Subscribe: Ortodoxo e Moderno
http://ortodoxoemoderno.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
city  dos  equipe  foi  jogo    league  mais  manchester united  manchester  muito  não  premier league  temporada  time 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Ortodoxo e Moderno

Ortodoxo e Moderno



Futebol Inglês



Updated: 2017-08-29T00:19:12.749-03:00

 



Ainda existe um fio de esperança

2012-02-22T00:07:35.358-02:00


Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)


Todos sabiam que a visita do Chelsea a Nápoles seria complicada e de que sair de lá com um resultado positivo seria maior ainda. Contudo, todos sabiam que os Blues tem um time com nomes interessantes e capacidade para jogar de maneira equilibrada contra o Napoli, todavia, a má fase vivida pelo time londrino impede que tal fato se realize e retrata a grande bagunça do time de André Villas-Boas tanto em situação tática quanto em situação interna. Com isso tudo, o resultado do jogo não poderia ser outra se não uma vitória dos italianos, que venceram pela confortável vantagem de 3 a 1.

Comparado as mais recentes atuações, os Blues até que não foram extremamente mal, mas foram mal, isso tem que se ressaltar. O time não tomou o mesmo baile que o Arsenal tomou do Milan, aliás, os comandados de Villas-Boas estiveram perto de surpreender quando, mesmo jogando mal, conseguiu abrir o placar com Mata após uma erro grotesco de Paolo Cannavaro.

Porém, apesar da vantagem, o Chelsea jogava de maneira desorganizada. A opção por deixar Frank Lampard foi tomada erroneamente, visto que Ramires e Raúl Meirelles não conseguiam ajudar totalmente a defesa, deixando claro que um homem a mais no meio-campo que pudesse voltar para auxiliar na marcação seria algo interessante. Sem contar que o meia inglês fornece um toque de classe ao meio-campo que desequilibra. Mas, Villas-Boas optou por Malouda que não sabia ao certo o que fazer e mais atrapalhou do que ajudou.

Mesmo com uma defesa que demorou a se encaixar no jogo, o Napoli deixou claro desde o início de que tinha plenas condições de vencer os ingleses de maneira tranquila, ainda mais impulsionado pela sua fanática torcida. Hamsik não apareceu tanto para o jogo, deixando trabalho de decisão para Cavani e Lavezzi que se aproveitaram dos mais diversos erros da defesa do Chelsea, principalmente do destemperamento da dupla de zaga David Luiz e Gary Cahill. Deu espaço para o uruguaio e argentino, é só lamento como diz a linguagem popular e foi assim que o Napoli conseguiu a virada de maneira tranquila, ressaltando quem mandava no jogo.

A derrota não veio de maneira tão desgrenhada como foi o Arsenal contra o Milan. O gol fora de casa foi algo importante. E, mesmo jogando um futebol apático e pouco eficiente, além de que se tem um forte adversário, o Chelsea ainda vê um fio de esperança para buscar um resultado positivo no jogo de volta em Stamford Bridge. Podendo assim, dar uma amenizada na turbulenta situação interna, além de poder garantir André Villas-Boas por mais um tempo podendo comandar os Blues.



Bale sem Lennon está para Romeu sem Julieta

2012-01-06T00:24:30.931-02:00

Muitas pessoas, principalmente as que acompanham poucos jogos da Premier League, estão surpresas com a grande campanha que faz o Tottenham na temporada 2011/2012. Na campanha passada, os Spurs conquistaram 62 pontos, ficaram na 5ª colocação e por conta disso o time não disputa a atual edição da UEFA Champions League. Aliás, o desempenho na UEFA Europa League foi pífio e a eliminação, precoce — porém, bem-vinda, pois o objetivo do time desde o princípio era se livrar desta competição que não interessava tanto para poder dar mais atenção ao campeonato nacional.


O próprio escritor deste post não apostava em uma sequência tão boa da equipe comandada por Harry Redknapp, que obteve 31 pontos de 33 possíveis entre a 4ª e a 14ª rodada. As duas derrotas iniciais foram totalmente aceitáveis: afinal, o time londrino enfrentou a dupla de Manchester, que começou a temporada embaladíssima. Porém, será que alguém parou para pensar quais são os pilares do Tottenham Hotspur Football Club?


Bale e Lennon são peças fundamentais para os Spurs. O camisa 3 ficou de fora de apenas de um jogo (vitória por 1 a 0 sobre o Sunderland em casa na 16ª rodada), marcou 7 gols e deu 7 assistências. O camisa 7 marcou presença em apenas 10 partidas (contusões impedem que ele tenha sequência), mas já anotou 2 gols e deu 3 passes decisivos. O Tottenham deixou de marcar apenas na estreia, quando perdeu por 3 a 0 para o Manchester United. Nos outros 18 jogos, 36 gols foram anotados.


Eles são bons, né? Entretanto, na maioria das vezes só funcionam bem quando jogam juntos. Basta olhar para os últimos cinco jogos da equipe na EPL:


Tottenham 1-0 Sunderland - apenas Lennon esteve em campo. Resultado: vitória apertada com gol de Pavlyuchenko em assistência de Van Der Vaart.


Tottenham 1-1 Chelsea - apenas Bale esteve em campo. Resultado: empate em um jogo onde o Chelsea dominou o 2º tempo e mereceu sair vencedor.


Norwich 0-2 Tottenham - apenas Bale esteve em campo. Resultado: vitória confortável com atuação brilhante de Bale. Os gols saíram em jogadas pelo meio.


Swansea 1-1 Tottenham - apenas Bale esteve em campo. Resultado: empate em mais um jogo onde o time não fez nada no 2º tempo e foi engolido pelo adversário.


Tottenham 1-0 West Bromwich - apenas Bale esteve em campo. Resultado: vitória apertada, onde os Spurs fizeram o gol e dormiram em campo. Faltou competência ao WBA para empatar.


Falta ao Tottenham um outro winger no elenco. Walker e Ekotto são jogadores no máximo bem razoáveis em termos ofensivos — nunca se sabe quando eles vão arrebentar ou não. Foi uma coisa ridícula ver o time tentando atacar pelo meio contra o West Bromwich, sendo que o adversário estava totalmente fechado. Bale foi o único jogador de lado de campo escalado no meio-campo e a equipe da casa não tinha a alternativa de pressionar pelas laterais. Numa das raras vezes em que isso aconteceu, saiu o gol, no 2º tempo, através de Defoe.


O Tottenham não pode jogar com Van Der Vaart improvisado pela ponta, porém não há ninguém no elenco, exceto Lennon e Bale, para fazer a função. Pelo bem da equipe, ao menos um jogador da posição tem que ser contratado nesta janela de transferências. Giovanni dos Santos e Rose são ponteiros, mas não atuam com frequência. As pernas de Lennon não estão aguentando e Bale provavelmente não conseguirá disputar as outras 19 partidas.



O principal problema do Newcastle não se chama Copa da África

2011-12-28T23:39:28.713-02:00

O Newcastle venceu na última segunda-feira o Bolton no Reebok Stadium por 2 a 0 e quebrou um jejum de quase 2 meses e 6 jogos sem vitória (o último triunfo havia sido diante do Everton na 11º rodada — 2 a 1 no St. James Park). Os Magpies foram a 30 pontos e possuem boas chances de chegar à zona dos times que se classificam para a UEFA Champions League, principalmente se considerarmos que os seus concorrentes – Chelsea, Arsenal e Liverpool – tropeçam demais ao longo da Premier League. Porém, para isso o alvinegro do Norte precisa se reforçar em um setor, e diferente do que muitos pensam este não é o ataque.É fato que Demba Ba foi essencial e decisivo em várias partidas, como contra o Stoke City, na qual fez os três gols na vitória por 3 a 1. Mas se a solução fosse apenas ele, o time não ficaria tanto tempo sem vencer. O francês naturalizado senegalês marcou 14 dos 25 gols do Newcastle no campeonato e esteve em campo nestes 6 jogos sem êxito. A maior dificuldade está sendo arrumar um substituto para Steve Taylor, que provavelmente só voltará a campo na próxima temporada.Perch entrou em seu lugar, mas não apresenta o mesmo nível de atuações, tanto que Williamson ganhou uma oportunidade contra o Bolton. O camisa 6 pode até agarrar o posto e formar dupla com Coloccini, mas não deve responder à altura. Alan Pardew pode aproveitar a janela que abrirá dentro de alguns dias e solicitar a contratação de mais um defensor, para garantir que não faltarão opções até maio.Quanto à lateral-esquerda, Ryan Taylor cria muito mais jogadas do que Santon. Nem é preciso avaliar a qualidade técnica do italiano; afinal, se fosse bem na Internazionale, porque não continuou na equipe de Milão? O corpo do meio campo está bem formado, ainda mais com o retorno de Tiotè. Ele se juntou a Cabaye, Obertan e Jonas Gutiérrez e compuseram a segunda linha de quatro no último jogo; na minha visão, formam a melhor combinação possível no atual elenco dos Magpies.Já em relação ao ataque, Demba Ba se ausentará em janeiro por causa da Copa da África, a qual disputará por Senegal. Não é uma tragédia, pois Shola Ameobi e Ben Arfa, jogando um pouco mais adiantado, são capazes de substituí-lo. E assim caminhará o Newcastle para o início de 2012, buscando uma vaga para a UEFA Champions League da próxima temporada. A vitória diante do 19º colocado não pode ser desvalorizada, o Bolton vinha animado após fazer 2 a 1 sobre o Blackburn. Os Magpies podem surpreender muita gente se jogarem tudo o que sabem.[...]



Mario Balotelli dando diversão ao chato mundo do futebol

2011-12-27T12:31:41.031-02:00

Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)Não a como negar que o mundo do futebol está ficando cada vez mais chato. Tomando proporções pragmáticas, os jogadores não podem demonstrar um pouco de irreverência e/ou fazer algumas loucuras que a imprensa já os condena. Acabando por obrigá-los a seguir uma certa noção de comportamento, como se os atletas fossem robôs e não jogadores de futebol.Contudo, um jogador vem mudando tal estigma e dando graça ao mundo do futebol. Este é o mais do que irreverente Mario Balotelli, irreverente pra uns, polêmico pra outros, idiota para muitos e gênio para poucos.O italiano, que chegou em 2010 ao Manchester City, coleciona atitudes, no mínimo, estranhas. A última delas é mais do que curiosa. Super Mario pagou uma rodada de 1000 libras pra toda a galera no bar e depois de tal atitude, foi a igreja. Comum? É óbvio que não.No Natal, o italiano saiu vestido de Papai Noel pelas ruas de Manchester distribuindo dinheiro para moradores de rua. Mostrando que apesar de tantas loucuras, tem bom coração.Se não bastasse estas atitudes, Mario sempre se mostra em posição marrenta, chegando até mesmo a dizer que apenas Messi era melhor que ele. Sem contar o fato de ter ido visitar um hospital com seus companheiros em um dia e no outro ter saído no tapa com Micah Richards em um treino.Em meio a todas estas ações, o atacante do Manchester City ainda arranja tempo para desrespeitar ordens de Roberto Mancini. Entre estes desrespeitos, vale ressaltar o fato dele ter tentado um gol de letra quando era pra ter chutado em um amistoso de pré-temporada, além de certa vez ter desacatado o técnico italiano ao deixar a concentração para jantar com seus amigos e dançar em uma boate.Por fim, uma das mais marcantes. No clássico do dia 23 de outubro, em que o City enfiou 6 a 1 no United, o jogador fez dois gols e ao comemorar um dos gols (seu primeiro), ergueu sua camiseta e em baixo havia outra peça de roupa com a inscrição: "Why Always Me?" (Por que sempre eu?), isto, em alusão aos problemas que arrumava e acaba por levar a culpa, sem contar o fato de estar sempre estar marcando gols e querer colocar sua tradicional marra em campo.Ainda se deve citar o fato de Balotelli ter incendiado sua casa após soltar rojões dentro dela, ter sido flagrado traindo sua namorada. De fato, um jogador MUITO diferente dos demais.Bem, Mario Balotelli pode ter muitos defeitos e fazer muitas loucuras, porém, vem em uma boa fase e é importante para seu time. Além de que, ele merece uma salva de palmas por não seguir a noção de comportamento, manter seu jeito louco e irreverente. E tudo isso faz com que todos os amantes de futebol se divirtam no chato mundo futebolístico.[...]



O buraco é mais embaixo...

2011-12-22T10:13:25.951-02:00


Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)

Antes de ver os investidores indianos chegarem ao clube por meio da empresa Venky, o Blackburn nunca foi um time brilhante, porém, não decepcionava seu torcedor, que viu a equipe chegar as semifinais tanto da Carling Cup como da FA Cup, sem contar que os Rovers sempre estavam na parte de cima da tabela brigando por uma vaga nas competições europeias, conquistando uma vaga três vezes nos últimos cinco anos.

Contudo, no dia 19 de novembro de 2010, a coisa começou a mudar em Ewood Park. Os indianos da empresa especializada em produtos farmacêuticos, além da produção de carne de frango, compraram o clube e mostraram que o sofrimento do torcedor do Blackburn não seria pequeno. 

Não tardou para que a primeira  decisão polêmica fosse tomada e Sam Allardyce acabou demitido. Steve Kean assumiu a equipe e a coisa piorou. Acostumado a terminar ao menos no top 10, os Rovers foram obrigados a se contentar com o inexpressivo 15° lugar ao fim da temporada 2010-2011.

Para a temporada 2011-2012, a confiança recaída sobre a equipe não era dos melhores. Com um técnico limitado (Steve Kean) e um elenco sem muitas alterações em relação ao da última temporada, a promessa de que a empresa Venky levaria o time ao topo da tabela parecia não acontecer e a realidade foi totalmente oposta.

Não conseguindo se encontrar desde o início do campeonato, o Blackburn já se encontra a três jogos sem vencer e a mais recente atuação contra o Bolton, que culminou em derrota de 2 a 1 e o ganho da lanterna da Premier League, mostrou que realmente as coisas estão uma bagunça e os enormes protestos da torcida são inevitáveis.

Steve Kean é limitado, não é nenhum salvador, de fato, não seria o homem ideal a levar para o topo do tabela. O treinador trabalha de acordo com sua capacidade, sem contar que os recursos oferecidos e o que ele tem em mão não possuem enorme qualidade, e, neste fato, a culpa recai sobre os donos do clube, que nunca se convenceram de que o escocês não era o homem certo para assumir o clube, além do fato de bons nomes a serem contratados é uma utopia, já que para essa essa temporada apenas inexpressivas promessas foram contratadas, ou seja, acima de tudo o elenco precisa ser melhorado.

Demitir Kean? Sim, é um fato compreensível. Mas, o buraco é mais embaixo, consertar a bagunça interna que o clube vive desde a chegada da Venky e melhorar o plantel podem fazer com que o torcedor dos Rovers volte a ter paz com seu time.



Os problemas do Chelsea de André Villas-Boas

2011-12-02T13:38:04.173-02:00

Contratado a peso de ouro, o técnico André Villas-Boas não conseguiu repetir no Chelsea o sucesso e o jogo eficiente que teve no PortoPor: Felipe Ferreira (@felipepf13)Quando contratado no início da temporada por nada mais nada menos que 15 milhões de euros, sob o salário de 5 milhões de euros anuais, o torcedor do Chelsea acreditou que a chegada do técnico André Villas-Boas ao time de Stamford Bridge, ainda mais após o português ter tido uma esplendorosa temporada frente ao Porto, tinha muito a somar ao time e render uma crescente enorme. Porém, as expectativas não atenderam e até mesmo a queda do treinador já foi especulada.Desde que assumiu os Blues, Villas-Boas treinou a equipe em 21 jogos, nestes, obteve 11 vitórias, 4 empates e 6 derrotas, se não bastasse isso, os torcedores convivem com as  ruins e irregulares atuação da equipe, que cambaleia na Premier League, já caiu fora da Carling Cup e encontra diversas dificuldades na UEFA Champions League. De fato, tal temporada é de longe um mar de rosas para o torcedor do Chelsea, mas uma coisa é muito bom ressaltar, o buraco não é tão superficial assim e o time já se vê com dificuldades em todos os setores.A defesa é o setor mais preocupante. Jogadas 13 partidas na Premier League, os comandados de André Villas-Boas já sofreram 17 gols. Na temporada 2004/05, ano em que Mourinho conquistou o campeonato nacional, o Chelsea deteve a marca de apenas 15 gols contras, mostrando que a fama de sólida defesa não é mais a mesma.Os problemas defensivos nessa temporada vão muito da dupla de zaga, Terry e David Luiz, não exprimem extrema confiança, sem contar as falhas de ambos, que vão desde a saída de bola (problema de Terry) até as saídas constantes ao ataque (problema de David Luiz). A lateral-direita segue como uma incógnita, muito em função de que um nome de confiança não foi encontrado até hoje, na esquerda, Ashley Cole não é mais o "porto-seguro" que demonstrava ser de seus primórdios em Stamford Bridge.Sem Essien, o Chelsea tem opções de sobra para usar na condição de volantes, mas, poucos, demonstram a mesma tranquilidade do ganês, sem contar o fato de que nenhum deles encontra facilidade na criação de jogo, restando o trabalho para o irregular Frank Lampard, que vem oscilando muito, novamente. Mata consegue encaixar uma boa sequência de jogos, mas não se mostra em condições de ser a maior referência no meio-campo. Malouda perdeu espaço desde a chegada de Villas-Boas e vem a ser mais uma carta fora do baralho. Somado a tudo isso, vem o fato de que o treinador português ainda não encontrou a maneira ideal de armar tal setor.O ataque é o que menos preocupa, mas também vem a causar dor de cabeça no técnico que ganhou tudo com o Porto na última temporada. Daniel Sturridge, após ter tido uma boa passagem por empréstimo pelo Bolton, ganhou espaço, não vem decepcionando e é um dos poucos que se salvam em uma equipe tão pouco elogiada. A incógnita é o parceiro de Sturridge, Torres nunca convenceu, porém, segue sendo o queridinho de Villas-Boas, já Drogba, mesmo com números superiores, vem esquentando o banco e pode acabar até mesmo por deixar a equipe, pelo fato do português ter certo receio em lançar dois atacantes de força. As demais opções são Kalou, que é de longe um brilhante atacante, o insatisfeito Anelka e o jovem Lukaku.O buraco do Chelsea pode ser mais embaixo. Por ainda não ter conquistado a diretoria e a torcida, muito em função de não ter correspondido o seu alto salário, André Villas-Boas vem sendo ameaçado e, mesmo dizendo que deve seguir até o fim da temporada, a sombra de Gus Hiddink vem seguindo o português, que caso não venha a convencer, não demorará a ser sacrificado.[...]



Parou no tempo

2011-11-24T12:30:08.347-02:00

(image)
O sucesso no futebol é temporário. O craque de hoje é o passado amanhã. As equipes de sucesso também não duram muito tempo, a não ser que vivam se renovando taticamente e melhorando tecnicamente. Para isso, a maior parte do elenco tem de ser jovem, como o Barcelona de Pep Guardiola. Se essa juventude não está presente, os nomes têm de mudar. Ficar preso aos velhos craques faz com que seu time ande para trás e perca espaço frente aos concorrentes.

É exatamente isso que vem acontecendo com o Chelsea. Potência financeira desde que o russo Roman Abramovich assumiu o clube, os Blues estão na quinta colocação da Premier League, a nove pontos de distancia para o líder Manchester City. Na Champions League, depois de perder para o Bayer Leverkusen nesta quarta-feira (23), fará um jogo decisivo contra o Valência na luta pela segunda colocação do grupo E.

Apesar de muitos apontarem o novo técnico André Villas Boas como o principal culpado, não dessa forma. Grande parte do elenco que atuava sob o comando de José Mourinho permanece no clube e, por força natural do tempo, não está mais no auge de suas carreiras. Nesse exemplo se enquadram Cech, Ashley Cole, Terry, Essien (constantemente machucado), Lampard (foto), Malouda, Anelka (que chegou com Hiddink) e Drogba.

A esses, somam-se Ivanovic, Mikel, Alex, Ramires e Raul Meireles, bons jogadores que podem fazer parte do elenco mas não tem qualidade para serem protagonistas. Bosingwa e Kalou são exceções e já deviam ter ido embora há muito tempo.

E qual foi a renovação dos últimos anos? Quase nada. Além de Meireles, chegaram Mata,David Luiz e Fernando Torres, enquanto o jovem Sturridge ganhou espaço entre os mais experientes. A única contratação de impacto foi o espanhol Mata. David Luiz pode ser um dos principais zagueiros da Liga, mas ainda tem alguns pontos para evoluir. Torres parece que desaprendeu a jogar futebol e Sturridge demonstra ter muita qualidade, mas ainda é uma aposta.

Pela força do elenco, o Chelsea tem tudo para ficar entre os quatro primeiros da Premier League e ser um adversário duro no mata-mata da Champions League. Porém, para ser campeão de um destes torneios, precisa de jogadores acima da média e no auge de seus rendimentos. Isso, atualmente, o Chelsea não tem. Enquanto a renovação não desembarcar em Stanford Bridge, os Blues serão coadjuvantes. Riquíssimos coadjuvantes.



O sucessor de Paul Scholes, Tom Cleverley

2011-11-12T23:45:33.183-02:00

Por Gustavo Bezerra - @gugagk Depois da aposentadoria de Paul Scholes, o técnico do Manchester United, Sir Alex Ferguson, procura um jogador á altura para suprir a ausência de um dos seus melhores atletas nesses 25 anos no clube inglês. Em tempos de crise financeira na zona do euro, os times acabam sentindo este reflexo negativo nas bolsas européias. Com isto, o número de contratações de grandes jogadores estão cada vez mais escasso. Pensando em uma alternativa mais econômica, e que pode render frutos no futuro, a direção do United está investindo pesado na base. Formado nas divisões inferiores dos Red Devil’s, o volante Tom Cleverley, é uma das apostas de Ferguson para comandar o meio campo do Manchester United na década. O jovem de apenas 22 anos foi emprestado para Leicester City, Wigan e Watford para adquirir experiência e, depois disso, Cleverley retornou a equipe do norte da Inglaterra, principalmente após a confirmação da saída definitiva de Scholes, um dos homens fortes do grupo mais que vitorioso do United nos últimos anos. Natural de Basingstoke, Cleverley, inclusive, já chamou atenção de Fábio Capello, que o convocou para representar a seleção inglesa, porém, uma lesão adiou sua estreia. ‘’ Tom é uma das brilhantes promessas do futebol inglês ’’, afirmou Ferguson a TV United. A confiança no meio-campista é tão grande que o Manchester United anunciou a renovação de contrato de sua joia por mais quatro anos. Agora, Cleverley precisa provar em campo que o maior clube do país não está equivocado em apostar suas fichas em seu futebol para manter o espírito vencedor que consagrou a era Sir Alex Ferguson.[...]



Somos grandes

2011-11-03T13:16:15.795-02:00

(image)
Por: Henrique Munhos (@HenriqueMunhos)

Um time de grandeza mundial não surge de uma hora para outra. Desde 2008, quando foi comprado pelo Shiek Mansour, todo mundo espera que o Manchester City se torne essa potência. Desde então, apenas um título, que foi a Copa da Inglaterra na última temporada. A classificação para a Champions League também veio somente para esse ano. Muito pouco para quem gastou rios de dinheiro ano após ano.

Finalmente, o panorama mudou. O Manchester City foi consertando os erros pouco a pouco e avisou que seria candidato a tudo que disputasse em 2011/2012. Se alguém tinha alguma dúvida, a goleada de 6 a 1 sobre o rival Manchester United, na casa do adversário, serviu para acabar com os questionamentos. Duas vitórias sobre o Villarreal, após um começo claudicante na Champions League, foi outro aviso.

Após seguidas demissões de treinadores, o Manchester City deu confiança a Roberto Mancini, que encontrou no 4-2-3-1 a melhor formação para a equipe azul. O sistema, ao mesmo tempo protege bem a zaga, já que 9 jogadores marcam, garante muita movimentação do meio para a frente.

Barry e Yaya Toure (foto) são volantes com qualidade no passe e que tem boa chegada a frente (principalmente o marfinense). A frente deles, o trio de meias não guarda posição fixa. David Silva, Milner (ou Nasri) e Aguero se mexem muito e dificultam a marcação adversária.

Mais do que um técnico de confiança e um sistema de jogo eficiente, um time que se dispõe a brigar por todos os títulos tem de contar com estrelas que decidam jogos. O City conta. Enquanto Aguero é artilheiro da Premier League, David Silva é o melhor jogador da competição até o momento. O espanhol, que é parece ser uma cópia de Iniesta, está em todos os cantos do campo, cria, chega a frente a ainda marca seus golzinhos. Na frente, Dzeko e Balotelli estão colocando as bolas na rede, que é função primordial do centroavante.

Um time de grandeza mundial tem de ter elenco. O City tem. Nasri ficou no banco contra os Red Devils, assim como Dzeko. Os dois, assim como Kolarov, Kolo Toure. Adam Johnson e De Jong (reservas na maioria dos jogos), seriam em titulares em muitos times do mundo. A profundidade do plantel é tão grande que, o melhor jogador do time na temporada passada, Carlitos Tevez, já é descartável.

Apesar da liderança com cinco pontos de vantagem na Premier League, nada está ganho, longe disso. Na Liga dos Campeões, a situação também não é tranqüila. O confronto contra o Napoli, fora de casa, na próxima rodada, será decisivo para o futuro do City.

Mesmo assim, o mundo ganhou mais um time que é olhado com muito respeito e até com medo pelos adversários. E esse time é o Manchester City.



Um hat-trick aqui, uma cabeçada ali e Demba Ba vai se consagrando

2011-11-02T12:23:30.566-02:00

Com hat-tricks importantes e oportunismo no jogo aéreo, o atacante Demba Ba vai se consagrando como um dos grandes destaques do surpreendente Newcastle

Demba Ba chegou ao Newcastle em ritmo lento após ter feito grande sucesso em uma passagem pelo West Ham. No entanto, o senegalês naturalizado francês vai se transformando em uma peça-fundamental dos Magpies e tem tudo para crescer ainda mais dentro do time.

Prejudicado no início por rumores que davam conta do islâmico Demba Ba estar sendo prejudicado por passar pelo jejum do Ramadã (mês sagrado da religião muçulmana), o jogador calou muitos críticos quando anotou um hat-trick na vitória sobre o Blackburn, depois, deixou sua marca em dois jogos consecutivos contra Tottenham e Wolverhampton, ficou sem marcar contra o Wigan, para voltar a se consagrar com um hat-trick no triunfo sobre o Stoke. 

Resumindo, desde que marcou seu primeiro gol (hat-trick contra os Rovers), Demba Ba anotou 8 gols em 5 jogos, média de 1,6 por jogo.

Se não bastasse esta grande marca que o atacante pode ainda aumentar, outro número impressiona. Em 6 cabeçadas que cabeceou no gol, o jogador marcou 4 gols. Ressaltando o oportunismo e frieza do atacante.

O Newcastle já se vê a 10 jogos invictos e na 3ª colocação da Premier League, se Demba Ba seguir nessa grande fase e não arrumar confusão querendo sair do clube (como fez em sua passagem pelo Hoffenheim), os Magpies terão uma grande contribuição para seguir postulando o status de maior surpresa dessa temporada.

Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)



Van Persie dos bons tempos

2011-10-30T19:52:47.234-02:00

Van Persie! Este foi nome da rodada no Campeonato Inglês deste último fim de semana. O atacante do Arsenal acabou com o Chelsea em Stamford Bridge. O hat-trick do holandês foi de suma importância para os Gunners vencerem os Blues por 5 a 3. Este foi mais um jogo em que as defesas dos times ingleses sofreram bastante, assim como a do Manchester United quando perdeu para o City por 6 a 1, entre outros resultados acachapantes. Melhor para os centroavantes, melhor ainda para o atacante Van Persie que conseguiu realizar sua primeira grande partida no inglês. E logo em um clássico, se não for o maior rival, é um dos maiores rivais dos Gunners na terra da rainha. A ascendência do Arsenal que saiu das últimas posições para alcançar a sétima colocação, faz acreditar que, a equipe de Londres pode chegar para brigar ao menos pela Liga dos Campeões. Enquanto a disputa pelo titulo, os próprios jogadores sabem que é muito difícil se igualar ao City e ao United, por exemplo, e não estou falando de pontos. Van Persie não desfruta de muita técnica, como outros artilheiros: Rooney, Aguero ou Torres, mas possui qualidade suficiente para ajudar o Arsenal a voltar pelas primeiras posições para a alegria dos torcedores do terceiro maior clube da Inglaterra, em números de conquistas no país. E tentar os melhores dias para o artilheiro holândes na Premier League, que o elegeu como o melhor em 2009 (mês de novembro) e 2005 (mês de outubro). Títulos na carreira: Arsenal § FA Community Shields: 2004 § FA Cup: 2004-05Por Gustavo Bezerra (@gugagk)[...]



O melhor dos piores

2011-10-06T23:39:16.968-03:00

(image)
Quem assistiu ao clássico entre Liverpool e Everton viu que o time azul fazia um jogo equilibrado até a expulsão, injusta, do volante Rodwell aos 30 minutos do primeiro tempo. Mesmo assim, os Reds foram marcar apenas na metade na metade da segunda etapa.

Isso prova que o Everton é um time muito organizado e com bons jogadores. Nas últimas temporadas, acostumou-se a terminar na sétima colocação da Premier League, posição que significa ser o melhor dos piores.

Com um orçamento baixo, o time dirigido há nove anos por David Moyes não consegue enfrentar o top 6, formado por Manchester United, Manchester City, Arsenal, Chelsea, Liverpool e Tottenham. A equipe não faz contratações caras e muda muito pouco o elenco de uma temporada a outra.

Se grandes estrelas não chegam, o clube também não faz muitas vendas, o que garante o entrosamento dentro de campo. Difícil lembrar de jogadores que saíram do Everton para figurar nos grandes clubes do país. Nas últimas temporadas destaco apenas três transações. O jovem Rooney, que desde cedo mostrava potencial para ser uma grande estrela, foi para o Manchester United. O zagueiro Lescott saiu para o Manchester City, enquanto, há poucas semanas, Arteta se transferiu ao Arsenal.

São poucas saídas, se considerarmos que o Everton faz boas campanhas nos últimos campeonatos. O time montado por Moyes não é vistoso e nem conta com grande técnica. Entretanto, é muito competitivo e difícil de ser batido.

O time azul conta com refugos de grandes clubes, como o goleiro Howard, o lateral/volante Phil Neville, o zagueiro Distin e o atacante Saha. As estrelas do time são o ótimo zagueiro Jagielka, o desengonçado volante/meia Fellaini e o meia-atacante australiano Cahill (foto), que, apesar de baixo, é ótimo do jogo aéreo e sempre marca seus golzinhos. Revelações como Rodwell e o meia Coleman também já começam a ganhar espaço.

Mesmo os principais jogadores do time não seriam titulares absolutos em equipes do top 6 (talvez apenas Jagielka). Assim como Arteta, que só chegou com status no Arsenal pois o caos se instalou nos Gunners após a derrota de 8 a 2 contra o rival Manchester United, e já mostrou que não será substituto de Fabregas ou Nasri. O espanhol, assim como Cahill, é apenas um bom jogador.

Nas últimas temporadas, o Everton sempre começa mal e vai se recuperando com o tempo. Passadas sete rodadas, o time é o 13º, mas tem um jogo a menos que os demais. Uma vitória nesse duelo já leva a equipe a 8ª colocação. Uma campanha consistente, com um futebol sólido, mas nunca bonito de se ver. É certo que o Everton será assim. O título de melhor dos piores, isto é, a 7ª colocação, também é muito provável.



Newcastle surpreende e é o intruso entre os primeiros da Premier League

2011-09-29T13:59:32.679-03:00

(image)
Após voltar a Premier League na temporada 2010/2011, o Newcastle terminou em 12 º lugar, uma campanha média para o tamanho do time, mas aceitável para um clube que havia acabado de subir de divisão. Entretanto, a equipe, que já havia vendido Andy Carroll, sua grande estrela, para o Liverpool, perdeu nada menos do que os seus três principais jogadores.

O lateral José Henrique seguiu o caminho de Carroll e foi para o Liverpool. O capitão Kevin Nolan se transferiu para o West Ham e irá jogar a segunda divisão. Descontente com essas perdas, Joey Barton criticou a diretoria publicamente e foi parar no Queens Park Rangers. Fracasso total e nova briga pelo rebaixamento? Longe disso. A equipe surpreende neste início de temporada e está na quarta colocação.

Em seis jogos, foram três vitórias e três empates. Com apenas três gols sofridos, o Newcastle tem a melhor defesa da Premier League. O setor não foi alterado em relação a última temporada. O holandês Tim Krul é o goleiro. Simpson atua na lateral-direita, Coloccini e Steven Taylor fazem a dupla de zaga e Ryan Taylor assumiu a lateral-esquerda. O italiano David Santon, que surgiu bem na Inter de Milão e depois decepcionou, pode ser boa opção para as duas laterais quando se recuperar de lesão.

A grande mudança aconteceu no meio campo. Quem faz a proteção da zaga é o marfinense Tiote. Apesar de viril em muitas jogadas, o atleta faz muito bem a função de marcação. Ao lado dele, o francês Cabaye, campeão com o Lille na última temporada, organiza o time e dá qualidade no toque de bola.

Jonás Gutierrez e Obertan são os wingers. O argentino, apesar de não ter muita qualidade técnica, é muito forte e veloz. Já Obertan, que chegou do Manchester United, é habilidoso e pode ter uma melhor sequência no time alvinegro.

Na frente, a grande contratação foi Demba Ba, que já havia sido um dos poucos que se salvou no rebaixamento do West Ham. No último domingo, ele marcou os três gols da vitória sobre o Blackburn. O centroavante titular é o jovem Best, que disputa posição com Ameobi. Entre os dois não há muita diferença. São jogadores fortes, de presença na área e pouca qualidade técnica.

O normal é que o Newcastle caia de rendimento e desça até a metade da tabela. Porém, com um bom meio campo e um ritmo de jogo muito forte, não deve brigar contra o rebaixamento, o que não deixa de ser supreendente.



O começo é bom, o final ninguém sabe

2011-09-23T10:15:35.128-03:00


Uma tenebrosa passagem pelo Manchester United, em que não teve muitas oportunidades graças a uma série de lesões, fez com que o meio-campo Owen Hargreaves fosse esquecido e condenado dentro da Inglaterra, tanto que seu vínculo com os Red Devils se expirou e o inglês chegou a nem ser procurado por times pequenos, no entanto, no último dia da última janela de transferências, o Manchester City acabou por apostar em um jogador que poucos acreditavam.

De fato, Hargreaves é bom jogador. Podendo jogar tanto pelas mais diversas funções do meio-campo como também de lateral. Não podemos deixar de ressaltar sua grande passagem pelo Bayern de Munique, que acabou o levando a Old Trafford, onde não se encontrou, para completar, uma série de lesões acabou por sacrificá-lo, fazendo com que todos ignorassem a qualidade do jogador.


Sob certa desconfiança e não jogando um jogo inteiro desde 2006, o meia desembarcou no Manchester City buscando recuperar suas glórias e mostrar, sobretudo ao torcedor inglês, que é capaz de jogar em um grande clube e apresentar o futebol que o levou para a terra da rainha.

Em sua estreia, o meia calou muitos críticos. Diante do Birmingham, equipe da segunda divisão, Hargreaves se movimentou bem, se mostrou totalmente diferente daquele jogador do United e, para fechar com chave de ouro, marcou um gol, mostrando que pode sim ser uma boa opção para Roberto Mancini.



Mesmo acreditanto que o inglês possa render bem, os últimos acontecimentos em sua carreira geram uma incógnita em cima de sua carreira. Com esse começo esperançoso, as expectativas aumentam, mas o final de sua saga pelo City segue como um ponto de interrogação.


"Em um jogo após dois anos, ele precisa de algum tempo para se recuperar. Mas, espero que Hargreaves tenha sorte no futuro". Isto foi o que disse Roberto Mancini, atual treinador do Manchester City, sobre seu novo comandado, mostrando bem o que o jogador precisa: sorte e paciência.

Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)



Na briga

2011-09-22T19:36:13.400-03:00

O final da janela de transferências serviu para colocar o Tottenham nos eixos. A equipe contratou o volante Scott Parker e o atacante Emmanuel Adebayor para duas posições carentes no time, além de firmar a permanência de Luca Modric.A prova do retorno da boa nova fase foi a goleada de 4 a 0 sobre o Liverpool, no último domingo. Contudo, o jogo foi atípico e contou com duas expulsões do lado dos Reds. Mesmo assim, o time de White Hart Lane foi superior desde o apito inicial.Parker, eleito o melhor jogador da última edição da Premier League em eleição da Associação dos Jogadores, chega para assumir a posição de primeiro volante. Com muita dinâmica e força na marcação, o jogador ainda dá qualidade no passe e bate bem de fora da área.Já Adebayor era a peça que faltava para completar o trio formado por Bale, Van der Vaart e Lennon. O atacante une força física e qualidade técnica, apesar de ser meio desajeitado. Além disso, chama a responsabilidade em jogos difíceis, coisa que os outros atacantes do elenco (Defoe, Pavlyuchenko e Crouch) não faziam.Tão importante quanto as duas contratações foi a permanência de Modric. Jogador fundamental no esquema de Harry Redknapp, o croata cairia como uma luva na maior parte das equipes do mundo. Prova disso é que foi sondado pelo Real Madrid e recebeu diversas propostas do Chelsea. Sem fazer comparações, Modric tem um estilo muito semelhante ao trio de volantes/meias do Barcelona: Fabregas, Xavi e Iniesta.O Tottenham também vendeu jogadores, como Hutton, Woodgate, Palacios, Jenas, Bentley e Crouch, mas estes não farão falta na temporada. Antes do final da janela, a equipe já havia se reforçado com o ótimo goleiro Friedel e o bom lateral-direito Walker, que estava emprestado ao Aston Villa. A formação segue no 4-2-3-1 tradicional. O time base deverá ser formado por: Friedel, Walker, Dawson, King (Gallas) e Assoul-Ekoto; Parker, Modric; Lennon, Van der Vaart e Bale; Adebayor. Redknapp ainda terá bons reservas a disposição, como Kaboul, Sandro e Pienaar, principalmente.A não classificação para a Champions League ajudará o clube, que focará todas as atenções na Premier League. Na temporada passada, apesar de eliminar o Milan e chegar as quartas-de-final, perdeu forças no campeonato nacional e acabou de fora do top 4.Com esses reforços e a permanência de Modric, brigará muito forte para ficar entre as quatro primeiras posições e, quem sabe, terminar a frente do rival Arsenal depois de tanto tempo.Por: Henrique Munhos (@HenriqueMunhos) [...]



Queens Park Rangers: o novo milionário do futebol inglês

2011-09-19T20:40:38.316-03:00

O assunto do meu comentário desta semana não está relacionado a Manchester United, Manchester City, Arsenal, Liverpool e Chelsea, times considerados favoritos ao título do Campeonato Inglês. Falarei um pouco sobre o Queens Park Rangers, clube que promete investir pesado para tentar se aproximar dos grandes da Terra da Rainha nos próximos anos.Um dos caçulas da Premier League nesta temporada, o QPR possui um poderio econômico de causar inveja aos clubes medianos. A equipe sediada em Shepherd’s Bush, nos arredores de Londres, foi comprada em 2007 por Bernie Ecclestone, ‘chefão’ da Fórmula 1, e Flavio Briatore, ex-chefe das escuderias Benetton e Renault. Em agosto deste ano, os dois venderam suas ações para o malaio Tony Fernandes, dono da Lotus F1.Antes da chegada de Fernandes, o QPR havia contratado jogadores experientes e com passagens por grandes times da Terra da Rainha e até pelo English Team. Nomes como o zagueiro Anton Ferdinand (irmão de Rio Ferdinand, do Manchester United), os meias Kieron Dyer e Joey Barton (ambos ex-Newcastle) e o atacante Shaun Wright-Phillips (ex-Chelsea e Manchester City) reforçaram a base campeã da Championship na última temporada. Fernandes assumiu o Rangers e logo prometeu contratações de impacto, de olho em um projeto ambicioso. A principal delas seria David Beckham. O astro de 36 anos estaria disposto a deixar o Los Angeles Galaxy e retornar para o futebol inglês, com o objetivo de disputar a Eurocopa e as Olímpiadas de Londres pela seleção inglesa. Com o caminhão de dinheiro que o malaio tem à disposição, não duvido que o sonho de trazer Beckham para Loftus Road se torne realidade na janela de transferências de janeiro. No entanto, ele terá que enfrentar a concorrência do Tottenham. O técnico dos Spurs, Harry Redknapp, não esconde o desejo de tê-lo no elenco. Enquanto o “Spice Boy” não chega, o QPR atravessa bom momento e faz surpreendente campanha para um recém-promovido. Em cinco rodadas, venceu duas e empatou uma. Com sete pontos ganhos, o time está no meio da tabela e, se continuar assim, pode almejar uma vaga nas competições europeias ao fim do campeonato. Após a goleada sofrida para o Bolton na estreia, não sabe mais o que é perder na Premier League. Se o projeto de Tony Fernandes de montar um grande elenco vingar, o Queens Park Rangers tem condições de entrar em campo em igualdade de condições com os gigantes do país. Só para ter uma ideia é preciso ver os exemplos de Chelsea e Manchester City, que subiram de produção depois de terem sido comprados por multimilionários, como o magnata russo Roman Abramovich e o sheik Mansour Al Nahyan.Por: Maycon Schimidt Santos (@Maycon_Santos)[...]



Preguiçosos na Champions League, Manchester e Chelsea priorizam o clássico

2011-09-15T15:06:46.088-03:00

(image)
Titulares poupados, desempenhos sem grande intensidade e a escolha por priorizar claramente o clássico do próximo domingo. Essa foi a tônica dos jogos de Chelsea e Manchester United na primeira rodada da Champions League. O Blues venceram o Bayer Leverkusen por 2 a 0 no Stamford Bridge, enquanto os Red Devils empataram com o Benfica em 1 a 1, fora de casa.

O Manchester preferiu utilizar um time mais experiente. Entraram Fletcher, Carrick, Giggs, Valencia e Park, saindo Cleverley (contundido), Anderson, Nani, Young e Chicharito. Em geral, o time foi dominado pelos portugueses. Quando quis um pouco mais de jogo, teve o controle e atuou no campo de ataque. Isso aconteceu no final do primeiro tempo e no começo do segundo.

Giggs, o mais experiente do elenco, fez o gol que garantiu um ponto que ficou de bom tamanho para o Manchester United. Em um grupo que conta ainda com Basel e Otelul Galati, a classificação em primeiro lugar não deverá ser problema.

No domingo, todos os jovens, com exceção de Cleverley, devem voltar ao time. Carrick deve ser o primeiro volante. A expectativa é que a mobilidade mostrada nas primeiras rodadas da Premier League faça a diferença contra o estático Chelsea.

Os Blues não pouparam tantos jogadores como seu rival. Dos titulares absolutos, ficaram de fora apenas Terry e Lampard. A vitória de 2 a 0 foi construída com boas atuações de David Luiz e Mata (foto), que foram inclusive os autores dos gols. Anelka entrou na segunda etapa e também teve boa atuação. Apesar do grupo ser um pouco mais complicado (conta ainda com Valência e Genk), os ingleses também deverão ficar com a liderança.

Contra o Manchester, resta saber quem fará o trio de meio campo com Lampard e Mikel. O escolhido, pelo poder de marcação, deve ser Raul Meireles. Outra dúvida está instalada no ataque. Mata é jogador de mais mobilidade e titular absoluto. Fernando Torres será o centroavante. Anelka, Kalou, Malouda e Sturridge brigam pela terceira vaga. Aposto em Anelka.

Apesar de não ter brilhado nesse começo de temporada, o Chelsea é muito forte e não será facilmente batido como o Arsenal. Os Blues devem apostar em um jogo truncado e de forte marcação. Na frente, a esperança fica por conta dos espanhois Mata e Fernando Torres. O segundo, que não deslanchou no novo clube, sempre é destaque contra o Manchester.



Tévez e Agüero juntos no ataque do City. Sim, é possível!

2011-09-12T20:28:39.089-03:00

Olá amigos do Ortodoxo e Moderno! Sou Maycon Schimidt Santos e estou fazendo a minha estreia neste blog direcionado aos aficionados pelo futebol inglês, onde há alguns dos gigantes da Europa, como Manchester United, Manchester City, Chelsea e Arsenal, além de vários jogadores renomados no futebol mundial.Vou começar falando da dupla de ataque do Manchester City, formada pelos argentinos Carlitos Tévez e Sergio “Kun” Agüero. Será que esses dois jogadores, que vivem momentos distintos em suas carreiras, podem ajudar os Citizens a finalmente conquistar o título inglês, algo que não acontece desde 1968? Tévez foi peça importante na campanha do time comandado pelo técnico Roberto Mancini na temporada passada, que culminou no título da Copa da Inglaterra e na terceira colocação na Premier League, que classificou a equipe para a Liga dos Campeões da Europa. No entanto, o Apache vive um momento de baixo astral no início desta temporada. Ele foi um dos responsáveis pela eliminação da seleção argentina na Copa América ao desperdiçar sua cobrança na disputa de pênaltis contra o Uruguai, nas quartas de final. No mais, quase deixou Manchester alegando saudade das filhas que vivem na América do Sul e por pouco não acertou seu retorno ao Corinthians. Como nenhum clube apresentou proposta que convencesse os sheiks do City a liberá-lo, Tévez permaneceu no elenco e possui a confiança de Mancini. Mesmo assim, o camisa 32 perdeu a faixa de capitão para o zagueiro Kompany e, pelo jeito, terá que recuperar o posto com boas atuações dentro de campo.Já Agüero está em boa fase em sua carreira. O jovem artilheiro de 23 anos custou 45 milhões de euros (cerca de R$ 101 milhões), sendo a contratação mais cara da história do City. Revelado pelo Independiente, deixou a Argentina muito cedo para jogar pelo Atlético de Madri. Chegou ao clube espanhol em 2006 e desde então foi um dos principais jogadores da equipe. Ao lado do uruguaio Diego Forlán, ele ajudou a conquistar a Liga Europa em 2010.Logo nos primeiros jogos na Terra da Rainha, Agüero justificou o alto investimento em seu futebol. Entrou em campo cinco vezes pela Liga e marcou seis gols. A média de 1,2 por partida chega a impressionar e fazer com que os torcedores da parte azul de Manchester esperem que o “hermano” proporcione muitas alegrias.Portanto, na minha opinião, a combinação de opostos entre Tévez e Agüero tem tudo para dar certo e fazer história na Inglaterra. Com esse dueto, Mancini pode mostrar o poderio ofensivo do Manchester City em todas as competições que a equipe vai disputar nesta temporada, apesar de enfrentar a concorrência pesada de outros bons centroavantes, como Mario Balotelli e Edin Dzeko. Por: Maycon Schimidt Santos (@Maycon_Santos) [...]



Ataque dos sonhos

2011-09-11T23:55:05.089-03:00

Com mais uma grande atuação, o atacante Wayne Rooney (25 anos) venceu mais uma com seu Manchester United, que está arrasador neste início de Premier League. E de quebra, o centroavante dos Diabos Vermelhos anotou mais um hat-trick.Outro goleador que começa a chamar atenção é o argentino do rival Manchester City, que também segue invicto na competição. Não estou falando de Carlitos Teves e, sim, de Kun Agüero (23 anos), que por sua vez, marcou três na goleada sobre o Wigan no fim de semana. Os jovens são as principais peças de Roberto Mancini e Sir Alex Ferguson que buscam diretamente pelo título da Premier League. Rooney, por exemplo, repete rodada a rodada, o hat-trick, para ele, este feito já se tornou comum. Já Kun Agüero, que saiu do futebol espanhol, na última temporada, mostra que não precisa de tempo para se adaptar ao melhor campeonato nacional do mundo. O argentino se encaixou muito bem ao esquema de Mancini no Citzens. Os dois devem brigar pela artilharia da Premier League nesta temporada. Mas, imagina se esses jogadores tivessem no mesmo time? Certamente tornaria o ataque da equipe um sonho. Por obra das coincidências do futebol, Rooney e Agüero estão atuando na mesma cidade, porém, em equipes diferentes e, agora, em Manchester, a dupla, principalmente, com a chegada do argentino, vão enriquecer o clássico da cidade do norte da Inglaterra. Não apenas pelo que ambos já fizeram nestas quatro primeiras rodadas, mas pelo o que eles ainda podem produzir para seus times e, claro, para o futebol inglês.Na artilharia, Rooney é o lider com oito gols marcados em quatro partidas, sendo dois hat-trick. Agüero se aproximou do rival e já ostenta seis gols também em quatro jogos, assim como o companheiro Dzeko, mas que está com três partidas completas.Por Gustavo Bezerra (@gugagk) [...]



Os jogos de sábado da 4ª rodada da Premier League

2011-09-10T18:51:58.376-03:00

Manchester City 3 x 0 WiganManchester City e Agüero seguem avassaladores na Premier League. A tranquila vitória por 3 a 0, todos os gols foram do atacante argentino, mostrou que os citizens vem firme e forte para brigar pelo caneco.Em partida que teve a volta de Tévez e a estreia de Nasri, o City apresentou um bom futebol, merecendo, até mesmo, a vencer por mais gols. Quanto aos "coadjuvantes" de Agüero, Tévez foi mediano e perdeu um pênalti; Nasri entrou muito bem e deu uma nova cara ao meio-campo; por fim, David Silva mais uma vez foi muito bem.Já ao Wigan, nada a acrescentar. Com uma equipe bastante fraca, se manter invicta por três rodadas foi um lucro enorme, demorou a perder e, agora, deve voltar a condição de time pequeno e, até mesmo, brigar para não cair.Arsenal 1 x 0 SwanseaO Arsenal segue sem convencer. No Emirates Stadium, os Gunners venceram o recém-promovido Swansea por 1 a 0, gol marcado por Arshavin.De longe, o jogo foi de bom nível. O Arsenal se impôs bem nos primeiros minutos, mas encontrava algumas dificuldades. O gol que saiu graças a uma falha do excelente goleiro Vorm deu novo gás a partida, a equipe galesa partiu pra cima, lutou até o fim, mas o jogo acabou mesmo em vitória do tradicional clube londrino.Não poderíamos deixar de ressaltar que Arsené Wenger promoveu as estreias de Mertesacker, Arteta e Benayoun.Sunderland 1 x 2 ChelseaRaúl Meireles estreou e em um jogo pouco brilhante, o Chelsea venceu o Sunderland por 2 a 1, gols de Terry e Sturridge, Ji Dong-Won descontou para os Black Cats.O primeiro tempo foi muito fraco. O Sunderland buscava surpreender os Blues em contra-ataque ou com um lampejo do estreante Bendtner, porém, o Chelsea mostrou ter mais time, não criou boas chances, porém conseguiu abrir o placar e dominar ainda com mais calma o jogo.A etapa final viu a equipe londrina criar muitas poucas oportunidades. Os dois gols serviram apenas de "enfeite" para uma pouco brilhante vitória do Chelsea.Stoke City 1 x 0 LiverpoolO Liverpool perdeu sua invencibilidade na Premier League. Em um jogo que contou com um polêmico pênalti, o Stoke City derrotou os Reds por 1 a 0, gol de Walters.Por estar jogando em casa, o Stoke se aproveitou e partiu pra cima do Liverpool nos primeiros minutos, conseguindo um polêmico pênalti que acabou convertido, após isso, a partida viu a mesma situação. Na base do desespero, os Reds partiram pra cima, 100% no ataque, a equipe criou algumas boas oportunidades, mas não fez o bastante para conseguir o empate.Everton 2 x 2 Aston VillaEm um bom jogo, o Everton dominou bem a partida, no entanto, não conseguiu fechar com a vitória, acabando por empatar por 2 a 2 com o Aston Villa. Os gols do clube de Liverpool foram marcados por Baines (pênalti) e Osman, Agbonlahor e Petrov descontaram.A partida mostrou a mesma situação durante toda a partida. O Everton dominou amplamente a partida desde os primeiros minutos, não encontrando grandes dificuldades, porém, a equipe vacilou acabou dando espaços fechando o jogo com um, injusto, empate de 2 a 2.Wolverhampton 0 x 2 TottenhamO Tottenham, enfim, venceu. A equipe conquistou sua primeira vitória na Premier League, hoje, ao vencer o Wolverhampton por 2 a 0, gols do estreante Adebayor e de Defoe.A partida foi bastante equilibrada. O domínio da partida se alternava entre as duas partidas, porém os Spurs mostraram que Adebayor caiu como uma luva na equipe, que deslanchou bem, acabando por conquistar uma boa e justa vitória.Bolton 0 x 5 Manchester United O Manchester Unit[...]



Podcast: Expectativas para a 4ª rodada da Premier League

2011-09-09T18:33:37.828-03:00

Nossos podcasts estão de volta.

Na reestreia, Felipe Ferreira e o convidado Marcelo Vinicius falam das expectativas para a 4ª rodada da Premier League.

Ouçam:

(object) (embed)

Nota do Editor: A gravação ficou ruim, peço que tenham calma. Os próximos ficarão bem melhores



Um novo time

2011-09-08T19:38:19.419-03:00


Muito já foi dito sobre uma das melhores gerações da Seleção Inglesa nos últimos tempos. Um time, que no papel, era muito bom, mas que não dava liga em campo. Beckham, Lampard, Gerrard, Scholes, Ashley Cole, Gare Neville, Owen, Joe Cole, Ferdinand e Terry eram alguns dos principais astros do English Team.

Com os estrangeiros dominando a Premier League, era temeroso o futuro da seleção com os atletas acima se aproximando do fim da carreira. Porém, a nova geração surpreende e mostra que pode se colocar entre os grandes, tanto na Eurocopa como na Copa de 2014.

Imagine esse time: Hart, Glen Johnson (Smalling), Ferdinand (Cahill), Terry e Ashley Cole (Baines); Parker (Barry), Wilshere, Walcott (Adam Johnson) Downing (Milner) e Young; Rooney. Além destes, pode ser destacar Phil Jones, Jagielka, Dawson, Richards, Carrick, Henderson, Adam, Cleverley, Lennon, Bent, Welbeck, Carroll e Defoe.

Se Lampard e Gerrard voltarem a velha forma e conseguirem ter, na seleção, o mesmo desempenho dos clubes (coisa que nunca aconteceu), será a cereja do bolo. Mas importante que isso é que hoje o English Team parece não depender mais da dupla.

Claro que um bom time no papel não significa sucesso nas competições. Porém, um ponto que deve se levado em conta é que, a maioria desses jogadores citados acima, que faziam partes de equipes pequenas/médias, se transferiram para as potências da Premier League. Os que sobraram (como Cahill e Jagielka), não devem resistir a próxima janela de transferências.

Com isso, disputarão títulos, competirão em competições europeias, terão maior responsabilidade e jogarão grandes duelos. Smalling, Jones, Young (foto), Cleverley e Welbeck irão disputar todos os títulos da temporada com o Manchester United. Adam, Henderson e Downing serão os esteios do novo Liverpool. Wilshere terá de carregar o Arsenal nas costas, enquanto Richards, Barry e Adam Johnson terão espaço no estrelado Manchester City.

Quem tem a ganhar com isso é a Seleção da Inglaterra, que pode ter um time confiável e, quem sabe, sair do quase.

Por: Henrique Munhos (@HenriqueMunhos)



Falta de consistência volta assombrar o English Team

2011-09-06T20:27:32.736-03:00


Após uma convincente e esperançosa vitória por 3 a 0 sobre a Bulgária, o English Team decepcionou. Em casa, a equipe tinha pela frente a pouco brilhante, mas perigosa, seleção de País Gales. Tendo melhor time e maiores condições a vencer, o time inglês decepcionou, deixando Wembley com uma magra vitória de 1 a 0, gol de Ashley Young.

Os três pontos conquistados na partida deixaram a Inglaterra virtualmente classificada para a Euro-2012. Basta um simples empate com Montenegro para que a classificação seja assegurada.

Mas bem, a nove meses do início da importante competição entre seleções da Europa, será que o time de Fabio Capello está realmente pronto para fazer o papel que se espera na competição?

Eis a grande dúvida. Questionamento que só surge graças a sequências alternando bons jogos e péssimas apresentações, decepcionando muito os admiradores da equipe e do futebol inglês em geral.

A atuação de hoje provou tamanha inconsistência e irregularidade do selecionado inglês. Enquanto o jogo contra a Bulgária deu sinais de ressurreição, a partida de hoje fez todas essas demonstrações caírem no esquecimento, muito em função do jogo de hoje ter sido totalmente o contrário do último.

A velocidade e versatilidade não entraram em cena, muito menos a boa e objetiva movimentação. A troca de passes, que se enquadraram também contra a Bulgária foram pífios. Já o que mais ressalta o jogo ruim é o fato do English Team ter buscado 21 cruzamentos e acertar apenas um, exatamente o que resultou no gol de Young.

Por fim, um recado a Capello: são 9 meses que separam sua seleção da Euro, caso dê uma conscistência maior a equipe, todos os amantes do futebol inglês agradecem.

Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)



Sinais de ressurreição do English Team

2011-09-02T18:22:13.057-03:00


Depois de atuações bastante ruins, o English Team conseguiu desempenhar uma boa atuação. Em jogo válido pelas Eliminatórias da Euro-2012, a seleção inglesa conquistou uma grande vitória sobre a Bulgária por 3 a 0, em gols marcados por Gary Cahill e Wayne Rooney (2).

As últimas atuações ruins do selecionado inglês me preocupava para essa partida. De fato, apesar de ter uma equipe bastante fraca, enxergava a seleção búlgara como uma equipe capaz de endurecer o jogo diante da Inglaterra, muito em função do jogo ser na Bulgária, porém nada disso aconteceu.

Com Lampard barrado, os comandados de Capello se mostraram muito bem um 4-2-3-1 (Parker e Barry de volantes; Walcott e Dowing nas pontas;  Ashley Young mais centralizado). O meio-campo da equipe marcava bem, apresentava uma boa dinâmica e conseguia envolver a equipe rival, com este trunfo, aliado a um jogo bastante calmo, o English Team fez uma etapa inicial beirando a perfeição.

Infelizmente, a boa atuação do 1° tempo não veio a acontecer no 2°. A equipe procurou segurar a boa vantagem, construída de maneira total na etapa inicial, e se fechou bem. As grandes chances não foram mais criadas e o time apenas aguardava o fim do jogo.

De fato, foi uma boa atuação coletiva da seleção inglesa, contudo, tivemos um jogador que calou muitos críticos. Wayne Rooney entrou em campo com um incômodo jejum de não marcar gols pela seleção desde 7 de setembro de 2010, porém, hoje, ele desencantou. Voltando bem para buscar jogo, fazendo o bom papel de pivô e realçando a fama de matador, foi a grata surpresa do jogo de hoje.

Bem, a vitória convincente de hoje faz com que a ansiedade para o jogo de terça-feira, contra País de Gales, seja aguardado por todos aqueles que admiram o futebol inglês, porque o selecionado inglês deu sinais de que pode voltar bem e construir uma equipe bastante sólida.

Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)



Arsenal não aprende com rival Manchester United e caminha para um fracasso ainda maior

2011-09-02T16:08:00.311-03:00

Nas últimas temporadas, o roteiro do Arsenal foi o mesmo. Brilhantismo no primeiro semestre e queda na reta final. Contusões, derrota em jogos decisivos e, consequentemente, um ano que acaba sem títulos. Pois bem. Para 2011/2012, a situação (acreditem) é muito pior. As contratações foram modestas e os dois melhores jogadores do time foram embora. Fabregas foi parar no Barcelona, enquanto Nasri reforça o rival Manchester City (mais um reforço para o Blues, que já contrataram Clichy e nos últimos anos haviam trazido Toure e Adebayor). Chegaram jovens (de novo) como Jenkison, Chamberlain e Gervinho. Destes, só o último está pronto a atuar, mas não tem potencial para carregar um time grande nas costas. Após a goleada humilhante para o Manchester United, chegaram cinco jogadores de última hora. Foram contratados Mertesacker, Arteta, André Santos, Benayoun e Park Chu-Yuong . Bons jogadores, mas que não resolverão os problemas dos Gunners. Os três primeiros serão titulares, mas não são top de linha nas posições onde jogam. Benayoun é do mesmo nível dos que estão lá, enquanto o coreano é uma aposta. Uma boa passagem na França não diz nada, já que até Chamakh foi bem por lá. O elenco das últimas temporadas pode ser dividido em alguns níveis. Apenas três jogadores são de ponta: Wilshere, Vermaelen e Van Persie, sendo que os últimos dois se machucam muito. Walcott e Diaby poderiam chegar a esse nível um dia, mas atuando pouco, fica complicado. Outros são medianos, e deviam apenas fazer parte do grupo. Nessa linha se enquadram Djourou (sei que ele era péssimo, mas melhorou), Koscielny, Sagna, Song, Ramsey, Arshavin e Bendtner. Jovens que podem ser trabalhados para ter bom futuro são lançados ao fogo, como o bom goleiro Szczesny e o lateral-esquerdo Gibbs. Por fim, há os que não reúnem condições para atuar nos Gunners, como Squillaci, Chamakh e Rosicky (este pela idade). Enquanto isso, os rivais se reforçam mais e mais. O rival e tricampeão inglês Manchester United, além de contratar bem, faz um trabalho com jovens que deveria servir de lição para os Gunners. No United, ninguém é posto na fogueira. Os jovens são emprestados e voltam com bagagem para poder atuar com regularidade no time principal. Assim está sendo com o volante Cleverley e o atacante Welbeck, que estão fazendo um grande início de temporada. Os que não estão prontos, como Macheda, seguem encostados. As contratações, no primeiro ano, também alternam jogos entre os 11 e períodos no banco de reservas. Anderson, Valencia, Berbatov são exemplos, assim como os recém-chegados Smalling e Jones. Chicharito Hernandez, espetacular no primeiro ano, foi exceção e virou titular absoluto no final da última temporada. Além deste processo de renovação, o time tem de ter jogadores experientes a jogos importantes e que resolvem o problema. Vidic, Ferdinand, Evra, Nani e Rooney são os exemplos do Manchester 2011/2012. O português é também um exemplo a parte. Comprado quando jovem, alternou a titularidade com o banco de reservas e, mesmo agora quando parece estar no auge, não é o principal nome do time. No Arsenal, isso não é feito. Na preliminar da Champions League, a equipe passou sufoco com a Udinese, um time bem arrumado, mas que não é nada mais que uma equipe média da Itália. Na fase de grupos, uma chave com Olympique de Marselha e Borussia Dormtund d[...]