Subscribe: . Aroma F
http://aromaf.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade C rated
Language:
Tags:
agora  aqui  bem  engordar  filme  hoje    lola  lolita não  lolita  mais  mim  nome  não incomoda  não  portanto  poço  repouso 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: . Aroma F

. Aroma F





Updated: 2016-04-26T19:56:02.833+01:00

 



Nutricionista

2012-01-19T19:14:05.673+00:00

"- Olá, Olá", diz a desaparecida que habita este blog, que apenas cá vem despejar informações nada importantes mas que, de alguma forma, ajudam naquele processo estranho e necessário cujo nome é: desabafar (ou aparvalhar, no meu caso).Portanto, hoje fui ao nutricionista, para engordar! Engordar, sim, e digamos que fiquei feliz porque o Sr. Doutor disse que em principio daqui a 2 mesinhos consigo mais uns 4 kg, é um enorme passo, mesmo grande, enorme, de dinossauro (já chega...).
A dita dieta tem muitos pontinhos, mas vou dizer os que mais apreciei. Repouso intelectual, repouso físico e repouso acamado. ;)
E fiquem agora com uma ideia de mim durante 2 meses.

(image)



Lolita

2011-11-28T22:48:52.189+00:00

(image)
Não sei se alguém já viu o filme "Lolita", não me apetece resumi-lo na verdade mas, adorei, uma história constrangedora e muito incestuosa mas, é amor (maybe). De qualquer maneira, não foi para falar do filme que vim aqui, não, mas do nome Lolita, ou melhor, Lola. Adoro!
Sim, já me disseram que é nome de menina latina que ganha a vida com o corpo mas eu gosto, acho querido, engraçado e caliente (e nada de ideias). Portanto, abstendo-me dos comentários negativos, eu queria chamar-me Lola.
Hoje, apeteceu-me.



Borbulha

2011-01-21T17:02:24.671+00:00

TENHO UMA BORBULHA NO MEIO DA TESTA
LHAC



Voltei, ou não

2011-01-21T16:37:13.643+00:00

Não pensei que fosse voltar aqui, imaginei isto como o final de uma etápa, sinceramente eu quis que assim fosse. Este espaço para mim significava um poço, era um poço fundo onde em vez de atirar moedas e formular desejos, atirava pedras e resmungava com o mundo. Quis mudar isso, deixar de resmungar... Vai moendo e moendo cá dentro, chega a doer.
No entanto, agora estou bem e não me incomoda voltar, não me incomoda resmungar, afinal, é sempre bom.

Começando bem: hoje passei a manhã a sorrir :)



Pedacinho de céu

2010-07-28T15:53:04.024+01:00

(image)
Que tal um pedacinho de céu?
O meu tem este aspecto assim meio fluffy (?) e é delicioso.



Unbelievable

2010-07-19T20:44:59.579+01:00

(image) Vou-me sentar no chão, à beira daquele lindo rio. Fechar os olhos, deixar-me levar, abrir as portas para sentimentos momentâneos, em que derramo lágrimas secas, ansiosas de se libertar. Pela primeira vez não sei o que fiz, não sei como tive a coragem, a iniciativa, como mudei devido a um simples acto, é tão estranho.
Já nem sei se sou eu, nunca seria capaz, nunca teria tal força, ou talvez sempre a tenha tido, sempre tenha sido capaz (…) apenas não havia te conhecido, meu espelho.



Comer ou não comer?

2010-07-18T23:17:04.551+01:00

(image) E é por estas (e por outras) que eu fico horas a olhar para a comida, antes... de a comer.



Há coisas que me tiram do sério.

2010-07-17T16:25:22.429+01:00

(image) Às vezes sinto que sou uma pessoa má, mesquinha (vamos rir? eu sou mesmo!). Não tenho problemas com o aspecto das pessoas, não tenho mesmo, não me incomoda minimamente, aliás eu nem ligo, mas sabem quando vêm ter connosco e dizem o quão a sua vida é deprimente (como se a nossa também não tivesse problemas) e que não arranjam ninguém? Normalmente são pessoas desleixadas, sim é mesmo esse o termo, bastante desleixadas. No caso delas deixaram os cabelos esconder os olhos, as roupas largas como se fossem balões ou simplesmente desproporcionais; no caso deles a barba por fazer (nem todos podem ter um ar latino), a falta de desodorizante e, na minha opinião, as roupas muito bimbas. A verdade é que ambos os sexos são desleixados e pior, quando abrem a boca estragam tudo! Só sabem falar dos seus desamores, mágoas e blablablabla... Sinceramente, quem quer alguém com problemas? Alguém que antes de algo acontecer já espera o pior.
A solução é simples: amem-se porque todos temos defeitos ou... podem estar calados e sorrir (funciona).

Há coisas que me tiram do sério.



Ultimato

2010-07-17T00:46:21.986+01:00

(image) O termo é usado por extensão à qualquer declaração final e irrevogável para satisfação de certas exigências, fonte: wiki.

Uma relação é algo que dá trabalho, é verdade! Como pensam amar alguém e só esse alguém com tantas tentações? Tudo tem que se lhe diga. Na minha opinião - e apenas isso é discutível - é uma constante batalha, coberta de tristezas e mágoas, vai remoendo e remoendo... até colher os seus frutos (ou não).
Ora, eu juro lealdade e respeito, muito amor (o que é isso?). O respeito perdeu-se, perde-se quando o sexo aparece. Atento ao sexo e não acto de fazer amor. Sexo é carnal, apaixonante e intenso; necessário mais ao homem que à mulher. Temos aí o meu problema - não o é pois tem solução automática -, o meu Ultimato.

Fazemos ou dizemos Adeus? Onde está o amor...sem exigências? Perdeu-se. Decide.
Adeus.



DONUTS

2009-12-20T21:12:45.360+00:00

(image) Estou a pensar encomendar uma caixinha destas, assim dos EUA ou algo parecido. O meu único receio é apanhar uma gastroenterite ou intoxicação alimentar. Que vos parece?



Chamada não atendida

2009-12-20T04:07:02.613+00:00

(image)
Hoje adormeci, ao som da tua voz. Entrei no mundo dos sonhos, e levei-me pelo teu olhar, fui puxada pelo teu mistério e atirada para os teus braços.
Fez-se silêncio, os meus olhos semicerraram, e eu senti, por todo o meu corpo, um nervosismo miudinho, dancei no e para o teu corpo. Abri os olhos, vi os teus lábios, carnudos e apetecíveis. Entreguei-me, e os teus dedos brincaram pelos meus ombros, braços, costas, ancas, e subiram deixando um leve mas muito bom arrepio, chegaram ao pescoço e tu aproximaste-te. Duas bocas, a raspar uma na outra, o coração a palpitar, e o teu olhar tão profundo (...)
Eu sorri, afastei me. Seguiu-se um breve momento em que olhei e desejei, mas, ao ver por trás do teu ombro reparei na luz do telemóvel. E fui embora, larguei-te da mão e caí na minha cama.

'Amorzinho a ligar...', que sou eu afinal? Amante?



Olhar basta

2009-12-14T17:39:20.063+00:00

(image) (imagem do filme 'The Eye')

Desgosto-te, tenho a expor. A maneira como me olhas, como passas o tempo a fazê-lo, a fitar-me, porra, és tão desconforme. Chegas perto e não tocas, não falas, não gesticulas, olhas! E, se ao menos fosse um só olhar.
Dou por mim, perdida num emaranho contraditório ao qual nem consigo atribuir uma palavra. Perdida e com dificuldade em manter a consciência, a sanidade – e nem sei o que isso é realmente –, a lógica. O teu olhar afecta-me e mal te conheço, nem sequer partilhamos uma espécie de química, somos só e apenas dois colegas. Não entendo porque o fazes e se fosse uma pessoa normal o mais provável era tentar descobrir, mas, claro, já se percebeu que não o sou, logo, peço-te, não me olhes. Porque…

Quando me olhas, vês o fundo dos meus olhos e não apenas a sua cor. Eu desvio a cara, não porque sou assim, mas porque não sei o que isso é.



Parada

2009-09-12T18:05:12.237+01:00

Muitas vezes estou sentada, a ver o mundo, o mundo e nada mais.
Vejo as pessoas passarem e não reparo em pormenores fúteis, vejo-as irem, desaparecerem da minha mira. Eu estou parada, mas nada para por isso para além do meu corpo. Continuam as suas vidas.
São momentos assim em que consigo pensar, reflectir. Há paz, harmonia. Existo eu, parada, e isso basta-me para me concentrar.
Não importa se os outros vivem, continuam, importo eu, e como estou neste momento.

Parada…



Tonight

2009-09-09T07:04:43.949+01:00

Gostava de saber o que é feito da rapariga que falava de sentimentos com a maior das facilidades, a qual fazia as palavras escorregarem juntas feitas manteiga e escrevia belos e profundos textos. Não creio que se tenha perdido, acho que está em repouso. Todo o artista tem direito a um tempo parado correcto?
Tenho esperança que continue com vontade de se exprimir, somente não esteja preparada. Acredito que está à espera do momento certo.

Hoje lembrei-me do quanto é bom gostar de ti...



Regresso

2009-08-11T01:46:30.752+01:00

(image) Brutal. Ganda reviravolta nesta minha cabeçinha. Não sei se foi de espanha (o que eu dançei), se foi do algarve.
Não, não pensem coisas, por muito triste que seja não tive o prazer de conhecer os 'bejos' espanhóis, e no algarve também não me safei (estarei a perder alguma qualidade?).


As mamas crescem quando estamos de férias, e depois voltam ao lugar quando regressamos!
Cientificamente comprovado (por mim).
P.S. Mamas é o termo técnico, seios é rude.



Banco do Jardim

2009-07-10T15:13:19.291+01:00

(image) Não a viram? Estava sentada no banco do jardim, de olhos fechados, a sentir a brisa na cara, o seu amor fazia-a acreditar que eram as mãos dele a acariciá-la.
Que ingénua.
Não, não a vou julgar. Afinal, aquele é o seu mundo. As flores são suas confidentes, a erva, essa fresquinha, embirra com ela todas as santas quintas-feiras e põe-se-lhe a fazer cócegas. Como se diverte lá, ela. Trata aquele jardim como se fosse o seu verdadeiro lar, talvez o seja e ninguém o saiba. Ténue é a linha que torna a sua realidade em fantasia.
Ingénua? Não, agora vejo, e vocês também. Se observarem com atenção, ela faz o mesmo que nós, apenas de uma maneira menos vulgar. Esconde-se dos problemas, fecha-se, diria melhor.

A primavera, aquele ventinho leve, que caminhava com ela, levou consigo um dente de leão, correu, passos pequenos. Deixou-se levar com o vento.
Ups, foi contra ele. Apanhou o dente de leão, pediu desculpa, quase perdendo a alegria, virou-se e retomou ao seu mundo.
Ele olhou-a.
- És mesmo infantil. – disse, rindo-se.
A inocência dela tornou-se numa maturidade sem igual. Revirou os olhos e suspirou. E confessou para a sua grande amiga flor, que lhe pousara na mão: ‘(...) a única com força para lutar por ti, que ingénua. E apertou a flor com força demais. Olhou para a palma da mão estava desfeita, limpou-a e, como que desiludida, foi embora.



Amanhã

2009-07-09T17:09:50.812+01:00

(image) Conheciam-se, nem eles sabiam como. Nunca haviam falado, visto, tocado (…) Mas já se desejavam, ela tentou negá-lo, mas acabou por ser mais forte e confessou-o. Hoje ainda não sabe se fez bem ou não. Afinal, ele não teve reacção. Habituara-se a ele, a esse seu jeito de esquecer ou não ouvir, para se proteger. Por vezes sentia raiva, queria que a ouvisse, mas, não valia a pena. Ele negava, ou então não havia mesmo nada.
Falavam, dia e noite, não sempre, não era constante. Mas falavam, e ela gostava, e ele sabia, ou não. Quase conseguia prever a sua resposta, já o tinha estudado,ele era como a medicina para ela, sabia muito, mas era sempre tão pouco, pois evoluía, e evoluía, e ela sempre a estudar para o apanhar. Acho que ainda não sabe que ela fez isso por ele, que faz.
Nem deve imaginar que ela decorou o timbre da sua voz, e que para dormir, fecha os olhos e lembra-se dele, treme e perde o controle, mas sente-o, de certa forma.
Ela aceitou-o, como é, como a trata.
Mas amanhã ela vai surpreendê-lo, vai ter com ele e vai beijá-lo. Não sabe se será profundo, ou somente ao de leve, sabe apenas que o vai beijar, porque é tudo o que tem sonhado. Quem sabe ele não lhe dá um também. Ela não pede muito, afinal, ele não é o que ela sonhou para si, é o ideal. E no ideal o simples pode ser o melhor.
Depois vai embora, é o que ele quer.
[Que ela vá, ou pelo menos que não fique.]

Mas o amanhã dela, nunca mais será igual.




Apenas uma flor.

2009-07-08T15:38:41.524+01:00

(image) Estávamos (tão) bem, dizia eu. Agora penso que talvez apenas eu visse isso.
Bela manhã aquela, em que apenas eu falei (como sempre), e tu limitavas-te a olhar para mim, o meu sorriso quis eu pensar. Gostavas, gostas, de sorrisos... Estavas mesmo fixado em mim, e eu gostei, senti-me especial, senti-me um pouquinho tua, e não me peças para explicar esta parte, pois eu não sei.
Uma borboleta passou, a frente dos meus olhos, o seu percurso pareceu-me um desenho, daqueles dignos de se expôr. Ela estava a desaparecer, e eu sorria.
Olhei para ti, deitado a olhar para mim (mais uma vez questiono: será?), tinhas o cabelo despenteado, como eu gostava, e os teus lábios arqueados, suaves e belos. Tive sede de te beijar.
Sorriste e disseste:
- É uma margarida.

(Todo aquele tempo em que pensei estares a olhar para mim, em que me senti especial, afinal não passava de ilusão minha, uma tola apaixonada. Trocada por uma flor. Doeu, mais por não to poder dizer.)



Cucu

2009-07-05T20:49:44.863+01:00

(image) Meti-te no pedestal, e agora estou a tentar, sem sucesso, alcançar-te.
Pedi ajuda ao guru, aquele a que fui apresentada. Devo confessar-te, acho que ele não sabe o que fazer comigo. Evoquei os meus sentidos, como ele disse, supostamente iriam levar-me ao meu caminho visto ter-me desviado do trilho predestinado.
Só te via a ti, minto. Via as nossas memórias, como aquela noite, à beira do rio, em que fui vestida, mergulhar, e tu ficaste a rir-te de mim. Tão tonta que era, tão tonta que sou, ai, e como tu gostavas, e gostas…
Perdi-me num trilho predestinado, o teu, e agora encontrei um lar aqui. Não me peças para retornar ao meu, se acreditas no destino como o dizes, então é porque o meu trilho é o mesmo que o teu.
Eu estou feliz, embora perdida.
O teu sorriso, as tuas poucas mas doces palavras. Ai como mexo contigo.
(Ele ri-se e chama-me parva.)
Somos assim.



Maybe

2009-06-20T14:33:35.830+01:00

(image) Não vou ter saudades, não. Vou sentir a tua falta, a falta que me vais fazer.
Mas é isso que o nosso amor (será?) é, um vazio cheio.
Nunca me deixaste dizer o quanto te acho lindo, por isso vou aproveitar, és lindo quando sorris aparvalhadamente, quando me olhas e eu não o sei, quando tens o cabelo todo desmazelado. És tão lindo (por dentro também) e é isso que me vai custar mais, ter de te deixar para trás sabendo que gosto tanto de ti. Mas foste tu que me pediste, e eu respeito a tua decisão. Beijos (que não me deixaste dar). Adeus. Maybe I love you.

(ouve a música, eu sei que conheces, fui eu quem ta mostrou)



sono speciali

2009-06-19T20:55:11.377+01:00

(image) Ela não sabia porque o fazia, não sabia porque havia corrido meio mundo só para o ver, de longe. Queria chegar mais perto mas tinha medo de perder a palavra ‘não’ pelo caminho, que eram somente 5 metros, mas não importava, ela sabia que um passo era o suficiente para ela mesma se perder.
Pensou que talvez fosse bom deixar-se ir, e olhou-o, nos olhos, e viu que ele partilhava do mesmo sentimento, mas qual? Viu os seus lábios, ai como ela os adora, como ela durante tanto tempo desejou torná-los um pouco mais reais, pensara que bastava um mísero toque, com a ponta do dedo, mas, vê-los, ali, tão perto, ainda mais bonitos que nos seus sonhos cor-de-rosa, ela não resistiu, e dava para sentir o aperto que a ambos deu, e quando se abraçaram, ela teve vontade de deixar umas lágrimas escorrer, de satisfação, ou felicidade.
Parou, pararam, em frente um ao outro. E ele beijou-a, sem um sorriso nos lábios, pois ainda estava receoso, tal como ela estava. Mas o beijo, tudo mudou, ela beijava-o e não conseguia parar, ela deixara-se levar, mas nunca lhe soubera tão bem os braços de alguém, o calor, um cheiro, o dele, que ela desconhece, ainda. Mas ela teve de ir.
E ele ficou a vê-la, e sorriu, doía, custava, aquele beijo, mais que isso, o abraço, tão apertado, tão verdadeiro. Nada podiam fazer, por enquanto, ela tinha de ir.
Ela voltou para casa e prometeu à sua estrela, que iria guardá-lo, no lugar mais seguro que tinha, na memória, que nunca lhe iria contar o que sente verdadeiramente, para não terem mais saudades um do outro.
E esperou por ele, e ainda espera, até um dia, quem sabe…

‘sono speciali’



Sim

2009-06-19T16:13:20.385+01:00

(image) Sim. Significa alguma coisa? Talvez. O que quer dizer? Quer dizer tudo, tudo aquilo que sabes, tudo aquilo que não te conto mas no fundo não precisas que to diga pois vais descobrindo com o tempo.
E sim, gosto de ti. Não de ti dessa maneira que todos teimam em gastar as palavras, nem o desejo, pois significaria que tinha de me deixar levar, que me deixava perder no meio desses teus lábios, que embora encantadora, era uma viagem sem retorno, e mais uma vez, eu tenho medo. É de uma forma mais simples, que não se gasta, que não cansa. Uma forma em que te olho, sinto e digo: ‘És o rapaz mais bonito que alguma vez vi’. Em que te peço um beijo, porque sabes que preciso.



Ogre

2009-06-18T17:13:12.020+01:00

(image) Sentei-me, todos aqueles dias, de profunda angustia, no rochedo à beira do precipício, o rio fluía do meu lado, criando a mais bela cascata que alguma vez havia visto.
Voava até ao seu lamaçal, só para o ver, mas logo, umas mãos me pegavam e levavam embora. Deixava sempre um pedacinho de mim, e pensava, constantemente, sem a suspensão de um dia sequer:
-Tomara que enxergasse.

Sorria por ele, um sorriso pequenino, invisível, mas sincero.
De aparência pesada, sem maneiras, parecia-me tão insensível, talvez pelo dom que tinha em destruir as coisas que sempre me fizeram bem.
Inócua, como sempre fora, dei-lhe todo o meu carinho, algo que me recusava freneticamente. Mirava-o de longe, para não se dar conta, para não ter de o ouvir retorquir, encantava-me com aqueles traços fortes que queria fazer transparecer, que só lhe ocultavam o belo que era, e o quanto pura era a sua pele, e os lábios, aqueles lábios que todo esse tempo desejei atingir, só de os lembrar, o meu frágil corpo, tombava. E ainda o faz.

Na última noite de angústia eu disse-lhe:
-Tive medo dos teus lábios (…)
(E dissemos adeus, um ao outro, de maneiras diferentes, a melhor que cada um sabia.)
Queria tanto ver-te, ogre.



Never Gone

2009-06-16T23:48:00.384+01:00

(image) De tudo o que fiz, de tudo o que disse, nunca me custou cometer um erro com alguém, porque em segundos tudo se resolvia, e de todas as coisas porque já tive de lutar, confiança nunca foi uma delas.
Não costumo integrar-me facilmente, pelo menos de consciência e sentimentos pactuando, normalmente apenas o faço de consciência, se algo correr mal para o meu lado, não me vai afectar, se correr mal para o lado da outra pessoa, não me vai importar.
Mas criámos um romance, de fortes sentimentos, em que éramos, os dois, as personagens principais, onde o medo me atacava e onde tu usavas o humor para me apaziguar. E ao criar essa pequena história contei-te muito de mim, e tenho a certeza que também o fizeste, os pequeninos pormenores, meus e teus, fizeram-me sorrir e sentir-me segura contigo, ou a melhor dizer, a falar contigo.
Quero-me desculpar, desculpas estas vindas do lugar mais sincero, honesto e bonito que posso encontrar dentro de mim, que espero, igualmente, que nele acredites.
Gostei e gosto de falar contigo, porque és como a personagem principal do nosso romance, querido, sincero, aproveitas cada segundo como se fosse único, e, o mais importante (para a conclusão deste quase testamento LOL), apaziguas-me com o teu humor. Quando soubeste a verdade, pela primeira vez, fiquei desiludida comigo mesmo, não devia ter cometido aquele erro, era evitável, mas, adiando, quando devias estar a criticar-me, soltaste uma piada e fizeste-me rir. Como vês, está comprovado.
Estou mesmo a tentar redimir-me, não estou? Dás-me a mão agora?

‘Never Gone’ está a tocar, para apelar ao teu perdão. Hihi!



Jogo #

2009-06-15T23:42:47.479+01:00

(image) Passei por coisas horríveis, assisti à deterioração das pessoas que mais gostava e admirava, vi quem eu confiava a vida ser tirado de mim, estive sozinha, não chorei nem gritei quando o devia ter feito porque não tem haver com o meu feitio, fugi para onde me sentia melhor, embora sozinha, e esperei alguém me procurar, se lembrar ou somente olhar, e nada disso aconteceu.
As pessoas vêm e vão, ninguém fica, e os que ficam mais tempo que o normal, conquistam-me, cativam-me, e depois levam com eles pedaços de mim que levaram tempo a voltar ao sítio, abrem feridas que só o tempo sabe o quanto levaram a sarar.
Resta-me observar este jogo em que os meus sentimentos são o alvo principal. Sempre que tento intervir, sempre que tento jogar e ganhar, alguém faz batota e vejo-me obrigada a voltar, como se não me afectasse.
Dói, mais do que algum dia conseguirei descrever. E por essa razão fechei todas as portas que mantive abertas, portas em que muitas vezes houve esse tipo de jogos. E agora só eu sei quem sou. Agora ninguém mais pode jogar.

Não me peçam para ter esperança, nunca ninguém me quis ensinar essa palavra. Só pedia paz.