Subscribe: Candy Cotton Crush
http://candycottoncrush.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
anos  dos  era  fashion  foi  it’s    mais  moda  muito  nos  não  sempre  ser  são    tinha  tudo  vogue 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Candy Cotton Crush

Candy Cotton Crush



www.inesmaximino.com



Updated: 2017-07-29T10:03:45.693+01:00

 



Keep posted on my new website

2016-02-07T20:09:53.593+01:00

www.inesmaximino.com



VOGUE session or lesson?

2014-03-30T03:55:55.486+01:00

Londres é conhecida por ser cinzenta, mas hoje o sol decidiu abraçá-la. E só me fez ficar duplamente animada, porque na mão já tinha um bilhete para o Festival da VOGUE.Por entre manicures da VOGUE, capas da VOGUE, camisolas da VOGUE, estava mesmo entusiasmada de ir ver um dos meus ídolos da indústria da moda, a fantástica Luella. E apesar da temática da sessão a que fui assistir se centrar nas dinâmicas de equipa e ser sobre o trabalho dela com a Katie Hillier na casa Marc Jacobs, só me apetecia gritar do meu mísero lugar na fila 39: "Volta a fazer saias e laços Luella, vá lá!". Mas pronto, consegui conter-me.E o Jack e o Lazzaro, na verdade, roubaram toda a atenção da sessão com graça e personalidades mesmo bubbly (como dizem por aqui!). A dupla Proenza Schouler mostrou que conexão, cedência e quererem sucesso são fáceis, quando se tem por base uma amizade e comunicação. Portanto, é como um casamento na verdade.Agora, o que eu não estava à espera, era de saber que ando a pronunciar mal o nome da marca, desde que soube da existência da mesma. E ainda há dias tinha visto um artigo na Harper's Bazaar sobre como pronunciar os nomes dos designers correctamente e tinha pensado para comigo - "estes ingleses burros, não sabem pronunciar nada a não ser inglês, toda a gente sabe que se lê lan-vahn!". Mas afinal também sou burra.A história do nome da marca também criou burburinho e bastantes gargalhadas. A dupla precisava de um nome rapidamente e Jack perguntou ao Lazarro de o modo mais random possível - "qual é o nome do meio da tua mãe?", "Proenza, e o da tua?", "Schouler", "então é isso mesmo". E pelos vistos, as senhoras pensam que é um tributo às mães, mas na verdade não passou de uma ideia de última hora.E pronto, lê-se pro-en-zuh skool-er. E eu sempre disse xu-ler. Sempre. Portanto, vim de lá um bocadinho envergonhada, mas o balanço geral foi positivo. Só me sinto um pouco xoné, vá.London is known by being grey, but today the sun decided to appear. And it made me happy twice, because I already had a VOGUE's festival ticket in my hand. Between VOGUE manicures, VOGUE covers, VOGUE sweaters, I was really excited to see one of my idols from the fashion industry, the fantastic Luella. The session I went to see was centered in dynamic duos and about her work with Katie Hillier in Marc Jacobs House, but I really had the urge to scream from my little seat on row 39: "Go back to skirts and bows Luella, come on!". But I hold it together.Jack and Lazzaro, actually stole all the attention being funny and bubbly. The duo Proenza Schouler showed that connection, give in and wanting success are easy, when you have a basis of friendship and communication. So, it's like a marriage in the end of the day.Now, what I wasn't expecting was to know that I've been pronouncing incorrectly the name of the brand, since their existence. A few days ago, I had seen an article in Harper's Bazaar about pronouncing designer names correctly, and I was like - "these dumb british people can't pronounce anything rather than english, everyone knows that is "lan-vahn!". But guess I am dumb too.The story behind the name of the brand made everyone laugh too. The duo needed a name asap, so Jack asked Lazzaro in a total random way - "what's your mom's middle name?", "Proenza, and yours?", "Schouler", "so, that's it". The ladies think it's a mom's tribut but it was just a last minute idea.And yes, we have to read pro.en-zuh skool-er. I've always said xu-ler. Always. So I left a little ashamed, but it was a positive balance. I just feel a little xoné. (=portuguese word for dumb)[...]



Bargains and Treasures

2014-03-27T23:54:35.255+01:00

Antiques and vintage pieces have a really stand-out in the market, nowadays. Besides becoming a trend or a fashion statement, being different and unique is a main goal to a very good percentage of people. And what’s so special about vintage? Well, the piece is at least 20 years old, it’s not produced anymore and it can give a certain flair to your everyday look with a good styling. It’s more than a revival, it’s carrying around something with history and style. It’s individuality, it’s symbolism, it’s peculiar.Most of the antique collectors look for the money’s value in the piece, but the vintage seeker looks for that special piece to own it and live happily in their closets.How can we differentiate a piece “wow, it’s vintage” from a piece “oh, it’s vintage”?Some say it’s about the tag or the brand, others say it’s love at first sight. And we can find old collectible pieces to stand and last in our wardrobe in a lot of places over the world.But there are so many places to look for, between charity-run second hand clothing shops, consignment shops, garage sales, car boot sales, flea markets, antique markets, estate sales, auctions, vintage clothing shops and vintage fashion, textile or collectables fairs. Everything full of a cluttered display of goods, browsing can get tiresome. So it’s important to investigate and find the place that suits your personal vintage hunger. Because find the perfect piece is not all about the buying, it’s about the hunt too.London, known as a shopping paradise, has a lot of vintage stores, to explore. The perfect example is Brick Lane, the East London street full of artists galleries and little vintage stores and special markets on the weekend. The secret is to exercise a filter of quality control, find a balance between the price and the piece state. In general the garments are very affordable but it’s usual to find cracked shoe soles and faded fabrics. Let’s face it, conservation is a major plus. And when the store has a mold smell is not a good sign. The sheer quantity of goods here makes up for the occasional poor quality. But you can easily find leather and denim goods, 50’s dresses, retro sunglasses and cool faux fur coats.Paris, the city of lights, is also known by the vintage stores, but in a different outlook. The stores named boutiques are all about the quality over quantity and you can easily find treasures like Chanel, YSL, Balmain, Laroche and Lacroix. Heritage pieces that survived time and can cost a little fortune for the story and tag it carries. Fashion lovers only come here to splash out for a special occasion or, of course, to slobber about it. You can find party silky dresses, the famous tailleurs(a matching coat and skirt set), a feathered fascinator or a classic designer bag. In United States of America, pawn shops and thrift shops are more than usual. When it comes to clothes, you can spend happy hours rummaging through the racks, rails, baskets and piles of clothes. The stores tend to have so much stuff that there are infinite guides to shop on these departments. The pieces are usually cheap, but the vintage clothing is mixed with normal second hand clothing, so you really have to do your research. Last year, these kind of places got really popular, thanks to a Macklemore song, the four grammy award winner, called “Thrift Shop”. The chorus “I’m gonna pop some tags/Only got twenty dollars in my pocket/ I’m hunting, looking for a come up/ This is f******* awesome” is sang all over the world. If you pay attention to the song, he criticizes the cost of fashion and he stands for recycling – “ I wear your granddad’s clothes/ I look incredible/ I’m in this big ass coat/ From that thrift shop down the road”, and that’s another good one cause to wear vintage clothing.There are a lot of celebrities also known by promoting vintage world. The popular burlesque artist Dita Von Teese, is a total pin up from the 40’s and 50’s from head to toe and proud of [...]



Everyone wants to be a cover girl in paper world.

2014-03-27T03:27:18.497+01:00

O tema já está mais que batido, mas não posso deixar de comentar este assunto que me mexe com os nervos desde a capa de fevereiro.Directa ao assunto, o que é que define uma aparição na revista VOGUE? Beleza, estar no mundo da moda, talento? Na minha opinião, a VOGUE é uma instituição histórica no mundo da moda, que nos faz sonhar, que nos implementa desejos materiais, que torna tudo mais bonito e fantasioso. E por essa mesma razão, qualquer pessoa que tenha reconhecimento válido pode aparecer na capa. Porque as glam teams fazem qualquer pessoa ser material de capa.Esta opinião irrita muita gente, porque acham que os padrões da revista estão a baixar quando deixam pessoas mais gordinhas serem capa de revista ou quando uma estrela de um reality show realiza o sonho de lá chegar.E eu não consigo entender estas opiniões na totalidade, porque foi algo que sempre aconteceu, especificamente na VOGUE USA, raramente temos uma modelo ou alguém ligado à moda na capa. São quase sempre "celebridades", actrizes, músicos, etc.A Lena Dunham, a realizadora, escritora, co-produtora e atriz, é das miúdas com mais pulso que eu já vi, com um talento gigante para 27 anos de idade. Se ela mereceu uma capa na VOGUE? Hell yeah! E estava linda. Sim, usaram photoshop e mais não sei o quê. Onde é que não usam photoshop hoje em dia, desculpem lá?A Nigella foi a capa deste mês na VOGUE UK e ninguém disse ai nem ui. Ela escreve uma coluna para a VOGUE, mas é uma chef de cozinha e veste no mínimo um 40.Portanto, só posso concluir que as pessoas não lidam bem com o sucesso de certas e determinadas pessoas.E a Kim e o Kanye são outro caso. Só se fala deles por todo o lado, porque não uma capa na revista mais desejada do mundo? A Kimmy já teve momentos menos felizes, mas a verdade é que a levaram a construir um império com trabalho árduo pelo meio. Se as pessoas conseguissem ser famosas ou atingir estatutos com filmes pornos, havia por aí muito mais gente conhecida.Mas a verdade, verdadinha, é que nem a minha opinião nem a vossa interessa. Quem decide tudo isto, é a Miss Wintour e aposto que ela se está a rir disto tudo, enquanto toda a gente compra a revista para cuscar o que lá vem dentro. E quando eu sair na capa, enquanto vocês estiverem a comentar o facto de eu não vestir um 34, eu vou estar a cantarolar por casa a emoldurar a revista. La la la.The theme is overrated, but I can’t help comment this issue that annoys me so much since february cover.Straight to the subject, what does define an apparition at VOGUE magazine? Beauty, being in the fashion world, talent?In my opinion, VOGUE is an historical intituition in fashion word, makes us dream, implements material desires on us, transforms everything pretty and fanciful. And because of it, any person that has a valid recognition can appear in the cover. Glam teams make anyone be cover material.This opinion irritates a lot of people, because they think magazine’s patterns are going low when they leave chubby girls being cover magazine or when a reality show star conquers her dream of getting there.I can’t understand these opinions in totality, because this was something that always happened, specifically in USA VOGUE, rarely we have a model or someone in fashion on the cover. It’s always “celebrities”,  actors, musicians, etc.Lena Dunham, the director, writer, co-producer and actress, is one of the girls with more pulse that I’ve ever seen, with a giant talent for 27 years of life. If she deserved a cover on VOGUE? Hell yeah! And she was beautiful. Yes, they used Photoshop and whatever. Where don’t they use it, pardon me? Nigella was this month’s cover in UK VOGUE and nobody made noise about it. She writes a column for VOGUE, but she’s a kitchen chef and she is at least a size 12. So, I can only conclude that people don’t deal well with certain’s people success.Kim and Kanye are another case. Everyone is talking about them, so why t[...]



Groceries deluxe

2014-03-06T18:23:35.342+01:00

Já toda a gente sabe que os cenários da Chanel são grandiosos, mas ninguém esperava esta dimensão. Fiquei curiosa quando vi o design do convite - Chanel Supermarket - mas nunca pensei que fosse uma coisa assim.Quando liguei o instagram naquele dia não queria acreditar e juro que me escorreram 2 ou 3 lágrimas por não estar em Paris naquela manhã fria. A Coco está a dar mais umas voltinhas no túmulo, mas não podemos negar a genialidade da casa gerida por Karl.Um supermercado em tamanho real foi criado, durante a noite, com todos os produtos que se possam imaginar com a marca Chanel. Bolos, massas, bebidas, serras eléctricas, tapetes, you name it.Os clássicos tweeds da marca deram vida a uma linha casual, de ida às compras no supermercado, e os ténis da linha couture, continuaram a fazer parte.Por falar em couture, a Riri foi com um modelito dessa coleção e ainda por cima imitou-me o cabelo. A verdadeira histeria foi quando o desfile acabou e era possível levar produtos do supermercado. Pois claro. Eu teria lá ficado a viver para sempre. Everyone knows that Chanel set's use to be major, but no one was expecting this dimension. I was curious when I saw the invitation's design - Chanel Supermarket - but I could never imagine.When I turned on the Instagram I couldn't believe and I swear I let down 2 or 3 tears cause I wasn't in Paris in that cold morning. Coco is tumbling in her grave again but we can't deny this geniality of the house runned by Karl.A real size supermarket was created, during the night, with all the products branded Chanel. Cakes, pastries, drinks, chain saws, carpets, you name it.The classics tweeds of the brand gave life to a casual line, to go on a supermarket's trip, and couture's line sneakers kept doing part of the process.By speaking about couture, Riri wear a coordinate from that collection and even copied my hair. The true hysteria was when the show ended and you could actually take supermarket's products. Of course. I would choose to live there forever.  [...]



Italian Surprises

2014-02-26T18:08:51.051+01:00

Acho que me tinha esquecido do quão, a semana da moda italiana, pode ser cool. O Inverno 2014/2015 promete ser cheio de cores e surpresas e se é inesperado I'm in.D&G, Armani, Versace, já estávamos à espera que fosse algo de mágico e de tirar o folêgo, mas o que deu realmente que falar (sem tirar nenhum mérito a estas "piquenas" marcas já referidas que deram shows irrepreensíveis, como até já documentei um deles no último post), foi a cultura mais pop, coleções mais jovens e acessíveis em todos os sentidos, explosão de cor e diversão acima de tudo. MSGM, tornou-se rapidamente numa das coleções que nunca posso perder a cada temporada, conhecida por padrões em sweatshirts e saias rodadas, um update da moda jovem que mistura roupa casual com um toque chique, através de bons tecidos, brilhos e alguma irreverência. Mais um desfile que trouxe tudo isso, juntamente com bons casacos e pelo colorido (está por todo o lado o pelo, hein?).   Uma estreia na semana da Milão foi a de dois designers que se auto denominam como Au Jour Le Jour. E fiquei presa ao primeiro minuto do desfile pelas cores deliciosas (e gatos!). Não os conhecia e foi amor à primeira vista. E ainda fiquei mais convencida com a entrada do site, vou ficar atenta aos meninos.  Para terminar, não posso deixar de falar na coleção que tanto reboliço cibernético causou nos últimos dias. Claro que estou a falar do meu querido Jeremy e de mais uma coleção surpreendente, desta vez em nome da Moschino.Questiono um pouco o rumo da marca e a sua própria mensagem, que foi completamente posta de lado, mas como fã incondicional do Jeremy Scott, presumo que quando o contrataram soubessem o que podiam esperar de um sinhor que adora cor, grafismos e toda a cultura pop.Uma coleção inspirada directamente na fast-food, mostrou que as cores do macdonalds podem estar in, que um happy meal pode ser uma mala, que o involucro de um chocolate pode ser um belo vestido e que até o SpongeBob tem um enorme potencial na catwalk.O facto de a frontrow estar cheia de estrelas da actualidade também ajudou ao falatório, mas a coleção foi direitinha para as lojas e parece que a capa de iphone que é uma caixinha de batatas, que custa a modica quantia de 50 euros, esgotou num ápice na Collete em Paris. A ASOS já criou uma réplica mas é só para o 5. Eu sei que não se pode ter tudo, mas apelo à bondade dos senhores chineses para fazerem uma para o 4 se faz favor.    I think I had forgotten how cool, Milan Fashion week can be. Winter 2014/15 promises to be full of colors and surprises and if it’s unexpected, I’m in. D&G, Armani, Versace, we were kinda expecting that something magic and breathtaking was going to happen but what really created buzz (without taking any credit to these “little” brands that presented irrepressible shows, as I already documented one of them in my last post), was the most pop culture, younger collections and accessible in every sense of the word, color explosion and fun above all. MSGM, quickly became one of the collections I can’t miss in each season, known by sweatshirts and big skirts patterns, an update to young fashion that mixes casual clothing with a chic touch, through good fabrics, shines and some irreverence. One more show that brought all that, adding good coats and colorful fur (fur is everywhere, right?). A MFW’s premiere was two designers’ brand that’s called Au Jour Le Jour. I was instantly attracted to it in the first minute of the show, by the delicious colors (and cats also!). I didn’t know them and it was love at first sight. And I even fell more for them with the site entrance, I’m going to keep an eye on these boys. To conclude, I have to talk about the collection that created an internet buzz all over the world in the past few days. Of course I’m talking about my dear Jeremy and one more of[...]



Once upon a time, D&G.

2014-02-23T19:49:07.940+01:00

   Assim que vi o convite vermelho com esquilos e pássaros para a colecção Inverno 2015 da Dolce and Gabanna que desconfiei que vinha algo de bom. E assim que me liguei ao live streaming sabia que não podia estar enganada. A catwalk tinha uma espécie de floresta encantada com luzes quentes e a música era típica de histórias de encantar. Um medley de musicais sonhadores que nos faziam entrar no espírito de imediato. Assim que o desfile começou, foi como hipnose. Tecidos ricos, brocados e pêlo colorido são só alguns dos luxos que desfilaram no show. A temática era sem dúvida, histórias de encantar e não podiamos estar mais encantados. Os pormenores, a que a D&G nos habituou estava em cada coordenado. Os looks pareciam não ter fim e nós também não queríamos que acabasse. Terminou com dezenas de pequenas "soldadas" ornamentadas que iluminaram o espaço.Estou positivamente admirada com o facto de as novas colecções de Inverno terem sempre tanta cor e mensagens positivas e de sonho. Parece que o mundo precisa de um empurrãozinho e a moda não fica indiferente. A mim já me conseguiram tocar com esta linda colecção, para ficar mais completa, só com um dos casacos de pêlo, pode ser se faz favor?As soon as I saw the red invitation with little squirrels and birds to the new Winter 2015 Collection that I suspected something good was coming. As soon as I connected to the live streaming, I knew I couldn't be wrong. The catwalk had a sort of enchanted forest with warm lights and the music was fairy tails typical. A dreamy musicals medley that got us into the spirit immediatly. When the show started it was like hypnose. Rich fabrics, brocades and colourful fur were just a few luxuries that walked by on the show. The theme was, definitly, fairy tails and we couldn't be more enchanted. The details, that D&G always got us used to was in every coordinate. The looks seemed to not have an end and we didn't want it to end also. It ended with dozens of ornated little "soldiers" that brighted up the all space.I'm positively surprised with the fact that new winter collections have a lot of colour and positive messages and dream. Seems like the world needs a little push and fashion can't stay indiferent to that. They already touched me with this gourgeus collection, to be more complete, only with a new fur coat, can that be, please?[...]



Stars Wars in a Star Collection.

2014-02-13T00:09:30.134+01:00

 Rodarte consegue surpreender quase sempre e desta vez não foi exceção. A semana da moda de New York, principalmente a temporada de Outono é sempre muito escura e plain. Portanto, tudo o que prove o contrário, eu bato palmas. Toda a gente sabe que sou um bocadinho peru e gosto de tudo o que brilha. Assim que vi brilhos na passerelle, fiquei vidrada a ver o que poderia vir a seguir e não me desiludiram. Apareceram então os dream coats da próxima estação. Em vermelho, em azul e em rosa, um quase "geek goes chick", tão casual mas tão mágico. Fiquei completamente rendida aos piquenos casacos. E para fechar o desfile aparecem magical gowns com personagens da saga Star Wars. Esta parte foi tremendamente criticada pelas "fashionistas", mas eu não desgosto, acho que até usava um. Deixa lá ver se me convidam para alguma gala este ano. Rodarte can surprise almost everytime and this time was not exception. New York fashion week, Fall season specifically  it's always dark and plain. So everything that proves otherwise, I cheer it up. Everyone knows I'm like a turkey that likes everything that shines. So this show caught my attention since the beginning with shimmering materials. I was wondering what could be next and they didn't desapoint me. Dream Coats for the next season were born. In red, blue and pink, a "geek goes chick" kinda style, so casual but yet so dreamy. I was totally blown away by the little coats. And to close the catwalk there were magical gowns with printed characters from the known saga Star Wars. This part was extremely criticized by the "fashionistas" but i don't dislike, I think I could wear one. Let me see if I get invited for some gala this year.[...]



Pure London, the infinite wonder fair.

2014-02-11T21:35:47.674+01:00

Tive o prazer de comparecer a uma das maiores feiras do mundo na área do retail. Uma amostra das colecções que aí vêm de designers e marcas de todo o mundo. Corredores e corredores de vestidos, streetwear, sapatos, jóias, malas e tudo o que se pode sonhar. Uma feira destinada a buyers, stylists e imprensa, que durante 3 dias não parou. Sempre com bastante afluência, contava ainda com seminários e desfiles das marcas presentes.E assim que entrei, dei de caras com duas marcas portuguesas, a Miau Frou Frou e White Tent, andei mais um bocadinho e avistei Katty Xiomara. E pelos vistos, tinhamos mais de 10 marcas presentes. É bom ver que as marcas nacionais investem em feiras importantes como esta e competem a este nível.A área que mais me fascinou foi o sector SPIRIT, que era onde co-habitavam as marcas de moda jovem. E com tanto talento, só me apetecia fazer compras infinitas. Um local a não perder para jovens designers, marcas que estejam a começar, lojas que queiram boas colecções ou simplesmente quem quiser conhecer coisas novas.I had the pleasure to be present in one of the biggest fairs in retail's world. A sneak peek of collections that are coming of designers and brands all over the world. Galleries and galleries of dresses, streetwear, shoes, jewellery, bags and all you can dream of. A fair meant for buyers, stylists and press that during 3 days didn't stop. Always full of people, still had seminaires and runaway shows going on.And soon as I walked in, I found two portuguese brands right away, Miau Frou Frou and White Tent, i walked for a little bit and had Katty Xiomara in sight. And by the way, there were more than 10 portuguese brands there. It's great to see that national brands invest in this kind of shows and compete at this level.The sector that I loved the most was called SPIRIT, where young fashion brands co-habited. And with a lot of talent all around, I was in a mood to have an infinite shopping spree. A place not to miss for young designers, brands that are giving their first steps, stores that want good products or simply someone that wants to know new things.[...]



Isabella Blow exhibition just blowed me away.

2014-02-08T21:05:52.571+01:00

Dizer que Isabella era a Lady Gaga dos anos 90, é dizer muito pouco sobre ela.Em 2007, aos 48 anos de idade, Isabella Blow decidiu acabar com a sua própria vida. A notícia estava em todo o lado, mas poucos jornalistas sabiam o que é que ela tinha feito ao certo.Vinda da aristocracia, foi a primeira mulher da sua família a arranjar um trabalho, como assistente de Anna Wintour na VOGUE, onde ela confessou ser o primeiro sitio "where she really belonged".  Sempre gostara de roupa e peças únicas e diferentes, a moda era o seu mundo de fantasia e refúgio. Gostava de chocar e divertir-se com isso. Encontrou muita gente no início de carreira e lançou-os na direcção certa, como o seu grande amigo, Alexander McQueen. Só quem a conheceu, sabe como aquela rapariga melancólica, era especial. Não se dava com a mãe, o irmão morreu afogado num trágico acidente, o pai tirou o seu nome da herança.A moda era realmente a única coisa que ela tinha, um mundo frágil só dela. Todos a descrevem como uma pessoa divertida e sempre em movimento, mas a tristeza era algo inerente ao seu coração.  Editora de moda, stylist, colecionadora e a musa de McQueen e Philip Treacy, deixou um legado de história, de estilo e de magia ao mundo da moda.A exposição na Somerset House, em Londres, é simplesmente arrebatadora. Centenas de items do seu guarda roupa mágico e a sua história contada por imagens, contam com instalações lindíssimas, que aconselho vivamente.E o que eu sinto, pessoalmente, é que ela tinha uma paixão genuína pela arte, uma chama que transparecia pelos olhos tristes. Algo muito raro hoje em dia de encontrar.  1- Isabella Blow Exhibition Outdoor2- Exhibition Entrance3- Cute lobster necklaces with Isabella inspiration by Tatty Devine4- My Souveniers - Book + 4 adorable badgets   Saying Isabella was 90’s Lady Gaga is to not say enough about her In 2007, at 48 years of age, Isabella Blow decided to end her own life. The news were everywhere, but few journalists knew what to say about what she did in her lifetime. She came from the aristocracy and it was the first woman in her family that got a job, as an assistant to Anna Wintour in VOGUE, where she confessed to be the first place where she felt she really belonged. She always loved clothes and unique and exquisite pieces, fashion was her fantasy world and her refugee. She liked to shock and to have fun with it. She found so many people in their early careers and drew them the right direction, for example her great friend, Alexander McQueen. Only people who knew that melancholic girl, knew how special she was. She didn’t got along with mom, her brother drowned in a tragic accident and her father took her name of the heritage. Fashion was the only real thing she had in her own fragile world. Everyone describes her as a fun person to be around and always moving, but the sadness was something always present in her heart. Fashion Editor, stylist, collector and McQueen and Philip Treacy’s muse, she left a legacy of history, style and magic in fashion world. The Somerset House exhibition is simply breath taking. Hundreds of items for her magic closet, her history told by pictures with beautiful installations. I do recommend you to go. And what I personally feel is that she was that kind of person that had a genuin passion for art, a flame that was right through her sad eyes. Something so rare to find these days.  [...]



Little Yellow Bags

2014-02-06T02:29:51.011+01:00

 Era uma vez um sitio muito amplo e luminoso com imensas escadas para cima e para baixo. Um sitio com salas atrás de salas arrumadas por cores e com peças únicas. Cada sala tinha várias casas da moda, os nomes cintilavam em letras grandes douradas com charriots de roupa e manequins que pareciam pousar graciosamente. E o melhor de tudo é que se podia andar por ali a deambular o tempo que quiséssemos e até tocar nos maravilhosos materiais e experimentar sapatos que só tínhamos visto até agora em editoriais de moda. Espera. Isto não é uma história encantada, quer dizer, pode parecer, mas é algo que já existe mesmo no coração da cidade de Londres.Sim, é a 7ª vez que cá venho e continuo a ir ao Selfridges sonhar um bocadinho. Não há nada como poder sonhar de perto.Para além do óbvio, das malas chanel, dos casacos pastel da Miu Miu, dos vestidos da Maria Katrantzou, das máscaras de jóias de Martin Margiela, das clutchs Charlotte Olympia...é um sitio cheio de história que revolucionou o comércio. A brincar, a brincar, este espaço conta com 105 anos de história. O Sr. Harry Selfridge tinha uma visão muito única do que uma loja deveria ser e na altura estava tudo guardado em gavetinhas e tinhas que pedir para mostrar peça a peça. E parecia mal se pedisses muitas e não levasses nenhuma. E a sua dúvida existencial era "mas como é que eu sei o que vou querer, se ainda não vi tudo o que há?". Hoje em dia, na era da imagem, com tanto acesso à informação é algo muito óbvio e inconsciente para nós. Mas ter tudo acessível e à mostra em 1909 não era comum. E as montras, que ele descrevia como uma peça de teatro parada, com peças que as pessoas vão querer. Ali estava, o vitrinismo e o visual merchandising a nascer. Algo tão puro e e que faz todo o sentido. Uma das maiores lojas multi-marcas do Reino Unido, que vende sonhos em saquinhos amarelos. Ai.   Once upon a time there was a wide and bright place with many stairs in different directions. A spot with a lot of rooms organized by colors and unique pieces. Each room had a few fashion houses, with sparkling names in big gold letters with clothes hanger's and mannequins that looked like they were posing graciously. And the best of all was that you could walk around and touch de incredible materials and try shoes we only saw at magazine editorials.Wait. This is not an enchanted story, i mean, it can look like, but it's something that already exists right in the heart of London city.Yes, it's the 7th time i came here and i still go to Selfridges to dream a little. There's nothing like dream closer to it.Besides the obvious, Chanel bags, pastel coats from Miu Miu, Maria Kantrantzou dresses, jewel masks by Martin Margiela, Charlotte Olympia clutch's...it's a place full of history that revolucionated the market. This chain of high department stores already are 105 years of history. Mr. Harry Selfride had a unique vision about what a store should be and at the time everything was tidy in drawers and you had to ask to see piece by piece. And it wasn't pleasent if you asked to see a lot of pieces and you didn't buy any. And his existencial doubt was "How can i know what i want if i didn't see all the options?".Nowadays, in image era, with so much acess to the information is something so obvious and inconscious to us. But having everything acessible and shown was not common in 1909. And the Windows, he described them as teatrical plays stopped in time, with pieces people are going to want. There it was, the birth of visual merchandising. Something that made so much sense and so pure.One of the biggest UK flagship stores, that sell dreams in little yellow bags. Ai.[...]



Glove Love

2014-01-30T19:47:00.453+01:00

 As luvas são um dos acessórios mais antigos da história do guarda-roupa. Começou por ser um item exclusivo da nobreza, mas depressa se propagou por todo o lado, quer fosse por causa de temperaturas climatéricas, quer fosse por símbolo de luxúria. Hoje em dia já não tem tanto status, mas continua a ter elegância e pessoalmente, penso que dá aquele "toque final" a qualquer look.É daquelas peças clássicas, que vão estar sempre na moda e vão ser sempre funcionais, vão ficar para deixarmos às netas.Vantagens: são quentinhas, fazem-nos sentir uma lady princesa, podemos dar estalos de luva a quem merece.Desvantagens: não temos sensibilidade nos dedos para carregar no iphone.Acho que valem a pena. Gloves are one of the most antique acessory in wardrobe history. It started as an exclusive item of aristrocacy, but quickly gained acess, because of wheather conditions and because it was a luxury symbol. Nowadays it doesnt have that much status, but it continues to have elegance and personally, i think it gives that "final touch" to any look.It's one of that classic pieces, that it's always going to be in fashion and be functional, we'll leave it to our grandaughters.Advantages: warm, make us feel like a lady princess, we can always use it to hurt someone who desserves it.Disadvantages: we don't have sensibility to the iphone touch screen.I think it's worthy. Estes são dois pares da minha mini-coleção. Adoro-as.These are two pairs of my mini-colection. I love them.H&M// ULISSES[...]



Sneakers Delight

2014-01-26T19:48:59.034+01:00

Há coisa de 10 anos atrás, andava sempre de ténis. E tinha sempre casos de amor muito graves, ou os tinha ou morria. Procurava-os nas lojas, no ebay e o coração só sossegava com new sneakers nos pezinhos. Agora, só compro uns muito de vez em quando. Não sei se é por não se fazer ténis tão bonitos, se fui eu que cresci e gosto mais de sapatinhos. E na semana que Karl Lagerfeld tirou o fôlego a todos, ao apresentar ténis na semana da alta-costura, percebi que se calhar podia juntar duas coisas que gosto e transformá-la numa super-coisa. Ou seja, o luxo do metálico e dos brilhantes com ténis casuais e confortáveis. Já há umas semanas que tinha ficado com os air max gold e silver de baixo de olho, mas parece que aconteceu a algumas centenas de pessoas. Estão esgotadíssimos em todo o lado. E qual não é o meu espanto, quando sai a versão "disco ball", que eu gosto mais de chamar "pretty mermaid". Fogo, são tão 160 euros. É ir ao sushi 10 vezes, são 3 vestidos na Topshop, são 2 pares de sapatos na Miista Shoes. Decisions.Ten and something years ago, I was always wearing sneakers. And I always had serious love affairs, or I got them or I would die. I searched for them in stores, on ebay and my heart only rested when I had the new sneakers on my little feet. Now, I only buy a pair once in a while. I don’t know if it’s because they don’t make pretty sneakers anymore or maybe I just grew up and like shoes instead. And right in the week, where Karl Lagerfeld took everyone breath away with sneakers in the haute couture show, I realized I could join two things I love and turn it in a super-thing. Meaning, the luxe of metallics and shines with casual confortable sneakers. Few weeks ago, I spotted the air max gold and silver, but I guess hundreds of people did the same. They are sold out everywhere.And i was shocked to find out, that just came out the “disco ball” version, or how I like to call it “pretty mermaid”. God damn it, it’s 160 euros. It’s like going to sushi 10 times, it’s 3 dresses on Topshop or two pairs of shoes on Miista. Decisions.  [...]



Only gowns allowed

2014-01-26T01:27:31.709+01:00

Esta semana, fiz um trabalho num palácio lindo no coração de Lisboa. Uma parte do palácio é de uma entidade privada e a outra é habitada por descendentes do Marquês de Pombal (deve ser girissimo ser neta em vigésimo grau do sinhor). E o pensamento que tive de imediato perante escadas douradas imponentes, paredes incríveis pintadas à mão e tectos altos, foi...se eu morasse aqui não poderia andar de meias e pijama. Não poderia levantar-me de pijama e ir babar para o sofá. Não podia simplesmente. Ficava a descombinar fortemente. Se calhar tinha que ser como a Marie Antoinette e ter senhoras para me vestir assim que saísse da cama. Pronto, se calhar passava a parte de ter duas senhoras a puxarem me pelo pijama pela cabeça a cima, mas já que estamos a sonhar, poderia então ter um cabeleireiro e um maquilhador todas as manhãs, como as Kardashians. E pijaminhas normais com motivos de animais não ia dar, provavelmente teria de dormir de Elie Saab e descalça, só para dar algum dramatismo à coisa. Mas seguindo a linha sonhadora, de morar num palácio sempre extremamente bem maquilhada, escolhi as minhas peças preferidas do desfile Ulyana Sergeenko da semana haute couture (sim, continuo obcecada com as coleções), isto porque quem mora num palácio, também faz encomendas couture. E é melhor estar já preparada, caso apareça uma herança repentina.  Este era, sem dúvida, para cozinhar ou limpar o pó. Este look era para sair do palácio e ir ao minimercado buscar fruta. Este era para desfilar junto à piscina. (Sim, o meu palácio teria piscina também.) Este seria para estar refastelada no sofá. Este era para estar à janela. (E quando houvesse necessidade, ficar camuflada nos cortinados.) Já tinha dito no facebook, que me casava com este modelito. E volto a frisá-lo. E por último, um look para estar à beira da banheira a preparar um banhinho de espuma.E o meu closet poderia ter a coleção todinha desta senhora, que eu não me importava nada. Para ter sempre coleções tão maravilhosas, a Ulyana só pode morar num palácio.   This week, i’ve done a job in a beautiful palace in the heart of Lisbon. Half of the palace is a private entity and the other half is where Marquês de Pombal descendant’s live (it must be pretty cool being the granddaughter in 20thdegree of this sir). And the thought that came right trough in front of great gold stairs, incredible painted by hand walls and high ceilings, was…if I lived here I couldn’t wear pajama and slippers. I couldn’t get up and go drool to the coach. I just couldn’t. It would be highly unmatched. Maybe i had to be like Marie Antoinette and have ladies to dress me as I got out of the bed. Okay, maybe I would pass the thing about two ladies pulling my pyjama up by the head, but since we’re dreaming, I could have an hairdresser and a make up artist every morning, like Kardashians. And normal little pijamas with animal prints wouldn’t do, probably I would have to sleep with an Elie Saab and bare foot, just to give a little drama to it. And following the dreamy line, of living in a palace with a beautiful make up, I chose my favorite pieces from Ulyana Sergeenko show from haute couture week (yes, I am still obsessed with the collections), because who lives in a palace, also makes couture orders. And i better be ready, in case some heritage appears suddenly. This one would be, for sure, to clean the house or cook. This one would be to leave the palace and go to grocery store buy some fruit. This would be to walk by the pool (yes, my palace would have a pool.). This one would be to lay down all over the coach. This one would be to[...]



Fuuuuur

2014-01-23T03:04:51.016+01:00

Pêlo, pêlo, pêlo. Foi algo que sempre me fascinou desde o tempo das Spice Girls. E agora é algo mais acessível, existe em todos os formatos, cores e tamanhos. Até a feira de carcavelos está cheia deles, sim, a minha cara de espanto na terra do pêlo, só fotografada.E visto que este frio veio para ficar e temos que andar vestidas que nem pequenos chouriços, porque não ser um pequeno urso colorido, é mais alegre e chique. Inspirem-se e agasalhem-se, que o que também está muito na moda, são gripes mal curadas.Pêlo sempre sintético, obviamente. Fake Fur Forever.    Fur, fur, fur. It was something that always have fascinated me since Spice Girls. And now is something so much more acessible, exists in every shape, color and size. Even Carcavelos market is full of them, yes, my amazed face in fur land, only photographed.And since this cold came to stay and we have to be dressed like little sausages, why not be a little colourful bear, it's more joyful and chic. Get inspired and warm, cause something that is also in fashion is cold and flu.Fur always sintetic, obviously. Fake Fur Forever.[...]



Couture War

2014-01-22T03:18:30.425+01:00

Confesso que ando um bocadinho distraída com os meus projectos e trabalhos e só no próprio dia (ontem), por intermédio cibernético, é que me lembrei que era a “semana” da haute couture (gritinho de entusiasmo!). Isto nem parece meu, é a minha semana da moda preferida, god damn it.  E o evento ainda vai a meio, mas já deu tanto que falar. Alguns dos meus desfiles preferidos já aconteceram, como Christian Dior e Giambattista Valli repletos de vestidos lindíssimos, Ulyana Seergenko com mais uma coleção de sonho. Alexandre Vauthier com vestidos estruturalmente tão bem construídos. O Atelier Versace e Armani Privé com peças metalizadas e esvoaçantes. E sem dúvida que me casava num Alexis Mabille azul céu.  Agora houve duas casas que se destacaram imenso e originaram um zum zum gigante. A Chanel já é habitual, Karl Lagarfeld voltou a surpreender, manteve o desfile de 45 looks de clássicos reinventados, com tweeds, transparências, brilhos e pormenores de luxo que deliciam a vista de imediato, mas desta vez, todas as modelos usaram ténis! Pois, ténis. Alguns looks remetiam para o look sporty mas sinceramente não sei se era o mais adequado para uma coleção de alta costura (mixed feelings!). Mas quem sou eu para criticar o senhor veterano que virou uma casa de pantanas com a sua visão única. Imagino sempre a senhora Coco no céu a gritar a cada desfile em francês “noooooon”. E não é que eu não o adore, porque graças a ele é que eu adoro a Chanel, convenhamos, só aqui entre nós, a senhora Coco só fazia coleções chatinhas. Mas pronto, não sei se gostava de deixar um legado com uma visão específica e deixarem um sinhor mudar tudo, tudo. Nunca vi uma marca mudar tanto e ninguém dizer nada à cerca do assunto.Agora o que veio mexer com o panorama foi o reaparecimento da maison Schiaparelli, que não tinha um desfile desde 1954 (ainda o meu pai não tinha nascido). Um dos principais nomes nos anos 30 e 40, ficou conhecida na indústria como a principal rival da Coco Chanel. Conhecida por criações inéditas na altura e de alguma extravagância, é uma inspiração do passado constante em livros de moda e nos moodboards dos designers actuais.  Ao longo dos anos, algumas colaborações e exposições deixaram no ar se o reaparecimento da marca iria acontecer e haviam imensos rumores de quem a conseguiria ressuscitar. E finalmente aconteceu, o escolhido Marco Zanini, criador e fundador da casa ROCHAS e com uma experiência avassaladora em casas como Versace e D&G, optou por uma coleção com um espirito nostálgico, recriando elementos conhecidos da marca Schiaparelli. Brocados, aplicações, muitos padrões e drama. Marco admite que se conteve para não esgotar já uma marca que tem um passado de inspiração infinita. Dizem que captou muito bem o sentido estético da estilista e mais importante, o sentido de humor de Elsa Schiaparelli. O fofinho do Stephen Jones confecionou os chapéus e a make up e o cabelo também não passou despercebido, com um toque de loucura que caracterizava a elegância da marca original.  Vou ficar atenta a este senhor.  E só por curiosidade, a neta da senhora Elsa Schiaparelli, Marisa Berenson, vai realizar uma venda de peças de arquivo num leilão na Christie’s em Paris e já está tudo histérico. Gostava tanto de ir. Só ver claro. Já ficava feliz.  Ou então ter um vestideco destes. Também era nice. I confess that i’ve been a little distracted by my own projects and works and only yesterday, by the internet, I remembered it was haute couture week (little scream with excitement!). [...]



Midi Perfect Size

2014-01-19T20:09:50.638+01:00

Costuma-se dizer que o meio termo é o mais acertado. Nunca pensei adaptar esta sabedoria popular às saias. Mas a verdade é que ando apaixonada pelas midi-skirts. Progressivamente, foi algo que foi crescendo nas runaways e ficando cada vez mais vincado. Sem mostrar o rabo e sem tropeçar no tecido, é o tamanho perfeito para não ter grandes problemas no dia-a-dia, é uma silhueta clássica e lindíssima dos anos 50 e tanto pode ser usada num look casual como dá um toque chique constante ao visual. E temos tantas opções, estão em todas as coleções pre-fall e nas novas peças de primavera/verão, não há como resistir. Não de mais, não de menos, mas ali pelo meio. We use to say that mid term is the most certain. But i never thought i would adapt this popular knowledge to skirts. But the truth is that i am in love with midi skirts. Progressively, was something that grow in the runways. Without showing your but and without step into fabric is the perfect size to don't have problems in daily basis, it's a classic and beautiful silhouette from the fifties that you can use in a casual look but it also gives a chic constant touch to it. And we have so much options, they are in every pre fall collections and there are a lot of pieces in spring/summer too, there's no way to resist. Not too much, not too little, but in the middle.  [...]



Crazy Luxe

2014-01-15T22:08:29.892+01:00

  Estou, neste momento, a escrever um artigo para um projecto sobre o Luxo, os produtos considerados de luxo, porque é que os desejamos tanto e nos fazem sonhar e a maneira como nos influenciam no resto das compras.Devido a algumas produções de moda, já andei com o coração bem apertadinho, por ter de andar com vestidos de 1000 euros no carro. E como sonhadora assumida que sou, compreendo o que é gastar um ordenado nuns sapatos que se quer muito ou juntar-se dinheiro durante um par de anos para comprar uma mala icónica que vai durar uma vida.Já dizia a nossa querida Carrie: "I like my money right where i can see it, hanging on my closet", e provavelmente há muitas pessoas que iam achar que tenho demasiada roupa no meu closet. Mas até para mim, que me considero uma pequena colecionadora, há limites. E estou, praticamente em choque, desde que descobri o preço da mala frasquinho de perfume chanel que anda por toda a internet. A primeira vez que a vi no desfile Resort 2014, achei realmente uma gracinha, até a imaginei como elemento decorativo para a casa. Mas agora que sei o que sei, teria de ter 3 seguranças na casa para isso.  Os "fashionistas" (esta palavra dá-me sempre vontade de rir) defendem a pequena mala e dizem que é um artigo único e incrível de coleção. Mas sinceramente, nem o material aparenta ter grande qualidade. Oh Karl, então?Nem vale a pena dizer o que dava para fazer com 9.500 dólares, não é? Dava a volta ao mundo e de recordação, traria uma cópia da china a 9 dólares.    Right now, i’m writting an article for a project about Luxury, the products that are considered luxury, why do we crave for them so much and make us dream and the way they influence us in the rest of the shopping. Due to some fashion productions, I’ve been with the heart in my hands, because I had to took in my car dresses worth a thousand euros. I am an assumed dreamer, so I understand that someone spends a paycheck in some shoes they love very much or save up money a couple of years for an iconic bag that’s going to last a life. Our dear Carrie always said “I like my money right where I can see it, hanging on my closet”, and probably there’s a lot of people that would think that I have too many clothes in my closet. But even for me, that I consider myself a little collector, there are limits. And I am basically in choc, since I found out the price of the parfum bottle chanel bag that’s all over the internet. First time I saw it in the Resort 2014 runaway, I really thought that was too cute. I even imagined it as a decorative element in my home. But now that I know what I know, I’d have to get 3 securities here for that.The “fashionistas” (this word always makes me laugh) defend the little bag, telling that it’s a unique and incredible article for collection. But honestly, not even the material looks to have a fine quality. Oh Karl, what is this? It’s not even worthy to say what we could do with 9.500 dollars, right? We could travel the world and bring a souvenir from China, a bag copy with 9 dollars. [...]



I am just not that into basics.

2014-01-14T04:36:20.503+01:00

 Por ter formação na área e já me ter cruzado com tanta gente, uma coisa eu tenho a certeza, não há ninguém igual a ninguém. O guarda-roupa de alguém é a sua segunda pele e para além de um bem essencial à vida diária, é através da roupa que te expressas. É como uma segunda identidade, por mais que te esforces a nega-lo. Mas do que eu realmente quero falar é dos conselhos e listas de peças essenciais ao guarda-roupa que vejo por aí e me dão imensa comichão. E o mais incrível é toda a gente ir naquilo e acreditar que vestirmo-nos bem, é como uma receita. Se tiveres um vestido preto, uma gabardine, uma camisa branca…tens um guarda-roupa completo para enfrentar qualquer situação. E se eu simplesmente não gostar de camisas?Há regras de proporção, de cor para cada tipo de corpo, de pele e cabelo. Mas não há regras para o estilo e atitude. O mais difícil, quando se veste alguém, é mantê-lo fiel a ele próprio mas numa melhor versão e não mudá-lo da noite para o dia e convence-lo que assim é que está muito bonito.E há quem ache que há regras para as compras e devemos apostar nos básicos. Face Palm. Ora bem, será melhor aquele vestido florido, que é um vestido casual perfeitamente adaptável para um dia de trabalho mais quente, mas que com os acessórios certos também pode ser para uma saída noturna, ou vamos comprar uma t-shirt branca porque é um clássico e dá com tudo? Pelo amor da santa. Que chatinhos que vocês são. Cada caso é cada caso. Ou cada carteira.Cada pessoa tem de ter um guarda-roupa à sua medida. O meu guarda-roupa é feito de peças especiais e não o podia adorar mais. Aposto em peças diferentes ou nas quais me apaixono à primeira vista. E é por isso, que as peças me duram anos e consigo adaptá-las às mais diferentes situações: são histórias de amor. Mas sem seguir qualquer regra, a roupa é divertida, é expressão. E a minha roupa é mais do que meros bocaditos de tecido, muito pelo contrário, fazem parte de quem eu sou. E isto, sem qualquer cariz de hino ao materialismo, mas mais de simbolismo. Até porque faço imensa reciclagem e como disse, as minhas peças tendem a durar anos. Aliás, o verdadeiro segredo do styling é a pura mistura. Também tenho clássicos e coisas mais neutras, mas não lhes chamo básicos. Básicas são as pessoazinhas que andam por aí a fazer listas e a editar livros todos iguais.A verdadeira lista é muito mais simples. Conhece melhor o teu corpo. Experimenta. Expressa-te. Sente-te bem contigo.E há pouco tempo deparei-me com esta frase numa revista de moda e ouviu-se um pequeno plim cintilante dentro da minha cabeça. É isto mesmo, faz todo o sentido:“Favorite clothes can be trusted confidants, perfect partners or best friends for ever, so when it comes to building a perfect wardrobe, make sure you love the ones you’re with.”I have a degree in it and I’ve met so many people, that one thing I’m sure of, nobody is the same. Somebody’s wardrobe is her second skin and besides being essential to life, it’s trough clothes that you express yourself. It’s like a second identity, even if you try to deny it. But what I really want to talk about, it’s from the advices and essential pieces lists to the wardrobe that I see around and cause me a lot of itching. And the most incredible it’s that are a lot of people that believe that to dress well is like a recipe. If you have a black dress, a trenchcoat, a white blouse..you have a complete wardrobe ready to face any situation. What if I simply don’t like blouses? T[...]



Golden night

2014-01-13T05:48:00.399+01:00

 Ninguém resiste a um momento de passadeira vermelha, já que não há muitos momentos na vida de uma pessoa com tamanho dress code. É por isso que nos fascina tanto. Ainda por cima quem lá passa, são os nossos companheiros das séries, dos filmes e da música. A curiosidade duplica. É como se os conhecêssemos e ao mesmo tempo como se não fossem pessoas reais.E por essas duas razões, aparecem de imediato os mais variados comentários aos looks do evento. É muito fácil de se julgar os outros através de um computador, de repente toda a gente percebe imenso de vestidos. Não sou nenhuma expert consagrada, mas acho graça à rapidez e facilidade com que apontam o dedo, gostava de ver essa gente toda vestida para os Globos.A verdade é que a variedade de vestidos não foi grande, no geral foi muito aborrecida. E houve uma grande parte que enlouqueceu. Perdoo toda a gente, menos a Hermione (o que foi aquilo? calças debaixo de um vestido? Nãoooooo!). E os cabelos também não estiveram nada bem. Se calhar, já estão fartos destes grandes eventos e já não sabem como inovar.  Isto seria a minha escolha, se lá estivesse estado. Um corte clássico, com uma cor edgy e acessórios giros. O amarelo Jason Wu cintado e vibrante, um corte com um update moderno e fresco. O Oscar de la Renta em tom bubblegum é provavelmente o meu preferido, de ombros à mostra, com uma silhueta totalmente anos 50. E por último, um Carven cor de esmeralda, com o pormenor de ter os ombros e peito totalmente descobertos e as mangas com um corte super criativo.   Jason Wu// Oscar de la Renta// Carven  Para os pezitos, nada melhor que os clássicos e elegantes pumps, numa cor neutra ou porque não um padrão, como estes da Givenchy?Givenchy E por fim, o complemento final seria uma jóia especial, como uns statement earrings para emoldurar o rosto da melhor forma. Como estes rosa lanvin, uns contemporâneos marni ou os especiais cabides vintage da chanel. Lanvin// Marni// Vintage Chanel E vocês? Costumam pensar nisso?   Nobody resists a red carpet moment, cause there’s not enough life events with this dress code. That’s why we get so fascinated about it. And after all, it’s our “friends” that go there, from tv series, from movies, from music. And our curiosity duplicates. It’s like we know these people and at the same time they don’t seem real. And for that two reasons, immediately appears a lot of comments to the event looks. Its very easy to judge someone trough the computer, suddenly everybody knows a lot about dresses. I’m not the supreme expert about it but I think it’s funny to how fast and easy people point their fingers, I would love to see themselves dressed up for Globes. Well, the truth is that there wasn’t a big variety of dresses this year, in general it was pretty boring. And there was a lot of people that probably went crazy. I forgive everyone, except Hermione (what was that? Pants under a dress? Nooooo!). And hair wasnt that well also. Maybe these people are sick of these events and they don’t know how to innovate anymore.These would be my options, if I was there tonight. A classic cut with an edgy color and cool accessories. A yellow vibrant Jason Wu with an amazing waist line, a cut with a modern and fresh update. The Oscar de la Renta in a bubblegum color is probably my favorite, with naked shoulders and a silhouette totally fifties. And by last, a emerald beautiful Carven, with naked shoulders and chest with super creative s[...]



Girls, girls, girls.

2014-01-13T01:21:28.059+01:00

 Sou assumidamente, uma papa-séries. Vejo tudo e mais alguma coisa e tenho um calendário, para saber quando recomeçam as temporadas. Nem costumo abordar muito estes temas, mas em vésperas de começar mais uma temporada, estou demasiada ansiosa. O real valor de qualquer produção audiovisual, para mim, tem de vir de um bom argumento. Se a história for boa, não há como falhar. E algo que eu reparo muito, na maioria das coisas que vejo, é que são escritas por homens, as personagens femininas são sempre muito superficiais, pouco exploradas e muitas vezes, a sorte, é de terem boas atrizes a suporta-las. Atrevo-me a dizer que há uma certa misoginia. E irrita-me profundamente, porque eu adivinho sempre, sempre, se foi um homem ou uma mulher a criar uma personagem. E esta série, que comecei a ver, pelo buzz que havia na internet, apaixonei-me no 1º episódio. Soube logo que era uma mulher a escrever. A maneira como a história flui naturalmente, o argumento melodramático tão divertido e os diálogos tão deliciosos, com personagens reais. Choramos e rimos ao mesmo tempo com as aventuras de 4 amigas.A Hanna, a personagem principal, é uma aspirante a escritora que tem de aprender a safar-se, quando os pais decidem deixar de ajuda-la financeiramente. Insegura e mimada, é uma personagem, com qual qualquer rapariga se consegue identificar. O resto é história, têm mesmo de ver. Agora, o que eu não sabia, e fiquei duplamente fã desta actriz, a Lena Dunham, é que ela escreve, produz e co-realiza a série, onde ela é a protagonista. Com a leve desculpa "que nunca encontrava papéis para ela, portanto decidiu escrever uma história", tornou um enredo simples numa grande série. Parece ser só mais uma história de miúdas, mas é bem mais do que isso. GIRLS, vem aí a 3ª temporada. Yey por raparigas talentosas e não comuns.   I consume a lot of tv series. I watch everything I can and also have a calendar to know when seasons premiere. Usually I don’t talk about these themes, but I’am too anxious about this comeback. The real value of any audiovisual production, for me, has to come from the script. If the story is good, success is guaranteed. And something I notice a lot, in a lot of the things I watch, it’s that they are written by men, the female characters are always superficial and less explored, luckily, there are good actresses in the roles to fill the gap. I dare to say that there is a certain misogyny. And it irritates me a lot, because I can always guess if it’s a female or a male scriptwriter, that created the specific character. In this tv series, that i started to watch, by the internet buzz, I fell in love with it in the first episode. I knew from the start that was a woman writing it. The way the story flows naturally, the melodramatic script so fun and the delicious dialogues, with real characters. We cry and we laugh at the same time with these 4 girls adventures.  Hanna, the main character, is an aspiring writer that has to survive, now that her parents decided to not help her anymore financially. Insecure and spoiled, its someone any girl will identify herself with. The rest is history, you really got to watch. Now, what i didn’t know, and i got double fan of this actress, Lena  Dunham, is that she writes, produces and co-direct the series, where she is the leading role. With the slight excuse “that she never found roles for her, so she decided to write a story”, she turned simple lines into a great serie[...]



You're hot then You're cold.

2014-01-12T02:53:18.994+01:00

 No que toca a temperaturas, não gosto de extremos. Não estou a aguentar estes 8 graus lisbonenses, mas quando estão 40º e está tudo contente na praia, eu também estou lá mas de trombas debaixo do chapéu de sol a resmungar que não quero apanhar cancro.E a verdade é que já estive na Alemanha com -13º e em Angola com 43º e acho que não sofri tanto, como se sofre neste nosso piqueno país à beira mar plantado. Não sei se é realmente por estarmos numa ponta, se calhar estamos muito expostos, não sei realmente o que é. O frio português, por mais agasalhado que estejas enfia-se por cada buraquinho que pode, seja pelo pescoço, pelos rins ou pelos tornozelos, ele arranja maneira de te arrepiar. Eu, por exemplo, deixo de sentir os pés em Setembro/Outubro e depois só volto a senti-los lá para Abril. Podem-me pisar à vontade, que neste momento, possuo dois blocos de gelo azuis com dedinhos.Como não podemos andar todos os dias com roupa para a neve (porque não? porque além de cara, parecemos pequenos astronautas! e os astronautas só são fixes se estiverem a flutuar na gravidade e não à espera do autocarro, por exemplo.), o melhor conselho será usar roupa por camadas.Até porque o tempo muda de hora a hora, podes sair de casa com uma camisola de lã perante o nevoeiro e à tarde estás a suar com um céu sem nuvens e solarengo. As vantagens é que podes fazer combinações muito giras de texturas, padrões e cores. A desvantagem é que é mais difícil de projetar um look desta dimensão (principalmente de manhã, ainda a babar), tens de pensar em mais pormenores, o que pode ser divertido, mas quando vais à casa de banho, custa mais tirar as várias camadas também.Mas pronto, na realidade, o que eu gostava mesmo, mesmo, era que não sentíssemos temperaturas (como a minha mãe, que bebe café como se bebe um shot e pega em ovos cozidos com uma grande descontração) e pudéssemos ser livres para usar o que quiséssemos. Quantas vezes quisemos usar um vestido decotado para uma passagem de ano ou uma máscara gira mais leve para o carnaval e tivemos que ir enchouriçadas? Ou ao contrário, queríamos levar um casaco giro, mas estava um calor que derretia qualquer um? É que já estou como a outra, desde que os americanos andaram a mexer na lua que isto ficou avariado e uma pessoa nunca sabe com o que contar. Nem o que vestir.   In what concerns temperature, i don’t like extremes. I cant take this 8 degrees in Lisbon, but when its 40 and everyone is happy at the beach, I am bitching about it under the beach umbrella that I don’t want to have cancer. The truth is that I’ve been to Germany with -13º and in Angola with 43º and I didn’t suffer this much, like in our little country planted near the sea. I don’t know if it’s because we are on a corner, maybe we’re too exposed, I really don’t know. The Portuguese cold, even if you’re properly dressed, enters every little hole he can, in the neck, in your back or even your ankles, he finds a way. Me, for exemple, I cant feel my feet since Semptember/October and I will only feel them again in April. For now you can step on my feet all you want, I have two blue blocks of ice with little fingers. Since we can’t wear snow clothes every day (why not? Because it’s not only expensive but we look like little astronauts! And astronauts are only cool floating with gravity, not waiting for the bus, for example.), the best advice is to wear clothes by layers. W[...]



Pre-what?

2014-01-10T21:02:21.980+01:00

Já lá vão 2 ou 3 anos que temos as colecções Pre-Fall. E eu, sem ligar de onde é que este conceito apareceu, analiso ao pormenor cada peça e cada campanha deliciosa.O calendário de desfiles anual já é apertado, quem foi o indivíduo que se lembrou de mais um? Já temos a temporada Primavera/Verão e a de Outono/Inverno, temos a Alta-Costura, temos as colecções resort e agora uma coisita chamada Pre-Outono? Haverá tempo ou carteira para tanta coisa?O Pre-Fall é uma coleção de pequena escala, sempre com um carácter mais comercial e que nos dá a ideia do que vai na cabeça do designer e nos faz adivinhar o que pode ou não vir a seguir.  São as colecções que nos fazem suspirar, quando toda a gente ainda anda de volta dos saldos. Ou seja, é uma oportunidade de venda para os consumidores comuns e um levantar da cortina para a imprensa da moda.Só há relativamente pouco tempo, este conceito entrou oficialmente para o léxico da moda e eu só me pergunto, quem é que decidirá este tipo de coisas? Haverá um deus superior chefe supremo da moda que diz “este ano vão haver novos desfiles” ou então “aquele designer lembrou-se de fazer uma colecção a mais e chamou-lhe pre-fall e eu aprovo, pode ser, isso agora existe” e consequentemente manda uma carta às casas e respectivos designers a avisar?Bem, a verdade é que as colecções Pre-Fall existem, estão por todo o lado e são dignas de ser analisadas.It’s been 2 or 3 years that Pre-Fall collections appeared. Without caring where they’ve come from, I analyze every piece and delicious campaign.The annual fashion calendar is already full, who was the person that recall to add one more? We already have Spring /Summer season, Autumn/Winter season, we have Haute-Couture, we have resort collections and now we have a little thing called Pre-Fall? Is there time or wallet for so many things?Pre-Fall is a collection in a small scale, always with a commercial side that give us an ideia what the designer is thinking at the moment and give us a chance to guess what’s coming next. These are the collections that take our breath away, when everyone else is still crazy about the big sales. Concluding, it’s an opportunity to sale more to the average consumer and a sneak peek to the fashion press.Only now this concept has enter officially to the fashion lexicon and I wonder, who decides this type of things? There is a superior god supreme boss of fashion that says “this year will have more fashion shows” or “that designer thought of making one more collection and called it pre-fall, I approve, its okay, that now exists” and after that he sends letters to every house and designers to warn them?Well, the truth is that Pre-Fall collections do exist, they are everywhere and worthy to be analyzed. [...]



We can't let go of the past.

2014-01-09T18:19:18.459+01:00

  Lembro-me de há uns anos (valentes) ter de fazer um trabalho sobre as décadas de moda, desde os anos 20 a 2000. Dos frenéticos anos 20 aos pirosos anos 80, estava tudo na internet, em enciclopédias, havia informação até mais não e milhões de imagens para o ilustrar. Os anos 90 eram o real problema. Como na altura, tinha apenas passado 10 anos, ainda não havia grande registo, onde se pudesse fazer pesquisa. A minha professora ainda acrescentou –“se viveram essa época, ainda é mais fácil descrevê-la”. Hum, nem por isso. De 1990 a 1999, foi a minha faixa dos 5 anos de idade até aos 14/15 anos e digamos que os meus gostos pessoais levaram imensas transformações. Tanto gostei de fios de veludo preto apertados ao pescoço como de vestidos tubulares da La Redoute. Nos registos das revistas de moda, saltavam à vista, as TOP models da altura, cheias de curvas mas sempre com peças muito clean. E eu sabia que a moda tinha sido bem mais do que aquilo. Até que me lembrei da fonte/exemplo perfeito para poder descrever os estilos dos anos 90. A grande banda musical, que influenciou toda e qualquer rapariga da altura, tinha 5 estilos distintos, que não se podia adequar melhor às várias tendências que predominaram na década. If you wanna be my lover… pois é, as Spice Girls, a posh, a baby, a ginger, a scary, a baby e a sporty. Através delas, consegui ter uma base sólida para o dito trabalho. A posh Victoria representava a mulher executiva, que se tinha vindo a desenvolver ao longo dos tempos, linhas simples, vestidos simples e de corte direito e a força do preto total. A baby Ema vinha em nome das meninas mais girly, dos rosas metálicos, do pelo e apresentar um número imenso de novos tecidos e texturas. A divertida ginger Geri usava imensas lantejoulas e tudo o que fosse ousado/bold como plataformas gigantes. A scary Mel B representava os padrões de animais que apareceram em força nessa altura e alguma boldness como o look de ganga total e/ou crop tops. Por fim, a Mel C vinha em nome do grande boom do sportswear, fatos-de-treino, lycras e tops desportivos everywhere. E com este enorme reminder lembrei-me de mil e uma coisas que na altura faziam sentido e hoje em dia nem tanto, como mostrar imenso a barriga, usar fios de nylon ao pescoço e/ou looks totais de algum material, seja ganga, veludo ou mesmo pele. Dizem que as modas voltam de 25 em 25 anos. E eu não costumava acreditar muito, porque adoro investigar os conceitos por de trás das coleções e os designers têm inspirações das mais random possíveis, voltando sempre a uma década especifíca. Mas numa altura, que o streetstyle tem tanta importância quanto a catwalk, é com muito força que vejo os noventa a voltarem à tona. Voltaram as plataformas para os sapatos, voltaram os cortes direitos para os vestidos, voltaram os espelhados para os óculos, voltou a ganga, voltou o cabedal, voltou o veludo. E eu só posso dizer que adoro este revival da minha querida infância/adolescência. Inconscientemente, dei por mim a adorar estas coisas novamente. Fico sempre intrigada com as tendências e as influências que a moda tem em nós. Fico ainda mais curiosa de saber como é que os nossos netos vão descrever o nosso tempo em termos de guarda-roupa, este mix gigante de inspirações, este constante reviver do passado.    I remember some years ago i had to do an essay about the decades in fashion, since [...]



Back to Business

2014-01-08T21:19:03.716+01:00

 
 
Tive saudades do blog. Ás vezes apetecia-me vir aqui a correr, outras vezes pensava para mim "fiz bem, já não tem nada para dar". E se calhar não tem, não como estava, por isso decidi actualizá-lo. Não só com um novo design mas com posts de uma maneira completamente nova. Sem falsas promessas, mas quero que o blog seja uma melhor extensão de mim. O facebook, o instagram e o tumblr já o fazem através de imagens, portanto quero mesmo investir na escrita, algo que sempre foi importante para mim desde cedo. Os mesmos temas, conteúdos e eu na mesma, mas mais e melhor.
 
 
I've missed the blog. Sometimes all i wanted to do was come running to it but other times i just thought "It's over". Maybe it is, the way it was before, so i decided to update it.
Not only with a new design but with totally new posts. No fake hopes, but i want the blog to be a better extension of myself. Facebook, instagram and tumblr already do that through images, so i want to invest more in writting, something that was always so important for me since i was a little girl. Same themes, contents and myself, but more and better.