Subscribe: Comentários do blog 31 da Armada ao post vergonha
http://blogs.sapo.pt/commentsrss.bml?blog=31daarmada&ditemid=3833111
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
anos  comentário vergonha  comentário  dos  escola  foi  isto  mais  muito  num  não  professor  professora  ter  tinha  vergonha 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Comentários do blog 31 da Armada ao post vergonha

Comentários do blog 31 da Armada ao post vergonha



31 da Armada - SAPO Blogs



Last Build Date: Fri, 12 Mar 2010 20:10:34 GMT

 



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 20:10:34 GMT

Se este e outros temas continuarem a dominar a opinião pública - tiro o chapéu a este blogue pelo esforço que faz - pode ser que a próxima sondagem da Universidade Católica não dê 41 % de intenções de voto no PS mas apenas uns 40 ou 39,5%. É preciso é continuação, desgaste, e para isso tudo serve.



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 17:16:15 GMT

O sr. Granadeiro foi à Assembleia dizer que o dr. Morais Sarmento o pressionou para despedir 3 directores 3 de jornais.
Dando de barato que isso seja verdade (e não é), cumpre referir:

- o que ora se pretende apurar diz respeito ao Governo do sr. José Sócrates e não aos anteriores até ao Dom Afonso Henriques, pela razão simples de que estes já foram sujeitos a escrutínio e, um após outro, substituidos;

- o facto de alguém, antes do sr. José Sócrates, ter cometido erros não legitima que este os cometa (seria como achar, por exemplo, que todos os tiranos posteriores a Hitler estavam automaticamente perdoados…).

Ora, vá-se lixar, sr. Granadeiro!



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 16:43:50 GMT

O inquérito foi aberto exactamente por isso. Porque o caso chegou à comunicação social.
Não chegando não tinha interesse.
_______________________________
http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 15:52:02 GMT

O  "burgesso" ...

www.educar.wordpress.com/2010/03/12/apetece-me/#comment-371072


 



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 15:04:00 GMT

«Cumpre-me informar que faleceu mais uma colega nossa, a Ana. Conhecia-a há três anos e viveu os seus últimos tempos a preencher a papelada que o demónio exigia... Tinha, talvez, e jogo por alto, quarenta anos... E muito stress, sobretudo, porque não sabia que sorte seria a sua e estava preocupada sem sequer saber com o quê, nem para quê... Ri-me com ela a última vez que a vi, porque estava a fazer relatórios... Nem sei de quê... Morreu, repentinamente, ataque cardíaco? Não sabemos, mas, certamente, a pensar nas muitas coisas que queria fazer e melhorar... Valeu-lhe de muito, jaz morta e apodrece... A morte tem rosto, espectro se preferirem, cada morte é uma vitória, menos um direito(?) adquirido... Viva a morte dos professores, viva a Ana e viva a coveira...
www.porquemedizem.blogspot.com/2009/08/mais-uma-vitoria.html

Tudo silenciado. Inventam-se todo o tipo de "doenças" para tentar escamotear a realidade, os factos conhecidos.
Os professores próximos testemunham, quase sob anonimato.
Vive-se o terror nas nossas escolas. Dentro de "portas".

O normal. Vai para quantos anos?



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 14:58:50 GMT

O número de casos de professores (ainda jovens) que caiem-simplesmente-para-o-lado-e-morrem é brutal. Tudo silenciado. Há umas duas semanas faleceu um professor, de 42 anos, professor na secundária de Tavira. Caiu para o lado, em frente da mulher e filhas, num parqueamento. Fulminante.
Da mesma escola, há cerca de um ano, faleceu de modo idêntico uma professora ainda jovem. Estaria a dar um passeio na rua com o namorado, caiu para o chão e faleceu.




Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 14:01:17 GMT

1. Antes da era iluminada por Abril, o castigo corporal, por vezes descontrolado e sádico, atingia alunos por razões disciplianares e/ou por dificuldades de aprendizagem. Eu sou desse tempo.

2. Com a luz da revolução, passámos a ter crianças filandesas , suecas e alemãs nas nossas escolas e tudo passou a ser permitido. A situação evoluiu a um ponto em que miúdos de 12 anos "mandam as professoras à merda , porque a sotora não pode bater que leva um processo em cima".

3. Paulatinamente, vamos percebendo o "estado a que isto chegou".

4. Recordo uma sentença de um juiz numa comarca do Alentejo que, para grande desgosto dos Pais e das jornalistas da TVI/Sic da época, considerou pedagógica a palmada que a professora deu ao aluno, na sequência de actos de má educação do aluno. Mas foi um escândalo do caraças aí nos meandros onde se decidem os caminhos para a excelência educacional que temos.

5. Passou pelo meu escritório um processo disciplinar, em que o Senhor Inspector propunha a demissão da professora por esta ter dado dois estalos num miúdo de 13 anos depois de este lhe ter batido com o estojo metálico no nariz (da professora) na sequência da professora ter pegado no braço da criança que se recusava a sair da sala que perturbava ao ponto de impedir o normal funcionamento. Tive que explicar ao Senhor Inspector o que era a legítima defesa  - a grande besta era licenciado em direito, mas também acabara o curso a um domingo - e acabei o articulado com uma interpelação dirigida à proposta de demissão : "atreva-se!". Claro que o gajo não se atreveu. O processo foi arquivado. E a professora, por acaso, nunca mais apareceu para me pagar...

6. tenho 3 filhos que, somados, têm 47 anos de idade, mas nunca os castiguei por causa das notas. Nem física nem psicologicamente.  Por respostas ou atitudes malcriadas, devem ter levado duas palmadas cada um em média. Aliás, os chinelos do pai têm a alcunha do "psicólogo" e quando o ambiente aquece, digo para o mais novo: Oh Vasco vai á despensa buscar os "psicólogos" do pai... E o assunto fica logo resolvido. E a minha teoria é esta: não é preciso bater; basta que se saiba que se está sujeito, caso se passem certos limites.

7. Nunca vi - admito, porém que exista - um filho de um psicólogo ou de um psiquiatra que tenha um comportamento normal - naquilo que nós consideramos um equilibrado relacionamento com as outras crianças e com os adultos. Saber estar á mesa, intervir nas conversas com oportunidade, saber partilhar, etc.

8. Alvitro a criação de Escolas que admitam o castigo físico em caso de mau comportamento. Os pais são livres de inscrever um filho numa escola dessas. E no fim do ano vamos comparar os resultados dessa escola com uma de Sacavém, Camarate, "dessas"....



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 13:08:36 GMT

Um primeiro ministro que "tirou" um diploma numa universidade a fingir onde se fizeram as maiores aldrabices com diploas e dioplomados não tem autoridade para dar à ESCOLA o sentido EDUCATIVO.

Não peça responsabilidades a  directores de escola.

Peçam é a demissão do primeiro culpado deste "status quo" isto é sócrates.



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 11:43:31 GMT

O estado é governado por gente que se educou seguindo estas novas modas de falta de respeito e educação, como vão eles fazer alguma coisa para mudar?
A confusão, falta de respeito e de valores, civismo e ética cada vez mais em desuso, o pais está a chegar a um ponto em que não se vê NENHUMA solução, e é pena...



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 11:42:15 GMT

E a comunicação social só "fez notícia" da morte do professor depois dos "casos" de Mirandela e "da cadeira "... repararam?



Comentário a vergonha

Fri, 12 Mar 2010 11:14:51 GMT

Fiquei absolutamente chocado com a situação.
Consigo compreender a situação pela qual este professor de musica terá passado eu mesmo já fui professor, desde o 9ºano até ao 12ºano, posteriormente professor na universidade e de mestrado.
Na minha modesta opinião existe de facto falta de valores e indisciplina, recordo-me que um aluno do 9ºano tinha sido ordinario com uma professora, ela estava com medo de o chumbar, eu tinha-lhe dado negativa, mais baixei-a ainda mais quando soube que ninguem tinha coragem de o chumbar na reunião directiva.
O mesmo míudo passou uma aula inteira a pintar a carteira, no intervalo chamei a segurança e a mulher da limpeza para trazer material para limpar, e lá esteve a limpar a secretária.
Chamei-o e disse, "não sou teu pai, e se voltares ao outra vez ao respeito ficas avisado que levas na tromba!", os pais foram à escola para falar comigo, revoltados, aí disse-lhes que não admitia que o filho deles falasse daquela forma, e que não perdia tempo a educar o filho deles. A autoridade dos professores é fundamental.
Mas isto foi no 9ºano! em 1988/89, mais tarde fui professor num mestrado, e os alunos davam-se ao luxo de atender os telemoveis na sala de aula, tentaram-me tratar por tu, entragavam trabalhos com downloads directos da internet!!! Isto em 2004/2005.
Fui professor numa universidade estrangeira muito reputada, se é verdade que os alunos eram muito imaturas tinham uma exceptional cultura, enquanto que os alunos cá de mestrado eram muito adultos mas incomparavelmente ignorantes.
Mais tarde como funcionário público fui perseguido por motivos políticos, fiquei sem fazer absolutamente nada!!! Isto durante 3 anos, tive a sorte de um grande apoio familiar mas podem imaginar a enorme revolta que esta situação poderá provocar num tecnico superior num quadro do estado altamente qualificado.
O estado tem que restabelecer a autoridade do professor, e sancionar aqueles que não querem estudar ou que prejudicam os estudos dos outros. Infelizmente em todas as sociedades existem marginais, e esses têm de ser neutralisados logo de imediato. 
A sociedade portuguesa não pode continuar sem etica e valores.