunidas

2013-04-17T13:40:57.069+01:00

O 1.º Láparo enviou uma carta a propor uma reunião entre ele e o Inseguro Tózé. Começou hoje às 10 e meia da manhã e o presidente Cavaquinho congratula-se com o encontro. A tróica reúne-se com o Pêésse ao meio-dia e o Inseguro chegou atrasado, à boa maneira portuguesa, que é para os malvados dos credores perceberem quem manda.

Às 10 e meia da manhã é hora de pequeno-almoço atrasado. Talvez ao estilo do outro entre o Grego e o Fígado, aquando das eleições legislativas. Ao meio-dia é hora para um almoço adiantado, ainda enfastiado com o pequeno-almoço tardio. Com um pouco de sorte, teremos uma vichyssoise na ementa.

P.S.: consta que as reuniões têm o objectivo de chegar a consenso quantos aos cortes na despesa do estado. Já sabemos onde isto nos leva - ao aumento de impostos. Daí chamar-se consenso: estão todos de acordo que é necessário (e, até, preciso) cortar nos gastos do estado. Por isso, sobem-se os impostos.(image)



Fechado para descanso do cérebro. Reabrimos daqui a um mês

2013-04-10T13:12:05.383+01:00

O reitor Compaio da Nóvoa da Universidade de Lisboa afirma que o despacho do Rei Mago das finanças fecha o país.

No caso dele (salvo seja) fecharão os laboratórios e as cantinas. Não sabia que estas despesas não estão previstas no orçamento da instituição para este ano. Para o caso de não terem percebido, o despacho do ministro refere-se a despesas novas e aqueles gastos parecem ser despesas correntes, supostamente previstas.

Depreende-se que o país se confunde com o estado, na douta interpretação do reitor. Mas se o ministro do défice fechou o país, deve ter a chave para reabri-lo daqui a algum tempo. Tudo o que fecha tem de abrir.

Também refere que é uma medida contrária aos interesses do país. Eu faço parte do país e a medida não é contrária aos meus interesses. Uma dúvida: como sabe o douto e digníssimo reitor quais são os meus interesses? Deve ter uma bola de cristal ou ser vidente.

Hoje de manhã, o Inseguro Tózé também afirmou que o governo fechou o país. Adivinhem lá onde se inspirou o líder do Pêésse? Está difícil, não está? Como o reitor lisbonense se chama Tó, deve ter ocorrido alguma transferência por osmose entre os dois homónimos.(image)



Filosofia parisiense (V)

2013-04-06T13:32:37.835+01:00

«Quem criou o problema que o resolva» - chama-se a isto responsabilidade. Como se o problema fosse de uma entidade alienígena (vejam a série de programas que o canal História emite chamada Alienígenas).

Esqueceu-se de referir que o tribunal do Palácio Ratão aumentou o buraco em mais mil e 100 milhões de euros. O Inseguro Tózé é um profeta: durante a semana tinha afirmado que o governo devia parar de escavar e agora é um tribunal tão acarinhado pelo Pêésse que escava mais um bocadinho.

Mas o Inseguro Tózé vai mais longe. Afirma estar disponível para substituir o governo. Ou seja, vai ele sozinho governar sem ministros nem secretários de estado. Eventualmente com uma ajuda semanal do outrora exilado parisiense como assessor de imprensa.(image)



E o alcatruz?

2013-04-05T11:16:24.109+01:00

É a pergunta que se impõe. Deviam criar um programa de valorização do alcatruz. Ficando pelo polvo, estão a discriminar o alcatruz. Não se admite tamanha desfaçatez.

A notícia refere que se está a conquistar uma outra visão do mar e uma outra visão do peixe português. O secretário de estado marítimo do governo português não especificou as armas usadas na conquista do mar, mas eu deduzo que haja um qualquer sistema de retirada do cheiro do peixe (como se sabe, cheiro a peixe é o que os jovens mais gostam. Excluindo o bacalhau, claro).

Esta coisa das promoções pesqueiras iniciou-se com a cavala, seguindo-se o polvo. Como não há duas sem três, há-de emergir das profundezas marinhas outra espécie para valorizar, como referido na notícia.(image)



Filosofia parisiense (IV)

2013-04-03T12:24:01.382+01:00

Criar esperança - uma evolução do conceito dar esperança do Inseguro Tózé. Não é suficiente dar, é preciso criar. Como fazer isso? Construindo uma uma fábrica.

Mas talvez seja necessário arranjar um grupo de trabalho para estudar o tema, definir a melhor forma de construção da fábrica, decidir a localização, a promoção no exterior. Será um negócio de futuro, com exportação para mercados deprimidos: a Grécia à cabeça, o Chipre, Itália; eventualmente para países subdesenvolvidos (para estes com desconto, claro, devido às condições económicas).

Isto seria uma inovação com direito a patente registada. O cheque-esperança não chega. E como disse o Jorge Láparo, é uma "política" para pessosas concretas. Se fosse para pessoas abstractas.(image)



Filosofia parisiense (III)

2013-03-28T14:58:41.490+00:00

Narrativa - parece que existe uma "narrativa" (e, pior ainda, única) que não gosta dos governos do grego e isso não é admissível. Essa "narrativa" diz que a culpa da actual situação de Portugal é dos governos do ex-exilado parisiense e isso não pode ser. Segundo a personagem, os seus governos foram os melhores de sempre do mundo e arredores, quiçá de Portugal. Esta, sim, é a "narrativa" correcta e verdadeira, correspondente à realidade.

P.S.: quando houver dúvidas sobre a "narrativa", repetir até à exaustão a frase: os governos do grego foram os melhores de sempre do mundo e arredores, quiçá de Portugal. Se subsistirem resquícios de cepticismo, há sempre a solução do suposto olhar feroz que a criatura lança (segundo, lá está, algumas narrativas) e que desfaz toda e qualquer incredulidade.

P.S. (2): penitencio-me pelo número baixo de vezes que a palavra narrativa surge nesta mensagem. Prometo aplicar-me mais e melhor para a próxima.(image)



Filosofia parisiense (II)

2013-03-23T13:19:06.703+00:00

Dar esperança aos portugueses - segundo o Inseguro Tózé, o governo deve dar esperança aos portugueses. Eu tenho a solução para esse imbróglio: o estado (ou o governo, se quiserem) dá subsídios/apoios para tudo e mais alguma coisa. Relativamente à esperança, passavam um cheque de 10 quilos de esperança, com levantamento obrigatório na repartição pública mais próxima do beneficiário.(image)



Filosofia parisiense

2013-03-22T11:27:37.016+00:00

1) o título desta mensagem é um bom nome para o tal programa que o estudante parisiense vai ter pago por nós (as saudades que eu tinha do home). Com esta decisão da Rêtêpê, o grego alcandora-se a "senador" da república.

2) é um regresso para preparar a candidatura a presidente da república e para minar a "liderança" do Inseguro Tózé. Este mudou de opinião porque recusava a apresentação de uma moção de censura e agora fez o anúncio.

3) apenas não compreendo como é possível ninguém se ter lembrado da ideia de criar um programa chamado Senado, com os principais "senadores" como comentadeiros. Ah, espera já existe o Contras e Prós. Não me lembrava.

4) ficamos a saber que o ministro Ervas manda tanto na empresa como eu. O Beto Bejecas da Ponte também manda imenso.(image)



Um pouco de cimento resolve os problemas

2013-03-09T11:36:06.288+00:00


O governo mais neo-ultra-hiper-liberal de sempre continua a tirar o estado da economia, a promover o sector exportador e os bens transaccionáveis. Ou então está a seguir a ideia que o Edil Olisiponense referiu no programa Circulatura do Quadrado - pôr a construção a mexer para relançar a economia.

É o seguimento do que se tem passado na economia portuguesa - começou com o Centro Cultural de Belém, seguiu-se a Ekspo 98, continuaram com os 10 estádios de futebol. O outro queria que Portugal organizasse uns Jogos Olímpicos, havia projectos/ideias para várias linhas de têgêvê. Um qualquer ministro da economia dizia que o têgêvê serviria para os espanhóis virem à praia em Lisboa. Portugal era um país de "eventos".

Viram onde isso nos levou? Existe quem não veja.(image)



Estamos condenados

2013-03-07T14:31:36.526+00:00

O Hugo Chaveta bateu as botas. Os panegíricos indicam que o homem era amigo de Portugal. Também se ouve por aí que era "inimigo" do Jorginho Bush (mais conhecido por Sr. Danger) e, por extensão, dos EUA. Adivinhem lá quem é o principal parceiro comercial da Venezuela? Negócios.(image)



Artes circenses após a manifestação de ontem

2013-03-03T18:53:03.965+00:00

1) Com a manifestação de ontem, voltamos ao tamanho da Praça do Comércio: a organização referiu 500 mil pessoas, no mínimo, a encherem o espaço. Uma praça que tem 40 mil metros quadrados de área (em contas generosas), dá qualquer coisa como 10 mil pessoas por metro quadrado. Uma proeza de circo.

2) O movimento organizador da manifestação quer que a troica se lixe. Acontecendo isto, tornar-no-emos amigos da Coreia do Norte ou amigos de Cuba. Que alternativa querem? Eu não sou esquisito, apoio os dois países com igual fervor. Talvez prefira Cuba por ser quente (sou friorento, sabem). A Coreia do Norte tem aquele problemazinho com a falta de alimentos. Vós decideis.

3) Existe a profissão de manifestante profissional (peço desculpa pela pleonasmo, mas nunca é de mais reforçar a ideia). Isso significa que a participação de crianças na manifestação de ontem é trabalho infantil. Ou será que é considerado passeio sócio-cultural? Afinal cantaram a Grândola.(image)



Viva a Tróica

2013-03-02T14:01:10.539+00:00

Estou no tempo de aquecimento para a manifestação Que Não se Lixe a Troika. Consta que não existem influências partidárias na organização, como se pode ver aqui.

Esta ligação vai dar ao blogue do movimento, onde na barra lateral direita (claramente uma coincidência) estão os nomes dos organizadores/apoiantes. Não há ninguém de esquerda, com grande pena minha.(image)



Ninguém se queixou do cheiro?

2013-02-28T11:14:14.639+00:00

Não chamaram a Azai para verificar as condições higieno-sanitárias do abate do bicho? A exposição do animal morto num local público não pôs em causa a saúde pública? E os amigos dos animais, sempre indignados contra as touradas, nem um piozinho.
Como o protesto não foi feito pela "direita", não se aplicando as mesmas regras.(image)



O meu reino por um de

2013-02-23T13:53:31.629+00:00

Após a vírgula, o da em vez de um de. Na altura o Com Paio era o presidente e a coisa passou. Os serviços da presidência são tão competentes que o Cavaquinho é presidente há mais de 6 anos e só agora foi detectado o "erro".

Simplificando o problema, é uma matéria gramatical. É sempre reconfortante ver os principais políticos do país preocupados com a língua materna. Preocupados, escrevi eu? Aceitando o desacordo ortográfico, a preocupação não parece muita.(image)



Desde que paguem (não aceito que seja em recibos verdes)

2013-02-14T15:06:41.042+00:00





O ministério da colecta de impostos inventou mais uma - a factura obrigatória. Eu já tomei a decisão de pedir sempre a factura (de preferência em triplicado). De seguida, tornar-me-ei um bufo ao serviço do fisco: estarei à coca dos infractores e serei um chibo.


P.S.: espero ser remunerado pelo trabalho. A vidinha não está fácil.(image)



Bolso de Coimbra

2013-02-11T13:59:36.870+00:00

Perceberam porque o Inseguro Tózé estava mudo sobre a vida interna do Pêésse? Levava no bolso um texto de 27 páginas para garantir a união do partido - tudo o que está no bolso do líder do Pêésse é confidencial, daí não não haver falatório sobre o partido.

Quanto ao mais importante, não soubemos e os jornalistas não questionaram - bolso do casaco ou das calças?

O texto chamava-se Portugal Primeiro e passou a texto com nome de cidade, à boa maneira europeia. Uma originalidade. A designação primária seria considerada plágio, tendo caído. Com o nome pomposo de Documento de Coimbra é suposto todos acreditarmos numa espécie de visão messiânica sobre o que os socialistas vão fazer quando voltarem ao governo. Lendo o texto, é o vazio do costume.(image)



Desejos de Verão

2013-02-09T11:19:02.716+00:00

Muitos, poucos, nenhuns ou alguns? O Toninho Costa deve ter-se baseado numa sondagem feita para a Sique e o jornal Espesso, onde ganha ao Inseguro Tózé, mas a percentagem não é esmagadora, apesar de ter maioria. Para um Messias, é um resultado fraquinho.(image)



Pastelaria de alta finança

2013-02-04T12:10:27.966+00:00

O Poeta Triste considera uma vergonha. O Operário Jerónimo fala em escândalo. A Dupla de Esquerda quer que o Pastel-Álvaro-de-Nata vá ao circo esclarecer o caso. O caso chama-se Franquelim e parece ter passado pela Esse-lê-nê, dona do Banco Português de Negociatas.

O Afilhado Rebelo de Sousa afirma que o Franquelim levanta o fantasma do BPN. Não levanta fantasma nenhum, porque não existe um. O que existe é um buraco de 7 mil milhões de euros a pagar pelos contribuintes, após uma estatização mal explicada feita pelo governo do grego.

Suponho que o único problema seja o facto de o homem vir da "alta finança".

P.S.: o Álvaro esqueceu-se de comunicar a todos os interessados que o Franquelim é adepto da exportação de pastéis de nata. Não nos podemos esquecer que foi escolhido para secretário de estado do empreendedorismo e inovação.(image)



A privatização era inevitável

2013-01-25T11:33:28.713+00:00

Para os lados da Rêtêpê continua o processo de refundação (tal como no país) - a empresa ia ser privatizada, depois concessionada e finalmente chegamos ao término da viagem de ano e meio com uma uma reestruturação profunda, segundo o ministro Ervas. Podem ser os vapores cervejeiros a funcionar.

Seguem aquela máxima do mudar alguma coisa para ficar tudo na mesma.(image)



Feliz Ano 2013

2012-12-31T11:51:19.947+00:00


(image)



Comer porcarias é o futuro

2012-12-30T11:29:22.389+00:00

O justiceiro sanitário regressou em grande. Este secretário de estado da doença é um verdadeiro achado. Gostava de saber onde vão descobrir estes cromos. Com estas ideias apenas resta criar uma polícia - andam atrás de nós a controlar os nossos hábitos alimentares e comportamentais. Não sendo suficiente passam para a última fase, que é a criação de campos de reeducação.

A partir de agora, comam muitos fritos e doces, fumem bastante e bebam álcool em grandes quantidades. Estarão a ajudar o serviço nacional da doença a ficar mais sustentável.(image)



Feliz Natal (é para ser dito com voz grave, bem grave)

2012-12-24T11:47:59.932+00:00

allowfullscreen="allowfullscreen" frameborder="0" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/gVzOve8T39w" width="420">(image)






Altos voos prejudicados por um pombo no motor

2012-12-21T11:20:32.389+00:00

A inevitável venda da Trap ao empresário de tripla nacionalidade não vai acontecer. Nem o passaporte polaco com um mês ajudou. Quando a nacionalidade polaca chegar aos seis meses (algures em Maio), o governo português vende e ele compra.

Dizem que a empresa aérea é uma companhia de bandeira. Se fosse vendida ao milionário, o problema seria a bandeira colombiana - tem azul e amarelo, as cores do Cêdêésse, mais a ligação monárquica do azul. Isso podia ferir susceptibilidades das mentes mais sensíveis.

Referem o interesse estratégico nacional - eu faço parte do nacional e não tenho nenhum interesse estratégico em que a empresa seja do estado.

Quem era contra a venda da empresa deve ter pensado que ia servir para tráfico de droga de proveniência colombiana; outros podem ter pensado num aumento exponencial da importação de prostitutas brasileiras, segundo o raciocínio do advogado Marinho Piupiu.(image)