Subscribe: Para além do eclipse
http://paraalemdoeclipse.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
dia  era mundo  era  estava  estrela  mais  mar  menina  meu  minha  mundo  não  quero  ser  seu  vejo  és meu  és 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Para além do eclipse

Para além do eclipse



Para lá do eclipse há estórias a contar. Era uma vez... vamos lá começar.



Updated: 2017-04-10T12:18:31.736+01:00

 



Fantasia

2010-01-05T23:27:35.523+00:00

(image) Era uma vez um mundo de fantasia. Um mundo em que, já de noite, me batias à porta. Um mundo em que, ao abrir a porta, tu entrasses. Era uma vez um mundo em que tu dirias vim ficar uma semana contigo. Só contigo. Um mundo em que nos abraçaríamos e o tempo pararia. Era uma vez um mundo em que os ponteiros do relógio se deteriam durante uma semana. Um mundo em que nada importasse. Um mundo sem obrigações. Um mundo em que nos aninharíamos um no outro. Um mundo em que dormiríamos em concha. Era uma vez um mundo em que a minha cama seria outro mundo. Era uma vez um mundo que duraria uma semana. Era uma vez um mundo de fantasia.



Fuga

2009-12-23T01:04:25.079+00:00

(image) Quero fugir. Quero ficar. Algo me diz para partir. Algo me diz para permanecer. Encontrei alguém que é mais do que alguma vez poderia esperar. Alguém que é mais do que mereço. Alguém para quem eu nunca serei mais que um ponto de passagem. Sei as regras. Sei como funciona. Aceitei-as. Mas acho que cada dia que passa vai tornar a partida mais difícil. Mais dolorosa. Tenho medo. Tenho medo do abandono. Já fui abandonada uma vez. Não quero mais. Dói demasiado. Preciso erguer barreiras. As linhas de defesa. Ou então... fugir.



Sono

2009-10-29T23:30:10.989+00:00

(image) Quero dormir. Preciso encostar a cabeça à almofada e dormir. Dormir um sono profundo. Sem sobressaltos nem inquietações. Preciso dormir um sono tranquilo. Perder-me nos sonhos coloridos. Sonhar que o dia amanhecerá finalmente. Quero dormir para acordar nesse dia. Nesse dia em que o Mundo voltou a rodar no seu eixo. Quero adormecer. Quero dormir. Quero sonhar. Quero acordar. Quero dormir até ao teu dia chegar. Para nesse dia acordar.



Imensidão

2009-09-24T12:45:45.750+01:00

(image) Era uma vez uma menina. Uma menina cujo coração sofrera já muito. Uma menina que encontrou alguém para quem não estava preparada. Alguém que virou o seu Mundo do avesso. Que a faz sentir coisas de que os outros escrevem. Que a faz sentir como se numa música estivesse. Mas a menina tem um medo imenso. Tem medo de se entregar totalmente. Tem medo de sofrer. A menina sabe que esse alguém irá um dia embora. Para não regressar. E que ela voltará a ficar sozinha. E que o seu coração ficará desfeito. Desta vez sem possibilidade de cura.



Janela

2009-09-10T22:18:42.466+01:00

(image) Da janela do meu quarto vejo outras janelas. Vejo outros quartos. Vejo pessoas, movimentos e luz. Ouço sons. Ouço risos. Ouço choros. Pássaros a chilrear. Da janela do meu quarto vejo mundos parecidos com o meu. Vejo mundos diferentes do meu. Vejo crianças. Vejo cães. Roupa estendida nas cordas. Plantas nas varandas e terraços. Da janela do meu quarto vejo tudo e não vejo nada. A janela do meu quarto permite-me viver outras vidas e amar a vida que tenho.



Dois

2009-07-25T21:20:30.079+01:00

(image) Dois. Apenas dois. Dois seres. Dois objectos patéticos. Cursos paralelos. Frente a frente. Sempre. A olharem-se. A pensar talvez Paralelos que se encontram no infinito. No entanto sós. Por enquanto. Eternamente dois.



Nunca te direi que...

2009-07-25T21:20:42.971+01:00

(image) ... és o meu Sol, a minha Lua, as minhas Estrelas.
... és a minha Estrela Polar, o meu Norte, a minha Rosa-dos-Ventos.
... és o meu Rumo, o meu Azimute, o meu Caminho.
... és o meu Carvalho, o meu Castanheiro, o meu Salgueiro.
... és o meu Livro, a minha Música, o meu Filme.
... és o meu Girassol, a minha Papoila, a minha Margarida.
... és a minha Nuvem, o meu Orvalho, a minha Neve.
... és o meu Evereste, o meu Kilimanjaro, o meu Fuji.
... és o meu Vesúvio, o meu Etna, o meu Stromboli.
... és o meu Diamante, a minha Granada, a minha Esmeralda.
... és o meu Clooney, o meu Ford, o meu Owen.
... és o meu Angel, o meu Allure, o meu Romance.
... és o meu Vermelho, o meu Verde, o meu Arco-Íris.
... és o meu Shakespeare, o meu Cervantes, o meu Scott.
... és a minha Londres, a minha Nova Iorque, a minha Buenos Aires.
... és o meu Comboio, o meu Avião, o meu Submarino.
... és a minha Planície, o meu Planalto, a minha Serra.
... és o meu Oceano, o meu Rio, o meu Lago.
... és o meu Bosque, o meu Prado, a minha Clareira.
... és o meu Zénite, o meu Auge, o meu Apogeu.
... és o meu Brilho, o meu Fulgor, a minha Cintilação.
Nunca te direi que és o meu...



Existir

2009-07-15T15:49:48.622+01:00

(image) Era uma vez um coração. Um coração pequenino e maltratado. Já tinha passado por muita coisa na vida. Já amara e fora amado. Já amara e fora desprezado. Já pensara que amava novamente. Tanto sofreu que encolheu. Tornou-se cada vez mais pequeno. Queria desaparecer. Para quê continuar a existir se não conseguia amar? Para quê continuar a existir se não conseguia ser amado? Cada dia que passava, mais pequeno o coração se tornava. Triste, sozinho. O desespero apoderou-se de si. Mais tarde o desalento instalou-se. E assim ficou. Quieto, a um cantinho definhava. Um dia viu ao longe um outro coração. Pequenino e maltratado. Chamou-o para junto de si. E hoje estão os dois juntinhos, ainda pequeninos mas mais cheiinhos. Juntos à espera do que o futuro trará.



Guardião

2009-07-13T21:52:36.168+01:00

(image) Era uma vez um Anjo. Um Anjo triste. Um Anjo que se encontrava perdido. Sem Rumo. Sem destino. Que durante a sua vida tinha cometido algumas asneiras. Sentia que não era um bom Anjo. Que tinha demasiadas faltas no seu passado. O Anjo acreditava que se delineasse bem um caminho a seguir, poderia ter um futuro mais ou menos definido. Não se permitiria afastar-se desse plano traçado. Um dia, numa das suas paragens para pensar na sua vida, da qual não se orgulhava muito, encontrou uma Andorinha. Uma Andorinha com o coração a sangrar. Que também precisava encontrar um rumo. Que precisava acalmar. Que queria dar um novo início à sua vida. O Anjo tomou a Andorinha nas mãos. Cobriu-a com as suas asas. Tornou-se num Anjo da Guarda.



Ninho

2009-07-21T20:47:29.690+01:00

(image) Era uma vez um passarinho. Um passarinho que estava sozinho no ninho. Só, muito só. À sua frente estendia-se uma paisagem bela. Tão bela quanto extensa. E essa extensão assustava-o. O desconhecido assustava-o. Quantas vezes tentou sair do ninho. Quantas vezes desistiu. Havia sempre algo que o puxava para trás. Uma voz que lhe dizia: Não vás! Vais perder-te! Vais acabar mal! E o passarinho tentava esticar as asas, mas não se atrevia a ir até ao fim. E os dias passavam assim. Mas também havia outra voz que lhe dizia: Vai! Tenta! Só arriscando é que poderás saber o que o futuro te reserva. Até que um dia o passarinho sentiu esta voz a falar mais alto. A falar no seu coração. E o passarinho esticou as asas. Até ao fim. E voou.



Chuva

2009-06-15T21:26:31.147+01:00

(image) Era uma vez um menino. Um menino de olhos verdes que gostava de chuva. Sempre que via uma nuvem mais cinzenta, o menino desejava que chovesse. Como gostava de sentir as primeiras gotas a cair. O som que faziam a tocar a terra. O primeiro cheiro a pó húmido. E depois o cheiro a terra molhada. O menino gostava de ver a chuva a transformar a paisagem. Mas do que o menino de olhos verdes mais gostava era de sentir a chuva no corpo. Sentir as gotas a tocarem a pele e escorrerem pelos braços abaixo. Dançar à chuva era tudo o que o menino de olhos verdes precisava para ser feliz.



Estrela

2009-06-08T15:21:22.578+01:00

(image) Obrigada pelo Sol e pelo vento,
pelo azul do firmamento
e pela estrela que há em mim.
Obrigada pelo tempo que passou,
pelos passos, pelo vôos
e pela estrela que há em mim.

Obrigada por esse brilho no olhar,
por essa chama que me queima
e pela estrela que há em mim.
Obrigada pela estrada percorrida
por esse dom, por essa vida
e pela estrela que há em mim.

Obrigada pelo sorriso de criança,
pela saudade e a lembrança
de alguma estrela que brilhou.
Obrigada pela presença que não passa,
pela esperança que me abraça
pelo silêncio que há em ti.

Obrigada por essa voz que em mim habita,
por essa mão que necessita
de outra mão que saiba amar e ser feliz.
Obrigada por esse adeus que é boa-nova,
por esse olhar de boas-vindas
pela estrela que ainda brilha no meu céu.



Margem

2009-06-08T02:30:32.685+01:00

(image) Não fiques na praia com o barco amarrado
e medo do mar.
Tudo aqui é miragem, mas na outra margem
há alguém a esperar.
Como onda que morre sozinha na praia
não fiques brincando.
No mar confiante ensina teu canto
de ave voando.

Voa bem mais alto, vive sem alforge
nem prata nem ouro.
Amando este mundo, esta vida que é campo
que esconde um tesouro.

Ninguém te ensinou mas no fundo sentes
asas para voar.
Nem que o céu se tolde e as nuvens impeçam
tu não vais parar.
Há gente a viver tranquila e contente
como eu já vivi.
És águia diferente céu azul,
cinzento foi feito para ti.



Ocidental

2009-06-06T20:25:05.389+01:00

(image) Era uma vez uma flor. Uma flor pequenina, branca, de caule longo. Essa flor vivia nas arribas da praia, junto a outras flores iguais a ela. No Inverno, enfrentava os ventos e vendavais marítimos. A fúria do mau tempo. As chuvas torrenciais. E tudo aguentava. No Verão, suportava o calor escaldante. A falta de água. O vento quente. Todos os dias, escapava às mãos e aos pés dos humanos que passavam perto do local onde vivia. E a tudo sobrevivia. Um dia, olhou em volta e viu que estava sozinha. Não mais se viam outras flores iguais a ela. Estava só. Chorou. Definhou. E entregou-se ao vento.



Eterno

2009-06-05T22:16:42.156+01:00

(image) Era uma vez um caso de amor. Um caso de amor entre o mar e a areia. Desde o princípio dos tempos que o mar encontrou a areia. Desde o princípio dos tempos que a areia encontrou o mar. E desde então nunca mais se largaram. O mar pode ser intempestivo, inquieto, ansioso. A areia pode ser suave, paciente, tranquila. O mar pode ser calmo, sereno, constante. A areia pode ser irregular, imprevista, volúvel. O mar e a areia amam-se nos braços invisíveis um do outro. São inseparáveis. Por vezes o mar precisa tanto da areia que a leva para junto de si. Leva-a para o seu interior. Deixa a praia nua. E amam-se ainda mais. Com mais fervor. Com mais paixão. Com mais amor. Um amor tão grande é inquebrantável. Por vezes o mar precisa do seu espaço e afasta-se um pouco da areia, deixando-a enorme e ficando lá ao fundo, no seu canto. Mas volta sempre. Há amores que nunca morrem.

*Estória inspirada aqui.



Supernova

2009-06-04T21:59:48.818+01:00

(image) Era uma vez uma estrela. Uma estrela que brilhava como tantas outras estrelas brilhavam no Universo infinito. Mas a estrela estava convencida que brilhava menos que as suas amigas estrelas. O seu desejo era ser a estrela mais brilhante do céu e que a sua cintilação fosse vista longe, muito longe. Ao longo dos séculos foi atraindo matéria que vogava no espaço à sua volta. Ao longo dos séculos foi incorporando essa matéria no seu interior. Ao longo dos séculos foi crescendo. E conforme crescia, mais brilhante ficava. Um brilho amarelo, vibrante, emitia. Mas a estrela, como queria ainda ser mais brilhante, continuou a queimar o hélio e o hidrogénio de que era feita para tanto brilhar. A certa altura, vários milhares de anos depois, a matéria que a constituia, de tão quente que estava, começou a fazer com que a estrela inchasse e fosse, gradualmente, mudando de cor. Passou de um amarelo reluzente para um laranja cintilante e, por fim, para um vermelho excitante. Mas a estrela queria mais brilho. E mais. E mais. Até que um dia explodiu. Explodiu numa maravilhosa supernova. Emitiu luz como nunca tinha emitido. Mostrou cores como nunca tinha mostrado. Brilhou como nunca tinha brilhado. Por um breve instante, a supernova foi a estrela mais brilhante do Universo. E num instante morreu.



Estação

2009-06-03T22:24:24.290+01:00

(image) Era uma vez uma menina que gostava de comboios. Todas as tardes, depois das aulas, corria pelos campos amarelos de Verão e chegava aos limites dos carris. Sentava-se e aguardava. Quieta, atenta, esperava pelo primeiro som. O primeiro som que indicava que o comboio se aproximava.
Quando os carris começavam a vibrar com o movimento, também a menina vibrava de ansiedade. Em antecipação. Quando o comboio aparecia na curva distante, a menina começava a esticar as pernas, deitava-se de costas e afastava os braços do corpo. De olhos fechados, aguardava a passagem do comboio. Forte, telúrico, inebriante.
Com o corpo colado à terra, a menina sentia cada átomo de si a absorver o comboio. Sorria. E sonhava. Sonhava com o dia em que, no fim da linha, alguém a abraçaria e lhe diria «bem-vinda a casa»...



Água

2009-06-02T16:49:55.036+01:00

(image) Era uma vez uma gota de água que vivia numa folha de castanheiro. A gota de água estava sozinha, mas queria saber se existiriam mais gotas de água como ela. Olhou em volta e viu outras gotas de água noutras folhas de castanheiro. Ficou a pensar qual seria a melhor maneira de ir ter com as outras gotas de água, pois não gostava de estar sozinha. Mas não havia meio de arranjar uma solução para o seu anseio. Todo o dia pensou, à sombra de outras folhas de castanheiro. Mas a conclusão nenhuma chegou.
Entretanto a noite caiu e a gota de água, de tão cansada que estava de tanto pensar, adormeceu. No dia seguinte, quando acordou, qual não foi o seu espanto quando viu ao seu lado outra gota de água. Olhou para ela e sorriu. Não mais estava sozinha.



Um dia de calor

2009-06-02T00:00:48.699+01:00

(image) Era uma vez duas meninas. A Marta e a Maria.
Marta e Maria são as melhores amigas do Mundo. Conhecem-se desde o tempo em que ainda estavam nas barrigas das mamãs. Nasceram com dois dias de intervalo, por isso Marta gosta de afirmar alto e a bom som que é mais velha que Maria. Andaram na mesma creche, no meu infantário. Andam na mesma escola, na mesma turma. Marta e Maria são inseparáveis. Conhecem-se como ninguém. Sabem os segredos uma da outra, as alegrias, as mágoas, as euforias, as tristezas, os sonhos.
Gostam de correr no prado verde vibrante que se estende à saída da povoação onde vivem. Gostam de correr até ao limiar do bosque que se ergue no extremo do prado. Gostam de sentir os pés nus nas ervas. Gostam de sentir o vento nos cabelos soltos. Gostam de abrir os braços, fechar os olhos e imaginarem-se a voar.
Depois, deixam-se cair nas ervas. Respiram fundo. Olham para o céu. Deixam o sol entrar-lhes na pele. Olham uma para a outra. Sorriem. E são felizes.



Era uma vez... o início

2009-05-31T21:23:10.235+01:00

Era uma vez... uma menina que queria escrever.
Era uma vez... um bloco de notas com páginas em branco.
Era uma vez... uma caneta com tinta azul.
Era uma vez... o início de uma estória.

(este é o meu primeiro post)