Subscribe: Almocreve das Petas
http://almocrevedaspetas.blogspot.com/atom.xml
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
das  dos  foi  herberto helder  herberto  josé  livros  mais  nos  não  nós  poesia  sem  sempre  seu  sua   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Almocreve das Petas

Almocreve das Petas





Updated: 2017-03-08T17:11:37.843+00:00

 



ATÉ SEMPRE DR. AMÉRICO CASEIRO [1947-2015]

2015-03-27T10:55:17.754+00:00

Até Sempre Américo Caseiro[n. 27 Maio 1947 - m. 26 Março de 2015]“Só morremos de nós mesmos” [Herberto Helder]Américo Caseiro partiu, ainda o sol não mostrava o brilho dos raios. Deixou-nos o tesouro da palavra, os nomes e rostos da claríssima luz, a ternura do tempo e da noite sem fim, o prazer e a rebelião da viagem, a lealdade fraternal, a requintada oferenda do “discurso do acordar e do adormecer” [A.C.]. Ele, que amou e viveu a vida, com radiante paixão, partiu (avançou) no seu próprio jogo. Pôs-se a caminho para urdir a sua própria sombra. E deixou-nos no nosso trivial remanso. À sua esposa, Mariana Alface, à sua estimada família e a todos os amigos, o nosso pesar. Ao Américo a eterna Saudade … e até Sempre!Nota: o seu funeral segue hoje de Coimbra para o Crematório da Figueira da Foz, onde deverá chegar antes das 18 horas, desta sexta-feira.► Américo José Lopes Caseiro nasceu a 27 de Maio de 1947, na cidade de Coimbra, lugar que amava como poucos. Era filho de Adriano Maria Caseiro, escrivão e solicitador em Ansião e de Fernanda Godinho Lopes Caseiro. “Cresci, único homem (o meu pai so chegava à noite), no seio de seis mulheres, a minha irmã muito conta como tal, e este facto traz as mais agradáveis consequências - a maior relevância para o meu pai, homem belo de 120 quilos, de humor afável e irritável, terno, dócil, violento, brutal incontestável - o meu ideal de beleza era ter 120 quilos e sentir-me belo e sedutor como em muitos dias reparei que se via” [cf. Américo J. L. Caseiro, Curriculum Vitae, 1982].Fez a escola primária em Avelar, depois estudou no colégio de Ansião (onde frequentou brilhantemente a Biblioteca Itinerante da Gulbenkian e ali conheceu o Maia Alcoforado, “poeta, revolucionário civil”, republicano de têmpera, combatente contra a ditadura), passando depois para Coimbra para fazer o “complementar dos liceus” Em Coimbra, moço arribado ao liceu D. João III, conhece o “velho Gomes Jacobino” que lhe revela o caminho da biblioteca (vício nunca abandonado), encontra e percorre Freud e Nietzsche, deslumbra-se com Marx & Engels, invoca Camus, aparece-lhe Sartre. O coração alumia-se. Entra em 1964 para a Faculdade de Medicina da U.C. Três anos depois tem o seu primeiro casamento, de que resulta um filho encantador. Na candura de uma vida de estudo, de tentações de espelho e outros rendez-vous, foi “incapaz de passar os Arcos do Jardim” e “subir acima da Almedina”: quatro anos de “dedicação exclusiva do prazer doutras matérias” (o “sítio do pica-pau amarelo”). Licencia-se aos 27 anos. De permeio esteve “em todas as lutas de estudantes e nas outras”, ali, vertical, com o Alfredo Misarela, o Joaquim Namorado, o Orlando de Carvalho, Lousã Henriques, outros mais.      O acordar da noite ensinou-o a gostar de Resnais, Fellini, Bergman& tantos outros (o dr. Orlando adornava o alvoroço), enfaixa-se em Lacan em seminários no café Tropical e na Brasileira, Levi-straussa na baixinha em passeatas peripatéticas. A vontade de saber escorre-lhe interminavelmente. Foucault ilumina-o, tal como o vinho e o tabaco com que teorizava e vigiava. Althusseridentifica-lhe os “órfãos teóricos” (os do sem pai teórico). Deuleuze & Guattari, empresta-lhe o inevitável. A psiquiatria – que pratica, usa e abusa - é para ele como a escrita de Leonardo, “para ser lida ao espelho” [A.C.]. Esteve no serviço médico à periferia (Soure, Manteigas), transita para a Clínica Psiquiátrica dos HUC (1979), faz-se exímio na profissão, (re)constrói o (im)possível. Com inquietação, mas solidamente.O dr. Américo Caseiro, “o passáro sarapintado”, era um eterno apaixonado. Da literatura (Joyce, Thomas Mann, Dostoievski, os clássicos sempre presentes, com pontualidade e zelo), da música (que não aprendeu com “grande arrependimento e mágoa"), do cinema e teatro, tudo o movia, sempre numa respiração insubordinada, que a outros transmitia. Das suas últimas paixões deve-s[...]



IN MEMORIAM DE HERBERTO HELDER [1930-2015] – PARTE III

2015-03-26T12:10:09.687+00:00

► “No texto de abertura de Ou o poema contínuo (2001) – redução da sua “poesia toda” a uma “súmula”, não a uma antologia – Herberto Helderdesigna a época como a de um tempo de redundância: “O livro de agora pretende então aceitar a escusa e, em tempos de redundância, estabelecer apenas as notas impreteríveis para que da pauta se erga a música”.Insinua-se aqui uma atitude radical que o poeta seguiu rigorosamente, ao fazer com que a sua obra existisse apenas por si mesma, impermeável a interferências mundanas, erguendo-se fora – e contra – o ruído do mundo. Isto significou uma enorme severidade: de Herberto Helder, não conhecemos senão uma auto-entrevista, umas raras fotografias e muito pouco da pessoa do autor e da sua vida civil, muito embora muitos poemas, e sobretudo a prosa de Passos em Volta e Photomaton & Vox, estejam cheios de referências crípticas de ordem autobiográfica.Mas de certo modo Herberto Helder tudo fez para erradicar a pessoa do autor, ou melhor, para evitar que ele surgisse como mediação entre a sua obra e os leitores. Retirou-se para deixar a obra fazer o seu percurso e resplandecer em total autonomia. Atravessou incólume um tempo em que se impuseram as determinações da “vida literária” e em que as regras do campo literário ditaram aos autores a necessidade de se mostrarem e aparecerem para além dos livros, de entrarem no jogo que faz da literatura um pretexto para outra coisa. Isto significou a afirmação de uma autonomia incondicional da obra, segundo um preceito que o modernismo tinha reivindicado e seguido como um dos seus princípios estético-poéticos fundamentais.Ao retirar-se e subtrair-se a todos os procedimentos que interferem nessa autonomia, Herberto Helder ganhou a imagem do poeta que recusa apresentar-se e representar-se nos palcos público e mediáticos. E assim se foi forjando algo a que poderíamos chamar o “mito Herberto Helder”, o mito do “poeta obscuro” que, com o seu gesto de retirada, desafia algumas regras da legitimação e consagração. De certo modo, ele foi um elemento escandaloso (não o único, acrescente-se) da grande família literária, aquele que não contribuía para os momentos festivos nem respondia aos apelos do culto, renunciando sistematicamente a todos os prémios, segundo aquele princípio flaubertiano de que “as honras desonram”. Por essa distância, ele acabou por ganhar uma aura - aquela “coisa” que desde Baudelaire os poetas tinham perdido e não se tinham dignado a recuperar - que não encontramos em nenhum outro poeta seu contemporâneo.Mas o mito Herberto Helder jamais se construiria por exclusiva força destas circunstâncias. Fundamental, neste processo, é a própria poesia, que tem uma tonalidade órfica e, sem deixar de ser profundamente do nosso tempo, parece recuperar uma voz antiga, fazendo entrar nela uma dimensão que não só não pertence ao nosso tempo, não é de aqui e de agora, mas nem sequer pertence ao tempo da História. Vem de um tempo mítico, como os poemas das civilizações antigas ou governadas pela ordem do ritual e do tempo cíclico que ele traduziu. Muitas vezes, ela reenvia para o imemorial que fala através da voz do mito e está fora da nossa cronologia.De certo modo, a poesia de Herberto Helder, nas suas anacronias, no encontro que nela se dá entre o mais contemporâneo e o mais antigo (uma antiguidade sem datas) obriga a colocar esta questão: será que ainda é possível a poesia num mundo completamente secularizado? A sua poesia restitui algo que nós, ainda que não o saibamos formular com exactidão, sabemos que foi perdido ou só já tem uma existência secreta e remota. E disso se alimentaram também as projecções e imagens públicas a que se prestou a figura de Herberto Helderenquanto poeta”. FOTO de Alfredo Cunha[António Guerreiro, in jornal Público, 25 de Março 2015, p. 4][...]



IN MEMORIAM DE HERBERTO HELDER [1930-2015] – PARTE II

2015-03-26T12:05:14.063+00:00

► “Nascido em 1930 no Funchal, Herberto Helder publicou os seus primeiros poemas em antologias madeirenses – Arquipélago (1952) e Poemas Bestiais (1954) –, e ainda na revista Búzio, editada por António Aragão. A sua obra de estreia, O Amor em Visita, um pequeno folheto editado pela Contraponto, saiu em 1958, quando frequentava, em Lisboa, o grupo surrealista que se reunia no Café Gelo, convivendo com Mário Cesariny, António José Forte ou Luiz Pacheco.Por esta altura, abandonada a frequência universitária em Coimbra (primeiro de Direito e depois de Filologia Românica), o poeta tivera já vários empregos precários – passou pela Caixa Geral de Depósitos, angariou publicidade, trabalhou no Serviço Meteorológico e foi delegado de propaganda médica.Em 1961, publicou o livro que desde logo o consagraria como uma das vozes fundamentais da poesia portuguesa: A Colher na Boca, editado pela Ática, a chancela que então publicava as obras de Fernando Pessoa. Ruy Belo, que também publicou na Ática, e no mesmo ano, o seu primeiro livro, Aquele Grande Rio Eufrates, contou a Joaquim Manuel Magalhães, segundo este narra em Os Dois Crepúsculos (1981), que “ao ver em provas na editora o livro de Herberto Helder, teria sentido ser esse o livro e não o seu”.Entre a publicação, em 1958, do longo poema O Amor em Visita, cujos versos iniciais todos os jovens leitores de poesia portuguesa contemporânea sabiam de cor nos anos 60 e 70 – “Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra/ e seu arbusto de sangue. Com ela/ encantarei a noite (…)” – e o lançamento de A Colher na Boca, o poeta viajou pela Europa.Tornou-se mítico o ecléctico e pitoresco inventário de ofícios que foi desempenhando para sobreviver enquanto deambulava pela França, Holanda e Bélgica. Foi operário metalúrgico, empregado numa cervejaria, cortador de legumes numa casa de sopas, guia de marinheiros em Amsterdão e empacotador de aparas de papel, curiosa ocupação para alguém que irá demonstrar uma permanente pulsão para se transformar, ele próprio, em papel, desaparecendo no interior da obra.Regressado a Lisboa, trabalha nas Bibliotecas Itinerantes da Gulbenkian. Depois passa pela Emissora Nacional e pela RTP, trabalha em publicidade e torna-se, em 1969, director literário da Estampa, onde dá início à edição das obras de Almada Negreiros, que sempre admirará.Em 1963, publicara um livro que basta para lhe assegurar também um altíssimo lugar entre os prosadores portugueses contemporâneos, Os Passos em Volta. Ainda nos anos 60, saem Poemacto (1961), Lugar (1962), Electronicolírica(1964), depois reintitulado A Máquina Lírica, Húmus (1967), o seu fascinante diálogo com Raul Brandão, e Retrato em Movimento (1967). Em 1968 publica O Bebedor Nocturno, o primeiro de vários volumes de traduções de poesia, e Apresentação do Rosto, título que mais tarde rejeitará, ainda que vários dos textos que o compõem ressurjam depois noutros livros.No início dos anos 70, volta a viajar pela Europa e, em 1971, trabalha em Angola para a revista Notícia, de Luanda. Numa das suas reportagens, ao viajar com o seu colega Eduardo Guimarães, que ia ao volante, sofre um grave acidente de viação que quase lhe custa a vida.Novamente em Lisboa, trabalha na editora Arcádia, e também na RDP, e colabora em várias publicações, sendo um dos organizadores da revista Nova (1976).Em 1968 afirmara ir deixar de escrever – voltará a fazê-lo mais vezes –, e, de facto, descontado Vocação Animal (1971), não publica nenhum novo livro até Cobra (1977), se exceptuarmos também os dois volumes da Poesia Toda, publicados na Plátano em 1973, ano em que viaja para os Estados Unidos.Mas Cobra assinala o início de um período muito criativo, que inclui O Corpo o Luxo a Obra (1978), Flash (1980), ou A Cabeça Entre as Mãos(1982). E ainda o volume de prosa e poesia Photomaton & Vox (1979), o primeiro lançado com a chancela da Assírio & Alvim, de Hermínio Monteiro [...]



IN MEMORIAM DE HERBERTO HELDER [1930-2015] – PARTE I

2015-03-26T11:56:52.777+00:00

Herberto Helder de Oliveira [n. 23 Novembro 1930 - m. 23 Março de 2015]“(…) a morte faz do teu corpo um nó que bruxuleia e se apaga,/ e tu olhas para as coisas pequenas/ e para onde olhas é essa parte alumiada toda”.► “Como Pedro Mexia refere na sua reacção à morte do poeta, não tardará a tornar-se pacífico que Herberto Helder é o poeta central da segunda metade do século XX, como Pessoa o foi da primeira. Mas é uma centralidade que é ao mesmo tempo uma anomalia, porque a mágica e bárbara linguagem de Herberto, mesmo na sua versão atenuada dos últimos livros, parece vir do fundo dos tempos e ter nascido por engano nesta modernidade.Não há na poesia portuguesa pós-Pessoa nenhum poeta que tenha exercido um tal poder de atracção e gerado tantos epígonos. E nenhum mais absolutamente impossível de imitar com proveito.Quem leu desprevenidamente esses primeiros livros de Herberto, nos anos 60 e 70, há-de ter experimentado essa sensação de que a poesia só podia ser aquilo. Foi sempre esse o maior e mais estranho dom de Herberto Helder: convencer-nos (ainda que injustamente) de que escreve directamente em poesia, como se a poesia fosse a sua língua materna, e todos os outros poetas se limitassem a traduções mais ou menos conseguidas de um idioma perdido de que só ele detinha a chave (…)Gastão Cruz lembra que conviveu muito com o poeta mais velho nos anos 60 e 70. “Primeiro, no restaurante Toni dos Bifes, ao lado do prédio onde vivia Carlos de Oliveira, e depois da morte de Carlos de Oliveira no café Monte Carlo.Herbertoera muito amigo do poeta de Sobre o Lado Esquerdo e “sentiu muito a sua morte”, diz Gastão Cruz: “A morte afectava-o, ele manifesta uma grande dificuldade em enfrentar o envelhecimento e a morte, e isso é muito visível em Servidõese em A Morte sem Mestre”.Num e no outro livro, diz ainda, “vai por caminhos de linguagem diferentes dos anteriores, mais metafóricos, mas continua a ter uma linguagem fulgurante, só que com mais referências ao concreto”. A última poesia de Herberto “era de uma grande força verbal”, diz, e “mantinha uma ligação profunda com o que sempre foi a poesia dele, uma poesia de um poema único” (…)A ensaísta Rosa Maria Martelo afirma dever a  Herberto Helder “horas sem conta de pura alegria de ler, de vislumbre, de paixão das coisas do mundo”. E ao saber que o poeta “morreu de morte súbita”, diz que “ter sido assim de repente” lhe parece “de uma grande justiça”. Nos últimos livros, recorda, “tinha antecipado muitas vezes a morte própria, vivendo-a em poemas exasperados, sem querer fugir à violência, ao pânico, mas em certos textos desejava isto mesmo: morrer depressa e sem dor”. E acrescenta: “Ele que nos últimos livros morreu tantas vezes, com evidente sofrimento”.Herberto deixa-nos, diz, “uma das obras maiores alguma vez escritas em língua portuguesa, porque na sua poesia a língua extrema-se em subtileza, nitidez, precisão conceptual e plástica”. E sublinha que o poeta “escreveu com paixão absoluta” para notar que, “nestes tristes tempos, em que o significado das palavras flutua constantemente ao sabor de interesses e compromissos”, ele nos deixa “uma escrita que acontece literalmente no reverso disso, do lado da verdade, que é onde as palavras são um corpo vivo, sempre acabado de nascer”FOTO de Alfredo Cunha[Luís Miguel Queirós, in jornal Público, 25 Março 2015, pp 2-4][EM CONTINUAÇÃO][...]



40.º ANIVERSÁRIO DO 25 ABRIL DE 1974 – “VENCER O MEDO!”

2014-04-25T02:10:53.775+01:00

“Ah, meu povo traído, Mansa colmeia A que ninguém colhe o mel! Ah, meu pobre corcel Impaciente Alado E condenado A choutar nesta praia do Ocidente!” [Miguel Torga]Do “fascismo de sacristia” do Estado Novo ao “estado a que isto chegou”, aguilhoados que estamos da nossa consciência de homens livres por este raminho de gente malsã que habita o “bom governo de Portugal”, de comum, sim de comum é que o medo regressou e a coragem resignou. As provações ungidas pelo esse raminho de gente medíocre, vaidosa, sem escrúpulos, tomaram conta do estandarte das palavras Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Este tempo é um “remorso de todos nós” [O’Neill].    Retomar a palavra, explodir a paixão, reconstruir a memória adormecida, vencer o medo, dizer tudo para de novo recomeçar, antes que o tempo nos traia o esquecimento desse “dia inicial inteiro e limpo”, é declaradamente a nossa liberdade e condição de estarmos vivos. E há uma “roda de dedos no ar”. Vamos lá então “transformar o amador na coisa amada”. Vamos lá então …  [publicado, também, no Almanaque Republicano][...]



15 SETEMBRO - QUEREMOS A NOSSA VIDA!

2012-09-15T02:08:28.143+01:00

(image)
...Meu amor países pátrias têm todos um nome
de letras imundas que não é para escrever
Se ainda podes ouvir o búzio da infância
ouvirás com certeza o sinal de partir

... está escrito que o homem livre fará o seu aparecimento
sob a forma de um cometa de cauda fascinante
que arrastará os amorosos até ao centro do mundo
donde partirão na rosa-dos-ventos e este será o sinal


[António José Forte, in "Azuliante" (1984)]



REGRESSO AO MERCADO

2012-09-13T13:52:38.665+01:00

“Fazemos amanhã / o que podemos fazer hoje” [Ernesto Sampaio]Ainda estamos por aqui! Depois de suspicaz descanso & silencioso poisio [nosso álibi], embora bem atentos ao temporal monomaníaco confeccionado pelo sábio Gaspar da Fazenda e pelo sediço & patético administrador Passos Coelho, estamos (decididamente) de regresso ao “mercado”. E bem a tempo de participarmos no estridente funeral da quadrilha "libaral", mesmo se da paróquia - muito bem amortalhada que foi por essa insulada garotada - reste só os caboucos. Como sempre, estamos de volta ao “mercado” para fazer "mijar a caneta para cima do papel de jornal" [B. Péret]. Com todas as autorizações necessárias. Entretanto, fomos pintarolando por aí, ocupados, dedicados & seduzidos. AQUI sorvemos a grande Alma Portuguesa, itinerário do nosso eterno retorno; ALI, vasámos letras “colossais” às musas que nos iluminam, porque, meus caros amigos, a entrega ao prazer é uma ventura admirável; ACOLÁ postámos excursos autorizados, narrativas antiquíssimas em preito e elogio ao "cão de parar"; ALGUR (e ALGURES) rendemos carícias (vigilantes) às letras & alfarrábios da nossa praça, recordações & "amores antigos". Para ledores caprichosos! Regressamos para testemunhar a actividade, e máximas imprudentes, da (longa) oração da paróquia "libaral", que desde o início foi posta a correr pelos burlescos pregadores da governação (& seus validos amestrados) e que, curiosamente, se tornou gramático na sáfara blogosfera; o expediente que vemos na botica de Coelho & Portas não é mais que um “latino suor/substantivo cuspo” [J. D. Ribeiro] para com o gentio que se vê espoliado dos cobres do seu trabalho e para alegria e condição do “honesto” negócio do sistema financeiro. A virilidade devota de Portas & Coelho é, porque é, uma fúria alucinada & mirabolante, uma perseguição política militante – claro, está – contra o Povo, a Nação e o Estado; uma afadigada e doentia incursão que, a coberto de uma cerzida crendice ideológica atulhada de “reflexões econômicas” (!?), que revela o ralaço exibicionismo de quem nunca, com autoridade e competência, estudou, trabalhou e se fez Homem. Pelo contrário o que, meteoricamente, confirma a charamela de Coelho & Portas, com o arranjo cénico (de natureza persecutória, típica do estado paranóide) do inefável Gaspar, é o saque para proveito particular de alguns e dos próprios, a expensas do indígena e da paróquia. Na essência, a prosaica política destes inenarráveis sujeitos & seus validos é destruir, destruir, destruir. A insídia destes domésticos amestrados é o maior testemunho histórico, entre nós, de como a interminável farsa do amor pátrio proclamado pela classe política indígena readquiriu o labéu (sem surpresa) de intenção criminosa, o que, convenhamos, é muito mais que o eterno desprezo que nutrem pelos cidadãos eleitores. Até que um dia, de vez, o céu lhes caia sobre as cabeças. Et erit sepulchrum eius gloriosum. Bom dia![...]



COMO IDENTIFICAR UM MAÇON * Anúncio completamente grátis

2013-10-05T02:38:27.151+01:00

allowfullscreen="" frameborder="0" height="315" src="//www.youtube.com/embed/ddM7kJ9xQfA?rel=0" width="420">

V. Excia é da família do sr. José Cabral (genuflexão!), aquele que escarafunchou & vassourou a infame Maçonaria da paróquia nos tempos idos do dr. Botas de S. Comba (de muita memória), e está chocalhante de saudades desses sacros tempos? V. Excia arreganha (graciosamente) a dentuça quando se fala em maçonarias, enquanto dá brilho à venera cruz gamada ou à orelha de judeu que traz no bolso do casaco? V. Excia quer obsequiosamente conhecer a estoriadora Helena Matos para constituir família reaccionária e para se arrumar como escriba blasfémio em versão José Manuel Fernandes ou inspirado comentadeiro de blog, mas não sabe como desovar postas contra a infame pedreirada e o maçonismo? V. Excia, à cautela mas com grande espírito fraternal, deseja experimentar o sol alentejano (com cão de caça ao fundo) ou o Algarve pitoresco (burricando por Monchique) em companhia do eminente tudólogo M. Sousa Tavares, mas não sabe identificar um maçon (com palavra, peso e medida) de avental e jóias? V. Excia que tem uma paixão intelectual (e carnal) pelo sapientíssimo jornaleiro Ricardo Costa do Expresso/SIC, essa autoridade ou mito vivo da glória nacional, mas não dardeja (ou esgaratuja) um livre-pensador ou um jacobino (de perfil suave) a um palmo de si (em pé e à ordem) ou em contorno sugestivo? V. Excia, que é um José Agostinho de Macedo de sofá, almeja lutar pelo trono e o altar (e a divina Providência) espreitando, benevolente, trabalhos maçónicos, mas teme o irmão terrível e não sabe manejar o maço e o cinzel... então tem V. Excia ali (em cima) à sua disposição um magnifico vídeo doutrinal que não o deixa ficar filosoficamente atormentado quando se fala nos hereges filhos da viúva.

Boa noute!



EH! COMPANHEIRO: NÃO É A VIDA, NEM É A MORTE!

2012-01-02T18:34:02.571+00:00

width="370" height="287" src="http://www.youtube.com/embed/e7adFDo1Dyw?rel=0" frameborder="0" allowfullscreen>
"Queixa das almas jovens censuradas" - José Mário Branco [Poema de Natália Correia; Música de José Mário Branco; desenho de Jean Cocteau]

"...
Dão-nos um bolo que é a história
da nossa historia sem enredo
e não nos soa na memória
outra palavra que o medo

Temos fantasmas tão educados
que adormecemos no seu ombro
somos vazios despovoados
de personagens de assombro

...
Dão-nos um nome e um jornal
um avião e um violino
mas não nos dão o animal
que espeta os cornos no destino

Dão-nos marujos de papelão
com carimbo no passaporte
por isso a nossa dimensão
não é a vida, nem é a morte
"



BOM E FRATERNO 2012

2012-01-01T00:29:34.013+00:00

(image)

"...Sabes de que cor são os meus olhos?
São castanhos como as da minha mãe

Portugal gostava de te beijar muito apaixonadamente
na boca ...
"

[Jorge de Sousa Braga, in De manhã vamos todos acordar com uma pérola no cu]



NOTÍCIAS DA FRENTE

2011-12-19T00:07:24.944+00:00

"O bibliófilo é essencialmente um amante de livros e de temas que entra em demanda, que alguns denominam de caça (a venatio librorum, referida por Borba de Moraes e Pina Martins) …" [Pedro Teixeira da Mota, in O Bibliófilo Aprendiz, Letra Livre, 2011] [a menos de cinco dias do Solstício de Inverno] A inverneira, é sabido, dispensa a rua, até porque o tumor orçamental já nem com cataplasmas vai. O sr. dos Passos Coelho (criatura com acolhimento na austeridade teutónica de chez Merkel) cobrará (sempre) aos inexperientes da coisa pública quase tudo. Por isso, a mergulhia da "canalha" nos lavores caseiros não o atrapalham, até porque as dormideiras políticas ou a calda orçamental deste quasi selado ano lhe acalmaram as inflamações financeiras. Estamos deste modo soberbos no doce lar, que a sorte nos manda. A moléstia profunda virá já a seguir! É uma questão de tempo - entoamos nós, recorrendo à boa dicção do Gasparzinho da fazenda. Por tudo isso, os errantes cultores de papéis andam felizes nos requebros do livro antigo. Afinal os amantes dos livros – esses – só se arrependem das obras não compradas. Os experimentados sabem (como recita o grande Palladio) que se o amador de livros for curioso não lhe faltará a graça do seu divino ofício e, evidentemente, copiosas bibliografias a respigar. E será então caso para dizer como mestre Borba de Moraes: "um colecionador sem bibliografias é um operário sem ferramentas". - informam-se os estimados leitores deste estabelecimento, e para V. merecimento, que o regresso do Cão de Parar (ou moços do Vale do Mondego) ao V. aconchego vos (re)lança a sempre luminosa arte venatória (trabalhos de cena ou sacros) no meio dos mistérios ou ocultações bibliográficas que a alma do colecionador de livros perturbantemente professa … e cobiça. Para ledores caprichosos! - o leitor - exaurido que anda nas leituras dos Top livreiros - não pode olvidar a republicação da preciosidade que é o "Bibliófilo Aprendiz", de Rubens Borba de Moraes – AQUI adjudicado. Prosa farta e afamada, peça fervorosa, contendo inumeráveis gramáticas para uso do amador de livros. A ofertar neste anno gasparziano. - nos próximos dias (20 a 22 de Dezembro, pelas 15 horas) haverá lugar a um "Leilão de Livros, Manuscritos, Gravuras, Postais e Cartazes”, em parte proveniente do "valioso conjunto da Colecção António Capucho". O martelo estará a cargo do Palácio do Correio Velho. Consultar o seu catálogo AQUI. O Leilão realiza-se, como habitual, na Calçada do Combro, 38 A - 1º, Lisboa. - CATÁLOGOS do Mês: a Frenesi Loja (livros antigos, raros, esgotados, manuscritos), convenientemente alojada na Internet, lançou um Catálogo especial com 795 peças bibliográficas, de muita estimação e a preços fora de crise, com descontos consideráveis. Pedir AQUI; saiu o Boletim nº 120 da Livraria J. A. Telles Sylva, como sempre irrepreensível para o amador de livros; a Livraria Castro e Silva apresenta o seu 131º Catálogo com (680) peças muito estimados, seguramente de grande iluminação; a Livraria Moreira da Costa (Porto) lançou o seu Boletim de Dezembro, com um conjunto de peças bem curiosas. - [LÁ POR FORA] a Librairie Ivres de Livres apresenta o catálogo do mês; é de seguir o curioso Leilão (dia 20) da Bibliothèque d’um Amateur pela Baron Ribeyre & Associés (Paris). Catálogo AQUI; de novo recorremos a estimada Weiser Antiquarian Books e, naturalmente, ao seu autorizado quanto invulgar 95 º Catálogo (online). - por último, os nossos curiosos ledores ao Vale de Coimbra têm o privilégio de assistir aos Natais do Torga pela Bonifrates (nossa casa paterna), nos próximos dias 20 (21,30 horas) e 22 (18,30 horas) na Casa Museu Miguel Torga. A não perder![...]



DR. VALENTE AND MR. PULIDO

2011-12-09T20:04:41.045+00:00

(image)
e esta? Não era costume
personagem tão nobre entrar assim
quando a peça vai ainda no ensaio
” [M.C.V.]

Vasco Pulido Valente (funcionário público), por caridade ao Estado que o amamenta e em concupiscência bem académica, planta a sua conhecida boa-língua ao dono da paróquia – o varonil Passos Coelho. Que na moita de Mr. Pulido caiba - em absoluto - meio mundo, do híbrido Portas à Führer Merkel, passando pelo paisano Gaspar até ao bardo Álvaro, não incomoda nem é de espantar nesta exótica botica. O funcionário público é um sujeito (à cautela) esquecido, irrepreensível na oratória à voz do dono, esmerado nos confeites e nas ilusões das migalhas do poder e outras minudências. Vasco Pulido Valente (funcionário público) é, assim, juiz em causa própria. E não haverá sobressalto patriótico algum que o tire do seu doce remanso.

Vasco Pulido Valente (ilustre historiador), por decência pessoal e amor às belas letras, afina as sua croniquetas nos jornais por diatribes palavrosas ao naufrágio histórico dos nossos egrégios avós. O conhecido historiador verbera & especula pranchas salvíficas enquanto escavaca (meticulosamente) os nossos sucessos inglórios, a nossa proverbial “vil tristeza” e a colossal “habilidade indígena”. O Dr. Valente (mito vivo da superstição “libaral”), à míngua da farpela universitária destes dies irae, em que pontificam alucinados merceeiros-contabilistas, numa assuada sem nenhuma argumentação credível, adscreve, num perfeito manual de civilidade, a desvirginação do casto Coelho, encomendando a sua viciada alma e o vulgar corpo a santa Merkel, a fim (como diria P. Louys) de o voltar a ser. A torrente “neolibaral” inspira sempre, por chateza pátria, um qualquer historiador.

Temos, assim, na tribunícia anti-Estado, o dr. Valente e mr. Pulido, de olheiras pisadas pela velha República (à atenção do inefável contador de histórias Jorge Morais) e esbugalhado pela turgência do novo império alemão, a defender o pleito de Coelho & Portas, numa notável quanto desastrada facúndia. Nada de bipolar ali é esculpido, porque ao dr. Valente e mr. Pulido – que como se sabe, não é “capado politicamente” - após a sombra vem sempre a luz. O doce eflúvio está a florir. Esperemos, portanto, “sobre os dois seios de Trafalgar Square” [M.C.V.]. Disse!



ANNIE ERIN CLARK - ST. VINCENT "STRANGE MERCY"

2011-12-08T03:03:48.470+00:00

(image)

width="370" height="287" src="http://www.youtube.com/embed/rEFzHLJrouA?rel=0" frameborder="0" allowfullscreen>
"Strange Mercy" - St. Vincent

"Oh little one I know you've been tired for a long, long time
And oh little one I ain't been around a little while
But when you see me, wait

Oh little one your Hemingway jawline looks just like his
Our father in exile
For God only knows how many years
But when you see him, wait
Through double pain
I'll be with you lost boys
Sneaking out where the shivers won't find you ..."
[AQUI]

LOCAIS: St. Vincent / St. Vincent / St. Vincent - "Strange Mercy"



O BIBLIÓFILO APRENDIZ

2011-12-07T00:32:00.862+00:00

LIVRO: O Bibliófilo Aprendiz [c/ apresentação de Pedro Teixeira da Mota];AUTOR – Rubens Borba de Moraes;EDIÇÃO – Livraria Letra Livre."Só ontem pude iniciar a leitura, por outras sucessivamente adiada, de ‘O Bibliófilo Aprendiz’, de Rubens Borba de Moraes (edição Letra Livre). Tratando-se, como bem avisa nota de capa, da ‘prosa de um coleccionador para ser lida por quem gosta de livros’, não me deixei intimidar pela circunstância de não ser coleccionador de obras raras, ainda que visitante episódico e pouco criterioso de alfarrabistas. Entro nos alfarrabistas como entro nas igrejas vazias, para sentir a atmosfera, namorar e folhear, e quando calha, comprar livros que, naquele momento, me possam seduzir. Não tenho um plano, salvo se procuro alguma edição preciosa para apoio ao trabalho na rádio. Entrei, assim, neste livro, com um aprazimento desobrigado de quem apenas se rende à prosa fina e cativante de um homem de muito saber. Logo no prefácio, ele faz uma declaração de intenções: ‘Falar de livros é a melhor das prosas’.Rubens Borba de Moraes, falecido em 1986, fundou e dirigiu bibliotecas, coleccionou e estudou livros antigos. A biblioteca de Borba de Moraes, tomada por um outro coleccionador [José Mindlin] brasileiro (que a juntou à sua já considerada uma das mais importantes da América Latina) foi doada à Universidade de São Paulo. Estou a lê-lo como se o escutasse falando de livros agora que, como ele escreve, ‘não se proseia mais à porta de livraria, não há mais café onde se possa conversar, não se vai mais à casa de um amigo dar uma prosa, com medo de perturbar o seu programa de televisão’. Ele escreve para bibliófilos e não me sinto excluído. Sigo o fio das suas histórias, como se ele folheasse para mim, proseando, o ‘Tratado único da Constituição Pestilencial de Pernambuco’, de João Ferreira da Rosa, impresso em Lisboa em 1694, o livro em que surge ‘a primeira observação, a descrição clara e inconfundível da febre amarela’, um livro raríssimo. Ou o primeiro livro sobre o Brasil escrito em português, ‘Historia da prouincia sa[n]cta Cruz a que vulgarme[n]te chamam Brasil", impresso em Lisboa em 1576, escrito por Pêro de Magalhães Gândavo, do qual eram conhecidos sete exemplares em todo o mundo até que, em 1946, surgiu um oitavo que ele, Borba de Moraes, comprou para a Biblioteca Nacional do Rio.‘Coleccionar não é juntar livros (...) É o prazer em encontrar o exemplar desejado’, escreve ele. E mais: ‘O verdadeiro bibliófilo sabe o que compra’. Isso o distingue do mero comprador de livros. Ora eu, mero comprador de livros, que tantas vezes não soube o que comprava, vou continuar a mergulhar neste livro como se entrasse num lugar de culto. Como um bibliófilo aprendiz." [Fernando Alves, in programa SINAIS, TSF - sublinhados nossos][...]



RESTAURAÇÃO DE PORTUGAL

2011-12-01T18:04:54.754+00:00

(image)
"Em 1640, uns bravos que não olhavam para os homens do país vizinho, positivamente como nós olhamos para as mulheres, tiveram a ideia de os despedir da sua longa visita de sessenta anos e, um dia, ao jantar, atiraram-lhes com os pratos à cara, voltaram a mesa de banquete e arremessaram-nos pelas portas e janelas.

Este facto, que pode parecer, à primeira vista, de uma indelicadeza espantosa, tem todas as cores de uma bela acção, quando se pense que os portugueses entravam no banquete para servir à mesa, de onde os haviam tirado à força.

Ora a luta pela vida é uma verdade incontestável e fatal; demais os hóspedes comiam como uns desalmados e os pobres criados limitavam-se a escorropichar os copos ou a engolir sorrateiramente alguma batata frita, no caminho da cozinha para a casa de jantar.

Isto era triste, e como a paciência tem limites, um belo dia levantaram-lhes a manjedoura, como se costuma dizer, furaram uns, esfolaram outros, e esta coisa foi chamada a Restauração de Portugal


in A comedia portugueza: chronica semanal de costumes, casos, política, artes e letras, 1 de Dezembro de 1888 [digitalizado via Hemeroteca Municipal de Lisboa]

via ALMANAQUE REPUBLICANO



BIBLIOTECA DE ANTÓNIO BARATA - LEILÃO DIAS 21 A 23 DE OUTUBRO

2011-11-20T00:38:57.120+00:00

LEILÃO: Biblioteca de António Barata e Outras Proveniências;DIAS – 21, 22 e 23 de Novembro (21 horas);LOCAL – Palácio da Independência (Largo S. Domingos, 11, Rossio), Lisboa;ORGANIZAÇÃO – José Vicente, Leilões CATÁLOGO – AQUI José Vicente (Livraria Olisipo) organiza um curioso Leilão de Livros, Pintura, Gravura, Desenho, Serigrafia e Fotografia nos próximos dias 21, 22 e 23 de Outubro (21 horas) no Palácio da Independência (ao Rossio, Lisboa). São 1513 peças bibliográficas de muita estimação. Parte delas eram pertença do "distinto" livreiro António Barata, fundador da mítica Livraria Barata (Av. De Roma) e que toda uma geração de bibliófilos ou simples amigos dos livros e da leitura muito bem conhece. Consultar AQUI o CATÁLOGO."António Barata (1925-1983) foi um distinto livreiro, fundador da Livraria Barata, na Avenida de Roma, em Lisboa. Dedicou mais de meio século de vida ao livro. Começou a actividade na pequena livraria e tabacaria, dando mais tarde lugar ao espaço ampliado que hoje conhecemos. A biblioteca, com escolha criteriosa é composta de livros de arte, descobrimentos, história, regionalismo, literatura e poesia, muitos em tiragens especiais acompanhados de desenhos ou serigrafias, de que destacamos a importante obra de André Malraux - Roi, Je T’Attends à Babylone, ilustrada com 14 pontas secas de Salvador Dali e assinada pelo autor, por Dali e pelo editor Skira, publicada em Genève, em 1973. Compreende ainda muitos livros de oferta, com as dedicatórias dos respectivos autores.Para melhor compreendermos esta figura da cultura portuguesa, seleccionamos algumas frases suas e de personalidades da cultura incluídas na obra - António Barata – Um perfil'...Da vária e intensa colaboração que Barata, a seu modo, deu à cultura portuguesa é supérfluo falar. Retenhamos apenas a anotação breve de que, na sua dedicação á actividade que exerceu, António Barata contribuiu para que nós, os escritores, pudéssemos existir…' [Vergílio Ferreira]'...Tal como o próprio livro que «só se abre se o alguém o abre», como escreveu João Cabral de Melo Neto, António Barata, no natural retraimento da sua personalidade, a ninguém desejava impor-se – e antes pacientemente aguardava que o «folheassem», que o consultassem, para só então entre mostrar todo o imenso tesouro da sua sensibilidade e da sua inteligência….'. [David Mourão-Ferreira]Em 1964, António Barata foi preso pela PIDE na sequência de imensas buscas à Livraria e á sua residência. Permaneceu um mês na cela 11 do Aljube.'Estive preso, não por pertencer a algum movimento, como muita gente pensava, mas por causa dos livros.''O fim do negócio é sempre o lucro, mas neste ramo, é um pouco diferente, a paixão já é uma quota parte desse lucro.'Após a sua morte, a esposa D. Zélia Barata mandou proceder ao inventário da biblioteca. A empresa encarregada da catalogação, colocou no frontispício dois carimbos distintos: um com o nome de D. Zélia e outro com uma minúscula barata. Este último carimbo aparece também em algumas folhas do texto.Uma biblioteca que ficará disponível para ser ser disputada por bibliófilos, comerciantes e coleccionadores. Cumpre-se o círculo: Os livros são pertença da humanidade e pagamos para os ter durante um período da nossa vida"José F. Vicente, in Biblioteca de António Barata - nota introdutória ao Catálogo do Leilão da Biblioteca António Barata e Outras Proveniências[...]



VIVA BRASSENS!

2011-10-24T00:30:10.325+01:00

(image)

width="370" height="281" src="http://www.youtube.com/embed/l4Q7urIVYAE" frameborder="0" allowfullscreen>

"Je veux dédier ce poème
A toutes les femmes qu'on aime
Pendant quelques instants secrets
A celles qu'on connait à peine
Qu'un destin différent entraîne
Et qu'on ne retrouve jamais ...
"

GEORGES BRASSENS - Les Passantes



O BELO E O MONSTRO

2011-10-23T01:15:54.501+01:00

"Princeps legibus solutus" Nesta insultuosa contenda sobre a "crise", onde o malabarismo verbal convida muitos gênios e tudólogos da felicidade económica - quase todos ex e actuais funcionários públicos (como o inefável Eduardo Catroga ou o funcionário público VPV) -, a perorar o amanhã que pronunciará a eficiência económica indígena (com Musgrave, claramente, alheio a essa douta actividade de afectação e estabilização de recursos) e a pensar os bens públicos e o nível da sua despesa (e como mediram o seu output? Oh! respeitáveis sábios) com atrevidos óculos "libarais", a nossa putativa remissão será sempre essa comédia ingénua (ou esse cavar de vida) de a tudo isso complacentemente assistirmos, provincianos que somos.O túmulo que nos espera, fruto desse fervor neoliberal talhado por um curioso grupelho provocatório & de ambição desmedida, cerra (de vez) a nossa incontornável falta de assombro cívico, de vigor para com o progresso e a evolução social e ornamenta a nossa frontaria duma colossal falta de liberdade e exercício cívico, liberdade essa que, aliás, nunca soubemos (ou quisemos) exercer. O cortejo fúnebre do rebanho dos eleitores da governação será (é, já!) colossal. O enxertado governo (ou agremiação de suicidas) que preside à paróquia age numa vaidade escouceante e total impunidade. Na sua singular agonia, a gerência da fazenda é, em modéstia e por piedosa falha de verve intelectual, administrada por duas figuras aventureiras e obscuras, ambas curveteadas a essa "grande arte de viver" (Cícero) da ortodoxa troika. Um tacteia a intimidade doméstica do país em sucessivas mentiras programadas (batendo copiosamente o eng. Sócrates) e, em messiânicos discursos (decerto, por modéstia profissional), julga-se o salvador da pátria, numa assombrosa e dissimulada impostura; o outro, o "idiota útil" – aquele que uma vez sublimou o espírito com a leitura de Marx –, enturvado no seu ódio ao Estado e ao funcionalismo público, representa o poder dos burocratas e do grupo de interesse neoliberais. Sem mácula, o belo "idiota útil" assume que a eficiência nos custos da austeridade são os que transportam menores "custos de peso-morto" no mercado político (e que levaria - sem rebuço - ao óptimo de Pareto), pelo que a eficiência e equidade das medidas tomadas contra a canalha do funcionalismo (essa corja!) estariam explicadas, mesmo se a lacrimosa advertência do economista Cavaco Silva (o monstro) o acosse. O belo "idiota útil", na sua mecânica racional e estouvada utilidade métrica da austeridade, poderá destruir o Estado, anestesiar os indígenas, sangrar o país e o que mais lhe aprouver na sua monomania ideológica, mas nunca vergará a liberdade individual de participar na res publica e de assim sermos, com dignidade, homens livres - patiens quia aeternus.[...]



LEILÃO DE LIVROS, MANUSCRITOS, FOTOGRAFIA, PINTURA, GRAVURA, DESENHO, ACÇÕES – 24 A 26 DE OUTUBRO

2011-10-21T19:55:56.832+01:00

LEILÃO: Livros, Manuscritos, Fotografia, Pintura, Gravura, Desenho, AcçõesDIAS – 24, 25 e 26 de Outubro (21 horas);LOCAL – Palácio da Independência (Largo S. Domingos, 11, Rossio), Lisboa;ORGANIZAÇÃO – José Vicente, Leilões CATÁLOGO – AQUI José Vicente, estimado alfarrabista de Lisboa (Livraria Olisipo), organiza um interessante Leilão de Livros, Manuscritos, Fotografia & outras peças de grande valor, no próximo dia 24, 25 e 26 de Outubro (21 horas) no Palácio da Independência (ao Rossio, Lisboa). São 1597 peças seleccionadas muito estimadas, valiosas e raras que são colocadas em praça e que os amantes dos livros (ou simples curiosos) podem AQUI confirmar, via o seu esmerado catálogo.ALGUMAS REFERÊNCIAS: importante e valioso conjunto de Manuscritos (mais de 100 lotes, de assuntos variados, sendo de realçar as Pruebas de Nobleza e Hidalguia de D. Martin de Hondategui Urrutia, um Auto da Fé celebrado em Lisboa em 24 de Outubro de 1717, uma curiosa carta de Lyon de Castro convocando (mais uma) reunião conspirativa contra Salazar, autógrafos (67), Estatuto da Venerável Ordem Terceira, dois Diplomas Maçónicos proveniência do GOLU emitidos a Euclides Goulart da Costa, etc.) / um conjunto bem curioso de Acções e Títulos (sec. XIX e XX) / Pombalina (lote de leis interessante) / um conjunto apreciável de Desenhos, Gravuras e Serigrafias de distintos autores (Stuart Carvalhais, Cruzeiro Seixas, Francisco valença, Vieira da Silva, …) / lotes de Fotografias (de notáveis figuras nacionais) / a invulgar e rara peça de colecção de José Maria Bomtempo, Compendios de Matéria Medica …, 1814 / [revista] Almanaque (18 vols), Graal (IV vols), Litoral (VI numrs), Mundo Literário (53 numrs), Operação 1 (do Jornal do Fundão) / Enciclopédia Tauromáquica Ilustrada, de J. Duarte de Almeida, 1962 & (do mesmo autor) a importane História da Tauromaquia, 1951, II vols / a raríssima Arte da Cavallaria de Gineta e Estardiota …, de A. Galvão d’Andrade, 1678 / A História Geral dos Jesuítas …., de Lino de Assunção / rara obra publicada em Londres, Authentica Memoirs Concerning the Portuguese Inquisition …, 1761 / a rara obra Mosteiro da Batalha, do Visconde de Condeixa, 1892 / A Chronica do descobrimento e Conquista da Guiné, de Azurara (1841) / peças bibliográficas de Camões (o raríssimo Lusíadas, Off. Vicente Alvarez, 1612 & outras edições do vate Camões), D. Duarte (Leal Conselheiro, 1854?), Francisco Sá de Miranda, José Agostinho de Macedo, Charles Darwin (Zoonomie, ou Lois de la Vie organique, IV vols), William Beckford, Duarte Nuno de Leão, Kircher (Sphinx Mystagoga, 1676, 2º ed.), Louis Ligier (notável peça), Bourgoing (Voyage du Duc du Chatelet, en Portugal, 2ª ed., II vols), Buffon, Chaumeton (Flore Medicale, 1814, VI vols), José Ferreira Borges, Capello e Ivens, J. Martins de Carvalho (de interesse maçónico) / os 16 vols da procurada Biblioteca de Instrução Profissional / os 18 notáveis opúsculos editados por Rómulo de Carvalho / o raro Órgão dos Bombeiros Voluntários Portugueses, Porto, 1889-92 / a admiravel, importante e muito rara Galeria Biographico-Contemporanea Luso-Brasileira (120 biografias, com respectiva fotografia, em III vols) / uma curiosa Camiliana (registe-se as edições primitivas do Amor de Perdição, Bohemia de Espírito, Delictos da Mocidade, Echos Humoristicos do Minho, Maria da Fonte, Maria! não me mates que sou tua mãe, Mosayco e silva, Nostalgias, 8 opúsculos da Questão da Sebenta, O Regicida, A Sereia, Seroens de S. Miguel de Seide, e[...]



OBRIGADO! PROFESSOR GOMES CANOTILHO

2011-10-20T01:09:51.839+01:00

(image)
Hoje [dia 19 Outubro] teve lugar, no auditório da Faculdade de Direito de Coimbra, a jubilação do professor doutor José Joaquim Gomes Canotilho: uma vida académica de um "vigor intelectual" [Jónatas Machado] generoso e eloquente, de raro brilhantismo e sincera eloquência, um guardião da ideia de liberdade e um "tribuno do direito e da justiça" [ibidem], um pensador activo e livre, "indiscutivelmente um aristocrata republicano da cultura e do talento" [ibid.], um "jurista completo" [ibid.], um cidadão íntegro.

Ao professor Gomes Canotilho o nosso Obrigado!

[na filosofia e na ética republicana] "as principais temáticas estão condensadas nas obras dos 'maitre-penseurs' (...): republicanismo, humanismo cívico, comunitarismo, democracia deliberativa, Estado de Direito e democracia, inclusividade política e social, e republicanismo pós-nacional. Afinal, a República é passado e futuro" [G.C. - ver AQUI]

"O núcleo essencial dos direitos sociais já realizado e efectivado através de medidas legislativas deve considerar-se constitucionalmente garantido, sendo inconstitucionais quaisquer medidas estaduais que, sem a criação de outros esquemas alternativos ou compensatórios, se traduzam na prática numa ‘anulação’, ‘revogação’ ou ‘aniquilação pura e simples desse núcleo essencial. A liberdade do legislador tem como limite o núcleo essencial já realizado" [Gomes Canotilho]

"É uma prova de humildade assumir que temos as mãos sujas" [e] "isso começa por nós" [G.C.]

via Almanaque Republicano



PEDRO PASSOS COELHO - BEST OF 2010/2011

2011-10-18T11:36:03.706+01:00

width="370" height="281" src="http://www.youtube.com/embed/gNu5BBAdQec?rel=0" frameborder="0" allowfullscreen>

PEDRO PASSOS COELHO - BEST OF 2010/2011 [via Aventar]

"não dizemos hoje uma coisa e amanhã outra" / "Não basta austeridade e cortar… não se pode cortar cegamente" / "espero que este orçamento não traga mais impostos" / "espero como futuro primeiro-ministro, nunca dizer ao país ingenuamente, que nunca conhecemos a situação" / "passados 5 meses o governo limitou-se a aumentar os impostos. Foi o próprio governo que confessou a sua incapacidade ... sempre o caminho mais fácil" / "...que não matemos o doente com a cura" / "não basta austeridade e cortar ..." / "...o IVA não é para subir" / "o governo está a prometer alienar participações como quem quer vender os anéis para ir buscar dinheiro" / "e que representa sempre o mesmo esforço, de tratar os portugueses à bruta e dizer ... agora não há outra solução ... nós temos um défice muito grande e temos de o pagar" / "o Estado deve dar o exemplo. Não devemos aumentar os impostos ... o orçamento que foi apresentado na AR este ano (ahhh) de alguma maneira vai buscar a quem não pode fugir ... que é os funcionário públicos ... e portanto precisamos de um governo não-socialista em Portugal".



O INTELIGENTE

2011-10-17T23:02:13.004+01:00

(image)

"O mais inteligente dos homens é, em douta opinião, aquele que se chama imbecil ao menos uma vez por mês, e hoje quem vai nisso? É reparar no que dizem, escrevem e fazem os nossos pluralistas duma figa.

Noutros tempos, um imbecil compenetrava-se de que o era, até convinha. Na longa noite fascista (oh, estes lugares-comuns são deliciosos) era prudente. Agora, acabou-se! E baralharam tão bem as cartas, numa batota tão sabida e repetida, que um homem inteligente já não se distingue do imbecil. Estes tipos, pós 25 de Novembro, fizeram-no de propósito.

Um imbecil, aliás não tem preço. Isto é, não vale nicles. Um traque sempre é qualquer coisa. E esta referência escatológica lembra-me que estou na hora de jantar..."

Luiz Pacheco, in Textos de Guerrilha



ALFABETO

2011-10-09T00:32:41.368+01:00

src="http://player.vimeo.com/video/29274467?title=0&byline=0&portrait=0" width="400" height="225" frameborder="0" webkitAllowFullScreen allowFullScreen>

The Alphabet 2 from n9ve on Vimeo.




ORAÇÃO REPUBLICANA

2011-10-07T00:28:16.866+01:00

(image)
"Mãe Nossa, que estais na Terra, bem abençoada seja a Vossa face, venha a todos nós a Justiça, a Igualdade sem demagogia, o sentirmo-nos gente entre gentes, capazes de fruir da Felicidade que o nosso Trabalho for capaz de conquistar, e seja feita a nossa vontade, nós que somos Obreiros do Tempo e da Charrua, da Pena e do Escopro, da Enxada e da Espátula, do Músculo e da Palavra. O Pão nosso de cada dia haveremos de o conquistar, contra o devorismo e a desmedida ambição, contra a manipulação e o Privilégio. Nós, que somos gente comum, sem deixarmos de ser Gente de suma importância nos caminhos do Futuro, nós que temos a universal certeza de que em nós reside o pão e a sopa quotidiana, o saciar da fome e a vingança da Iniquidade, nós, gente comum entre seres humanos vulgares, nós que somos a gota de água no deserto, o grão de trigo na Terra Inóspita do Sem Fim, nós que temos na palma da nossa mão o querer de uma vida mais séria e melhor, nós aqui vimos, junto da ara da Humanidade, colados à responsabilidade da Nossa precária Humanidade, para te dizeremos, Irmão de todas as estações, que não desistiremos de fazer a Justiça, de fazer a Liberdade sem licença, de edificar a Res Publica sem corrupção, para que as Crianças possam nascer em Paz e para que o Sol nascente nos ilumine a todos, nós aqui declaramos o nosso AMEN, como charneira de Salvação, como Arca de Aliança para todo o Sempre. Amen !"

Amadeu Carvalho Homem [in blog Livre e Humano]

via Almanaque Republicano



VIVA A REPÚBLICA!

2011-10-05T02:18:29.870+01:00

VIVA O 5 DE OUTUBRO! VIVA A REPÚBLICA!FADOS DA REPÚBLICA - DESTRUIR A MONARQUIAVITORINO - FADO REPUBLICANO"Sou republicano e livre-pensador por um ditame de consciência ou, por outras palavras, por um mandamento de moral" [Raul Proença]"... para um verdadeiro democrata, não há apenas a liberdade, mas nada existe, como fim humano, superior à liberdade; nada se pode fazer só com a liberdade, mas nada de humano de pode fazer também, sem ou contra ela. Que ideias tão maneirinhas não tenham ainda penetrado na consciência republicana é o que nos pode explicar muita coisa (…) Numa palavra, somos em geral maus democratas porque somos maus pensadores; por outras palavras, porque pensamos falsamente. O maior serviço que se pode prestar, pois, a este país, é obrigá-lo a pensar justo. Obrigá-lo … significa aqui criar todas as condições para se criar uma nova mentalidade …" [Raul Proença]VIVA A REPÚBLICA!Saúde e Fraternidade via ALMANAQUE REPUBLICANO[...]