Subscribe: em sua homenagem
http://lumasamily.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
alma  amor  conceito  das  mais  medo  mesmo  meu  mim  minha  mulher  nos  não  nós  ser  são  tua  você   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: em sua homenagem

em sua homenagem





Updated: 2016-05-20T01:22:54.610-07:00

 



Para você Mulher

2012-03-08T11:27:41.087-08:00

Ser feliz é encontrar força no perdão, esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros. É agradecer a Deus a cada minuto pelo milagre da vida.
Fernando Pessoa



mg

2011-03-05T11:11:47.032-08:00

ponomariagabrielle

referente a: Google (ver no Google Sidewiki)



Canção de mim mesmo

2010-09-13T16:50:50.319-07:00

Walt Whitman 1. Eu celebro o eu, num canto de mim mesmo, E aquilo que eu presumir também presumirás, Pois cada átomo que há em mim igualmente habita em ti. Descanso e convido a minha alma, Deito-me e descanso tranqüilamente, observando uma haste da relva de verão. Minha língua, todo átomo do meu sangue formado deste solo, deste ar, Nascido aqui de pais nascidos aqui de pais o mesmo e seus pais também o mesmo, Eu agora com trinta e sete anos de idade, com saúde perfeita, dou início, Com a esperança de não cessar até morrer. Crenças e escolas quedam-se dormentes Retraindo-se por hora na suficiência do que não, mas nunca esquecidas, Eu me refugio pelo bem e pelo mal, eu permito que se fale em qualquer casualidade, A natureza sem estorvo, com energia original. 2. Casas e cômodos cheios de perfumes, prateleiras apinhadas de perfumes, Eu mesmo respiro a fragrância, a reconheço e com ela me deleito, A essência bem poderia inebriar-me, mas não permitirei. A atmosfera não é um perfume, mas tem o gosto da essência, não tem odor, Existe para a minha boca, eternamente; estou por ela apaixonado Irei até a colina próxima da floresta, despir-me-ei de meu disfarce e ficarei nu, Estou louco para que ela entre em contato comigo. A fumaça da minha própria respiração, Ecos, sussurros, murmúrios vagos, amor de raiz, fio de seda, forquilha e vinha, Minha expiração e inspiração, a batida do meu coração, a passagem de sangue e de ar através de meus pulmões, O odor das folhas verdes e de folhas ressecadas, da praia e das pedras escuras do mar, e de palha no celeiro, O som das palavras expelidas de minha voz aos remoinhos do vento, Alguns beijos leves, alguns abraços, o envolvimento de um abraço, A dança da luz e a sombra nas árvores, à medida que se agitam os ramos flexíveis, O deleite na solidão ou na correria das ruas, ou nos campos e colinas, O sentimento de saúde, o gorjeio do meio-dia, a canção de mim mesmo erguendo-se da cama e encontrando o sol. Achaste que mil acres são demais? Achaste a terra grande demais? Praticaste tanto para aprender a ler? Sentiste tanto orgulho por entenderes o sentido dos poemas? Fica esta noite e este dia comigo e será tua a origem de todos os poemas, Será teu o bem da terra e do sol (há milhões de sóis para encontrar), Não possuíras coisa alguma de segunda ou de terceira mão, nem enxergarás através do olhos de quem já morreu, nem te alimentarás outra vez dos fantasmas que há nos livros. Do mesmo modo não verás mais através de meus olhos, nem tampouco receberás coisa alguma de mim, Ouvirás o que vem de todos os lados e saberás filtrar tudo por ti mesmo. 3. Eu ouvi a conversa dos falantes, a conversa sobre o início e sobre o fim, Mas não falo nem do início nem do fim. Nunca houve mais iniciativa do que há agora, Nem mais juventude ou idade do que há agora, E jamais haverá mais perfeição do que há agora, Nem mais paraíso ou inferno do que há agora, O anseio, o anseio, o anseio, Sempre o anseio procriador do mundo. Na obscuridade a oposição equivale ao avanço, sempre substância e acréscimo, sempre o sexo, Sempre um nó de identidade, sempre distinção, sempre uma geração de vida. Não vale elaborar, eruditos e ignorantes sentem que é assim. Certeza tal como a mais certa certeza, aprumados em nossa verticalidade, bem fixados, suportados em vigas, Robustos como um cavalo, afetuosos, altivos, elétricos, Eu e este mistério aqui estamos, de pé. Clara e doce é minha alma e claro e doce é tudo aquilo que não é minha alma. Faltando um falta o outro, e o invisível é provado pelo visível Até que este se torne invisível e receba a prova por sua vez. Apresentando o melhor e isolando do pior, a idade agasta a idade, Conhecendo a adequação e a eqüanimidade das coisas, enquanto eles discutem eu mantenho-me em silêncio e vou me banhar e admirar a mim mesmo. Bem-vindo é todo [...]



Querer (Pablo Neruda)

2010-08-03T17:16:09.790-07:00

Não te quero senão porque te quero E de querer-te a não querer-te chego E de esperar-te quando não te espero Passa meu coração do frio ao fogo. Te quero só porque a ti te quero, Te odeio sem fim, e odiando-te rogo, E a medida de meu amor viageiro É não ver-te e amar-te como um cego. Talvez consumirá a luz de janeiro Seu raio cruel, meu coração inteiro, Roubando-me a chave do sossego. Nesta história só eu morro E morrerei de amor porque te quero, Porque te quero, amor, a sangue e a fogo. Nos Bosques, Perdido (Pablo Neruda) Nos bosques, perdido, cortei um ramo escuro E aos labios, sedento, levante seu sussurro: era talvez a voz da chuva chorando, um sino quebrado ou um coração partido. Algo que de tão longe me parecia oculto gravemente, coberto pela terra, um gruto ensurdecido por imensos outonos, pela entreaberta e úmida treva das folhas. Porém ali, despertando dos sonhos do bosque, o ramo de avelã cantou sob minha boca E seu odor errante subiu para o meu entendimento como se, repentinamente, estivessem me procurando as raízes que abandonei, a terra perdida com minha infância, e parei ferido pelo aroma errante. Não o quero, amada. Para que nada nos prenda para que não nos una nada. Nem a palavra que perfumou tua boca nem o que não disseram as palavras. Nem a festa de amor que não tivemos nem teus soluços junto à janela... Pablo Neruda Para meu coração teu peito basta, para que sejas livre, minhas asas. De minha boca chegará até o céu o que era adormecido na tua alma. Mora em ti a ilusão de cada dia e chegas como o aljôfar às corolas. Escavas o horizonte com tua ausência, eternamente em fuga como as ondas. Eu disse que cantavas entre vento como os pinheiros cantam, e os mastros Tu és como eles alta e taciturna. Tens a pronta tristeza de uma viagem. Acolhedora como um caminho antigo, povoam-te ecos e vozes nostálgicas. Despertei e por vezes emigram e fogem pássaros que dormiam em tua alma. Pablo Neruda Já és minha. Repousa com teu sonho em meu sonho. Amor, dor, trabalhos, devem dormir agora. Gira a noite sobra suas invisíveis rodas e junto a mim és pura como âmbar dormido. Nenhuma mais, amor, dormirá com meus sonhos. Irás, iremos juntos pelas águas do tempo. Nenhuma mais viajará pela sombra comigo, só tu, sempre-viva, sempre sol, sempre lua. Já tuas mãos abriram os punhos delicados e deixaram cair suaves sinais sem rumo, teus olhos se fecharam como duas asas cinzas. Enquanto eu sigo a água que levas e me leva: a noite, o mundo, o vento enovelam seu destino, e já não sou sem ti senão apenas teu sonho.[...]



Nelson Mandela

2010-07-15T19:35:50.937-07:00

Nelson Mandela - "Sonho com o dia em que todas as pessoas levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos." - "Uma boa cabeça e um bom coração formam uma formidável combinação." - "Não há caminho fácil para a liberdade. A queda da opressão foi sancionada pela humanidade, e é a maior aspiração de cada homem livre." - "A luta é a minha vida. Continuarei a lutar pela liberdade até o fim de meus dias." - "A educação é a arma mais forte que você pode usar para mudar o mundo.



google

2010-04-28T10:40:47.126-07:00

é demais,você encontra tudo.

referente a: Google (ver no Google Sidewiki)






A pulga John Donne

2010-04-13T07:40:24.328-07:00

(image) John Donne

A pulga




Nesta repara pulga e Bem Aprende

Quão Pouco É o Que me negas com desdém.

Ela sugou-me um MIM E a ti Depois,

assim mesclando o Sangue de Dois nn.

E É certo Que Ninguém a isto aludo

Como Pecado OU Perda de Virtude.

Mas ELA Goza sem ter cortejado

E incha de Sangue em hum Dois revigorado:

E mais não teríamos logrado que.



Poupa Três Vidas Nesta Que É Capaz

De nsa casados Fazer, Mais Quase UO.

A pulga NÓS Somos e Este e TUE o

Leito de núpcias. Ela prendeu nos,

Ou não queiras, e NÓS Os outros contra,

Nos muros vivos Deste Breu, a sós.

E embora Possas dar-me FIM, Não dês:

É suicídio e sacrilégio, Três

Três mortes em Pecados de Uma Vez.



Mas tinge de vermelho, indiferente,

A Tua unha em Sangue de inocente.

Que cometeu Falta uma pulga incauta

Salvo uma Mínima gota que te Falta?

E de te alegres dizes Que Não sentes

Nem um Nem ti Menos um potentes MIM.

Então, Tua cautela É desmedida.

Tanta Honra hei de Tomar, se concedida,

Quanto a morte da pulga A Tua Vida.



O Flea JOHN DONNE

2010-04-13T07:41:00.881-07:00

(image) JOHN  DONNE

O Flea








MARK mas esta pulga, e marca isso,

Como é pouco o que me negas é;

É suck'd me em primeiro lugar, e agora te suga,

E nesta pulga nossos dois sangues misturaram ser.

Tu sabes que isto não pode ser dito

Um pecado, nem vergonha, nem perda da virgindade;

No entanto, este goza antes woo,

E pamper'd incha com um sangue feito de dois;

E isso, infelizmente! é mais do que faríamos.



O ficar, três vidas numa pulga de reposição,

Onde estamos quase, sim, mais que um casamento.

Esta pulga é tu e eu, e isso

O nosso leito conjugal, eo templo é o casamento.

Embora os pais o rancor, e você, estamos satisfeitos,

E cloister'd vivendo nestas paredes de jato.

Embora o uso torná-lo apto a matar-me,

Não deixe que a auto-assassinato ser acrescentado,

E o sacrilégio, três pecados matando três deles.



Cruel e repentinas, uma vez que tens

Púrpura tuas unhas em sangue de inocência?

Onde isso poderia ser culpado de pulgas,

Salvo em que a queda que suck'd de ti?

No entanto, triumph'st tu, e tu disseste que

Find'st não te nem a mim o mais fraco agora.

'Tis verdade, então aprender teme ser falso;

Apenas tanta honra, quando yield'st tu para mim,

Vontade de resíduos, como a morte esta pulga tirou a vida de ti.



O Ecstasy JOHN DONNE

2010-04-13T07:41:54.443-07:00

John Donnehttp://lumasamily.blospot.com/ O Ecstasy Quando, como um travesseiro na cama Um banco grávida swell'd até demais cabeça reclinada O violeta, o Sáb nós dois, um outro melhor. Nossas mãos estavam firmemente cimentada Com um bálsamo rápido, daí que surgiu de repente; Nosso olhar vigas retorcidas, e não discussão Nossos olhos em cima de uma corda dupla; Então to'intergraft nossas mãos, como ainda Foi de todos os meios para nos fazer um, E imagens em nossos olhos para começar Foi tudo nosso propagação. twixt como "destino dois exércitos iguais Suspende a vitória incerta, Nossa alma (que para avançar seu estado Foram saído) pendurado 'twixt ela e eu. E enquanto nossas almas negociar lá, Nós como estátuas sepulcral leigos; Todos os dias, o mesmo nossas posturas foram, E não dissemos nada, todo o dia. Se houver, então pelo amor refin'd linguagem que a alma está compreendida, E pelo amor de bom foram cultivadas em mente, A uma distância conveniente, levantou-se, Ele (embora ele não sabia o que falava da alma, Porque tanto significado, falou a mesma coisa) Talvez daí confecção de um novo exame E uma parte muito mais puro do que ele veio. Esta unperplex doth ecstasy, Nós dissemos, e diga-nos o que nós amamos; Vemos por este não era o sexo, Vemos que não viu o que se movia; Mas, como todas as almas conter vários Mistura de coisas, não sei o quê, Love estas almas misturadas mix doth novamente E tanto faz uma, cada isso e aquilo. Um transplante de violeta único, A força, a cor eo tamanho, (Todos os que antes era pobre e escasso) Redobra ainda, e se multiplica. Quando o amor com um outro modo Interinanimates duas almas, Que a alma abler, que fluem daí Acaso, Defeitos de controles solidão. Nós, então, que essa alma nova, saber Do que estamos compos'd e fez, Para th 'atomies que nós crescemos São almas. que nenhuma mudança pode invadir. Mas, oh, infelizmente, tão longo, tão distante, Nossos corpos porque nós abster? They'are nossa, embora não they'are nós, somos As inteligências, eles as esferas. Devemos-lhes graças, porque assim Será que nós, para nós, a saber em primeiro lugar, Rendeu vigor dos seus sentidos "para nós, Também não são escória para nós, mas dissipar. No céu influência do homem não funciona assim, Mas que primeiro imprime ao ar; Assim a alma para a alma possa fluir, Apesar do reparo do corpo-a primeiro. Como trabalhos nosso sangue para procriar Espíritos, como almas, pois ele pode, Como os dedos dessa necessidade de tricotar Esse nó sutil que nos faz homens, Assim, deve almas amantes puros "descer afetos T ", e faculdades, Que sentido pode alcançar e apreender, Mais um grande príncipe está na prisão. organismos To'our vez que, então, que assim Homens fracos em reveal'd amor pode parecer; os mistérios do amor nas almas que crescem, Mas ainda o corpo é o seu livro. E se algum amante, como nós, Ouvi este diálogo de um, Deixe que ele ainda nos marca, ele deve ver Pequena alteração, quando we'are aos órgãos ido[...]



Fernando Pessoa Navegar é Preciso(tem vários outros poemas no dominio público)

2010-04-03T19:38:08.239-07:00

poesias de Fernando PessoaNavegar é Preciso


Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:

"Navegar é preciso; viver não é preciso".

Quero para mim o espírito [d]esta frase,

transformada a forma para a casar como eu sou:

Viver não é necessário; o que é necessário é criar.

Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.

Só quero torná-la grande,

ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo.

Só quero torná-la de toda a humanidade;

ainda que para isso tenha de a perder como minha.

Cada vez mais assim penso.

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue

o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir

para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.



Vendaval Fernando Pessoa -

2010-04-03T19:11:42.731-07:00


Vendaval


Ó vento do norte, tão fundo e tão frio,

Não achas, soprando por tanta solidão,

Deserto, penhasco, coval mais vazio

Que o meu coração!

Indômita praia, que a raiva do oceano

Faz louco lugar, caverna sem fim,

Não são tão deixados do alegre e do humano

Como a alma que há em mim!

Mas dura planície, praia atra em fereza,

Só têm a tristeza que a gente lhes vê

E nisto que em mim é vácuo e tristeza

É o visto o que vê.

Ah, mágoa de ter consciência da vida!

Tu, vento do norte, teimoso, iracundo,

Que rasgas os robles — teu pulso divida

Minh'alma do mundo!

Ah, se, como levas as folhas e a areia,

A alma que tenho pudesses levar -

Fosse pr'onde fosse, pra longe da idéia

De eu ter que pensar!

Abismo da noite, da chuva, do vento,

Mar torvo do caos que parece volver -

Porque é que não entras no meu penssamento

Para ele morrer?

Horror de ser sempre com vida a consciência!

Horror de sentir a alma sempre a pensar!

Arranca-me, é vento; do chão da existência,

De ser um lugar!

E, pela alta noite que fazes mais'scura,

Pelo caos furioso que crias no mundo,

Dissolve em areia esta minha amargura,

Meu tédio profundo.

E contra as vidraças dos que há que têm lares,

Telhados daqueles que têm razão,

Atira, já pária desfeito dos ares,

O meu coração!

Meu coração triste, meu coração ermo,

Tornado a substância dispersa e negada

Do vento sem forma, da noite sem termo,

Do abismo e do nada!



O medo

2010-03-19T16:01:10.751-07:00

Em verdade temos medo.
Nascemos escuro.
As existências são poucas:
Carteiro, ditador, soldado.
Nosso destino, incompleto.

E fomos educados para o medo.
Cheiramos flores de medo.
Vestimos panos de medo.
De medo, vermelhos rios
vadeamos.

Somos apenas uns homens
e a natureza traiu-nos.
Há as árvores, as fábricas,
Doenças galopantes, fomes.

Refugiamo-nos no amor,
este célebre sentimento,
e o amor faltou: chovia,
ventava, fazia frio em São Paulo.

Fazia frio em São Paulo...
Nevava.
O medo, com sua capa,
nos dissimula e nos berça.

Fiquei com medo de ti,
meu companheiro moreno,
De nós, de vós: e de tudo.
Estou com medo da honra.

Assim nos criam burgueses,
Nosso caminho: traçado.
Por que morrer em conjunto?
E se todos nós vivêssemos?

Vem, harmonia do medo,
vem, ó terror das estradas,
susto na noite, receio
de águas poluídas. Muletas
do homem só. Ajudai-nos,
lentos poderes do láudano.
Até a canção medrosa
se parte, se transe e cala-se.

Faremos casas de medo,
duros tijolos de medo,
medrosos caules, repuxos,
ruas só de medo e calma.

E com asas de prudência,
com resplendores covardes,
atingiremos o cimo
de nossa cauta subida.

O medo, com sua física,
tanto produz: carcereiros,
edifícios, escritores,
este poema; outras vidas.

Tenhamos o maior pavor,
Os mais velhos compreendem.
O medo cristalizou-os.
Estátuas sábias, adeus.

Adeus: vamos para a frente,
recuando de olhos acesos.
Nossos filhos tão felizes...
Fiéis herdeiros do medo,

eles povoam a cidade.
Depois da cidade, o mundo.
Depois do mundo, as estrelas,
dançando o baile do medo.
Drummond



mariagabrielle

2010-03-13T19:38:17.305-08:00

parabenizo o google, ele fornece ferramentas de mais......

referente a: Google (ver no Google Sidewiki)



CONCEITOS EM FILOSOFIA

2010-03-06T07:13:36.716-08:00

A filosofia e a criação de conceitos em Deleuze e Guattari Para Deleuze e Guattari, o pensamento filosófico realiza-se através da inten-sa criação de conceitos. Essa tarefa, no entanto, já foi reconhecida pela filosofia. O que distingue o pensamento desses autores com respeito ao trabalho filosófico, é que para os mesmos, a criação de conceitos deve assumir o lugar a imanência e não da transcendência. Assim, supõe a criação de um plano de imanência pré-filosófico. O plano é caracterizado como pré-filosófico não no sentido de ser anterior à filosofia, mas por ser a condição, o elemento interno necessário para que a filosofia exista. “A filosofia é, ao mesmo tempo, criação de conceito e instauração do plano. O conceito é o começo da filosofa, mas o plano é sua instauração” (DELEUZE e GUATTARI, 1992, p. 58). O plano é a base e o horizonte do conceito, o que fornece fundamento e norteia a criação conceitual. Por isso, conceito e plano tornam-se inseparáveis e imbricados e sem nenhuma relação hierárquica entre eles. O conceito não funciona sem o plano em que foi criado. Há uma complementaridade entre conceito e plano, que forma a estrutura do sistema filosófico. A imanência do conceito impede as representações mentais, e a busca de referenciais fora do plano. Assim, os conceitos remetem a uma compreensão não conceitual, intuitiva, que varia em função do plano foi instaurado. O plano de imanência estabelece também uma relação entre a filosofia e o não filosofo, uma vez que é necessário que haja um diálogo entre a filosofia e os leigos. Como não se encerra em representações mentais, o conceito não paralisa o movimento do pensamento. Ele é aberto e dinâmico, tem como característica intrín-seca o próprio devir. Assim, o conceito provém de uma experiência de pensamento e leva a novas experiências de pensamento. Portanto, os conceitos não surgem do nada, se caracterizam também por pos-suir uma história, isto é trazem consigo elementos de outros conceitos. Os conceitos alimentam-se de diversas fontes, como a filosofia, ciência e arte. Um conceito se origina de outro conceito, que por sua vez, também teve origem em outro conceito, e assim sucessivamente, num movimento que se estende ao infinito. Por isso, não há conceito simples, o conceito remete sempre a uma multiplicidade de conceitos, de modo que é impossível construir uma linha exata de demarcação entre um conceito e outro. Cada conceito remete a outros conceitos, não somente em sua história, mas em seu devir ou suas conexões presentes. Cada conceito tem compo-nentes que podem ser, por sua vez, tomados como conceitos [...] Os con-ceitos vão pois ao infinito e, sendo criados, não são jamais criados do na-da. (DELEUZE e GUATTARI, 1992, p. 41) No, entanto, é tarefa do filósofo, em sua criação, recortar o conceito, atribuir-lhe novas nuanças. O conceito também possui singularidade, porque jamais é o mesmo, uma vez que se remete a um agregado de conceitos. Embora o conceito reporte-se a uma multiplicidade de conceitos, possui uma estrutura e organização e, no entanto, não perde o caráter de um todo composto por fragmentos. Como o conceito é um ato de criação, ressalta-se a capacidade criadora da filosofia. Aqui se destaca uma característica do pensamento de Deleuze e Guattari, que é o construtivismo, que diz respeito ao ato de construção-criação. O filósofo deve ser criador e não reflexivo. Assim, também, se compreende a especificidade da filosofia. A filosofia não é contemplação, porque a contemplação não é criativa, não é comunicação, porque a mesma visa ao consenso. Também n[...]



Três respostas em face de Deus

2009-11-02T14:08:57.915-08:00

Três respostas em face de Deus
Familles, je vous hais! foyers clos;
portes refermées; possessions jalouses du bonheur.
A. Gide

C'est l'ami ni ardent ni faible. L’ami.
Rimbaud

…ô Femme, monceau d’entrailles, pitié douce
Tu n'est jamais la soeur de charité, jamais!
Rimbaud


Sim, vós sois (eu deveria ajoelhar dizendo os vossos nomes!)
E sem vós quem se mataria no presságio de alguma madrugada?
À vossa mesa irei murchando para que o vosso vinho vá bebendo
De minha poesia farei música para que não mais vos firam os seus acentos dolorosos
Livres as mãos e serei Tântalo – mas o suplício da sede vós o vereis apenas nos meus olhos
Que adormeceram nas visões das auroras geladas onde o sol de sangue não caminha…

E vós!... (Oh, o fervor de dizer os vossos nomes angustiados!)
Deixai correr o vosso sangue eterno sobre as minhas lágrimas de ouro!
Vós sois o espírito, a alma, a inteligência das coisas criadas
E a vós eu não rirei – rir é atormentar a tragédia interior que ama o silêncio
Convosco e contra vós eu vagarei em todos os desertos
E a mesma águia se alimentará das nossas entranhas tormentosas.

E vós, serenos anjos... (eu deveria morrer dizendo os vossos nomesl)
Vós cujos pequenos seios se iluminavam misteriosamente à minha presença silenciosa!
Vossa lembrança é como a vida que não abandona o espírito no sono
Vós fostes para mim o grande encontro…

E vós também, ó árvores de desejo! Vós, a jetatura de Deus enlouquecido
Vós sereis o demônio em todas as idades.



Ausência VINÍCIOS DE MORAIS

2009-11-02T14:07:12.041-08:00

Ausência
Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.






Sampa

2009-03-08T22:05:22.810-07:00

(image)
Sampa ( Caetano Veloso )Alguma coisa acontece no meu coraçãoQue só quando cruza a Ipiranga com a avenida São JoãoÉ que quando eu cheguei por aqui eu nada entendiDa dura poesia concreta de tuas esquinasDa deselegância discreta de tuas meninasAinda não havia para mim Rita Lee, a tua mais completa traduçãoAlguma coisa acontece no meu coraçãoQue só quando cruza a Ipiranga e a avenida São JoãoQuando eu te encarei frente a frente não vi o meu rostoChamei de mau gosto o que vi, de mau gosto o mau gostoÉ que Narciso acha feio o que não é espelhoE a mente apavora o que ainda não é mesmo velhoNada do que não era antes quando não somos mutantesE foste um difícil começo, afasta o que não conheçoE quem vem de outro sonho feliz de cidadeAprende depressa a chamar-te de realidadePorque és o avesso do avesso do avesso do avessoDo povo oprimido nas filas, nas vilas, favelasDa força da grana que ergue e destrói coisas belasDa feia fumaça que sobe apagando as estrelasEu vejo surgir teus poetas e campos e espaçosTuas oficinas de florestas, teus deuses da chuvaPanaméricas de áfricas utópicas, túmulo do sambaMais possível novo quilombo de ZumbiE os novos baianos passeiam na tua garoaE os novos baianos te podem curtir numa boa



mulher

2009-03-08T21:38:42.916-07:00

(image)
Parabéns, Mulher! Mulher que sonha.Mulher que trabalha.Mulher que briga.Mulher mãe.Mulher filha.Mulher que manda e que ama.Mulher de erros e acertos,de palavra doce.São tantas qualidades para definir essacriatura abençoada por Deus que porvezes nos perdemos em palavras.Representa com sua doçura e determinaçãoum universo totalmente desconhecido e acada dia se revela ainda mais misterioso e apaixonante.Neste dia, dedicado exclusivamentea mulher, quero demonstrar o quantome orgulho de você!Não conheço uma pessoa sequer quenão tenha se rendido aos encantosde uma mulher.E muito menos que tenha conseguidopassá-la para trás.Hoje é o Dia Internacional da Mulher!E quero lhe dar os parabéns!Afinal, você é uma das mulheres mais inteligentes e determinadas que conheço!Parabéns pelo seu diahttp://parabéns,%20mulher!/



ACEITE-ME COMO SOU!

2009-03-09T09:28:33.491-07:00

(image) ACEITE-ME COMO SOU! Uma história real Esta é a história de um soldado que, finalmente voltava para casa, depois de ter lutado no Vietnã. Ele ligou para os pais em São Francisco: - Mamãe, Papai, estou voltando para casa, mas antes quero pedir um favor à vocês. Tenho um amigo que eu gostaria de levar junto comigo. -Claro, eles responderam. Nós adoraríamos conhecê-lo também! Há algo que vocês precisam saber antes, continuou o filho. Ele foi terrivelmente ferido em combate. Pisou numa mina e perdeu um braço e uma perna. Pior ainda é que ele não tem nenhum outro lugar para morar. Sinto muito em ouvir isso, filho! Talvez possamos ajudá-lo a encontrar algum lugar para morar! -Não mamãe, eu quero que ele possa morar na nossa casa! - Filho, disse o pai, você não sabe o que está pedindo? Você não tem noção da gravidade do problema? A mãe concordando com o marido reforçou: alguém com tanta dificuldade seria um fardo para nós. Temos nossas próprias vidas e não queremos uma coisa como essa interfira em nosso modo de viver. Acho que você poderia voltar para casa e esquecer esse rapaz. Ele encontrará uma maneira de viver por si mesmo! Nesse momento o filho bateu o telefone e nunca mais os pais ouviram uma palavra dele. Alguns dias depois, os pais receberam um telefonema da polícia, informando que o filho deles havia morrido ao cair de um prédio. A polícia porém acreditava em suicídio. Os pais, angustiados voaram para a cidade onde o filho se encontrava e foram levados para o necrotério para identificar o corpo. Eles o reconheceram e, para o seu terror e espanto, descobriram algo que desconheciam: “O FILHO DELES TINHA APENAS UM BRAÇO E UMA PERNA!” Os pais nessa história são como nós, achamos fácil amar aqueles que são perfeitos, bonitos, saudáveis, divertidos, mas não gostamos das pessoas que nos incomodam ou não nos fazem sentir confortáveis. Esta noite, antes de dormir, façamos uma prece a Deus, para que nos dê as forças que precisamos para aceitar, sem restrições, as pessoas como elas são, mesmo que diferentes de nós. Peçamos Deus para nos dar paciência. eus responderá: Paciência é um subproduto das tribulações; Ela não é dada, é aprendida. DEus nos dá bênçãos; Felicidade depende de nós. peçamos a Deus para nos livrar da dor. Sofrer nos leva para longe do mundo e nos aproxima de Deus AMAmos a Deus para nos ajudar a AMAR os outros, com Deus nos dirá: .... Ahhhh, finalmente vocês entenderam a idéia.. Se você ama a Deus, envie isto para seus amigos e conhecidos, Mesmo que não acredite, tenha certeza que isso irá lhe fazer muito bem. Que Dus te abençoe, "Para o mundo você pode ser uma pessoa, mas para uma pessoa você pode ser o mundo”



A bomba atômica(Vinicius de Moraes)

2009-02-26T17:13:32.866-08:00

Dos céus descendo Meu Deus eu vejo De pára-quedas? Uma coisa branca Como uma forma De estatuária Talvez a forma Do homem primitivo A costela branca! Talvez um seio Despregado à lua Talvez o anjo Tutelar cadente Talvez a Vênus Nua, de clâmide Talvez a inversa Branca pirâmide Do pensamento Talvez o troço De uma coluna Da eternidade Apaixonado Não sei indago Dizem-me todos É A BOMBA ATÔMICA Vem-me uma angústia Quisera tanto Por um momento Tê-la em meus braços E coma ao vento Descendo nua Pelos espaços Descendo branca Branca e serena Como um espasmo Fria e corrupta De longo sêmen Da Via-Láctea Deusa impoluta O sexo abrupto Cubo de prata Mulher ao cubo Caindo aos súcubos Intemerata Carne tão rija De hormônios vivos Exacerbada Que o simples toque Pode rompê-la Em cada átomo Numa explosão Milhões de vezes Maior que a força Contida no ato Ou que a energia Que expulsa o feto Na hora do parto. II A bomba atômica é triste Coisa mais triste não há Quando cai, cai sem vontade Vem caindo devagar Tão devagar vem caindo Que dá tempo a um passarinho De pousar nela e voar . . . Coitada da bomba atômica Que não gosta de matar! Coitada da bomba atômica Que não gosta de matar Mas que ao matar mata tudo Animal e vegetal Que mata a vida da terra E mata a vida do ar Mas que também mata a guerra . . . Bomba atômica que aterra! Bomba atônita da paz! Pomba tonta, bomba atômica Tristeza, consolação Flor puríssima do urânio Desabrochada no chão Da cor pálida do hélium E odor de rádium fatal Lœlia mineral carnívora Radiosa rosa radical. Nunca mais oh bomba atômica Nunca em tempo algum, jamais Seja preciso que mates Onde houve morte demais: Fique apenas tua imagem Aterradora miragem Sobre as grandes catedrais: Guarda de uma nova era Arcanjo insigne da paz! III Bomba atômica, eu te amo! és pequenina E branca como a estrela vespertina E por branca eu te amo, e por donzela De dois milhões mais bélica e mais bela Que a donzela de Orleães; eu te amo, deusa Atroz, visão dos céus que me domina Da cabeleira loura de platina E das formas aerodivinais — Que és mulher, que és mulher e nada mais! Eu te amo, bomba atômica, que trazes Numa dança de fogo, envolta em gazes A desagregação tremenda que espedaça A matéria em energias materiais! Oh energia, eu te amo, igual à massa Pelo quadrado da velocidade Da luz! alta e violenta potestade Serena! Meu amor . . . desce do espaço Vem dormir, vem dormir, no meu regaço Para te proteger eu me encouraço De canções e de estrofes magistrais! Para te defender, levanto o braço Paro as radiações espaciais Uno-me aos líderes e aos bardos, uno-me Ao povo ao mar e ao céu brado o teu nome Para te defender, matéria dura Que és mais linda, mais límpida e mais pura Que a estrela matutina! Oh bomba atômica Que emoção não me dá ver-te suspensa Sobre a massa que vive e se condensa Sob a luz! Anjo meu, fora preciso Matar, com tua graça e teu sorriso Para vencer? Tua enégica poesia Fora preciso, oh deslembrada e fria Para a paz? Tua fragílima epiderme Em cromáticas brancas de cristais Rompendo? Oh átomo, oh neurônio, oh germe Da união que liberta da miséria! Oh vida palpitando na matéria Oh energia que és o que não eras Quando o primeiro átomo incriado Fecundou o silêncio das Esferas: Um olhar de perdão para o passado Uma anunciação de primaveras! Vinicius de Moraes[...]



sonho

2009-02-04T16:36:50.410-08:00

(image) você é do tamanho do seu sonho



Citações William Shakespeare

2009-01-16T15:28:13.805-08:00

(image) — Devemos aceitar o que é impossível deixar de acontecer. — Até mesmo a bondade, se em demasia, morre do próprio excesso. — O cansaço ronca em cima de uma pedra, enquanto a indolência acha duro o melhor travesseiro. — Vazias as veias, nosso sangue se arrefece, indispostos ficamos desde cedo, incapazes de dar e de perdoar. Mas quando enchemos os canais e as calhas de nosso sangue com comida e vinho, fica a alma muito mais maleável do que durante esses jejuns de padre. — Ninguém poderá jamais aperfeiçoar-se, se não tiver o mundo como mestre. A experiência se adquire na prática. — Se o ano todo fosse de feriados, o lazer, como o trabalho, entediaria. — Ventre grande é sinal de espírito oco; quando a gordura é muita, o senso é pouco. — Que é o homem, se sua máxima ocupação e o bem maior não passam de comer e dormir? — Do jeito que o mundo anda, ser honesto é (igual) a ser escolhido entre dez mil. — Hóspede oferecido (...) só é bem-vindo quando se despede. — Um homem inteligente pode transformar-se num joão-bobo, quando não sabe valer-se de seus recursos naturais. — Quem não sabe mandar deve aprender a ser mandado. — A mulher que não sabe pôr a culpa no marido por suas próprias faltas, não deve amamentar o filho, na certeza de criar um palerma. — As coisas mais mesquinhas enchem de orgulho os indivíduos baixos. — Ninguém pode calcular a potência venenosa de uma palavra má num peito amante..



Fé, esperança e caridade

2009-01-16T15:05:18.478-08:00

(image) Eram três anjos - e uma só mulher QUANDO A INFÂNCIA corria alegre, à toa, Como a primeira flor que, na lagoa, Sobre o cristal das águas se revê, Em minha infância refletiu-se a tua... Beijei-te as mãos suaves, pequeninas, Tinhas um palpitar de asas divinas... Eras - o Anjo da Fé! ... Depois eu te revi... na fronte branca, Radiava entre pérolas mais franca, A altiva c'roa que a beleza trança!... Sob os passos da diva triunfante, Ardente, humilde, arremessei minh'alma, Por ti sonhei — triunfador — a palma, Ó — Anjo da Esperança!... — Hoje é o terceiro marco dessa história. Calcinado aos relâmpagos da glória, Descri do amor, zombei da eternidade!... Ai, não! - celeste e peregrina Déia, Por ti em rosas mudam-se os martírios! Há no teu seio a maciez dos lírios... Anjo da Caridade!... Castro Alves