Subscribe: PAUSA PARA UM CAFÉ
http://elizabethfdeoliveira.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
dança ventre  dança  dos  elizabeth oliveira  elizabeth  minha  olhos  oliveira  pela  sem  ser  teus olhos  teus  tua  ventre 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: PAUSA PARA UM CAFÉ

PAUSA PARA UM CAFÉ





Updated: 2017-09-21T13:08:43.537-07:00

 



BORBOLETA

2017-07-06T11:17:45.830-07:00





                                                                      para Tammires


Do casulo da vida
nasci lagarta,
o ventre do Pai
me acolhendo 
no colo da timidez.
Mas vieram os dias de Sol 
e o movimento do tempo 
me fez olhar para fora.
Inebriada fui
pela beleza do infinito
e ganhei asas no quadril:
a liberdade de ser borboleta
no palcos do mundo,
sem deixar de ser lagarta,
encolhida 
na metamorfose do silêncio.





Elizabeth F. de Oliveira










NAU FRÁGIL

2017-01-20T06:26:26.991-08:00

Náufraga de teus olhos,esse oceanode clara profundezaque me engolfaem sublime correntezapara o abisso de mim.Nau frágilà luz de teus olhos.Elizabeth F. de Oliveira[...]



DANÇA

2017-01-20T06:27:11.560-08:00

 "Ter fé é dançar na beira do abismo" NietzscheCoreografo abismosnuma dança nietzschianaensaiada pela fé.Nada sei,só ouço a música que me movimentano bailado do tempoe me entrego,à beira do precipício,desafiando a gravidade da lei,vendada pela vertigem da paixão. Elizabeth F. de Oliveira [...]



OPTCHÁ!

2017-01-20T05:57:11.386-08:00




Rodopias, gitana, 
tua alegria
traçada em todo chão.
Acampas o destino
sob os pés
em nomadismo de mistérios
e lendas.
Trazes, nas veias,
a força de uma linhagem
e a sina
na palma da mão.
Agitas a saia
com euforia e altivez:
fogueira crepitando
no solo da tua essência.



Elizabeth F de Oliveira






DANÇA DO VENTRE

2016-04-18T12:09:52.071-07:00

A bailarina Rachel Brice pintada por FergusonO corpo em mutação.A serpente sinuosa no mistério do infinito:ondulação.A leveza do véunas asas do  movimento:levitação.O sopro da  dança  no  ventre da alma: consagração.O bailado da ancestralidadeno templo da tradição. Elizabeth F. de Oliveira[...]



HEBRAICO

2016-04-06T07:27:57.468-07:00

Procuronesse alfabeto antigo,a sombra de um antepassado,um mar morto em mim.Mas a geografia dos meus olhosé  Aravá,o deserto que fui e ainda sou.Passos incertosperegrinando a históriado que busco:encontrar-me,sem muro ou lamentaçãodo que fuie do que me tornei.Elizabeth F. de Oliveira[...]



PROFUSÃO

2016-02-15T11:50:10.329-08:00







A profusão do sentir
expande o território
onde  a solidão
me desabriga.
O ermo que em mim
avança,
em austera geografia,
contrai
e subtrai
o meu coração.






Elizabeth F. de Oliveira







ESPERAS

2015-11-17T12:40:12.116-08:00

Vivo a nostalgiado que não foi (o reverso das palavrascelebrando a ausência),o pequeno dramado ainda-não.Coabitam em mimesperas persistentes,essa eternidade pressentidapelos vestígiosde meus solitários abismos.Elizabeth F. de Oliveira[...]



SHIME

2015-10-05T13:18:20.087-07:00

                                         Solange Costabailarina internacional e coreógrafa                                                                           para Solange Costa                                             O Sol longe encostae  desliza sinuosono horizonte da palavra,dança no ventre do verso,movimento sensual:oriente místico de poesia.Tua presença  ensolarada reverbera em shime* de luz ,estremecendo de significadoso corpo do poema.Elizabeth F. de Oliveira*Shime é um dos principais movimentos da dança do ventre.[...]



ZHONGWEN 中文

2015-09-21T12:36:06.054-07:00

                                                               para Hua ZhenO chinês é um cançãoressoando na cítara do tempo.Sua entonação,reverberação de significado:eco enigmático demilenar sabedoriaaudível  num  labirintode monossílabos e silêncios. Elizabeth F. de OliveiraAgradeço imensamente a Hua Zhen pela tradução desse poema para o chinês, com a qual fui agraciada. 中文是一首歌在时间的琴声中流淌。她的语调混合回响,那神秘的声音回响在迷宫中,沉寂而沉默。Eu mesma havia feito a tradução para o inglês para que ela pudesse compreender o poema que havia originalmente escrito em português.ZHONGWEN 中文                                                                   to Hua Zhen Chinese is a song resounding upon the zither of time. Its intonation, meaning reverberation: enigmatic echo of a millenial wisdom audible in a maze of monosyllables and silences.  Elizabeth F. de OliveiraZhongwen é a transliteração da palavra 'chinês' (idioma) em chinês. [...]



FLUTUAÇÕES

2015-06-10T11:19:34.683-07:00

Comungo silêncios,ausências e palavras indizíveis.Tácita, navego nas ondulações do pensamento:nem sempre calmaria,quase sempre tormento.Divago em vagas,flutuações de uma eternidade evanescente.Elizabeth F. de Oliveira[...]



ACASO

2015-05-27T05:55:54.436-07:00






Ferida de ocaso,
a tarde se rende
alvejada de sombras.









Elizabeth F. de Oliveira








CINZA

2015-05-18T11:34:16.394-07:00




As pedras da minha infância
são cinzas
paralelepípedos da memória
lembranças duras de dentro.
As pedras da minha infância
pintaram de cinza
a cor dos dias
fizeram do futuro
um tempo escuro de viver.
As pedras da minha infância
são agora o meu chão
(caminho de revés)
com todo esse cinza
debaixo dos pés.









Elizabeth F. de Oliveira






DESERTOS

2015-04-24T12:00:02.299-07:00

Muitos desertos me habitam:tenho os cabelostingidos de ocasoe a pele tatuadapelo nomadismo das areias.A aurora em mim inexisteporque o sol sempre sangraem meu peito.Regida pela solidão,sigo sem rumo, sem retorno,com a certeza de que só o silênciome compreende.Elizabeth F. de Oliveira[...]



EUTERPE

2015-05-27T05:57:33.819-07:00

EuterpeMinha musatoca-me de lirismoa  medula da emoção.Tateia-me de poesiao ventre da imaginação.Minha musagesticula eufoniaecos da mitologiada idealização.Minha musatua mãoEuterpeda minha inspiração. Elizabeth F. de OliveiraEuterpe, a Doadora de Prazeres do grego eu (bom, bem) e τέρπ-εω ('dar' prazer),  foi uma das nove musas da mitologia grega, as filhas de Zeus e Mnemósine, filha de Oceano e Tétis. Era a musa da Música. No final do período clássico, foi nomeada a musa da poesia lírica e usava uma flauta. Alguns consideram que tenha inventado a aulo ou flauta-dupla, mas a maioria dos mitólogos dão crédito a Mársias.Fonte: Wikipedia[...]



CHEGADA

2015-03-13T12:49:14.730-07:00

Retornas,com a mochilacarregada de horizontesde um lugarque é toda parte,sem fronteira, nem  destino.Em tua pelea geografia,em tua almaa etniados  anseiosa lavrar na memóriacada chãoque teus pés registramnas pegadas  do próprio nomadismo. Elizabeth F. de Oliveira[...]



DALÍ

2015-04-24T11:48:18.292-07:00

Tarô de Dali (Roda da Fortuna)Surrealessa linhaque singra de infinitocontornos,distâncias que guardam oníricos segredos.A Roda gira abismos de ternuraenquanto o Sol flutuano céu do contentamento.Os relógios de Dalínão controlam as cartas do tempo,quando o afeto ganha nomee a eternidaderesvala em si mesma.Elizabeth F. de Oliveira[...]



TUAREGUE

2015-01-23T10:38:50.235-08:00

Saara   soue tu,  tuaregue do meu destino.Persegues tua buscafincando sobre mimpegadas fustigadaspelo nomadismo de tua linhagem.E segues, com o olhar perdido no horizonte da alma,sem suspeitar que esse sol que nos une,também nos condena.O vento sussurra rotas em teu ouvidopara que de mim jamais te percas,pois em minha solidãote  abrigasdas intempéries da tua existência.Elizabeth F. de Oliveira[...]



SELVAGEM

2015-01-09T11:33:13.191-08:00

Galopas teu destinono dorso espesso da vida,busca incessante de movimento.Sob os pés,o sabor de terras inéditasa desbravar o territórioimpenetrável de ti.Um espírito selvagemsegurando a crina do tempona ânsia de perscrutara etimologia do próprio ser. Elizabeth F. de Oliveira[...]



FELIZ NATAL!

2014-12-23T07:03:57.837-08:00







Neste Natal,
que a eufonia do silêncio íntimo
componha versos de paz
em tua poesia de Ser.





Elizabeth F. de Oliveira







AD INFINITUM

2015-03-20T07:23:35.842-07:00

                                       Capa do cd 'Ad Infinitum' de V.A.                                                                                   para Marco LucchesiO horizonte dos teus olhos:Deus.Sagrado, no islamismodo teu assombro.Eterno, nos desertosdo teu ser.Indumentado  de infinito,perscruta-te o céutransliterado de estrelas,porque é nelas que teus olhoscravam a esperança de alcançara intangível belezaque já possuis. Elizabeth F. de Oliveira[...]



EM TEUS OLHOS

2014-11-22T19:21:50.206-08:00

Graça Pires                                                                                          para Graça PiresVejo poesia em teus olhos.Em cada gesto, um verso autêntico.Nas mãos, um  poema comovente.Porque a poesia percorre-te as veias,pulsando de metáforasa memória do teu sangue, dotada de uma emoção sonora,que se derrama suave e silenciosamente no reluzentereflexo dos teus olhos. Elizabeth F. de OliveiraUma pequena homenagem à grande poeta e amiga Graça Pires, pela ocasião de seu aniversário. Acessem:Ortografia o Olhar      http://www.ortografiadoolhar.blogspot.com.br/Wikipédia                  http://pt.wikipedia.org/wiki/Gra%C3%A7a_Pires[...]



AQUÁRIO

2014-11-23T13:58:03.594-08:00

Derrama sobre mimtuas águas,aplaca minha sedepisciana de ser.Essa fontede águas cristalinasnasce em teus olhos,brota de tuas retinasluz e transparência.Numinosa existênciaa jorrar de tuas mãos;líquida essênciaque me resgatada desertificação.Elizabeth F. e Oliveira[...]



LUZ

2014-10-28T10:50:22.131-07:00

Somos estrelasde algum céu, nômades do destino.Constelamos no acasode Deus,atraídos pelo brilhodas esferas. Cintilamos na órbitade nossos sonhos,enleados por essa luzque se propagadesde as retinasaté o infinito de ser.Elizabeth F. de Oliveira[...]



INCONSCIENTE COLETIVO

2014-09-04T12:17:30.237-07:00

Quando partir,o farei pela palavrapois  é ela o caminho,a verdadeira jornadapara um mundo novo,conceitual,bem distante do  habitual.Nele, ideias e ideais se fundemnum turbilhão de infinito,em codificados sinaisdiferente desse solo que habitona composição do poema.Deixarei de ser carnepara me tornar teorema,um salto quântico do instintoao patamar do espírito,nesse fluxo incessante,inconsciente e coletivo.Elizabeth F. de Oliveira[...]