Subscribe: ATRATIVIDADE NA COMUNICACAO
http://comunicacaoatrativa.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
comunicação interna  comunicação  das  dos  empresa  empresas  interna  mais  não  postado  público  ser  sobre  são 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: ATRATIVIDADE NA COMUNICACAO

ATRATIVIDADE NA COMUNICACAO





Updated: 2016-09-07T21:32:28.685-07:00

 



Quem deveria vestir a camisa da empresa?

2009-09-28T21:42:40.216-07:00

Na minha última postagem questionei qual a saída para empresas globais com atividades locais engessadas quando o assunto é comunicação interna. Dessa vez a questão retrata aquelas famosas empresas que não promovem ou possibilitam a existëncia de um processo comunicacional que visam além de prëmios, reportagens e publicidade, que são em muitos dos casos, falsos, comprometidos e comprados.

Wilson da Costa Bueno, jornalista e professor da Umesp e ECA/USP, reproduz em seu artigo o descontentamento com tais práticas de algumas empresas ditas e/ou consideradas de primeiro escalão. Uma de suas indagações é como o funcionário irá vestir a camisa da empresa se em muitas das vezes nem mesmo os chefes e diretores o fazem. Critica o desdenho das organizações que enaltecem seus funcionários mas quando se veem em um momento de crise viram as costas e simplismente promovem demissões em massa.

Para ele: ''A comunicação interna anda um horror, reduzindo-se quase sempre a um veículo formal, absolutamente pausterizado, cosmético, repleto de baboseiras, mais um instrumento de convencimento (que não funciona) do que de interação. Os house-organs continuam repetindo a velha cantilena de "babar" sobre a empresa e principalmente sobre as chefias e direções, aquela história de "somos a melhor empresa para trabalhar", "ganhamos o selinho tal", "vencemos o prêmio de comunicação" etc etc. Enfim, uma hipocrisia e um cinismo que só enganam diretores e empresários acostumados a receber elogios porque têm um ego avantajado e preferem ouvir mentiras do que encarar a verdade''.

Em sua opinião os funcionários só irão vestir as camisa dessas empresas representandas no artigo, salvo exceções, quando realmente valer a pena.

Confira o artigo na íntegra, publicado no site comunicaçãoempresarial.com.br, pelo link:
http://www.comunicacaoempresarial.com.br/comunicacaoempresarial/artigos/comunicacao_interna/artigo4.php

Postado por Renato Calixto



Comunicação é contar história

2009-09-28T20:52:01.114-07:00

Não pretendo abordar aqui formas alternativas de comunicação, como grupo de teatros corporativos, gibis organizacionais, dentre outros, mesmo sendo estes bastante úteis e criativos. O título dessa postagem foi retirado de uma entrevista dada em maio de 2008, pelo escritor, palestrante, professor e consultor de comunicação estratégica e marketing, Mario Persona.

Nessa entrevista Persona aborda a importância e o real valor da mensagem institucional, que muitas vezes determinadas organizações, por estarem mais preocupadas em se “atualizar” e estar on-line com a exigência da comunicação com seus públicos, esquecem-se do foco principal da comunicação: a mensagem.

(object) (embed)


Postado por Melina Prado



TV Corporativa? Sim!

2009-09-28T19:40:35.800-07:00

Sem dúvida, a televisão é um dos principais meios de comunicação e entretenimento utilizado por grande parte da população mundial. Partindo desse pensamento, a TV corporativa torna-se um excelente recurso para organizações que pretendem se comunicar com precisão, por meio de um canal dinâmico e de grande familiaridade aos seus diversos públicos internos.

O mais interessante da TV Corporativa, é que além de ser forte aliada à uma comunicação organizacional eficaz, seu apelo imagético e dinâmico abre espaço à criatividade e a constante inovação, fatores pelos quais os próprios funcionários podem participar de sua construção e fazer parte de seu conteúdo. Dentro desta proposta, se abre mais uma oportunidade: a integração da comunicação interna, de atuação decisiva na motivação, participação e integração dos funcionários com o recurso, com as demais áreas da organização.

Comunicar, informar e inovar sem perder a identidade é o grande desafio da organização e do profissional de comunicação quando adere a TV Corporativa como um veículo interno consistente. Difícil? Sim. Contudo, as inovações tecnológicas estão disponíveis hoje para auxiliar a comunicação, e desta forma também a TV Corporativa, à informar, divulgar, entreter e até mesmo prestar serviços de forma simples e interativa.

A TV Corporativa tem sua eficácia comprovada por meio de diversos cases divulgados no mercado, os quais comprovam que esse veículo colabora para a melhora da comunicação interna, divulga e fortalece a cultura organizacional e é visto como um canal democrático de informações. Vale a pena tentar? Sim!

Postado por Melina Prado



Tudo o que você precisa saber sobre o twitter

2009-09-28T20:22:16.742-07:00

Em agosto, a Talk Interactive uma agência especializada na formulação de estratégias de marketing digital, mídias sociais e tecnologias 2.0 lançou o guia: " Tudo o que você precisa saber sobre o Twitter" com orientações sobre como tirar o melhor proveito desta ferramenta.O guia pode ser baixado no site www.talk2.com.brEnquanto você baixa o guia, fica aí alguns dos benefícios desta ferramenta:Escutar - acompanhar a conversa sobre assuntos de interesse da empresa de uma maneira que não é possível por outros veículos,fazer perguntas Informar - o Twitter se torna uma extensão do blog para compartilhar novidades,educar o consumidor em relação a informações erradas, responder na hora tirando proveito da possibilidade de falar em tempo real.Promoções - atrair clientes ativos na rede organizando eventos presenciais.No caso de empresas de entretenimento, é possível realizar encontros com fãs, distribuir fotos exclusivas e tuitar ao vivo de eventos.Postado por Heloiza Gonçalves [...]



A estratégia de comunicação da Odebrecht em cinco continentes

2009-09-28T18:49:44.007-07:00

(image)
Dos 64 anos da Odebrecht no Brasil, pelo menos 44 deles foram passados como uma empresa absolutamente fechada à sociedade, um comportamento, até então, típico de organizações que têm como clientes outras companhias e não o consumidor final. A redemocratização do País e uma crise no começo dos anos 90 impulsionaram a construtora baiana a investir na comunicação.


O resultado pode ser medido em números. A cada mês, 750 notícias da empreiteira são publicadas em jornais e revistas brasileiras, uma média de dez notícias por hora.

Há outros números igualmente significativos. Desde de 1991, a Odebrecht ganhou 22 vezes o Prêmio Aberje, a mais importante premiação de comunicação empresarial do Brasil.


Essa performance é diretamente relacionada à gestão do setor na companhia e ao investimento em uma equipe profissional para a elaboração de políticas e produtos de divulgação de primeiro mundo. Confira as três estratégias da organização na área.


- Aposta na descentralização

- Apoio brasileiro

- Um patrimônio chamado imagem.



"Nossa preocupação é atender rapidamente às demandas da imprensa e agir com transparência", afirma Leonardo Maia, porta-voz da equipe de Relações Institucionais da Odebrecht S.A em Salvador.


De fato estes são um grande resultado da engenharia da comunicação da Odebrecht.


Postado por


Talita Campoi Marinho



A equação (X+Y) ²

2009-09-20T20:38:13.740-07:00

Nas últimas aulas de Comunicação Interna discutimos as diferentes gerações, sendo estas X, Y e Baby Boomers. O assunto, de extrema importância, me fez pesquisar alguns exemplos.

Pois bem, encontrei uma reportagem na revista COMPUTERWORLD, 27 de maio de 2009 nº 513 uma matéria abordando e exemplificando este assunto.

No decorrer do tema, mostraram as descrições, entre essas, qualidades e defeitos de cada geração. Porém, o que mais me chamou atenção foi "Como receber a nova geração".

Os analistas e profissionais que gerenciam equipes ouvidos pela reportagem são unânimes em afirmar a importância de mesclar gerações nas empresas e os cuidados que devem ser tomados nessa tarefa.

O exemplo preferido da maioria das pessoas que estudam essa questão é o presidente norte-americano Barack Obama, um membro da geração X que conseguiu fazer uma mobilização em torno de seu nome em cima dos elementos típicos da geração Y.

"Obama percebeu que se fosse para um modelo tradicional, que é o que as empresas normalmente fazem, teria uma limitação, pois o mundo está muito diferente. O que os executivos têm de fazer, dentro da realidade de cada empresa". opina Marcelo Astrachan, presidente da integradora de TI Cyberlynxx.

Adalton Ozaki, professor da FIAP sugere a formação de uma equipe multidisciplinar para criar políticas para a companhia, que abarquem desde ideias mais sóbrias de executivos seniores até a visão dos jovens mais afoitos para mostrar serviço e compartilhar seu trabalho. "O importante é criar a cultura de discutir os valores da empresa, reunindo representantes de todas as gerações", conclui.

De fato, concordo com este quesito de uma empresa trabalhar e valorizar uma equipe que seja composta pelas três gerações. Uma vez que estas trarão maiores resultados, cada um com seu conhecimento e sua habilidade, levando a empresa para um olhara mais inovador e, ao mesmo tempo, com a segurança de suas atitudes.

Para nós comunicadores, o desafio é além de gerarmos um trabalho de integração e compreensão dessas diversas gerações para que no dia a dia consiga ser desenvolvido atividades de uma maneira saudável, temos que ter a nossa própria compreensão e flexibilidade em lidarmos com essas gerações dentro de nossa área. Mesmo por que precisamos aprender antes de fazer as pessoas compreenderem.

Postado por:

Talita Campoi Marinho



Qual a saída?

2009-09-17T23:51:24.498-07:00

Ao longo dos últimos 2 anos e 9 meses, nós alunos de Relações Públicas da Faculdade Cásper Líbero, aprendemos, exercitamos e continuamos a discutir o que é Comunicação interna, como ela acontece, quais suas ferramentas e o que ela proprociona e agrega a uma organização.

Notório que a comunicação interna deve dar suporte as metas de negócio da empresa e tem por funções informar, motivar, promover a integração de departamentos e socialização de novos membros e ajudar o funcionário a entender o negócio da empresa e se sentir parte integrante dele.

Ao longo desse tempo também aprendemos e desenvolvemos alguns veículos que abrangem a comunicação interna, tais como jornal mural, boletim informativo, campanhas, intranet e ultimamente esse blog em que posto. Mas ao longo do curso nos deparamos com situaçoes adversas e é nesse momento que surge a reflexão.

Imaginemos a situação de uma empresa mundial, líder em vendas no seu setor e com atuação no Brasil a décadas. Plausível pensar que em um mundo globalizado e com a gestão cada vez mais profissional a idéia seria a de ''pensar global e agir local'', mas nem sempre é isso que ocorre.

O que se deve fazer nesse caso em que somente a criatividade e a proatividade não são suficientes, quando o plano de ação e as diretrizes vem definidos pela matriz e a unidade local tem de colocar em prática e os veículos de comunicação são os mesmos da matriz e muita das vezes o departamento local nao consegue aprovação para projetos e idéias novas?

Acho que a melhor resposta apesar de todas as dificuldades é: ''se vira como dá''. As informações tem de ser repassadas, existe a necessidade de socialização de novos membros, a motivação as vezes é essencial e atualmente uma organização que não se comunica nao se desenvolve.

Reuniões mais frequentes com gestores e líderes aliado à um processo de cascata na comunicação pode ajudar, ou um próprio blog criado por um funcionário que seja utilizado em parceria com a organização. A liderança pode fazer a diferença nessa hora!

Uma organização deve estar atenta para problemas que podem ser gerados pela falta de informação e comunicação entre o que a fazem acontecer!

Postado por Renato Calixto Motta



Quase 70% das empresas colhem resultados com a web 2.0

2009-09-15T12:52:08.732-07:00

Hoje, muitas empresas já têm algum tipo de atividade ou estuda a implementação de soluções colaborativas por meio a web 2.0. Algumas delas já constataram ser mais eficiente, por exemplo, compartilhar informações em redes sociais corporativas do que enviar documentos por e-mail para grandes grupos de pessoas.

No início deste mês, a consultoria Mckinsey divulgou um estudo mundial sobre a relação das organizações com a web 2.0 e descobriu que muitas empresas já colhem frutos com o uso dessa plataforma.

"Dos 1,7 mil líderes das organizações consultados pelo estudo, 69% deles responderam que suas companhias têm conseguido benefícios mensuráveis de negócio graças à adoção de ferramentas de Web 2.0, por meio da criação de produtos e serviços mais inovadores, melhoria nas atividades de marketing e facilidade de acesso a conhecimentos e informações."

Segundo a pesquisa, "quando perguntados sobre as ferramentas de Web 2.0 que têm sido mais efetivas para uso interno nas empresas, entre os respondestes que afirmaram já ter visto benefícios concretos com as soluções, 48% priorizam as soluções de compartilhamento de vídeo, 47% adotam blogs, 42% redes sociais e RSS (Really Simple Syndication) - mecanismo que permite ser informado imediatamente quando uma informação do interesse do usuário é publicada".

Algumas empresas brasileiras ainda enfrentam barreiras técnicas e gerenciais para implementar suas próprias ferramentas de colaboração. Mas esta pesquisa comprava a importância do investimento, tanto em ferramentas da web 2.0 como em áreas e profissionais de comunicação aptos para transformar essas ferramentas em estratégias para a comunicação organizacional

Fonte:
http://cio.uol.com.br/tecnologia/2009/09/10/quase-70-das-empresas-colhem-resultados-com-a-web-2.0/

Postado por: Heloiza Gonçalves



Inteligência Humana = Inteligência Organizacional

2009-09-14T07:58:22.606-07:00

Na abertura do 1º Fórum Abracom 2008 Eugênio Mussak, um dos mais conceituados palestrantes do país, compara a inteligência organizacional com a inteligência humana. Para ele as duas inteligências tem a construção e evidências semelhantes, e dentro desta comparação, o palestrante destaca a importância da comunicação nos dois processos. É interessante notar que Mussak atribui a comunicação como a responsável pela manutenção de uma inteligência saudável, tanto para a inteligência humana quanto para a inteligência organizacional.


Postado por Melina Prado


(object) (embed)



6 perguntas fundamentais que CEOs e Comunicadores não podem deixar de se perguntar

2009-09-10T19:43:24.412-07:00

Certamente é de extrema curiosidade e importância, para nós comunicadores, sabermos de fato quais são os principais aspectos que jamais devem estar desalinhados fazendo com que a comunicação padeça. Por decorrência disso, professor do curso internacional da Aberje Syracuse ensina quais são as 6 perguntas fundamentais, que devemos fazer diariamente, que fazem toda a diferença numa gestão.
Tê-las em mente pode ser um trunfo no momento de vencer os desafios dentro das organizações, além de ilustrar o que o CEO deve esperar do apoio oferecido pela área de Relações Públicas.

Dentre os que já fizeram o teste, está Steve Harris, um ícone em RP, a convite de Rick Wagoner, CEO da General Motors. Quem conta é Gary F. Grates, presidente e diretor global da Edelman Change, que oferece curso sobre o tema na Aberje.

Confira um pouco da visão dos especialistas, por meio dos questionamentos que ele considera essenciais:

1º - "Que história estamos narrando?"(image)

2º - "O que os principais Stakeholders pensam a respeito de nossa situação e perspectivas?"

3º - "Que cobertura da imprensa sua empresa recebe?"

4º - "O que podemos fazer para legitimar nossa estratégia de negócios e adotar decisões e políticas mais consistentes?"

5º - "Como você pode ajudar a construir o consenso entre a alta liderança da empresa?"

6º - "Qual é o Tipping Point"


Interessou?

Saiba mais sobre estas "6 questões fundamentais" na revista: Comunicação Empresarial ANO 18 - Nº69 - 2008


Postado por:

Talita Campoi Marinho







Blogs Corporativos.

2009-09-03T11:24:15.425-07:00

(object) (embed)

Em matéria do site Grupo TV1 Carol Terra, autora do livro 'Blogs Corporativos - Modismo ou Tendëncia' e Edu Vasquez, especilaista em Web 2.0, discutem a importancia dos blogs corporativos.
Segundo Carol: ''O blog nada mais é do que um diário organizacional''. Esse canal de comunicação novo é uma realidade da sociedade e se faz necessário e presente em organizações que tem por objetivo complementar tanto a comunicação externa, tratando de assuntos relacionados aos negócios da empresa, quanto complementar a comunicação interna, ao promover debates, discussòes e atualizações sobre temas e ações realizadas dentro da organização.
Como frisa Edu Vasquez, o planejamento é essencial na concepção de um blog. A definição do conteúdos e a política de comentários são alguns dos fatores determinantes para que um blog proporcione um retono positivo, mesmo que os comentários forem negativos. O estar atento, a percepção e a abertura a mudanças podem fazer a diferença para que esse canal seja estratégico na empresa.

Postado por Renato Calixto Motta



A comunicação interna na GE

2009-09-02T11:53:40.100-07:00

(object) (embed)

Neste vídeo da TV1 RP, que discute a importância da comunicação interna para as empresas no mundo de hoje, o diretor de Relações institucionais da GE, Alexandre Alfredo, comenta as estratégias e fala sobre a preocupação da empresa em ser transparente em sua comunicação, principalmente com o público interno. Alexandre conta um pouco sobre as maneiras como a GE busca atrair o público aos diversos veículos de comunicação interna publicados pela empresa, por meio da distribuição de brindes, criação de teasers e outras táticas que mexam, especialmente, com o lado emocional dos colaboradores, fidelizando-os aos veículos e consequentemente fortalecendo a imagem institucional da organização junto ao público interno.

Postado por Lígia Lima



Avon – Uma Máquina de Fazer Comunicação

2009-09-02T11:10:22.737-07:00

Lendo a revista Comunicação Empresarial nº 63 me surpreendi com a reportagem sobre a gigante empresa de cosméticos, Avon.

De fato pouquíssimas pessoas param para pensar, quantas revendedoras esta empresa possui, como estas pessoas são alinhadas para atuar e disseminar não somente os produtos, mas principalmente o institucional, afinal é por meio destas revendedoras que os valores intangíveis da Avon são transpostos.

Falar com um milhão de revendedoras, que levam novas edições do catálogo de produto a cada 21 dias e atingem, pelo menos, 19 clientes por exemplar. Esse é o tamanho da responsabilidade da comunicação da Avon no Brasil, gigante mundial de cosméticos com faturamento de US$ 1 bilhão, que tem nas mulheres sua principal força motriz.

Fazer com que, por meio da comunicação, haja uma atratividade e interesse das consumidoras e principalmente das revendedoras que se alinham à empresa para divulgar, a marca, da melhor maneira, as revendedoras são o epicentro da comunicação, agentes de relacionamento com a marca. Pioneiras na venda direta no Brasil onde atuam desde 1958, a Avon trabalha no propósito da democratização da beleza, com produtos acessíveis baseados na inovação tecnológica, qualidade e pioneirismo, com penetração em todas as camadas sociais.

“A organização percebeu, especialmente nos últimos dois anos, que a propaganda tem um efeito efêmero se não reverbera nas demais áreas da comunicação. Por isso, adotamos um olhar 360º, com ações concatenadas e convergentes, voltadas para todos os nossos públicos, e com o envolvimento da presidência”, conta Carlos Parente, Diretor de Comunicação e membro do Board e do Conselho Consultivo da empresa.

O relacionamento da marca com a imprensa visa atingir às necessidades institucionais da Avon como marca, divulgar produtos na mídia especializada em beleza e saúda e também mostrar seus projetos sócio-culturais. Os eventos reforçam o contato com formadores de opinião, enquanto os consumidores são impactados diretamente com as campanhas publicitárias e demais ações mercadológicas.

“Para compor esse contexto, que vai além da comunicação, o discurso da empresa é sempre permeado por temas como qualidade de serviço, entendimento das necessidades, auto-realização, satisfação, diálogo, canal aberto e tecnologia”, destaca Parente.

Aos interessados em saber mais sobre a reportagem leia na Revista Comunicação Empresarial ANO 17 nº 63 – 2007 Publicação Trimestral da Aberje.

Postado por Talita Campoi Marinho



A utilização de mascotes na Comunicação interna

2009-09-02T11:11:27.883-07:00

Não é de hoje que as empresas se utilizam de mascotes em suas campanhas de comunicação, sejam estas internas ou externas. O mascote gera certa intimidade entre o público interno e a organização, afinal, estes personificam a empresa, representam visualmente a marca e tem maior apelo junto ao público, consequentemente gerando maior eficácia na assimilação dos princípios e objetivos da organização. A criação de um personagem que represente a marca, por meio de sua figura, facilita a identificação e o reconhecimento do mesmo por parte dos colaboradores. A ilustração, aliada ao contexto e princípios organizacionais, serve como ferramenta para expressar atributos intangíveis da organização. Os personagens servem tanto para a comunicação com consumidores e clientes quanto para a comunicação interna. O mascote da Usina Salgado, por exemplo, foi desenvolvido para estimular o uso dos equipamentos de proteção individual nos operários e acabou se tornando um porta-voz da empresa passando a ser veiculado em todos os meios de comunicação da organização. Postado por Lígia Lima [...]



Radiojornal Embratel - Um case de sucesso

2009-08-26T17:53:21.660-07:00


Pesquisando alguns cases de sucesso em comunicação, encontrei um ambicioso projeto de comunicação interna da EMBRATEL. A princípio, não me parecia novidade uma empresa propor a produção regular de três veículos de divulgação:

Um jornal gráfico: Jornal da Embratel – JE
Um jornal de televisão: Telejornal da Embratel
Um jornal radiofônico: o Radiojornal Embratel

O último veículo me chamou mais a atenção. Até o momento, nunca soube de uma empresa que utiliza o rádio como um veículo de comunicação interna.

No entanto, o que mais me surpreendeu foi o fato de que este case foi premiado no ano de 1984!!! Isso mesmo, há 25 anos atrás a EMBRATEL seguiu uma tendência e implantou um veículo que, assim como está descrito no case, não se conhece similar no setor empresarial. Pelo menos naquela época, acredito eu!

As notícias do Radiojornal Embratel são bem objetivas e visam motivar os colaboradores, com informações sobre o que se passa na empresa, sobre a sua atividade e, principalmente, informações de caráter trabalhista. O principal objetivo do Radiojornal Embratel é levar as notícias de forma muito mais ágil e mais freqüente que o Jornal da Embratel, e que o Telejornal, que são veículos mensais.

O rádio já é um veículo que faz parte do cotidiano do brasileiro. Assim, é mais fácil a aceitação e interesse dos funcionários nele. As notícias são inéditas, curtas e de impacto. Além disso, são imediatas e têm o caráter informativo a que se propõem.

E seu grande diferencial é que oferece ao funcionário a vantagem de não ter de se deslocar para ouvi-las.

Fica aí um belo exemplo de atratividade na comunicação. Um veículo que, acredito eu, é tendência até os dias de hoje.


Postado por Larissa Madanelo



1 Comentários

2009-08-26T14:34:38.809-07:00

A Comunicação é por nossa conta! Pesquisando conteúdo para o blog, achei um texto em um site de Recursos Humanos, comparando as novas e as “velhas” tecnologias em comunicação empresarial. O texto começa da seguinte forma “Que meios de informação os gestores de RH estão preferindo utilizar no processo de comunicação com o público interno da empresa?” A princípio, me chamou atenção o fato de gestores de RH definirem o processo de comunicação, mas sabemos que nas empresas em que não há um departamento estruturado de comunicação, fica a cargo dos Recursos Humanos desempenhar este papel. Apesar desse fato, o conteúdo do artigo faz muito sentido. Por isso, resolvi analisar algumas dos aspectos apontados por ele, na definição de um novo veículo de comunicação, independente se “tradicionais" como jornais, revistas, boletins ou digitais, como internet, intranet e blog. Velocidade "A rapidez com que a informação chega ao público-alvo é atualmente um fator extremamente relevante." Sabemos que essa afirmação é verdadeira. Essa velocidade se dá principalmente pelo desenvolvimento de novas tecnologias, o exemplo mais recente é o twitter. Quando o Muricy Ramalho foi contratado pelo Palmeiras o primeiro canal que divulgou a notícia foi o twitter do atual presidente do clube, Luiz Gonzaga Belluzzo. No entanto, essas novas formas não excluem as tradicionais, mas como diz o artigo, alguns cuidados devem ser tomados. Não dá para os colaboradores receberem em abril uma publicação em que a matéria de capa seja a festa de confraternização realizada em dezembro. Atratividade "As pessoas estão habituadas a ter contato contínuo com os grandes meios de comunicação em geral. Por isso, tornaram-se mais exigentes quanto à qualidade do conteúdo e do visual." Outra afirmação verdadeira. Nossos esforços em gerenciar conteúdo, comunicar àquilo que é realmente relevante e consumir conscientemente as informações, como a Larissa escreveu no post anterior, deve ser redobrado. Outro fator apontado pelo artigo: o público-alvo não é homogêneo dentro das empresas. Esse não precisa nem comentar né?! Para nós, este é um pressuposto básico. Às vezes, diretores e gerentes esquecem-se desse fato, mas cabe a nós lembrá-los. Complementaridade "O ideal é mesclar o uso das diversas mídias de acordo com os objetivos a serem atingidos, as características diferenciadas do público interno e os recursos disponíveis para investir nessa área. Nesse sentido, é fundamental que se tenha um plano de comunicação corporativa muito bem estruturado e aplicado com alto grau de profissionalismo." A afirmação também é verdadeira. Apenas acrescentaria que o alto grau de profissionalismo é por nossa conta, profissionais de Relações Públicas! Clicando no link abaixo, você pode ler o artigo completo. http://www.rhcentral.com.br/artigos/artigo.asp?interesse=10&cod_tema=2283Postado por Heloiza Gonçalves[...]



Consumir Conscientemente!

2009-08-25T08:18:49.912-07:00

A necessidade de consumir conscientemente os mais variados recursos disponíveis se faz cada vez mais presente no dia-a-dia das pessoas. Inclusive, em relação ao ato de “consumir informações”. “Essa mensagem é relevante?”, “Merece a minha atenção?”, “Preciso mesmo desta informação?”, “Deve ser disseminada?” – todas essas são questões que passamos a fazer antes de “consumir” as informações. Estamos cada vez mais exigentes com o que recebemos de comunicação. Já não queremos mais comunicações “vazias” e portanto, a palavra de ordem é relevância. A resposta à essa tendência deve ser a entrega de comunicações cada vez mais bem elaboradas, consistentes, verdadeiras e relevantes. Se não houver um objetivo claro, melhor não comunicar. Se não tiver foco, melhor repensar. As pessoas não querem mais perder tempo com comunicações equivocadas. Não toleram mais.

Benefícios
•Otimização dos recursos disponíveis;
• Estruturação e disseminação de uma cultura de “excelência e disciplina”, capaz de gerar melhores resultados;
• Formação de uma cultura colaborativa, esclarecedora e consciente em todos os aspectos;
• Concentração de energias para a produção de comunicação realmente relevante;
• Adequação da abordagem X público X canal, o que reflete em melhor percepção e absorção das informações;
• Formação de uma cultura com visão de longo prazo, com foco na manutenção dos recursos e redução dos gastos.



Muitas são as formas de se estimular o Consumo Consciente:
- Redução na produção de peças impressas
- Brindes, só quando SIGNIFICAREM algo forte na campanha
- Sustituição de peças impressas por eletrônicas
- Estimular a comunicação de resultados das campanhas referentes à mudanças de comportamento para gerar credibilidade
- Promover a troca de informação e geração de conhecimento por meio da divulgação de cases e boas práticas



Postado por Larissa Madanelo



Protagonismo e Interatividade

2009-08-25T08:18:38.567-07:00

O volume de impactos de comunicação e a velocidade que a Globalização gera na sociedade, alteraram a forma de escolher o que deve ser consumido, inclusive em relação às informações. O indivíduo assume uma postura muito mais participativa. Já não quer mais esperar passivamente que outras pessoas determinem o que ele deve receber e consumir. Controla o nível de informação e a relevância dos impactos que recebe, de acordo com seus interesses. Assume o protagonismo em todas as suas atividades. Esse comportamento também é reflexo das mudanças provocadas pelas inovações constantes da internet - que mudou radicalmente a comunicação entre as pessoas, devido ao seu grande potencial de disseminação de informações. A Interatividade surge como uma forma eficaz de comunicação, que cria experiências memoráveis com conceitos de marca e negócios, envolvendo o público por meio de tecnologia e design interativo.Benefícios•Possibilita o diálogo e a troca de experiência constante;• Inclusão: o funcionário se sente atuante e parte integrante do processo de comunicação;• Garante agilidade para a transmissão de informações;• Possibilita melhor segmentação dos públicos, o que gera maior assimilação das mensagens;• Aproxima os diferentes níveis hierárquicos e cada pessoa se “vê” no papel de colaborador;• Gera economia significativa de recursos como papel, distribuição, impressão, entre outros.MídiasSão várias as mídias que valorizam o protagonismo e a interatividade, com o objetivo de se fazer comunicação relevante:- Blogs corporativos- Podcast e Vídeocast- Chats- Jogos- Making Off- Buzz e Viral Marketing- Palestra e Work Shop On Line TVs de LCD, tótens, painéis etc. Um “balão”, simulando o pensamento, aparece em cima da cabeça da pessoa que está em frente ao “espelho”. Aqui, a interatividade “provoca” o público e leva à reflexão imediata.Tótens interativos: conforme a pessoa move os cubos, um tópico diferente aparece na tela. Ótimo para apresentar novos serviços, produtos e ensinar novos procedimentos. Postado por Larissa Madanelo[...]



Case de Sucesso - Storytelling - J. Macêdo

2009-08-25T08:18:28.477-07:00

J. Macêdo - Empresa de alimentos, dona das marcas Dona Benta e Petybon
Agência: Storytellers

Divulgaram à alta gerência, por meio de peça teatral, os resultados das pesquisas de reposicionamento das marcas do portfólio da empresa.

Os dados e estatísticas sobre o perfil de consumidora de cada marca foram transformados em personagens “vivos”: 4 irmãs (as marcas) e um pai (a empresa). Dividida em 9 esquetes, cada cena tinha relação com o assunto abordado pelos palestrantes no intervalo.

RESULTADOS
- Melhor identificação dos perfis: os funcionários passaram a utilizar os nomes das personagens em reuniões internas, ao invés dos típicos perfis “mulheres AB 25+”;

- Ampla cobertura: a peça foi gravada em vídeo para que todos os funcionários pudessem ter contato com o conteúdo;

- Manutenção da informação: o material foi incorporado pelo treinamento do RH para novos funcionários.

Postado por Larissa Madanelo




Histórias bem contadas – Sim, faz sentido!

2009-08-25T08:18:17.299-07:00

Quando crianças, aprendemos inúmeras lições por meio de contos. Na vida adulta, além dos contos, são metáforas e cases que melhor nos transmitem conhecimento. Preocupados com a capacidade de absorção de informação, profissionais de comunicação entendem que é momento de voltar a “contar histórias”. Histórias bem contadas, inteligentes e relevantes. É o “storytelling”.

Prática de disseminar conceitos e fixar mensagens por meio de histórias, contos e metáforas. Técnica eficiente, pois o cérebro humano é naturalmente adaptado para compreender mensagens dentro de um contexto com começo, meio e fim, que possa ser facilmente assimilado e “recontado”.

Em 2008, a técnica de “storytelling” se consagrou como uma das maiores tendências em comunicação, sendo um dos assuntos de maior repercussão em meios especializados, seminários e até em Cannes.

Existem diversas formas de se contar histórias. O que dirá como ela deve ser contada é a situação, o público e a necessidade de ênfase de uma idéia:
- Literatura
- Cinema e Vídeo
- Teatro
- Quadrinhos
- Internet (Blogs, drops...)
- Música
- Imagens
- Novela

Benefícios do Storytelling

•Conecta o público pelos detalhes, pois simula a complexidade da vida.
• Permite a projeção do público no papel do personagem, permitindo que ele enxergue a realidade desde o seu ponto de vista.
• Gera fascinação e desperta o desejo de passar as histórias adiante.
Histórias são indiretas e, por isso, recebem menor resistência por parte do receptor da mensagem


Postado por Larissa Madanelo




Tendências em Comunicação Interna

2009-08-25T08:18:05.642-07:00

Falar em atratividade na comunicação é, também, falar de novos veículos, novas formas de comunicar e atrair, cada vez mais, a atenção e interesse dos públicos. Portanto, não se pode deixar de falar nas Tendências em Comunicação Interna.

Com o movimento da globalização, a velocidade da informação gera ansiedade frente à necessidade de não se perder o controle e manter-se bem informado. Assim nasce a necessidade de priorização e relevância dos assuntos. Comunicação Interna assume um papel fundamental nas organizações: o de se estabelecer um fluxo contínuo, estruturado e relevante de informações aos funcionários, com forte incentivo ao protagonismo, à interatividade e a reflexão. O objetivo é informar, desenvolver o senso crítico e principalmente, construir o sentimento de “pertencer”.

Avaliar tendências em CI significa, antes de qualquer coisa, entender as tendências de comunicação como um todo. São várias as ferramentas e tecnologias à disposição da comunicação. Porém, o que realmente deve ser considerado são os reflexos comportamentais gerados num ambiente social, como o de hoje. As tendências de comunicação estão ligadas fortemente às mudanças e adaptações culturais, sociais e comportamentais. Diante disso, o que observamos em macro tendências são atitudes muito mais conscientes, participativas, ativas e intolerantes ao “vazio”, ao pouco objetivo, ao desnecessário. A busca é pela informação ágil e relevante. Mais do que nunca, a decisão pela comunicação, sua forma e seu sucesso está nas mãos de quem a recebe.

De tudo o que observamos, existem 3 macro tendências, que vêm sendo amplamente discutidas pelos profissionais de comunicação:

Histórias bem contadas - a comunicação que faz sentido
Protagonismo e Interatividade - o indivíduo no centro
Consumir Conscientemente – mudança comportamental em todos os aspectos.



Postado por Larissa Madanelo



Fica a dica!

2009-08-25T08:17:01.282-07:00

Diversifique suas ferramentas

Para cada situação, momento ou público há uma forma de comunicação mais assertiva.
Desenvolva veículos de comunicação adequados à cultura de sua empresa e ao seu público. É sempre bom diversificar, inovar e surpreender positivamente o público interno. Se na sua empresa parece que tudo virou paisagem e ninguém mais vê o e-mail, lê a carta, enxerga o mural ou assiste ao vídeo, provavelmente, o problema seja a sua comunicação e não somente o interesse das pessoas.

Postado por Gabriela Paola



Excesso de informação no mundo corporativo

2009-08-25T08:15:38.716-07:00

(image) Em seu programa na rádio CBN, Heródoto Barbeiro entrevistou recentemente o consultor em comunicação Normann Kestenbaum, autor do livro 'Obrigado pela informação que você não me deu'. Na entrevista - e no livro -, Normann fala sobre os problemas do excesso e do imediatismo da informação nos dias de hoje e dá ótimas dicas de como lidar com a questão.

Clique aqui para ouvir.

Por Lígia Lima