Subscribe: NAS TRILHAS DOS SONETOS
http://eusoneto.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
amor  borda  coração  das  dos  eloah borda  eloah    mais  meu  meus  minha  não  poesia  soneto  são  versos 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: NAS TRILHAS DOS SONETOS

NAS TRILHAS DOS SONETOS





Updated: 2017-06-21T19:25:58.723-07:00

 



Nas Asas da Poesia

2012-05-17T19:58:18.968-07:00

Nas Asas da PoesiaNo vazio dos meus sonhos, tua ausência,no mais fundo de minha alma, a solidão,no caminho dos meus passos, a inclemência,dos espinhos que persistem no meu chão... No refúgio dos meus versos, transcendência,transmudando em canto a dor, sublimação- refrigério para os medos e carênciasdeste meu já tão cansado coração. E nas asas da poesia eu sigo em frente (já não há, mesmo, caminho pra voltar),neste voo outonal rumo ao poente -voo cego, em que sem medo, e só, eu vou, porque sei, nada haverá de me magoar,mais que a tua indiferença já magoou...(Eloah Borda)[...]



2 Comentários

2012-01-07T08:29:53.005-08:00

(image)
Só pra falar um pouco de saudade...

Só pra falar um pouco de saudade,
te escrevo, meu amor, mais um poema
- desculpa se repiso o mesmo tema,
é que já não domino esta ansiedade!

O teu silêncio é um nada que me invade,
e que me faz refém de longa espera
e habita em tua ausência, que é tapera,
onde vagueia, triste, esta saudade...

Saudade que aconchego no meu peito,
mas, que às vezes, se expande de tal jeito,
que já nem cabe mais dentro de mim;

e para extravasá-la eu fico assim,
a repetir-me, a repisar o tema,
compondo para ti mais um poema.



(Eloah Borda – D.A.Reservados)




Versos Tristes

2012-01-05T16:38:37.234-08:00

(image)













Versos Tristes

Acordando de um sonho, que foi lindo,
eis-me de novo aqui, minha poesia,
trago em minha alma apenas nostalgia,
e, no meu peito, este doer infindo!

Mal começou meu sonho, e já é findo,
foi um momento breve de euforia
em que tudo na vida me sorria,
e agora, este amargor que estou sentindo...

Acolhe-me em teu seio, poesia,
- só tenho a ti, és tu minha valia,
só posso em ti este cálice entornar

- vertendo em versos todo o desencanto,
pois eles são, minha poesia, o pranto
que proibi os meus olhos de chorar...

(Eloah Borda)



Os Versos Que Te Fiz - inspirado no soneto de Florbela Espanca.

2011-11-29T18:01:41.407-08:00

(image)













Os versos que eu te fiz (inspirado no soneto de Florbela Espanca)

Eu não talhei em mármore de Paros
estes versos que venho te ofertar
- são só versos de amor, doces e claros,
que com carinho eu fiz, pra te encantar

Não têm dolência de veludos caros
mas do meu coração, tem o pulsar,
ternura imensa, sentimentos raros,
que no fundo da alma eu fui buscar!

Cada verso que escrevo é um acalanto,
transformando teu nome em doce canto
- poesia que no ar espalharei...

... teu nome, que jamais vou confessar,
que em minha boca sempre hei de guardar,
junto com os beijos que jamais te dei...

(Eloah Borda)



Decisão

2012-05-17T18:16:59.296-07:00

(image)














DECISÃO

Já me cansei deste caminho torto
e vou mudar o rumo dos meus passos,
juntar, colar todos os meus pedaços,
e os meus sonhos plantar num novo horto.

Com este romance que já nasceu morto
quero cortar, de vez, todos os laços,
e te esquecer, buscar novos espaços,
indo atracar meu barco em outro porto;

deste insensato amor me libertar
- queimar a ponte, os rastros apagar
e até mesmo esquecer quanto te quis.

Seguir em frente sem olhar pra trás,
e deste sonho que ora se desfaz
guardar somente os poemas que te fiz.

(Eloah Borda)



Soneto de amor somente

2011-11-09T13:25:05.854-08:00

(image)












Soneto de amor somente...


Te amo, na paz de um calmo sol poente,
na lúdica alegria dos cantares;
te amo na realidade e nos sonhares
e todo dia a cada sol nascente.

Te amo ao clarão da lua refulgente,
e na cumplicidade dos olhares;
no brilho das estrelas milenares
e te amo porque te amo, tão somente!

És meu sonho de amor idealizado,
és tudo que mais quero, meu amado,
és minha ebulição e és minha calma...

Porque és também minha paixão, desejo
enlouquecer de gozo nos teus beijos,
porque no amor se fundem corpo e alma.

(Eloah Borda)



COMO QUISIERA - VÍDEO POEMA

2011-10-22T13:26:56.050-07:00

width="459" height="344" src="http://www.youtube.com/embed/CkygrAIaaGI?fs=1" frameborder="0" allowFullScreen="">



Acorda Coração!

2011-09-04T15:39:37.259-07:00

(image)












ACORDA CORAÇÃO!

Vai, coração, sai dessa nostalgia
- não vês que assim machucas o meu peito?
Já não me deixas nem dormir direito,
nesse esperar insano, noite e dia!

Atrás dessa telinha há só o vazio
de um duro coração, frio, inclemente,
ao qual o teu sentir é indiferente,
e insistir nessa espera é um desvario.

Acorda! Ainda tens muito amor pra dar,
não o desperdices com quem não merece
- esse romance já é passado, esquece,
que a vida aí está, a te chamar!

Vai, coração, devolve-me a alegria,
quero cantar, feliz, minha poesia!

(Eloah Borda)









Como Quisiera

2011-08-05T16:10:19.441-07:00

(image)


















COMO QUISIERA…

Como quisiera, amor, poder decirte
que yo te quiero aún más que en el pasado,
que en ese tiempo nunca te he olvidado,
y cuanto te busqué sin encontrarte!

Como quisiera, amor, borrar el tiempo,
que puso hilos de plata en mis cabellos,
enrollarme en tus brazos, y entre ellos,
mirar tu rostro y te decir “Te amo”!

Pero lo sé, mi amor, todo ha cambiado,
tu “Diosa” se quedó en el pasado,
quizá tan solo viva en tus recuerdos…

Así, debo callarme, vida mía,
guardarte con cariño en mi poesía
y abrir el corazón solo en mis versos…

(Eloah Borda)



Eu Soneto II

2012-05-17T18:11:02.582-07:00

(image)

















Eu Soneto II

Venham vanguardas, quantas forem, venham,
como as que já vieram no passado
- vieram e se foram, sem que tenham,
o brilho dos sonetos, ofuscado.

Essas vanguardas poéticas, convenham,
bem que tentaram me deixar de lado,
mas continuo firme aqui - se atenham:
“modismos” é que são ultrapassados;

e eu viverei enquanto houver poesia,
porque, em mim, há síntese e harmonia,
porque há um perfeito ritmo em meus versos,

que são sonoros, fluidos e tersos
- catorze trilhas de um versar de estetas,
trilhas que nascem n’alma dos poetas.


(Eloah Borda)



Paixões e Fugas

2011-03-13T17:37:32.980-07:00

(image)






















PAIXÕES E FUGAS

“O tempo passa desfolhando as flores,
marcando a vida, desenhando as rugas,
e o mundo roda, confirmando amores,
nesse entrevero de paixões e fugas.

Sobem os sonhos que nas nuvens param,
fogem as ilusões tão perseguidas,
e as saudades daqueles que se amaram,
num recanto qualquer, são esquecidas...

No buscar incessante, passo a passo,
procuramos na terra e pelo espaço
recolher a sonhada fantasia...

Há quem gaste esse andar, inutilmente,
procurando bem longe o que, na frente,
pode feliz fazê-lo a cada dia...”


Antenor Peixoto de Castro
Escritor e poeta pelotense, membro da Academia Sul-Brasileira de Letras.
Membro do CLIPE – Centro Literário Pelotense.



RUA DAS EXPECTATIVAS - porque é preciso sonhar...

2011-02-23T10:23:31.742-08:00

(object) (embed)



Mea Culpa

2010-10-07T18:42:02.409-07:00

(image)


















MEA-CULPA

Quis dar contigo o derradeiro vôo,
perder-me no infinito dos teus braços
- ainda que efêmero esse vôo fosse,
e minhas asas em tua luz queimasse.

Contigo, quis viver meu “grand finale”
(nesta peça maluca que é a vida),
que inesquecível fosse, e em grande estilo,
do palco das paixões, a despedida.

Ah, como eu quis viver esse momento
de sonho, de prazer, de encantamento,
para guardá-lo na recordação!...

Mas, em mea-culpa, agora reconheço,
te superestimei, e pago o preço:
- não tinhas asas, luz nem coração...

(Eloah Borda)


Talvez goste de ver: Espaço Poesia e Poliantéia



DICAS SOBRE SONETOS - Eloah Borda

2013-01-04T16:58:47.592-08:00

DICAS SOBRE SONETOSConsiderações iniciaisQuando se fala que para fazer sonetos é necessário conhecer suas regras básicas, que são a métrica e acentuação tônica corretas, isso não significa que o poeta tenha que escrever, como costumam dizer, “contando nos dedos” e pondo de lado sua inspiração. Quem gosta de sonetos, com certeza, não é por seus catorze versos dispostos em quatro estrofes, isso nada tem de especial, mas sim por seu ritmo, sua sonoridade, que acabamos por decorar assim como decoramos ritmos musicais - daí a importância de ler os mestres sonetistas. Mas os versos nem sempre vêm prontos à nossa mente - nas trilhas dos versos também acontecem pedras... São as quebras de ritmo que o poeta “sente” e que, se conhecer a teoria, terá mais “jogo de cintura” para sanar o problema, poderá logo encontrar a pedrinha e saber como tirá-la do caminho, ou seja, perceber a palavra destoante e trocá-la por um sinônimo, ou fazer uma inversão de termos para assim manter o ritmo. Coisa simples, natural, nada que se pareça com autocastração poética, apenas o esmero que se deve ter com qualquer tipo de criação artística. Uma outra idéia errada, e muito comum, é que o soneto foi modificado pelo advento da Semana de 1922. Não, os poetas modernistas não modificaram o soneto, não quebraram suas regras, apenas, em seu entusiástico desejo de liberdade , simplesmente o descartaram , deixaram-no de lado – sua forma fixa era restritiva, um “molde antigo”, inadequado para expressar as idéias, os sentimentos de um período em ebulição, marcado pela ruptura política e intelectual da sociedade brasileira com as estruturas consideradas envelhecidas.Posteriormente, houve, sim, algumas tentativas de mudanças, como a inversão das estrofes, ou o estrambote, que não "pegou”, pois na verdade nada acrescentava, não tornava o soneto melhor, ao contrário.A seguir, um pouco de teoria...O soneto, como já está implícito no próprio nome (originado da palavra italiana “sonnetto”, que quer dizer pequeno som), é uma composição poética especial, que deve ter um ritmo e uma sonoridade também especiais, para que seja realmente um soneto, e para isso, há REGRAS:1)A FORMA FIXA - como todos sabem, a mensagem deve ser transmitida em catorze versos, dispostos em 2 quartetos e 2 tercetos, ou, menos usuais, 3 quartetos e 1 dístico ou parelha - soneto inglês. Mas isso, por si só, pode até fazer um belo poema, mas não basta para fazer um soneto.2) A MÉTRICA – Todos os 14 versos devem ter, exatamente, a mesma métrica, isto é, o mesmo número de silabas poéticas ou métricas, que são diferentes das sílabas gramaticais.Fiz/mi/nha / a/do/les/cên/cia / ge/ne/ro/sa – 12 sílabas gramaticais.Fiz/mi/nha a/ do/les/cên/cia / ge/ne/ro/sa – 10 sílabas métricas.Conta até a última tônica (ro).A sonoridade deve-se à correta colocação das sílabas tônicas (ou fortes) em cada verso. É isso que dá sonoridade, cadência, ao soneto. Quanto à sonoridade, os versos decassílabos (que são os mais usados em sonetos), por exemplo, classificam-se em três tipos: heróicos, sáficos e sáficos imperfeitos.Decassílabo heróico - as tônicas são a 6ª e a 10ª sílaba:E / da / mi/nha es/pe/ran/ça de / me/ni/no. (Hermes Fontes).Decassílabo sáfico – as tônicas são: 4ª, 8ª e 10ª sílabas:Em / c a/da / ver/so um / co/ra/ção / pul/san/do. (Cruz e Sousa).Sáfico imperfeito – as tônicas são: 4ª e 10ª sílabas:So/nhei / mi/la/gres / pa/ra a / meu / des/ti/no. (Hermes Fontes)Menos comuns, mas bastante usados, são os dodecassílabos, cujas sílabas poéticas fortes (tônicas), são:4ª, 8ª e 12ª, ou ainda a 6ª, 10ª e 12ª.Al[...]



Era uma vez...

2010-09-05T09:50:39.170-07:00

(image)













ERA UMA VEZ...

Era uma vez, um coração carente,
já há muito tempo em solidão imerso,
que de viver tão só, já descontente,
deliberou seguir rumo diverso.

Não mais temer de novo amar, somente,
porque o amor já fora-lhe adverso,
mas se entregar de novo, plenamente,
enfim, de um mar de solidão, emerso.

E se entregou, jogou-se por inteiro,
- com um amor imenso, verdadeiro -
para alguém que de amor nada sabia...

E é esse o mesmo coração que agora,
está batendo aqui em meu peito, e chora,
mais triste e só do que já foi um dia.

(Eloah Borda)

Talvez goste de ver: Espaço Poesia e Poliantéia



Noite - Patrícia Neme

2010-08-28T14:38:34.063-07:00

(image)













NOITE

Silêncio! Os sapos dormem na lagoa,
a lua os cobre com meigo brilhar.
Chora a coruja... E o pranto, longe ecoa...
Os passarinhos voam no sonhar.

O velho rádio, uma cantiga entoa,
os vagalumes correm pra escutar.
A brisa, envolta em jasmim, abençoa
canteiros, gado... E os frutos do pomar.

Em paz profunda, a casa na colina,
um manso cão, água fresca da mina...
O céu se funde ao chão do meu sertão.

Um paraíso... Não fosse verdade,
que meu caboclo , por pura maldade,
plantou saudade no meu coração!

- Patrícia Neme -
http://patneme.blogspot.com/



Caixas do Passado

2010-07-10T14:15:26.361-07:00

(image)













CAIXAS DO PASSADO

Talvez num surto de melancolia,
eu resolvi rever os meus guardados
e pus-me a abrir as caixas do passado
onde guardei meus sonhos e alegrias...

Cartas de amor, cartões, fotografias,
recortes de jornal, já amarelados
(momentos meus, no tempo congelados),
lembranças do que fui, e tive, um dia...

Lembranças, nada mais (pra quê revê-las?),
são, como a luz de uma já extinta estrela
- uma ilusão, sabendo à despedida...

Estranha sensação, ver tanta vida
assim, tão morta já, fria, silente,
ao alcance das mãos, e tão distante!...

(Eloah Borda)


Talvez goste de ver: Espaço Poesia e Poliantéia







E rola a bola...

2010-07-04T10:31:38.432-07:00

(image)












E rola a bola!

E rola a bola – gritos de euforia,
na arquibancada, vibram torcedores
num misto de ansiedade e de alegria,
com o coração nos pés dos jogadores.

E rola a bola, o mundo, o tempo, a vida
rolam também tristezas, decepções;
rola a miséria, a fome, a violência,
pari passu a negócios de milhões...

E rola o faz-de-conta, a ilusão,
(aqui e lá, é sempre tudo igual),
rolam promessas, rola enganação,
e rola a esmola, o circo, o carnaval...


... e pelos bastidores da nação
vai rolando o desmando e a corrupção...

(Eloah Borda - 28/06/10)



Talvez goste de ver: Espaço Poesia e Poliantéia



Bolha de Sabão

2010-05-29T18:06:41.373-07:00

(image)















Bolha de sabão

É hora de acordar, foi lindo o sonho,
mas foi somente meu este querer,
que guardarei nos versos que componho,
enquanto espero o tempo de esquecer.

E eu cantarei, do sonho o encantamento,
as emoções, o enlevo, a inspiração;
da realidade, o desapontamento
de ter, com teu amor, sonhado em vão.

Mas valeu a ilusão, ainda que breve,
qual bela e frágil bolha de sabão,
que num momento voa, linda e leve,
noutro, desfaz-se em lágrimas no chão...

... mas minhas lágrimas transformo em canto,
pois são os versos, desta poeta, o pranto...

(Eloah Borda)



Rua das Expectativas

2010-01-28T10:24:44.843-08:00

(image)














RUA DAS EXPECTATIVAS

Na minha Rua das Expectativas,
jardins existem, sempre florescidos,
onde entre lindos Sonhos Coloridos,
vicejam Esperanças Sempre-Vivas.

Em cada esquina, há novas Perspectivas,
pra aqueles velhos Planos desistidos.
Por toda parte, em passos decididos,
abrem caminhos as Alternativas.

Pelos umbrais do casario, somente,
Bons Ventos passam, sopram livremente,
a espalhar Boas Oportunidades;

e nessa rua os meus Sonhos estão,
expectantes, e um dia serão
as minhas mais bonitas Realidades.

(Eloah Borda)



Natal?!

2009-12-13T11:24:18.484-08:00

(image)













NATAL?

Outro Natal... E a vida continua
igual... Ou bem pior do que era antes...
Na estrada, tanta jovem semi-nua...
Nos morros, manda a voz dos traficantes.

Não poucos, têm por teto a luz da lua...
Nos hospitais, as filas são constantes...
O trânsito é uma guerra, em plena rua...
A paz perdeu-se em mãos dos assaltantes.

Vivemos, da violência, prisioneiros,
por governantes, vis aventureiros...
Jesus renascerá na insanidade?

Êle há de retornar a este mundo,
onde a discórdia habita o mais profundo,
onde inexiste o agir da boa-vontade?

- Patricia Neme -



Soneto I (Paulo Bonfim)

2009-12-19T12:06:04.430-08:00

(image)











Soneto I

Venho de longe, trago o pensamento
Banhado em velhos sais e maresias;
Arrasto velas rôtas pelo vento
E mastros carregados de agonias.

Provenho dêsses mares esquecidos
Nos roteiros de há muito abandonados
E trago na retina diluídos
Os misteriosos portos não tocados.

Retenho dentro da alma, prêso à quilha
Todo um mar de sargaços e de vozes,
E ainda procuro no horizonte a ilha

Onde sonham morrer os albatrozes...
Venho de longe a contornar a esmo
O cabo das tormentas de mim mesmo.

(Paulo Bonfim)



Numa Tarde de Chuva

2009-11-16T08:22:41.963-08:00

(image)






















NUMA TARDE DE CHUVA

Cai uma chuva fina e sonolenta,
dessas que custam...custam...a passar,
e nesta tarde baça e friorenta,
chega até dar preguiça de pensar...

Até minha alma parece cinzenta
- cinzenta e fria... Como versejar
nesta apatia, se o que mais me tenta
é a minha cama, ali, a me chamar?...

Melhor deixar pra lá a poesia
e entre os meus cobertores ir tentar
me aquecer... dormir... talvez sonhar...

- Sonhar com um céu azul de um lindo dia,
onde entre luzes, cores - pelos ares -
revoem versos, rimas e cantares!....

(Eloah Borda-D.A.Reservados)



Amor-perfeito

2009-10-24T13:00:07.448-07:00

(image)


















Amor-perfeito
(para AJ)

A mesa posta, em linho e prataria...
As velas... Não! Bastava-me o luar.
Nas taças de cristal, minha alegria...
Com rosas, demarquei o teu lugar.

Vesti-me rendilhada de poesia,
em meu cabelo, estrelas a brilhar.
Fiz do cio da noite a melodia,
para nossos sonhares embalar.

E o tempo foi tecendo seus segundos...
Em doces ilusões, percorri mundos,
onde um amor-perfeito floresceu.

Porém, nunca ocorreu tua chegada...
E agora, alcanço o fim da caminhada
sem conhecer o amor que julguei meu!

- Patricia Neme



Homenagem a Mercedes Sosa

2009-10-07T16:52:03.352-07:00

(image)









Mercedes Sosa

Se fue "La Negra", la de voz más bella
que San Miguel de Tucumán nos dio
- la que se hizo la voz de su gente,
voz de su pueblo, "voz de los sin voz".

Voz que se ha erguido contra dictadores,
en tiempos de una dura represión,
cantando la aflicción y los clamores,
de los yugados por la opresión.

También cantó costumbres de su tierra,
cantó el amor, la vida, la esperanza
- emocionando nuestros corazones.

Pero se fue, se fue Mercedes Sosa,
se fue y llevó su voz maravillosa,
para en el cielo aún entonar canciones

(Eloah Borda)