Subscribe: Dr. Literatura
http://drliteratura.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
conrad pichler  conrad  coração  dos  ira  kind translation  manhã  meu  não  pichler  poema  sempre  seus  tati  vamos rasgar 
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: Dr. Literatura

Discutindo Relações | literatura





Updated: 2018-03-09T12:43:07.122-03:00

 



Blues 4

2012-04-24T23:14:19.040-03:00


It’s a blue dressed Sky
above us
In the bottle of my heart
there’s nothing but the first kiss

We’re walking down the street
U feel
I see
My heart is beating cold
To say i love u

If u are crying,
If you lost and lonely
Never – never - never wait too long

If u are so far away
Don’t worry
My shoulders never sleeps

---------------------------

Coloque uma música nisto!



Primitivo

2011-10-06T22:55:02.539-03:00

(image)
(de Pablo Picasso - divulgação)


Circe tratou de moldar homens

em animais inocentes,

num passe de mágica!


Helena tratou de matar seu filho

para não desposar-se com

ele, o trono de seu pai.


Medeia ainda dança sozinha

na sala.


Ontem, um poema não salvaria um selvagem,

hoje o poema é o selvagem

– primitivo.




O vento

2011-09-05T01:16:00.661-03:00

(image)
(Jean Giraud, o Moebius. divulgação)


O vento

sopra para o oeste.

Sempre sopra para o lado onde não temos raízes.

Nunca pára de soprar até que você, como os perfumes e os odores,

siga-o.




Luz

2009-11-01T19:49:58.110-02:00

Como se pudesse voar,
sentindo o ar
DIFERENTE,
ouvindo palavras
ESTRANHAS,
pessoas desconhecidas
Procurando algo que não pensei encontrar.
UM OBJETO FAMILIAR,
Preso em cartões postais.
A mais bela torre diante do
MEU OLHAR.
Volto ao mesmo lugar,
Com o sonho ainda a serealizar, quero
encontrar

MINHA PARIS.
.
(Bárbara, junho de 2009)
.
.
Light
.
As if you could fly
Feeling air
Differently
Listening to words
Strange words
Unknown people
Looking for something that i didn't find.
A familiar object
Printed in postcards
The most beautiful tower in front of
My eyes.
I come at the same place,
With the dream
That still takes place,
I want to find
My paris.
.
.
Lumbre
.
Como si podría volar,
Aire de sensación
Diferente,
El oír de las palabras
Extrañas,
Gente desconocida
Que mira a algo a que no pensé para encontrar.
Un objeto familiar,
Encarcelado en tarjetas postales.
La torre más hermosa delante de
Mi mirada.
Todavía me vuelvo el lugar
Con el sueño si
Para llevar,
Deseo encontrar
Mi París.
.
.



A família do “T”

2009-11-01T19:52:42.494-02:00

O tito ama a tati.
A tati tem um tatu.
O tatu tem uma teta.
Que fez totô no teto!
.
(Izabella, junho de 2009)
.
.
The family of the "T"
.
Titus loves Tati.
Tati has a turtle.
The turtle has a tongue,
that troubles on the roof!
.
.
La familia del “T”
.
Tito ama Tati.
Tati tiene una tortuga.
La tortuga tiene una teta,
¡Que hace trabajo en el techo!
.
.



Adjetivos

2009-11-01T19:51:41.285-02:00

Deslumbrante como os astros
digna como os arcanjos
sua beleza fascinante
parecida com um diamante
sua presença encantadora
me lembra as ondas do oceano
belas e retumbantes
se te olho me fascino
e se não olho sinto faltadesse ser misterioso

.
(Felipe C., junho de 2009)
.
.
Adjectives
.
Gorgeous as the stars
as worthy as the archangels
your fascinating beauty
resembles a diamond
your charming presence
reminds me the beautiful and powerful
ocean waves
I made myself fascinated
If I couldn’t look at you, I’ll miss
this mysterious been.
.
.
Adjetivos
.
Preciosa como los astros
digna como los arcanjos
su belleza es fascinadora
similar a un diamante
su presencia encantadora
recuerda que las ondas del océano
hermosas e que truena
si usted mira me encantó
y si no miro yo siento carenciade este ser misterioso.
.
.



Palavras Partidas

2009-11-01T19:50:41.522-02:00

Passos são palavras partidas,
Sons parados sobre partituras
Passado passa hoje como uma parada
Os passos que demos no passado
Não partem para o presente
Sorrir no passado
Para não parar o futuro
.
Para mim, nesses passos partidos
Passam sons sobre partituras
Que só para mim se revelam
Som esse que te traz no meu pensamento
E nas minhas palavras
Passos seus aqueles que
Param o som do meu coração
.
(Gretha, agosto de 2009)



Em resposta ao vídeo das gaivotas

2009-09-13T12:24:14.355-03:00

Eles sabem o caminho,
Eles não são ele ou ela,
Eles são ELES,

Sabedoria natural
Asas a soar
Um rumo em prumo
Beleza desigual
Humanidade deveria aprender
Como bater asas e não prender
Encontrar um novo rumo
E ter no todo a beleza do futuro



(de Patux, 12/09/2009 - em resposta ao vídeo publicado em http://drliteratura.blogspot.com/2009/08/from-youtube.html.
Um muito obrigado!)
.
.
Kind-of-translation: An aswer to video about the seagulls
.
They know the way
They are not him or her
They are them

Natural wisdom
Wings to swing
A path to plumb for
Asymmetrical beauty
Mankind must learn
How to spread the wings, and not to enclosure them
Find another path
And have all the beauty of future
.
.
Una traducción: En respuesta al vídeo de los seagulls.
.
Ellos saben la manera.
No son él o ella,
Ellos son ellos.

Sabiduría natural
Ala a sonar
Una ruta en plomada
Diversa belleza
La humanidad tendría que aprender
En cuanto a el ala del golpe y no arrestar
Para encontrar una ruta nueva
Y tenerla en la toda la belleza del futuro.
.
.



Science Facts

2009-09-05T20:18:30.317-03:00

Deixai que os fatos sejam fatos naturalmente
Sem que sejam forjados para acontecer
Deixai que os olhos vejam os pequenos detalhes
Lentamente deixai que as coisas que lhe circundam
Estejam sempre inertes como móveis
Inofensivos para lhe servir quando for
Preciso e nunca lhe causar danos
Sejam eles morais físicos ou psicológicos
.
.
let the facts be facts naturally
without they be forged to happen
let our eyes to see the small details
slowly let things that surround you
be always mobile and harmless inert
to serve you when you need and never cause
physical, moral or psychological damages
.
.
(supostamente de/supposedly by Chico Science.
Agradecimento especial a/Special thanks to Fernando)



Ira incandescente

2009-11-01T19:25:53.501-02:00

(image) ("David", Michelangelo de Caravaggio, 1609)
.
.
Toda ira é incandescente. E nas chamas que saem dela, queima-se o combustível e todo oxigênio de sua existência. Ou a ira é feita daquilo de que não é lhe próprio, poderia a chama ser ainda mais incandescente, se brotasse das entranhas indistintas de outra carne que não seja aquelas de fogo fátuo?
O que aproxima a ira às chamas é que são, assim como as musas, disformes, mas os sentidos do homem os reconhecem bem, sensíveis aos olhos, aos ouvidos e às pontas dos dedos com unhas encardidas e machucadas; a ira, as chamas e as musas sempre se fizeram dor e prazer do homem.
Distância alarga-se entre a ira e a chama, quando observamos as reentrâncias mal iluminadas da ira, observe como o corpo da chama é a própria fonte de luz, tal e qual os corpos de Caravaggio. E não é nas brasas que a ira queima seus pés descalços, sobre eles assomam-se, apenas, as cinzas de toda a madeira queimada. A ira não abrasa e é instante cinzento.
Toda ira é incandescente, mas não o é inteiramente. Seu corpo disforme, sua ardência confundem o homem em seus sentidos ou os consomem com o oxigênio e combustível, nublando-o com cinzas, dos pés à cabeça. À luz de suas qualidades, a ira se queima, restando dela a escura mancha dos dedos de unhas encardidas e machucadas, dos hematomas, das mãos de Davi ou na cabeça de Golias na obra de Caravaggio.
.
.
(Conrad Pichler, VII-VIII/2009)



Beijo

2009-08-18T19:45:51.275-03:00

Este é um estudo de ritmo ou quase-ritmo, com alguma preocupação semiótica ou “concretista”.
.
This is a study of rhythm or quasi-rhythm, with some concern about semiotics values or “concretism value”.
.
Éste es un estudio del ritmo o del casi-ritmo, con alguna preocupación acerca de los valores semióticos o “concretistas”.
.
.
Beijo
.
dois inteiros
encontro inesperado
num um mais
um
em
ser nenhum
mas um em um
nem meio nem começo nem fim
.
.
Kind-of-translation: Kissing
.
two entire
close encounter
one plus
one
being
no-one
but, one by one
no middle, neither
beginning nor end
.
.
Una traducción: Beso
.
dos enteros
encontrón inesperado
en un más
un
en
ser ninguno
pero una en una
ni medio ni comienzo
ni extremo
.
.
(Conrad Pichler, 31/V/2004,
2ª/nd vers.: 27/06/2005)



1 Comentários

2009-08-13T20:06:35.910-03:00

allowFullScreen='true' webkitallowfullscreen='true' mozallowfullscreen='true' width='320' height='266' src='https://www.blogger.com/video.g?token=AD6v5dwU_1HfAjpfHn48eCix-G927yJex4YJKvuGXhz1-VXGF1QasPpqjcEPPBXcnY54VahNahL1zcFj-p8' class='b-hbp-video b-uploaded' FRAMEBORDER='0' />

(from youtube.com)

Você poderia escrever um poema com essa cena?
.
¿Usted podría escribir un poema con esta escena?
.
Could you write a poem with that scene?




Abotoar botão na casa vazia

2009-11-01T19:27:38.790-02:00

Porque você faz sempre assim?

olha que você me abotoou duas lágrimas nos olhos
e de fechá-los
rolaram as duas
paletó abaixo
pra essas casas ficarem abertas
estou aqui tentando é abotoar as idéias, agora
fico aqui bamboleante num meio-fio da razão...
pisando com o pé de apoio na emoção
e outro inconsciente na razão;
um botão ausente,
uma casa sempre aberta;
um olho cego,
o outro sempre fechado.

.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
.
Kind-of-Translation: To button the button on empty house
.
Look at me! You buttoned two tears in my eyes
and I close them
The two roll over
………….. roll down the jacket
for those houses remain open.
Now, I'm here trying to button up my ideas;
Here I am dancing a curb of the reason...
Stepping with my support foot on emotion
and another unconscious-one on the reason;
A button missing,
a house always open;
A blind eye,
the other one ever closed.
.
..................................................................
.
Traducción: Para abotonar el botón en la casa vacía
.
mira eso: usted me abotonó dos rasgones en los ojos
y cerrando estas casas
las había rodado
las casas a esteren abiertas
rodaron
la capa abajo
ahora, aquí estoy intentando abotonar las ideas,
yo estoy aquí bamboleante en un encintado de la razón…
el caminar encendido con el pie de ayuda en la emoción
y otro inconsciente en la razón;
un botón ausente,
una casa siempre abierta;
un ojo ciego,
otro siempre cerrado.
.
(Conrad Pichler, VIII/2009)



to Nina Simone with love

2009-08-06T18:49:54.333-03:00

(image)
(Conrad Pichler, 6/VIII/2009)

.

Grafismo e um jogo de palavras com uma das minhas músicas e musas prediletas.

.

Grafismo y un juego de palabras con una de mis canciones preferidas y de la diva mayor del jazz.

.

This is a graphics pun with one of my favorite song lyrics and homage to a great jazz diva.



rasgação

2009-08-05T00:59:11.169-03:00

Não vamos rasgar seda
Vamos rasgar os véus
Os panos do palco
As lonas do circo
As cortinas do templo
Vamos rasgar
o tempo,
ainda que suas linhas sejam feitas do fio fino da seda.
.
.
.
Kind-of-translation: Tearing
.
We will not tear the silk.
We are going to tear the veils.
Tear down any stage tissue.
Tear up the circus pad.
Tear off the curtains of the temple.
Let's scratch the time, even though their lines are made of the fine silk wire.
.
.
.
Una Traducción: Desgarrón
.
No vamos a rasgar la seda.
Vamos a rasgar los velos.
Los paños del palco.
Las lonas del circo.
Las cortinas del templo.
Vamos a rasgar el tiempo, a pesar de sus líneas nos hacemos del alambre fino de la seda.
.
.
(Conrad Pichler, 20 de fevereiro de 2009)



Ninguém ouve

2009-08-04T23:07:13.500-03:00

(image)
(Capitão Nemo, marionete do Grupo Giramundo
para o espetáculo multimídia "20 Mil Léguas Submarinas")

Ninguém ouve
Ninguém houve.carma,
óia o coração!
já era!
Reproduzir "Bate-Coração"
agora tudo é "válvula de injeção"
maquinei


Kind-of translation:


There's nobody listening

There was nobody.
easy, watch out your heart!
It's gone!
Play "Heartbeat"
Now everething is "injection bomb"
I'm heart'o'matic


(Conrad Pichler, 02/VIII/2005)

----------------------------------------------------------------------------
Enquanto o Dr. Literatura não se aposenta, fique com alguns velhos poemas.



Zero

2009-07-12T19:22:46.675-03:00

concordar singular
concordar plural
e o zero-concordar,
como será?

inventaram o zero
zero singular
não há zero
zero é o que não há
mesmo porque, agora
zero também pode ser plural
pode ser...
mas, minha gente, não há zero
zero é o que não há


(Conrad Pichler, 13/IX/2004, fragmento)



Tecendo a manhã - João Cabral de Melo Neto

2009-07-18T22:54:42.640-03:00

(image) (Vila Velha, fevereiro de 2009)
Meu amigo e poeta Emerson Sitta (do blog Redigir) postou o seguinte poema de João Cabral de Melo Neto, publicado em "A Educação pela Pedra" (1962-1965) e, como o poema pede, eis que apanhei e lancei essa "manhã" a outros leitores:

Tecendo a Manhã

Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisa sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

2

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.



Ao que vai nascer

2009-07-07T00:32:32.380-03:00

(image) (Casa de Cultura Mario Quintana, Porto Alegre/RS, 2009)

Memória de tanta espera
Teu corpo crescendo, salta do chão
E eu já vejo meu corpo descer
Um dia te encontro no meio
Da sala ou da rua
Não sei o que vou contar

Respostas virão do tempo
Um rosto claro e sereno me diz
E eu caminho com pedras na mão
Na franja dos dias esqueço o que é velho
O que é manco
E é como te encontrar
Corro a te encontrar

Um espelho feria meu olho e na beira da tarde
Uma moça me vê
Queria falar de uma terra com praias no norte
E vinhos no sul
A praia era suja e o vinho vermelho
Vermelho, secou
Acabo a festa, guardo a voz e o violão
Ou saio por aí
Raspando as cores que o mofo aparecer

Responde por mim o corpo
De rugas que um dia a dor indicou
E eu caminho com pedras na mão
Na franja dos dias esqueço o que é velho
O que é manco
E é como te encontrar
Corro a te encontrar



(Milton Nascimento e Fernando Brant, "Clube da Esquina", 1972)



Cérbero

2009-07-07T01:16:09.231-03:00

Existe uma figura mítica com três cabeças, voraz com seus dentes, animalesca nos seus gestos, mas ela tem um coração que só escuta música. Não me permito imaginar que, um dia, uma dessas cabeças tivesse falado ou que um par desses olhos fosse capaz de ler, mas entendo que elas possam ouvir a sons da flauta de Orfeu e, sem chorar, adormecer nos seus próprios braços, suas garras retraídas, em um perfeito travesseiro nunca intocado pelas lágrimas noturnas.
Guardiã de portas maiores que sua vontade de guardá-las, a criatura do Hades não esperava que outra criatura lhe tocasse a cabeça e lhe fizesse cafunés, além de um homem já morto, crivado por flechas, que convocara Odisseu ao fundo dos fundos. Porque, é claro, apenas um já morto, interno do inferno, poderia tocar o rabo da criatura com os dedos e respirar junto com suas costas e acarinhar a barriga faminta, antes de dizer, eu te amo e – depois – boa noite.
Se nem Hércules venceu pela força, o animal porteiro e triplamente confuso, nada além dos doces toques e sons inferiores e superiores dos mortais - já mortos ou não - homens poderiam aplacar o desejo devorador dos tantos dentes sedentos de sangue e vinho, e famintos de dedos, corações, rins e seios.
(Conrad Pichler, 28/V/2009)



0 Comentários

2009-07-07T00:35:31.836-03:00

"Tirando você,
quero coisas impossíveis"

- Gretha,
de um texto para o projeto "Arcádia".



morte sussuro amor

2009-07-07T00:36:12.014-03:00

A morte
que vai e vem,
carregada de sussurros:
o amor

(Conrad Pichler, reescrita constantemente desde 1992)



Bobo bonecão

2009-07-07T00:36:28.769-03:00

Meu coração é bobo,
Dança circunscrito em sua própria maneira de equilíbrio.
Balança as mãos e a cabeça,
sem saber para onde vai:
Meu coração é um bonecão de Olinda.

(Conrad Pichler, 14/V/2009)



"Meu Deus, quantas dulcinéias!"

2009-07-07T00:36:55.688-03:00

allowFullScreen='true' webkitallowfullscreen='true' mozallowfullscreen='true' width='320' height='266' src='https://www.blogger.com/video.g?token=AD6v5dyqf83fbZ52RWBLIGibLQjnJF0szLCT7AZCAODTXeIhLDT0cZrZL_3LswS_K6DWqV6LZSg6sFE2JlU' class='b-hbp-video b-uploaded' FRAMEBORDER='0' />

("Women in Art" por Philip Scott Johnson.
Agradecimentos especiais, mais uma vez, a Mariana Miglioli,
que criou expontaneamente o título desse post.)



Quixotescas e dulcinéicas

2009-07-07T00:37:14.035-03:00

(image) (da internet)

De moinho em moinho, Dom Quixote enche o papo
Até que chega a Dulcinéia e estoura o papo
e faz festa
e dança o samba
nos meus bagaços



(Conrad Pichler, maio de 2009,
com sinceros agradecimentos a Mariana Miglioli)