Subscribe: BLOG DO TURQUINHO
http://turcoluis.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
das  dos  eternidade  filme  história eternidade  história  mais  mesmo  nos  não  ser  seu  sobre  sua  são   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: BLOG DO TURQUINHO

BLOG DO TURQUINHO



Um blog de informações culturais, políticas e sociais, fazendo o contra ponto à mídia de esgoto.



Last Build Date: Tue, 06 Mar 2018 13:26:45 +0000

 






Altamiro Borges: Cinco famílias controlam 50% da mídia

Thu, 02 Nov 2017 12:09:00 +0000

Altamiro Borges: Cinco famílias controlam 50% da mídia: Por José Antonio Lima, na revista CartaCapital : Cinco famílias controlam metade dos 50 veículos de comunicação com maior audiência n...



RÚSSIA SHOW: Cursos interativos

Fri, 27 Oct 2017 16:08:00 +0000

RÚSSIA SHOW: Cursos interativos: CURSOS DE RUSSO NA WEB   BYKI CURSO INTERATIVO DE RUSSO  EVERY DAY RUSSIAN LANGUAGE GRAMOTA LIVEMOCHA ONDE APRENDER RUSSO DE GRA...



LOS CALCHAKIS – FLAUTAS, GUITARRAS Y CANTOS DE ARGENTINA (1989) - YouTube

Mon, 17 Oct 2016 12:41:00 +0000

width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/GHMo90z_Glg" frameborder="0" allowfullscreen>






Rapadura Açucarada - No Dia Mais Claro, Na Noite Mais Densa: Coleção Marvel Salvat #28

Thu, 08 Sep 2016 14:11:00 +0000

Coleção Marvel Salvat #28COLEÇÃO MARVEL SALVAT #28: HOMEM DE FERRODigitalização: Renato P./Ajustes: Eudes H./H.O.R.D.A. PARA BAIXAR, CLIQUE AQUIAlgumas considerações sobre a Coleção Marvel Salvat no RA. 1 - Não é nossa intenção completar a coleção. Não é uma obrigação que queremos adotar. Primeiro, porque nem eu, nem o Renato, juntos, temos a coleção inteira. Vamos apenas fazer as que temos.2 - Não precisam enviar links de algum lugar que tenha a coleção completa. A qualidade sempre é diferente da nossa e, no fim, teriamos que refazer. Assim sendo, novamente, não enviem links de outros.3 - Algumas HQs já existirão em scan, aqui mesmo ou em outro lugar, como é o caso dessa do Homem de Ferro, mas faremos assim mesmo, pois sempre há importante material adicional nessa coleção. E mais é melhor que menos. 4 - Se ficar propenso a querer a coleção completa, pode pesquisar na internet por mais scans, pode comprar as edições nas bancas de jornal ou em sites que vendem quadrinhos. Os números antigos podem ser encontrados em sites como o Mercado Livre, Estante Virtua e Rika Comics. No mais, esta é uma HQ  escrita por David Michelinie, desenhada por John Romita, Jr. e Carmine Infantino e arte-finalizada por Bob Layton. Entre muitas aventuras e inimigos cruéis, Tony Stark acaba tendo que lidar com o pior de todos, ele mesmo e seu vício em álcool, que o está afastando das pessoas que mais se importam com ele. [...]



A insutentável leveza do sexo

Tue, 02 Feb 2016 16:41:00 +0000

A insustentável leveza do sexoErick Morais -FacebooTwitteLinkedInTumbEmaiWhatsAEstar sozinho. Sentir-se sozinho. Ter apenas o próprio reflexo. A solidão é algo que todos de uma maneira ou de outra buscam afastar-se. Seja pela dificuldade que temos de olhar a si mesmo (como dizia Pascal), seja pela dificuldade de encarar a existência, com toda sua complexidade, sem nada para se apoiar. A solidão nos aflige, porque há um vazio dentro de nós, o qual só pode ser preenchido por outra pessoa. Sendo assim, busca-se no amor a solução para o vazio existencial.No mundo líquido, esse vazio existencial é preenchido pelo sexo. As pessoas possuem incontáveis “parceiros”, contudo, são incapazes de relacionar-se, de tal modo que o sexo casual, totalmente desconectado com um relacionamento e, consequentemente, com o amor não pode preencher esse vazio, mas antes, afastá-lo dos outros. Erich Fromm, sabiamente, diz:“O sexo só pode ser um instrumento de fusão genuína – em vez de uma efêmera, dúbia e, em última instância, autodestrutiva impressão de fusão – graças a sua conjunção com o amor. Qualquer que seja capacidade de fusão que o sexo possa ter, ela vem de sua camaradagem com o amor.”Não quero fazer um culto de negação ao corpo, mas parece-me que o sexo desvencilhado do amor ou de qualquer outra coisa, isto é, o sexo livre de ligações no dia seguinte, não conseguiu o que prometia. Em um primeiro momento, pode ser empolgante caminhar no mundo do “sexo puro”, mas, quando a correnteza não puder ser controlada? Afinal, deve-se ser livre, ter algo que o prenda é proibido nesse jogo. Então, estar à deriva é tão bom assim? Preenche o vazio? Segundo Bauman não, pois,“Voar suavemente traz contentamento, voar sem direção provoca estresse. A mudança é jubilosa; a volatilidade incômoda. A insustentável leveza do sexo?”Essa insustentável leveza do sexo pode ser percebida nos muitos casos, que chegam aos consultórios, de pessoas frustradas, já que o remédio que prometia curar causou mais moléstias. Dessa forma, o sofrimento torna-se ainda maior, pois na medida em que se tentou afastar-se da solidão com o “sexo puro”, percebeu-se que se estava mais só que antes. Essa frustração ocorre porque o sexo esvaziou-se de sentimentos e, portanto, não permite nele a capacidade de realização que se pretende. Em outras palavras,“Quando o sexo se apresenta como um evento fisiológico do corpo e a palavra sensualidade pouca evoca senão uma prazerosa sensação física, ele não está liberado de fardos supérfluos, avulsos, inúteis, incômodos e restritivos. Está, ao contrário, sobrecarregado, inundado de expectativas que superam sua capacidade de realização.”Assim sendo, o “sexo puro” é caracterizado pela rotatividade e não pela qualidade ou capacidade de realização. Essa rotatividade é uma das principais características do “homo consumens”, uma vez que, na modernidade líquida, o sucesso não é caracterizado pela capacidade de ter bens, pois para que você possua algo é preciso guardá-lo, e o homem pós-moderno ou “consumens” não quer ter esse trabalho. O sucesso, assim, é medido pela capacidade de usar, desfazer-se e usar algo novo.“É a rotatividade, não o volume de compras, que mede o sucesso na vida do homo consumens.”O “sexo puro” encontra-se em perfeita consonância com essa ideia, em que os encontros não devem passar de um episódio e todos devem estar preparados para ser descartados. O grande paradoxo nisso, é que esse “sexo puro” prometia resolver o problema da solidão. Mas, parece-me improvável que assim o seja, quando o outro vale menos que uma camisa, visto que esta é usada mais de uma vez.Quando se determina que os encontros não devam passar de um episódio cria-se uma ditadura, em que toda forma de relacionamento deve ser assim. Há, dessa maneira, [...]



[Hidef] O Sacrifício / Offret (1986) - Andrei Tarkovsky - Making Off

Sun, 06 Dec 2015 20:32:00 +0000

O Sacrifício(Offret)The.Sacrifice.1986.720p.BluRay.x264-CiNEFiLEPosterSinopseIntelectual aposentado e ateu, Alexander vive confinado em sua casa de campo com a mulher, o filho pequeno e seus dilemas existenciais. Durante seu aniversário, na companhia de amigos, a televisão anuncia uma tragédia nuclear que poderá causar a extinção da humanidade. O medo do fim leva todos ao desespero e provoca reações inesperadas nos convidados. Movido pela irracionalidade da fé que sempre desdenhou, o anfitrião busca uma saída espiritual para salvar o planeta.Último trabalho do diretor russo Andrei Tarkovsky – e com o qual arrematou o prêmio especial de júri e crítica em Cannes-, o Sacrifício foi rodado na Suécia com a ajuda de colaboradores do seu grande ídolo Ingmar Bergman. Nele, Tarkovsky dá sua última e derradeira mensagem: de que nos momentos difíceis, mesmo aqueles que crêem no livre-arbítrio, acabam sempre esbarrando na espiritualidade.No desespero, toda descrença e subversão agnóstica caem por terra e o homem cabalmente sucumbe a Deus para encontrar refúgio. Como tudo parece um grande pesadelo, o filme também permite outras leituras como a paranóia de um conflito nuclear, já que a Guerra Fria ainda era presente na década de 80 ou mesmo uma crise existencial agravada pela reclusão do protagonista. De: http://blig.ig.com.b...ky-suecia-1986/Screenshots (clique na imagem para ver em tamanho real)ElencoInformações sobre o filmeInformações sobre o releaseErland Josephson, Susan Fleetwood, Allan Edwall, Guðrún Gísladóttir, Sven Wollter, Valérie Mairesse, Filippa Franzén, Tommy Kjellqvist, Per Källman, Tommy Nordahl Para detalhes, vide IMDBGênero: DramaDiretor: Andrey TarkovskyDuração: 2h 28mnAno de Lançamento: 1986País de Origem: SuéciaIdioma do Áudio: SuecoIMDB: http://www.imdb.com/title/tt0091670/Qualidade de Vídeo: BR RipContainer: MKVVídeo Codec: V_MPEG4/ISO/AVCVídeo Bitrate: 4517 KbpsÁudio Codec: AC3Áudio Bitrate: 640 KbpsResolução: 1200x720Aspect Ratio: 1.667Formato de Tela: WidescreenFrame Rate: 23.976Tamanho: 5.465 GiBLegendas: Em anexoCríticaPalavras, palavras. Teatro insuficiente das palavras. "Ninguém vai fazer nada?" – pergunta a si mesmo o patriarca da família. "Tudo será sempre igual, se fizermos tudo sempre da mesma forma?" O Sacrifício é o testamento de um cinema em busca de um ultrapassamento, de um cinema em que a fissura da superfície aparece como obsessão – de uma vida de imagens debruçadas sobre a possibilidade da ruptura, da quebra, do estilhaçar de um certo apaziguamento aparente das coisas. Em O Sacrifício, a normalidade aparece na forma marcada e gélida de uma família sueca que se encontra para comemorar o aniversário de seu patriarca. A tensão dos gestos, a aspereza dos diálogos, a rugosidade das paredes vazias ao longo do primeiro terço do filme, todo o teatro das cenas remete a um lugar ao mesmo tempo de conforto/acomodação e de profundo incômodo. Há um grito latente no perambular dos personagens, nas trocas de olhares entre pais e filhos, patrões e empregados, maridos e esposas... Atores e mobílias da casa parecem se igualar na sua manutenção da ordem, na sua economia dos espaços. Em meio a toda essa frieza, o patriarca se sobressai como a figura que carrega no peito uma angústia, um se indispor diante da vida-posta, uma condição espiritual que dá a ele um sentido patético, uma espécie de fantasma de gestos vagos.É apenas com o seu pequeno filho, porém (e só com ele), que o homem consegue travar um embate direto – ironia-poética de Tarkovski, o menino acaba de passar por uma cirurgia na garganta e não pode falar – se comunicando apenas por gestos e grunhidos, sob um chapéu de pano branco que lhe esconde o rosto. Desde o primeiro plano essa relação é estabelecida, como se naquele menino estivesse a imagem repost[...]



Altamiro Borges: Crise venezuelana e golpe paraguaio

Sat, 05 Dec 2015 17:11:00 +0000

Crise venezuelana e golpe paraguaioPor Francisco Fonseca, no site Carta Maior:A admissão do processo de impeachment da presidente Dilma, formalmente deflagrado em 03 de dezembro é o desfecho esperado de uma conjunção de fatores:1) A derrota eleitoral do PSDB – a quarta consecutiva, nunca é demais relembrar – e do rentismo deletério que representa, o que vem implicando toda sorte de revanchismo antidemocrático2) ascensão do carbonário deputado Eduardo Cunha, representante do que há de mais escuso na vida “pública”, com seu séquito do “baixo clero” que tem no Congresso um balcão de negócios;3) Da saída às ruas (e do armário) da direita – com tonalidades protofascistas – proveniente das classes médias superiores, incomodada com a ampliação dos direitos sociais;4) Do terror apocalíptico promovido pelo Partido da Imprensa Golpista (o conhecido PIG), jamais enfrentado por qualquer governo;5) Das contradições econômicas do próprio Governo Dilma, notadamente o antissocial e o antidesenvolvimento “ajuste fiscal” levado a cabo por um neoliberal de carteirinha, e, em termos políticos, da tentativa de manutenção da esgarçada “aliança de classes” expressa na lógica da coalizão;6) Da histórica “lógica privatizante” do Sistema Político brasileiro: financiamento legal e ilegal de campanhas e partidos, igualmente jamais reformado;7) Da obtusa “Operação Lava Jato” quanto às ilegalidades constitucionais (notadamente prisões sem motivações legais); ao “mercado das delações premiadas”; à ilegalidade de grampos no cárcere de Curitiba com o consequente “mercado” das gravações; à seletividade de julgamentos (e de vazamentos ao PIG); e ao fato de delegar a um juiz de primeira instância tamanho poder; entre outras.Esse conjunto de fatores torna a conjuntura altamente complexa e fluida, com movimentos e contramovimentos de lado a lado: esquerda, legalistas, progressistas e desenvolvimentista versus direita, golpistas, neoliberais e rentistas. Isso tudo com o apoio ingênuo de um sem-número de “inocentes úteis”, muitos dos quais foram às “manifestações conservadoras” promovidas e apoiadas por imorais em nome da moralidade!Nesse contexto, o ambiente político brasileiro – institucional e social – vem sendo tumultuado e polarizado por forças conservadoras e reacionárias, tal como na Venezuela. Um sem-número de “Capriles” parece povoar nosso ambiente! Isso tudo sem Chaves, chavismo, bolivarianismo e reformas radicais!Pois bem, a admissibilidade do processo de impeachment – deve-se considerar que o processo tem um longo caminho entre Câmara e Senado e STF – cada vez mais se assemelha com o que se deu no Paraguai com a derrubada do presidente Lugo. A “peça” produzida pelos “juristas” Reali e Bicudo, encomendada pelo PSDB com a “consultoria” de Gilmar Mendes, lida em plenário pelo “pré-cassado” (quiçá preso) Eduardo Cunha é um “faz-me-rir” jurídico. Os “argumentos” elencados – sem estofo – seriam suficientes para enforcar qualquer um num regime de exceção que nos remete a Kafka.Diferentemente da opinião majoritária, não se tratou de “chantagem” de Cunha, pois independentemente da posição do PT o presidente da Câmara levaria o processo de impeachment a cabo, uma vez que sintetiza a reação não apenas à presidente Dilma e ao PT, e sim aos direitos sociais, trabalhistas e civis, que implicam varrer a esquerda e a agenda progressista e civilizatória: não foram esses os objetivos do PDS, depois PFL, depois DEM...e agora PSDB?Trata-se, pois, de forças econômicas e sociais catalisadas por Cunha, isto é, da luta de classes com todas as modulações aí implicadas. Mais ainda, trata-se de redefinição – tal como está ocorrendo na Argentina neste exato momento e de longa[...]



“A luta de classes nunca tirou férias neste país”, afirma o professor da UFRJ José Paulo Netto

Fri, 20 Nov 2015 15:45:00 +0000

“A luta de classes nunca tirou férias neste país”, afirma o professor da UFRJ José Paulo NettoBrasil -Categoria: ReportagensPublicado em Terça, 10 Novembro 2015 21:58Brasil - Brasil de Fato - [Camilla Hoshino e Leandro Taques] Em entrevista ao Brasil de Fato e aos Jornalistas Livres, o pesquisador e professor da UFRJ, José Paulo Netto, analisa as recentes manifestações de ódio contra determinados setores da sociedade a partir da formação social e da cultura política brasileira.José Paulo Netto, intelectual marxista. Foto: Leandro Taques/Jornalistas LivresManifestações de ódio, racismo, declarações machistas e ameaças verbais e físicas contra lideranças da esquerda têm sido constantes no último período no país. Segundo o professor José Paulo Netto, essas atitudes têm relação com a tentativa das classes dominantes de “afastar a massa do povo dos centros de decisão política”.José Paulo Netto é doutor em serviço social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Foi vice-diretor da Escola de Serviço Social da UFRJ e do seu Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, tendo título de professor emérito na instituição. Tradutor e organizador de textos de autores clássicos como Marx, Engels, Lênin e Lukács, em que se destaca como grande especialista, produziu obras teóricas e políticas sobre o capitalismo, serviço social e marxismo. É membro do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e atua em parceria com movimentos sociais, como o MST.Em entrevista ao Brasil de Fato e aos Jornalistas Livres, ele faz uma análise das classes dominantes a partir da formação social brasileira, fala sobre o quadro político atual no país e sobre como atuam as elites em face da crise do capitalismo contemporâneo.Para Netto, é justamente em momentos de tensões políticas e econômicas que “todo esse porão da sociedade brasileira, com um forte sentimento antipovo, antipopular, antimassa, racista e discriminador, vem à tona”.Brasil de Fato - Estamos presenciando a todo o momento ataques da direita brasileira que deixam explícitos o preconceito, o racismo e o sentimento de ódio contra determinados setores da sociedade. Como a nossa formação social pode nos ajudar a compreender essas atitudes?José Paulo Netto - Se analisarmos com cuidado a história brasileira, vamos encontrar algumas constantes que são traços constitutivos da nossa formação social e que, portanto, são elementos constitutivos da cultura política brasileira. Um traço muito visível de meados do século XIX em diante tem sido a capacidade das franjas das camadas mais ativas das classes dominantes em afastar a massa do povo dos centros de decisão política. Mesmo quando tivemos, ao longo do século XX, momentos de institucionalização mais ampla da participação política, tivemos elementos, mecanismos, meios e modos que constrangeram ou limitaram essa participação política a processos adjetivos. Costumo dizer que tivemos no Brasil um processo tardio, lento, desigual e sinuoso de socialização da política.Isso ganhou certa magnitude com a derrota da ditadura instaurada em 1964. A constituição de 1988 consagrou direitos políticos essenciais, abriu caminho para se repensar direitos civis e, sobretudo, ampliou o leque dos direitos sociais no país. Com todas as desigualdades e assimetrias, creio que se pode dizer que no pós-1988 tivemos formalmente a institucionalização da cidadania moderna no Brasil. Entretanto, se observarmos o processo de luta contra a ditadura, de crise da ditadura e de transição democrática no Brasil, teremos a clara percepção dessa capacidade das franjas mais ativas das classes dominantes de encontrar meios de excluir a massa do povo de processos decisórios. Tivemos um proces[...]



A História Da Eternidade (2014) - Nacional - Making Off

Sat, 14 Nov 2015 11:35:00 +0000

A História da Eternidade(A História da Eternidade)A História da Eternidade (Camilo Cavalcante, 2014)PosterSinopseEm um pequeno vilarejo no Sertão, três histórias de amor e desejo revolucionam a paisagem afetiva de seus moradores. Personagens de um mundo romanesco, no qual suas concepções da vida estão limitadas, de um lado pelos instintos humanos, do outro por um destino cego e fatalista.ScreenshotsElencoInformações sobre o filmeInformações sobre o releaseMarcela Cartaxo - QuerênciaLeonardo França - AderaldoDébora Ingrid - AfonsinaClaudio Jaborandy - NatanielZezita Matos - Dona Das DoresMaxwell Nascimento - GeraldoIrandhir Santos - JoãoGênero: DramaDiretor: Camilo CavalcanteDuração: 120 minutosAno de Lançamento: 2014País de Origem: BrasilIdioma do Áudio: PortuguêsIMDB: http://www.imdb.com/title/tt3565050/Qualidade de Vídeo: Web DLContainer: MKVVídeo Codec: MPEG-4 AVCVídeo Bitrate: 1.963 KbpsÁudio Codec: A_AACÁudio Bitrate: 384 kbps  48 KHz KbpsResolução: 1280 x 720Formato de Tela: Widescreen (16x9)Frame Rate: 25.000 FPSTamanho: 1.655 GbLegendas: Sem LegendaCríticaA Eternidade conta uma históriapor Marcelo MirandaA escolha pelo artigo definido para o título deste primeiro longa-metragem de Camilo Cavalcante (A História da Eternidade), antes do sentido totalizante que parece carregar, impõe, num primeiro contato com o filme, ao menos duas possibilidades, de acordo com o viés que se adotar. A hipótese inicial seria a de que veremos a grande história, quem sabe definitiva, de o que é o conceito de “eternidade”, e aí existe uma ambição fadada à impossibilidade cósmica de defini-lo; a segunda hipótese, menos evidente (e talvez mais escorregadia), é a de que veremos, de fato, uma história contada do ponto de vista da Eternidade, a palavra aqui deixando de ser apenas conceito abstrato para se ser ela mesma personagem (ou mito), tornando-se a instância narradora. Por essa segunda possibilidade, tem-se um filme menos centrado na derivação de alguma grande narrativa do que na ocupação do quadro com elementos constitutivos de uma pictorialidade que será, afinal, sua maior característica visual. (O uso do scope amplia a noção de vastidão num espaço relativamente pequeno de um vilarejo isolado.) A Eternidade seria tudo aquilo a ocupar o espaço da tela – cada elemento de linguagem e de encenação que se consiga ver, ouvir ou imaginar, sendo a articulação entre eles o escopo do que é efetivamente o filme de Camilo Cavalcante. A Eternidade, portanto, é o que é mostrado a partir da existência da câmera, e não apenas pelo relato temático (que, por sua vez, seria o elemento mais importante da primeira hipótese).A diferenciação é importante na medida em que A História da Eternidade alimenta a mise en scène com um manancial de símbolos e referências pictóricas e literárias que expandem seu universo para além do cinema (eis a beleza da impureza, como diria André Bazin). Pensar a Eternidade como o ponto de saída da narração do filme o localiza fora de algum tempo e espaço. A iconografia do sertão, tão cara à filmografia brasileira ao longo de toda a sua história, aqui se desprende do imaginário pré-fabricado e caminha sozinha, como se fosse outra coisa que, mesmo reconhecendo a base, ainda está a ser descoberta na totalidade. O filme não é cínico, porém: Camilo Cavalcante jamais disfarça a evidência de estar sempre no sertão – muito pelo contrário: talvez os maiores desarranjos do filme estejam em momentos de mais ostentação desse universo facilmente assimilável. Mas a honestidade de A História da Eternidade está em, sem omitir o dado essencial, seguir adiante com ele e se esforçar por dar ao espectador alguma visão ainda inédita, na possibilidade de olhar[...]



A História Da Eternidade (2014) - Nacional - Making Off

Sat, 14 Nov 2015 11:35:00 +0000

A História da Eternidade(A História da Eternidade)A História da Eternidade (Camilo Cavalcante, 2014)PosterSinopseEm um pequeno vilarejo no Sertão, três histórias de amor e desejo revolucionam a paisagem afetiva de seus moradores. Personagens de um mundo romanesco, no qual suas concepções da vida estão limitadas, de um lado pelos instintos humanos, do outro por um destino cego e fatalista.ScreenshotsElencoInformações sobre o filmeInformações sobre o releaseMarcela Cartaxo - QuerênciaLeonardo França - AderaldoDébora Ingrid - AfonsinaClaudio Jaborandy - NatanielZezita Matos - Dona Das DoresMaxwell Nascimento - GeraldoIrandhir Santos - JoãoGênero: DramaDiretor: Camilo CavalcanteDuração: 120 minutosAno de Lançamento: 2014País de Origem: BrasilIdioma do Áudio: PortuguêsIMDB: http://www.imdb.com/title/tt3565050/Qualidade de Vídeo: Web DLContainer: MKVVídeo Codec: MPEG-4 AVCVídeo Bitrate: 1.963 KbpsÁudio Codec: A_AACÁudio Bitrate: 384 kbps  48 KHz KbpsResolução: 1280 x 720Formato de Tela: Widescreen (16x9)Frame Rate: 25.000 FPSTamanho: 1.655 GbLegendas: Sem LegendaCríticaA Eternidade conta uma históriapor Marcelo MirandaA escolha pelo artigo definido para o título deste primeiro longa-metragem de Camilo Cavalcante (A História da Eternidade), antes do sentido totalizante que parece carregar, impõe, num primeiro contato com o filme, ao menos duas possibilidades, de acordo com o viés que se adotar. A hipótese inicial seria a de que veremos a grande história, quem sabe definitiva, de o que é o conceito de “eternidade”, e aí existe uma ambição fadada à impossibilidade cósmica de defini-lo; a segunda hipótese, menos evidente (e talvez mais escorregadia), é a de que veremos, de fato, uma história contada do ponto de vista da Eternidade, a palavra aqui deixando de ser apenas conceito abstrato para se ser ela mesma personagem (ou mito), tornando-se a instância narradora. Por essa segunda possibilidade, tem-se um filme menos centrado na derivação de alguma grande narrativa do que na ocupação do quadro com elementos constitutivos de uma pictorialidade que será, afinal, sua maior característica visual. (O uso do scope amplia a noção de vastidão num espaço relativamente pequeno de um vilarejo isolado.) A Eternidade seria tudo aquilo a ocupar o espaço da tela – cada elemento de linguagem e de encenação que se consiga ver, ouvir ou imaginar, sendo a articulação entre eles o escopo do que é efetivamente o filme de Camilo Cavalcante. A Eternidade, portanto, é o que é mostrado a partir da existência da câmera, e não apenas pelo relato temático (que, por sua vez, seria o elemento mais importante da primeira hipótese).A diferenciação é importante na medida em que A História da Eternidade alimenta a mise en scène com um manancial de símbolos e referências pictóricas e literárias que expandem seu universo para além do cinema (eis a beleza da impureza, como diria André Bazin). Pensar a Eternidade como o ponto de saída da narração do filme o localiza fora de algum tempo e espaço. A iconografia do sertão, tão cara à filmografia brasileira ao longo de toda a sua história, aqui se desprende do imaginário pré-fabricado e caminha sozinha, como se fosse outra coisa que, mesmo reconhecendo a base, ainda está a ser descoberta na totalidade. O filme não é cínico, porém: Camilo Cavalcante jamais disfarça a evidência de estar sempre no sertão – muito pelo contrário: talvez os maiores desarranjos do filme estejam em momentos de mais ostentação desse universo facilmente assimilável. Mas a honestidade de A História da Eternidade está em, sem omitir o dado essencial, seguir adiante com ele e se esforçar por dar ao espectador alguma visão ainda inédita[...]



Putin ganha pontos no Oriente Médio

Mon, 09 Nov 2015 14:49:00 +0000

 Putin ganha pontos no Oriente Médio  Luiz Eça no Correio da CidadaniaComo Obama repetiu não poucas vezes, o ISIS (Estado Islâmico) é uma ameaça à paz mundial e os EUA têm todo empenho em acabar com eles.Por isso mesmo, convocou o mundo civilizado para a guerra contra essa praga. Logo o presidente deveria receber com palmas a entrada da Rússia para lutar a seu lado, não é?Não é.Voltando de Bagdá, após reunião com Abadi, primeiro-ministro do Iraque, o general Joe Durnford, chefe do Estado-maior das forças armadas dos EUA, informou o contrário.Segundo o site da CBS NEWS (22 de outubro), foram estas as suas palavras: “eu disse (a Abadi) que seria muito difícil para nós dar o apoio que você precisa se os russos também estiverem conduzindo operações bélicas. Não poderemos conduzir operações se os russos estiverem operando no Iraque agora”.O iraquiano ficou numa saia justa. Afinal, os EUA já gastaram cerca de 20 bilhões de dólares no armamento, treinamento, assessoramento e, principalmente, apoio aéreo ao exército local.Até agora, não adiantou muito.Desde que a aviação dos EUA entrou em ação, há um ano, o ISIS tomou a importante cidade de Ramadi e mantém em seu poder um terço do território do país.Nos últimos meses, reforçadas também pelas tropas xiitas, as forças armadas do Iraque começam a encarar os ultrafanáticos, tendo passado à ofensiva em algumas frentes.Por enquanto, os russos têm se limitado a fornecer armas e assessores técnicos aos xiitas. O comando da campanha ISIS continua nas mãos de oficiais norte-americanos e iraquianos.Putin afirmou que está pronto para vir com tudo, formando uma coalizão com os EUA e o Iraque.Mas primeiro o Iraque deve solicitar sua ajuda oficialmente. Abadi diz “claro, ótimo”, mas hesita.Seus partidários pressionam para que ele aceite. Abadi resiste, diz que ainda não é hora. Se topar, os norte-americanos podem sair e ele teme um futuro incerto sem o braço amigo de Tio Sam.Enquanto isso, espera que os estadunidenses acabem concordando na aliança com os russos, em nome da necessidade de derrotar o ISIS, que se torna um inimigo cada vez mais forte.Além de solidificarem seu califado instalado no Iraque e na Síria, os ultrarradicais se expandem pelo Oriente Médio e África. Já têm filiais em sete regiões: Egito, Líbia, Nigéria, Iêmen, Afeganistão, Paquistão e Cáucaso.Pior: segundo pesquisa da consultoria inglesa de segurança, a IHS, o ISIS aumentou em 42% suas ações entre julho e setembro de 2015, comparando com o mesmo período no ano passado.Indiferentes a esses dados assustadores, os EUA seguem querendo ver os russos pelas costas, tanto no Iraque quanto na Síria.Nesse país, Putin cansou-se de propor sua participação na coalizão de nações formada pelos EUA para destruir o ISIS.Nada feito, Washington se opõe devido ao apoio russo ao presidente Assad, da Síria, que Obama condenou ao inferno e age para o defenestrar, armando e treinando as forças rebeldes.Bem que Putin tentou (e ainda tenta) tirar da frente este obstáculo ao fim de uma guerra que está massacrando o povo sírio e devastando o país.Propôs várias vezes uma reunião entre governo, rebeldes, EUA, Rússia, Irã, União Europeia, países do Golfo, Turquia, todos os envolvidos na questão para negociar a paz, através de um governo de transição, com representantes das partes em luta.Claro, Putin não pode abandonar seu aliado Assad: exige ao menos que ele participe das negociações.Aí, tudo volta ao marco zero porque Obama não perdoa Assad. Com a presença do líder sírio, não tem conversa.Cansado das rejeições às suas duas iniciativas, Putin resolveu agir tanto para enfraquecer o ISIS quanto para [...]



O Medo à Liberdade e a Alma Humana ● Leandro Karnal [HD]

Sun, 08 Nov 2015 23:00:00 +0000

allowfullscreen="" frameborder="0" height="270" src="https://www.youtube.com/embed/GGeWvC-iKyc" width="480">



The Strike / Sirena (1947) - Europeu - Making Off

Sun, 08 Nov 2015 20:04:00 +0000

The Strike (1947)(Siréna)Sirena (1947) - kgPosterSinopseBaseado em fatos reais, aborda a greve de 1889, feita pelos mineiros de carvão e os metalurgistas, na cidade de Kladno, Checoslováquia, e as consequências de tal ato de insubordinação.Screenshots (clique na imagem para ver em tamanho real)ElencoInformações sobre o filmeInformações sobre o releaseJosef Bek: Karel HamplI. Bohàc: HudecVera Kalendová: CernáBedrich Karen: BacherN. Mauerová: RuzenaMarie Vásová: HudcováGênero: DramaDiretor: Karel SteklýDuração: 1h 14mnAno de Lançamento: 1947País de Origem: ChecoslováquiaIdioma do Áudio: ChecoIMDB: http://www.imdb.com/title/tt0130261/Qualidade de Vídeo: DVD RipContainer: MKVVídeo Codec: V_MPEG4/ISO/AVCVídeo Bitrate: 2127 KbpsÁudio Codec: AC3Áudio Bitrate: 192Resolução: 704x576Aspect Ratio: 1.323Formato de Tela: Tela Cheia (4x3)Frame Rate: 25.000Tamanho: 1.268 GiBLegendas: Em anexo e no torrent - ExclusivasPremiaçõesSim, Fstival de Veneza, 1947.Mais informações: http://www.imdb.com/...t0130261/awardsCuriosidadesNos lugares onde foi lançado, o filme recebeu o título de "A Sirene", salvo o título mundial, segundo o IMDb, que foi "The Strike".CríticaDiz o fórum de onde o filme foi baixado: "This is NOT сommunist propaganda.Movie was screened in USSR in 1953 (Stalin'death year)"Diz um crítico sérvio, do IMDb: " as this film is a worst communist propaganda one can imagine. The story of the strike in Czech mine, poor acting, story that must have been dug out from communist party instructions "how to promulgate communism".Cabe a quem assistir classificá-lo como propaganda comunista ou denúncia de mão-de-obra escrava. Quem leu "Germinal", de Zola, ou assistiu ao filme homônimo de Claude Berri, ambientados por volta da mesma data de Siréne; ou ainda, quem acompanha o trabalho dos mineradores nos dias atuais, em certos países da África, ou quem se lembra de Serra Pelada, aqui no Brasil mesmo, pode chegar à conclusão que quiser.Na humílima opinião de quem esta escreve denunciar trabalho escravo e lutar para ter condições de trabalho mais dignas, sejam de mineradores, professores, bancários, ou quaisquer outras classes trabalhistas, sem entrar em mérito de comunismo, capitalismo, socialismo ou "aproveitadorismo", deveria ser um direito de qualquer classe trabalhadora. Amém.Lu StokerEm tempo, a informação de "fatos reais acontecidos em 1889, na Checoslováquia", foi retirada do filme. Amém again.Coopere, deixe semeando ao menos duas vezes o tamanho do arquivo que baixar.Arquivo(s) anexado(s)  Sirena (1947).ptbr...rar   11.6K  70 Downloads  Sirena - 1947 - LS.torrent   13.49K  97 Downloads [...]



Grandes Esperanças

Tue, 03 Nov 2015 19:55:00 +0000

Grandes Esperanças(Great Expectations)Great.Expectations.1946.720p.BluRay.x264-D4PosterSinopseO pobre Pip, ainda criança, apaixona-se por Estella, que vive com a amargurada e estranha avó numa mansão em ruínas. Financiado por um misterioso padrinho, Pip muda-se para Londres, onde se torna um esnobe almofadinha, mas seu coração continua pertencendo a à fria Estella.  ScreenshotsElencoInformações sobre o filmeInformações sobre o releaseJohn Mills ...PipTony Wager ...Young Pip (as Anthony Wager)Valerie Hobson ...EstellaJean Simmons ...Young EstellaBernard Miles ...Joe GargeryFrancis L. Sullivan ...Mr. JaggersFinlay Currie ...MagwitchMartita Hunt ...Miss HavishamAlec Guinness ...Herbert PocketGênero: DramaDiretor: David LeanDuração: 118 minutosAno de Lançamento: 1946País de Origem: InglaterraIdioma do Áudio: InglêsIMDB: http://www.imdb.com/title/tt0038574Qualidade de Vídeo: BDRipContainer: MKVVídeo Codec: V_MPEG4/ISO/AVCVídeo Bitrate: 7292 KbpsÁudio Codec: AC3Áudio Bitrate: 640 KbpsResolução: 984x720Formato de Tela: Tela Cheia (4x3)Frame Rate: 24.000 FPSTamanho: 6.54 GbLegendas: AnexasPremiaçõesVencedor dos Oscars:Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (Guy Green )Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (John Bryan, Wilfred Shingleton )Indicado os Oscars:Oscar de Melhor FilmeOscar de Melhor Direção (David Lean)Oscar de Melhor Roteiro (David Lean, Ronald Neame, Anthony Havelock-Allan)CuriosidadesAdaptação do clássico romance de Charles Dickens.O livro foi levado para as telas mais de dez vezes, entre 1909 e 2012. As adaptações mais famosas são a de Alfonso Cuarón, Grandes Esperanças (1998), e a de Mike Newell, Grandes Esperanças (2012).Primeiro grande papel de Alec Guinness, que havia participado de uma adaptação teatral do livro em 1939.Guinness voltaria a trabalhar com o diretor David Lean em outros cinco filmes: Oliver Twist (1947), A Ponte do Rio Kwai (1957), Lawrence da Arábia (1962), Doutor Jivago (1965) e Passagem Para a Índia (1984).CríticaA NBO Editora resolveu lançar em DVD diversos clássicos por 10 reais, entre eles, boa parte dos filmes britânicos de David Lean. E a ela agradeço muitíssimo. Exatamente porque ela me deu a chance de conhecer um pouco mais a carreira deste brilhante diretor. Sei que é leviandade dizê-lo só tendo visto 5 filmes do sujeito – esse, Desencanto, A Ponte do Rio Kwai, Lawrence da Arábia e Dr. Jivago -, mas todos são excelentes, todos ganham 9 ou 10 estrelas, e mesmo que veja alguma diferença entre eles quanto a conceituação, há uma mente por trás de tudo e todos eles possuem algo em comum. Portanto, reafirmo que David Lean é um cara brilhante. Só conseguir dinheiro que comprarei os que faltam.A grandiosidade da obra fílmica, baseada na obra de Charles Dickens, está na veracidade trepidante das cenas. Aparenta sim uma Inglaterra do século XIX típica de filmes do chamado cinema clássico, e talvez por isso eu acredite tanto na sua decupagem. O cinema clássico deJohn Ford, Frank Capra e William Wyler é um de meus preferidos. David Lean encontra-se facilmente nessa estética grandiosa, antes de seus filmes serem grandiosos – brilhantes, mas não grandiosos. Vocês entenderam o que quis dizer? -, mas de incrível poder de persuasão e carisma. O cinema americano transformou-o. Tanto que a efervescência para épicos e filmes monumentais tomou conta de sua filmografia, filmes como Lawrence da Arábia e Dr. Jivago não são só longos, são o retrato doamericanismo, seu poder de marketing – hoje cada dia mais forte.Na Grã-Bretanha, David Lean filmou acasos, principalmente obras de Charles Di[...]



Rapadura Açucarada - É Um Mundo Estranho: Festival Jerry Lewis

Sat, 31 Oct 2015 19:34:00 +0000

Festival Jerry LewisRAPADURA AÇUCARADA APRESENTA:FESTIVAL JERRY LEWISAmiga da Onça (My Friend Irma, 1949/DVDRip/P&B/Legendado/Fullscreen) Primeiro filme em que Jerry Lewis aparece, juntamente com Dean Martin. São praticamente coadjuvantes, onde as estrelas são Irma, Jane e Al (noivo trambiqueiro de Irma). O filme é baseado em uma série de rádio com o mesmo nome. No filme, Al descobre o talento para cantar de Steve (Martin), mas tem que levar junto Seymour (Lewis). Jane se apaixona por Steve, mas que se casar com o milionário Richard. Vendo o impasse da amiga, a atrapalhada Irma resolve se intrometer e “ajudar”. BAIXE AQUIMinha Amiga Maluca (My Friend Irma Goes West, 1950/DVDRip/P&B/Legendado/Fullscren). Ainda como coadjuvantes, Lewis e Martin fazem o único filme em que os dois trabalham em uma continuação. Estranhamente – ou não – acontecimentos do filme anterior são totalmente ignorados. O foco ainda é Al tentando levar Steve ao estrelato. Muitas confusões levam a turma toda para o Oeste, onde Irma acaba sendo sequestrada e Al precisa conseguir 50.000 dólares para o resgate. BAIXE AQUIO Filhinho do Papai (That’s My Boy, 1951/DVDRip/P&B/Legendado/Fullscreen. Junior Jackson (Jerry Lewis) é o tímido filho único de Jack "Terremoto" (Eddie Mayehoff), uma lenda do futebol americano. Temendo que Junior seja um fracasso como desportista, seu pai contrata Bill Baker (Dean Martin), um grande jogador, para treiná-lo e fazer dele um homem. Porém, Junior se mostra muito inseguro, o que dificulta tudo, mas independente de qualquer pagamento Baker se torna amigo de Junior e decide fazer qualquer coisa para que ele supere suas limitações. BAIXE AQUIO Biruta e o Folgado (The Stooge, 1952/DVDRip/P&B/Legendado/Fullscreen). Em mais um filme da dupla Martin e Lewis, Bill Martin (Dean Martin) é um comediante sem sucesso que, para inovar seu show, coloca o comparsa Ted Rogers (Jerry Lewis) na plateia, para interagir com ele durante a apresentação. Mas, rapidamente, Ted começa a se tornar a estrela do espetáculo. BAIXE AQUIO Marujo Foi na Onda (Sailor Beware, 1952/DVDRip/P&B/Legendado ou Dublado/Fullscreen). Melvin Jones (Jerry Lewis) é um jovem que acaba entrando na marinha por ordens do seu médico (na cabeça dele) e lá conhece Al Crowthers (Dean Martin). Os dois acabam virando amigos. Pensando que iria ter uma vida correta na marinha, Melvin sempre está disposto para fazer tudo direito ou até defender os outros de lá se são injustiçados. Mas Melvin, sempre sendo ingênuo e usado pelos outros companheiros sem saber, acaba fazendo tudo errado e irritando principalmente o seu comandante Ladorski (Robert Strauss). BAIXE AQUIMalucos do Ar (Jumping Jacks, 1952/DVDRip/P&B/Legendado,Fullscreen). Chick Allen (Dean Martin) e Hap smith (Jerry Lewis) apresentam-se em shows musicais. Mas Chick é convocado para o serviço militar, enquanto Hap continua a fazer suas apresentações, desta vez com outra companhia. Chick também continua fazendo suas apresentações, mas as dele não são tão boas quanto as de Hap, e ele decide pedir ajuda ao seu antigo companheiro. BAIXE AQUIA Farra dos Malandros (Living It Up, 1954/DVDRip/Color/Dublado ou Legendado/Fulsscreen). Wally Cook (Janet Leigh) é uma repórter do "Crônica da Manhã?, de Nova York, que vai até Fim do Mundo, um pequeno lugarejo no Novo México, para levar Homer Flagg (Jerry Lewis), um jovem que trabalha na estação ferroviária, para Nova York com as despesas pagas, pois se acredita que Homer esteja morrendo vítima de radiação. Mas quando ela chega lá Steve Harris (Dean Martin), o médico de [...]



RÚSSIA SHOW: OS PROTOCOLOS DOS SÁBIOS DO SIÃO:FRAUDE DA OKHRANA OU CONSPIRAÇÃO?

Sat, 31 Oct 2015 18:47:00 +0000

OS PROTOCOLOS DOS SÁBIOS DO SIÃO:FRAUDE DA OKHRANA OU CONSPIRAÇÃO?Este livro se trata de uma polêmica que envolve a polícia secreta tzarista - a Okhrana, dos tempos de Nilolai II - o último tzar. Estamos falando de "Os Protocolos dos sábios do Sião". No Brasil, o editor Sigfried Ellwanger, da ed.Revisão, foi condenado por editar, entre outros, este  livro, conforme você pode ler aqui: http://www.conjur.com.br/2004-mar-19/dj_publica_acordao_editor_nazista_condenado_stfSobre Ellwanger não vou me estender: deixo com o leitor o link do Wikipedia, onde você poderá se inteirar melhor do caso.https://pt.wikipedia.org/wiki/Siegfried_Ellwanger_Castan A aquisição deste livro é  super difícil, praticamente impossível, a não ser em sebos, como - por exemplo, o Estante Virtual. Eu possuía um exemplar sem data de edição da Jupiter (que não sei se ainda existe), com 160 páginas. Comprei há mais de trinta anos, pagando caro a um livreiro que me vendeu um exemplar usado. O que a curiosidade intelectual não faz...De autoria  anônima, nenhuma obra despertou mais a atenção do mundo no século XX do que “Os Protocolos dos Sábios de Sião”, discutido há décadas na grande mídia estrangeira (aqui, seu destaque é muito menor, ou quase nulo), por críticos e escritores. O alvoroço criado a seu redor se deve ao fato de ele conter o mais terrível e cínico plano da história. Não sou eu quem vai julgar se o seu conteúdo é uma farsa ou não, mas devo dizer que, muitas vezes, ao relê-lo, chego a me arrepiar, pois muito do que contém a gente está vendo a todo momento.Fala sobre a imprensa e a assimilação de seu papel na política; fala sobre pregar "o veneno do liberalismo"; sobre o uso da espionagem, enfim, sobre um cem número de coisas que vários governos de países hegemônicos (principalmente EUA) têm aplicado ao longo da história moderna. Coincidência ou não, acho que vale a pena conhecer o livro e que cada um tire sua própria conclusão. As opiniões dividem-se e confrontam-se acerca de sua autoria e autenticidade. Os judeus negam-no sob o pretexto de maldosa falsificação. Os inimigos dos judeus usam este "plano" como argumento contra os judeus. Pensadores estudam-no com cuidado e se documentam a respeito, saindo, de tais documentações e estudos, diversas versões para o"Protocolos", que foi traduzido em quase todas as línguas modernas. Andei dando uma vasculhada na rede e descobri que existem algumas versões com títulos diferentes deste livro. Por exemplo: - Mistificações literárias, do brasileiro Anatol Rosenfeld, pela editora Perspectiva, com apenas 64 páginas eque trata o livro como sendo uma mistificação, deixando claro que "O interesse desta é tanto maior quanto os danos por ela cometidos, na medida em que não são apenas de natureza literária mas também política e social, tendo sido uma das grandes armas que o hitlerismo brandiu e que o antissemitismo internacional continua brandindo contra todo um povo que só pode, neste caso, apresentar a seu favor a simples verdade, tal como é expressa neste livro". Existe uma outra versão, intitulada "O Complô a História Secreta dos Protocolos dos Sábios do Sião", lançada pela Cia.Das Letras, de Will Eisner, que vai mais ou menos pela linha da versão anterior, de que tudo não passaria de uma mistificação, só que, neste livro, a autora afirma ter a mistificação sido feita sob encomenda por Nikolai II, o último Tzar da Rússia, mais ou menos assim: "Em 1864, o escritor francês Maurice Joly publicou cla[...]



Do Czar A Lênin / Tsar To Lenin (1937) - Documentários - Making Off

Wed, 21 Oct 2015 19:16:00 +0000

Do Czar a Lênin(Tsar to Lenin)Tsar.to.Lenin.DVDRip.Xvid-wtfuxzPosterSinopseO filme definitivo sobre a Revolução Russa.Durante 13 anos foram sendo recolhidas filmagens de todas as partes do mundo: do arquivo do próprio czar, dos sovietes, de aventureiros de diversas nacionalidades, de militares franceses, ingleses, japoneses e do Estado Maior Alemão. O resultado é um documento histórico raríssimo sobre o mais importante acontecimento do século XX. A narração dos fatos por Max Eastman, com as imagens postas cronologicamente, nos levam de volta ao tempestuoso ano de 1917, diretamente para o olho do furacão.Screenshots (clique na imagem para ver em tamanho real)ElencoInformações sobre o filmeInformações sobre o releaseAlexander KerenskyV.I. LeninLeon TrotskyTsar Nicholas IIGênero: DocumentárioDiretor: Herman AxelbankDuração: 68 minutosAno de Lançamento: 1937País de Origem: Estados UnidosIdioma do Áudio: InglêsSite Oficial: http://tsartolenin.com/IMDB: http://www.imdb.com/title/tt2401196/Qualidade de Vídeo: DVD RipVídeo Codec: XviDVídeo Bitrate: 1.023 KbpsÁudio Codec: MPEG1/2 L3Áudio Bitrate: 192 kbps 48 KHzResolução: 384 x 288Aspect Ratio: 1.333Formato de Tela: Tela Cheia (4x3)Frame Rate: 29.970 FPSTamanho: 556.2 MiBLegendas: Em anexoCríticaReview by The New York Times, March 9, 1937Max Eastman has edited and compiled the most complete, impartial and intelligent film history of the Russian revolution thus far shown. His “Tsar to Lenin,” .now at the Filmarte, vs an important work, neither hymn of hate nor paean of praise. While his long friendship with Trotsky and his dislike of Stalin have induced him to dwell upon the former and slight the latter, this is only a minor flaw in an otherwise objective survey of the exciting years between 1912 and 1922. The “fellow-workers” visiting the Filmarte prepared to hiss a Trotskyite’s summary of their banner years will find precious little excuse for demonstration, for facts (as Lenin said) are stubborn things, and Mr. Eastman has dealt with facts alone.His picture has much the nature of a jig-saw puzzle. It is built of unrelated scenes, many of them fitted into a pattern quite unlike the one for which they were intended. Some of the shots were made by the Czar's photographer, some by the Czar himself, some by Soviet photographers, some by the German general staff, some by the staff camera men with the French, English and Japanese armies of occupation, some by American war correspondents. Some were meant as Red army propaganda, some were intended to uphold the cause of the Whites. Mr. Eastman has assembled them chronologically, used only those he was assured were authentic. The resulting picture is honest, unbiased, reasonably thorough. The narrative accompaniment is not always so abstract, but it attempts, at least, to seem non-partisan.The picture opens with the prewar years, sketohing vividly the ease and luxury of the Imperial Court, the squalor and poverty of the peasant and working classes. It carries on through the war, with the breakdown of the food and munitions transport system, the famine at the front and the unrest behind the lines. Street scenes in the capital catch the first mutterings of rebellion, watch them swell into a chorus of revolt. Ironically the narrator mentions the Czar's abdication, Grand Duke Nikolai’s hasty refusal to assume power. The people take control, elect their representatives and Russia—almost at once—is ringed about by her enemies.Kerensky, Yudenich, Deniken, Kolchak—they make their bids for power, for popular sup[...]



Nathalie Cardone Comandante Che Guevara Hasta Siempre

Fri, 09 Oct 2015 18:49:00 +0000

allowfullscreen="" frameborder="0" height="344" src="https://www.youtube.com/embed/SSRVtlTwFs8" width="459">



Omara Portuondo Live in Montreal 2008

Wed, 07 Oct 2015 21:11:00 +0000

allowfullscreen="" frameborder="0" height="270" src="https://www.youtube.com/embed/9WJd9DvW0u4" width="480">



BRASIL ORGÂNICO | DOCUMENTÁRIO

Wed, 07 Oct 2015 13:44:00 +0000

allowfullscreen="" frameborder="0" height="344" src="https://www.youtube.com/embed/070bD7r1FJg" width="459">



Brasileiros têm de entender que estudar não é chato; chato é ser burro* | coração filosofante

Sat, 03 Oct 2015 13:28:00 +0000

Brasileiros têm de entender que estudar não é chato; chato é ser burro* por Baruch Amanuensis A história da educação no Brasil é um acúmulo de omissões e até mesmo de ações propositais que resultaram numa situação de extrema desigualdade social, com um analfabetismo ou um analfabetismo funcional endêmicos, um vergonhoso estado geral de ignorância e de desprezo pelo conhecimento.Para quem analisar nossa história, fica claro que a proibição do voto aos analfabetos sempre foi intencional, pois o governante somente tinha de prestar satisfações a uma minoria privilegiada, da qual esse mesmo governante provinha. Como a maioria era analfabeta, e não tinha voz nem voto, o governante só poderia ser alijado do poder pela ínfima minoria para quem governava, e podia desprezar solenemente as necessidades da imensa maioria dos brasileiros, aumentando assim, ano a ano, século a século, o abismo social que nos define.A exclusão brasileira foi criada propositalmente pela reserva do acesso à educação somente a uma parcela dos brasileiros, porque só há uma riqueza a distribuir, e essa riqueza é o acesso a uma educação de qualidade.Felizmente, depois de três séculos de domínio e de espoliação colonial, mais quase outros dois séculos de manutenção do mesmo estado de exclusão, primeiro imperial, depois de republiquetas e/ou de ditaduras em que a reserva da educação para poucos continuava a ser usada com fator de “proteção” da elite, o Brasil vem tentando construir um estado democrático há cerca de trinta anos.Pela primeira vez em nossa história, o voto foi estendido a todos os brasileiros, e o direito à escolarização tornou-se universal, com a oferta de vagas no ensino fundamental a todas as nossas crianças. Agora, em pleno século 21, consolidar essa democracia afinal conquistada é um trabalho hercúleo, uma obrigação de todos os brasileiros. Sabemos que, mais que nunca, o passaporte para um futuro feliz e realizado é o acesso a uma educação de qualidade.Agora, finalmente, conseguimos oferecer vagas na escola pública para cada criança, mas essa cultura do atraso faz com que os despossuídos encarem a frequência escolar não como um direito libertador, mas como uma obrigação. Tantos séculos de atraso acabaram por fazer com que a maioria de nós, os despossuídos da história, sequer tenhamos ganas de reivindicar nosso direito à educação.Muitas famílias enviam seus filhos à escola de má vontade, alguns somente para cumprir as exigências das bolsas-família, e as próprias crianças festejam quando algum professor falta à aula e elas podem ficar brincando à vontade no recreio. Séculos de exclusão não criaram um anseio por este direito por parte dos próprios excluídos!A maioria dos pais dessas crianças está disposta a fazer sacrifícios para comprar um tênis de grife para seu filho, mas protesta quando tem de gastar qualquer quantia para comprar-lhe um livrinho sequer. Isso significa que a família brasileira acha mais importante investir no pé do que na cabeça do seu próprio filho…Como reverter esse quadro? Como incutir na consciência das famílias que a felicidade e a riqueza só podem ser conquistadas pelo conhecimento, pelo acesso à ciência, à tecnologia? Como poderemos obrigar o brasileiro a ser feliz?Acredito que obrigar é impossível. Enquanto tentarmos enfiar o conhecimento goela abaixo de nossas crianças como um purgante, utiliza[...]



Juventude cubana e os Comitês de Defesa da Revolução

Tue, 22 Sep 2015 13:28:00 +0000

Juventude cubana e os Comitês de Defesa da RevoluçãoCuba - Prensa Latina - Os Comitês de Defesa da Revolução (CDR), a maior organização de massas de Cuba, chegam aos 55 anos de fundados com a tarefa histórica de revigorar sua função social com a participação da juventude da ilha caribenha.Criados pelo líder da Revolução, Fidel Castro, seus dirigentes estabeleceram novas estratégias que procuram preservar os avanços atingidos pelos cubanos desde 1959.A respeito da celebração, o Coordenador Nacional dos CDR, Carlos Rafael Miranda, sublinhou que a verdadeira fortaleza da organização está em sua capacidade de mobilizar os cederristas, qualificativo utilizado aqui para nomear seus integrantes.Agora nosso trabalho desde a base tem um elemento distintivo, e é a incorporação dos jovens, muitos deles já integrados aos cargos de direção, explicou Miranda.A participação da juventude nos CDR permitirá dinamizar o trabalho nos bairros e as comunidades, reforçou.Até o momento realizaram-se muitas atividades e seguirão em todo o país, mas a principal será nos bairros na noite do dia 27 para o dia 28, data em que nasceram os CDR, pontuou Miranda ao comparecer na Televisão Cubana.A organização -na qual seus membros ingressam de maneira voluntária- tem entre suas prioridades mobilizar todo o povo por meio do contato direto com as pessoas e as famílias que interagem na comunidade.Antes da sua fundação -a 28 de setembro de 1960- existiam na nação antilhana diversas associações com diferentes fins, ficando fundidas nesta, para dar uma resposta enérgica e espontânea contra o terrorismo instrumentado pelo governo estadunidense contra a ilha.No meio de um ato público em frente ao antigo Palácio Presidencial, hoje Museu da Revolução, Fidel Castro, primeiro-ministro então, escutou várias explosões.Justamente nesse momento expressou: "Vamos estabelecer um sistema de vigilância revolucionária coletiva; estão jogando com o povo e não sabem ainda quem é o povo; estão jogando com o povo e não sabem a tremenda força revolucionária que há no povo".Nessa mesma noite, ao terminar o discurso, nasceram os primeiros CDR, associação sui generis caracterizada por seu entusiasmo, iniciativa, vontade, solidariedade e combatividade.A histórica coletividade de vizinhos está organizada por quadras, zonas, municípios, províncias e nação, e reúne cidadãos cubanos maiores de 14 anos, sem distinguir credo, sexo ou raça.Entre as principais tarefas nas quais os CDR participaram em seus princípios estão seu apoio decisivo nas campanhas de Alfabetização e de vacinações contra a poliomielite e outras doenças.Uma missão nobre e humana que cumprem atualmente os cederristas é promover as doações voluntárias de sangue, as quais ascendem a mais de meio milhão ao ano, de acordo com fontes da organização.Com o sangue doado de forma segura, beneficiam-se pacientes com diferentes doenças e é possível a poupança de divisas à economia do país com a substituição de importações pelo conceito de produção de hemoderivados e medicamentos.A doação voluntária e não remunerada tem caracterizado este projeto e graças a seus resultados a nação se satisfaz dos produtos sanguíneos para apoiar programas tão humanitários como o transplante, a cirurgia cardiovascular, a oncologia e outros.Este esquema foi desenhado desde 1962 com o objetivo primordial de [...]



Instituto Cultural Kardecista de Santos: 20 REFLEXÕES ESPÍRITAS PARA O BEM VIVER - por Rica...

Mon, 17 Aug 2015 12:49:00 +0000

20 REFLEXÕES ESPÍRITAS PARA O BEM VIVER - por Ricardo NunesRicardo de Morais Nunes1 -   Amar o presente. O passado já passou. O futuro ainda não existe. É necessário vivermos na dimensão do agora.2 -    Precisamos nos conscientizar da impermanência de todas as coisas.Devemos aprender a transitar.3 -       O pressuposto do amor ao próximo é o amor a si mesmo.4 -   É necessário nos livrarmos da ideia da culpa e do castigo. Nossas ações têm consequências.5 -     Não devemos nos comparar com ninguém. Temos a nossa própria individualidade. Somos únicos.6 -    Confiar na existência de um sentido profundo, de uma diretriz maior, para a realidade.  7 -   Somos hoje o produto do que fizemos ontem. E amanhã seremos o produto do que fizermos hoje.8 -    Somos, em essência, espíritos imortais neste universo complexo e misterioso.  9 -  Devemos renunciar às nossas pretensões de segurança absoluta. Nossa jornada na terra é uma verdadeira “aventura existencial”.10 - A reencarnação e o tempo são os instrumentos de nosso aprimoramento intelecto-moral.11 -  É necessário distinguir entre as vitórias reais e as aparentes. Nem todos que aparentam sucesso são realmente bem sucedidos, segundo as leis maiores que regem a vida.12 -   Não precisamos ficar procurando exaustivamente as causas da dor nas vidas anteriores. A dor é inerente ao fenômeno da vida. A reencarnação é uma flecha que nos lança para o futuro e não uma âncora a nos prender ao passado.13 - O diferente não precisa ser nosso inimigo, pode ser alguém que nos proporciona outra maneira de enxergar a vida.14 - A solidariedade é nos reconhecermos na pessoa do outro. A indiferença ao sofrimento alheio é próprio das almas ainda egocêntricas.15 - A família e as amizades são os pequenos grupos onde exercitamos o amor que um dia teremos à humanidade.16 - A vontade é o grande instrumento para transformação de nós mesmos e do mundo.17 - O prazer é o que nos move para a ação.18 - Para a nossa saúde emocional é necessário estabelecermos sintonia mental com as mensagens positivas, desligando-nos, o quanto possível, das mensagens negativas.19 - Possuímos amigos no plano extra-físico que desejam o nosso bem, e atuam em nossa vida através da intuição, desde que nos coloquemos em sintonia mental com eles.20 - Conhecer e amar são os objetivos fundamentais das existências sucessivas. A felicidade é o destino final da evolução. Porém, existe uma felicidade possível já neste mundo.Ricardo Nunes[...]