Subscribe: A Nossa Candeia
http://anapaulafitas.blogspot.com/feeds/posts/default
Added By: Feedage Forager Feedage Grade B rated
Language:
Tags:
das  dia  dos  embed  frameborder  https youtube  https  mais  nos  não  quando  ser  seu  youtube embed  youtube   
Rate this Feed
Rate this feedRate this feedRate this feedRate this feedRate this feed
Rate this feed 1 starRate this feed 2 starRate this feed 3 starRate this feed 4 starRate this feed 5 star

Comments (0)

Feed Details and Statistics Feed Statistics
Preview: A Nossa Candeia

A Nossa Candeia





Updated: 2018-04-18T18:05:20.377+01:00

 



Sonoridades Femininas...

2015-08-16T09:48:22.799+01:00

width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/2Uvl-oce2SE" frameborder="0" allowfullscreen>... Celina da Piedade em "Roseira Enxertada"...



O Rosto Assustador da Pobreza - Retratos de uma Lisboa Esquecida...

2015-07-26T11:16:54.275+01:00

Quando a pobreza é tão grande que a vida parece parada e as pessoas inscritas num quadro quase imóvel numa espécie de deserto de alma, com os corpos tão crispados e tão crestados que parecem mais escuros nas ruas bordejadas de restos de trapos e pedaços de coisas, temos a perfeita noção da escandalosa e inadmissível mentalidade política que se veste de forma chique e "de lavado", enquanto  anda pela cidade em restaurantes e salas com etiqueta... 
Quando a pobreza é tão devastadora que as pessoas se ameaçam e confrontam por um saco de feijão, arroz, açúcar e "spaguetti" e as casas parecem contentores de tijolos, uns sobre os outros, em bairros que são ilhas submersas de miséria no meio de uma urbanidade aparente, que o consumismo não pára de vender para a ambição especular...
Quando a pobreza é tão desoladora que a paisagem é só triste como um dia lamacento depois das chuvas, em que nada parece poder ser feito senão esquecer e esperar "que passe" e os corpos se vestem sem vontade no cumprimento de uma sobrevivência sem nome...
... vai diminuindo a torrente de palavras com que se diz a imagem e o sentir, perante o peso incomensurável da consciência da crueldade com que é gerido o património e o direito à existência que é de todos, numa absoluta negação discriminatória do acesso à paz e à dignidade...
Quando a pobreza é tanta que, ao conhecê-la, perdemos o sono e queremos, qual sonho acordado, despertar num mundo melhor... deixamos de acreditar no fogo fátuo dos discursos dos protagonistas político-partidários e na vaidade ilusória das suas propagandísticas intenções...
Quando a pobreza é avassaladora e as pessoas subsistem, mesmo assim... percebemos que os heróis da Humanidade são aqueles a quem outros tiram a vida, limitando-os às margens de uma exclusão que preferimos ignorar ou justificar, para fingir que a entendemos como inerente à orgânica social, apenas e só porque não temos a coragem de exigir a Mudança em nome da qual defendemos, formalmente!, os Direitos Humanos, a Liberdade, a Igualdade e a Democracia! 
Disse!



Manuel Alegre, Poeta de uma República Maior...

2015-05-26T23:34:32.382+01:00

Hoje, na Livraria Leya, cujo espaço foi celebrizado em Lisboa sob a chancela da velha e inesquecível livraria Bucholz, Manuel Alegre protagonizou o lançamento do seu mais recente livro "Bairro Ocidental"! Com uma apresentação de abertura notável, pela expressão do entendimento da Poesia de Manuel Alegre como canto de Filosofia Social e Política, o momento alto deste precioso acontecimento a que assistiram Presidentes da República, deputados, intelectuais, jornalistas, actores, democratas e grandes amigos, consistiu na leitura de alguns dos Poemas que preenchem este livro incontido de verdades feitas de rigor, com alma, razão e coração, pela voz quente e sábia do seu autor!... É um livro belo, generoso e imenso como só o pode ser o livro de um Poeta, imortal! Por ora, partilho apenas o seu poema "Resgate" e agradeço, em nome do país e do futuro, a dádiva que connosco partilha, sempre!, o Poeta-Presidente das causas e do país oculto que guardamos no coração: Manuel Alegre!   "RESGATE Entre nós e o futuro há arame farpadolevaram o que se via além de nósnão resta mais que a ponta do narizcomo esperar agora o inesperado?Somos do Sul e o saldo somos nóscontra o bezerro de oiro o teu quadradoo poema tem que ser o teu país. Entre nós e amanhã há uma taxa de jurouma empresa de rating Bruxelas Berlimentre hoje e o futuro há outra vez um muroresgate é a palavra que nos diztens de explodir o não dentro do simnão te feches em torres de marfimo poema tem de ser o teu país. Toutinegras virão cantar contigoe os melros que se escondem entre vogaise o morse aflito e rouco da perdiznas sílabas que avisam do perigoe as lanças das consoantes e os sinaispor dentro das palavras que maisdo que palavras são o teu país. Oiço dizer Europa mas Europaé uma nau a chegar ao nunca vistoFlor de la Mar: e o Mundo em tua boca.Navegação: madre das cousas. Istoé Europa. País no mar. E vento à popa.Não este não arrisco logo existode cócoras à espera de uma sopa. Um cheiro de jasmim a brisa nos salgueirosentre nós e o futuro um silêncio nos diz.O saldo somos nós: trinta dinheiros.Pátria minha quem foi que te não quis?Entre nós e o futuro a terra e a raize a Flor de la Mar e os velhos marinheirose o poema onde respira o teu país."[...]



B.B.King - Sonoridades d'Alma...

2015-05-15T22:58:08.075+01:00

width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/4fk2prKnYnI" frameborder="0" allowfullscreen> width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/S1upbgyd9lo" frameborder="0" allowfullscreen> width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/Ky0x3_0li2I" frameborder="0" allowfullscreen>



Ecos de Galeano...

2015-04-14T07:44:38.303+01:00


"O código moral do fim do milénio não nos condenou à injustiça mas, ao fracasso."

"Dos medos nascem as coragens. Os sonhos anunciam outra realidade possível, e os delírios, outra razão. Somos o que fazemos para transformar o que somos. A identidade não é uma peça de museu, quietinha na vitrine, mas sempre assombrosa síntese das contradições nossas de cada dia."

"Hay un único lugar donde ayer y hoy se encuentran y se reconocen y se abrazan. Ese lugar es mañana"

EDUARDO GALEANO

 



Da Explicação Etno-Poética... do Alentejo!

2015-04-12T09:12:29.476+01:00


"Nunca vi um alentejano cantar sozinho com egoísmo de fonte.
Quando sente voos na garganta,
desce ao caminho
da solidão do seu monte,
e canta
em coro com a família do vizinho.

Não me parece pois necessária outra razão
- ou desejo
de arrancar o sol do chão
para explicar
a reforma agrária
no Alentejo.

É apenas uma certa maneira de cantar."

José Gomes Ferreira
in "Circunstâncias IV"



O Espírito da Páscoa - na etnografia do Professor Galopim de Carvalho

2015-04-02T21:53:09.715+01:00

Hoje li uma narrativa lindíssima da autoria do Professor Galopim de Carvalho, cuja escrita transforma a etnografia em contos de encantar! Penso que não faço mal se a partilhar via "A Nossa Candeia"... porque, de certa forma, é o mais bonito conto de Páscoa que conheço!  "SEMANA SANTAComer o borrego pelas festas da Páscoa está ligado a tradições religiosas e culturais chegadas até nós, vindas de longe, no tempo e na distância. É ler a Bíblia e ver como este simpático animal, com este ou outros nomes, se liga à tradição judaico-cristã, não sendo difícil procurar-lhe raízes ainda mais antigas. No antigamente, sacrificava-se o anho no altar; hoje come-se o borrego em reunião de família, depois de passadas as trevas e a dor, todos os anos evocadas durante a Semana Santa.Nos meus tempos de criança quem tinha posses matava o borrego em casa, no Sábado, logo pela manhã, a fim de que a carne do dito pudesse figurar na ementa do almoço desse dia, já festivo, depois de bem anunciadas as Aleluias, ao meio-dia, nos carrilhões da Sé, logo seguidas pelo repicar de todos os sinos de todas as igrejas da cidade e arredores.Era a festa! Era o fim do luto!Num desses anos, o nosso pai teve a ideia de fazer como algumas famílias da periferia da cidade que, vivendo os inconvenientes da vida do campo, sabiam aproveitar-lhe as poucas vantagens. Assim, muito antes da Páscoa, comprou um lindo borreguinho acabado de desmamar, que já se governava sozinho se o deixassem em campo com erva.Nós tínhamos necessidade de o levar a pastar, “fora de portas”, no que nos disputávamos constantemente. Cada um queria para si o gosto de segurar da corda que o prendia à coleira, onde chocalhava um pequenino guizo de latão. Vê-lo saltar, correr com ele que, por fim, já nos seguia sem trela e vinha ao nosso chamamento, era uma alegria nunca vivida.Passados os Ramos, as Endoenças e o Enterro do Senhor, na Sexta Feira de Paixão, seguia se, inexoravelmente, o dia do «sacrifício». Das conversas do pai com a mãe, eu e os meus quatro irmãos (três rapazes e duas raparigas) sabíamos que o tio Manuel, irmão do pai e homem de todas as profissões, viria sábado, bem cedinho, ocupar-se da matança antes que a rapaziada acordasse. Nessa manhã, após uma noite de vigília dos mais velhos, que se revezaram em quartos para que não falhasse a alvorada, levantámo-nos bem mais cedo do que a mãe pensava e aguardávamos o momento de dar execução ao plano que havíamos traçado. Entretanto, nos dias que antecederam aquele Sábado, tínhamos exercido intensa actividade de sensibilização da mãe, onde sabíamos estar a última palavra no desfecho do drama, chamando-lhe a atenção para a graciosidade do bicho, levando-a a acariciá-lo, redobrando, para que visse, as nossas atenções e brincadeiras com ele.Visivelmente aflita, a mãe já não sabia o que fazer, dividida, por um lado, entre o nosso amor pelo animalzinho e a simpatia que, também ela, já nutria por ele e, por outro, dar de comer a uma família que já não era pequena. Quando, no Sábado, o tio chegou, a mãe, de olhos inchados e vermelhos, já estava no quintal com os alguidares e os preparos necessários. O tio trazia a navalha, bem afiada e bicuda. Num canto, o “mé mé”, branco de algodão, preso à trela, balia como que chamando a si a atenção da mãe que, roída por dentro de remorsos antecipados, evitava olhá-lo.- Vá, Manuel, despache lá isso, depressa!De rompante, invadimos o quintal e berrando uns, chorando outros, rodeámos o animalzinho com tanta determinação que não houve quem tentasse, sequer, tirá-lo das nossas mãos. A mãe, mentalizada de há muito pela nossa acção, foi a primeira a ceder, mais aliviada do que contrariada. Afinal, também ela não queria o sacrifício do animalzinho e percebera a tempo o que essa violência representaria para nós. O tio, comp[...]



Da Paz que se Respira...

2015-04-02T09:55:19.384+01:00

allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/XGSIU39Y7WU" width="400">
... nas paisagens, nos sorrisos e nesse extraordinário mundo onde a harmonia entre natureza e cultura não foi ainda tão adulterada como neste Ocidente onde a resiliência foi desaparecendo, substituída pela criação intencional de um consumismo que nos afasta, sob as mais diferentes formas, do melhor que somos ou podemos ser - retirando-nos a experiência natural da paz que, em esforço!, os cidadãos cansados, artificialmente procuram e têm que pagar.



"...O Medo é o Assassino do Coração Humano ..."

2015-03-31T20:14:49.516+01:00

ENTREVISTA COM UM MÉDICO TIBETANO: LAMA TULKU LOBSANG RINPOCHE“Sou uma pessoa normal, penso o tempo todo. Mas tenho a mente treinada. Isso quer dizer que não sigo meus pensamentos. Eles vêm, mas não afetam nem minha mente, nem meu coração.”Quando um paciente chega para consulta, como o senhor sabe qual o problema?R – Olhando como ele se move, sua postura, seu olhar. Não é necessário que fale nem explique o que se passa. Um doutor de medicina tibetana experiente sabe do que sofre o paciente a 10 m de distância.Mas o senhor também verifica seus pulsos.R – Assim obtenho a informação que necessito sobre a saúde do paciente. Com a leitura do ritmo dos pulsos é possível diagnosticar cerca de 95% das enfermidades, inclusive psicológicas. A informação dada por eles é precisa como um computador. Para lê-los, é necessária muita experiência.E depois, como realiza a cura?R – Com as mãos, o olhar e preparados de plantas e minerais.Segundo a medicina tibetana, qual é a origem das doenças?R – Nossa ignorância.Então, perdoe a minha, mas o que entender por ignorância?R – Não saber que não sabe. Não ver com clareza. Quando vemos com clareza, não temos que pensar. Quando não vemos claramente, colocamos o pensamento para funcionar. E, quanto mais pensamos, mais ignorantes somos, mais confusão criamos.Como posso ser menos ignorante?R – Vou ensinar um método muito simples: praticando a compaixão. É a maneira mais fácil de reduzir os pensamentos. E o amor. Se amamos alguém de verdade, se não o queremos só para nós, aumentamos a compaixão.Que problemas percebe no Ocidente?R – O medo. O medo é o assassino do coração humano.Por quê?R – Porque, com medo, é impossível ser feliz e fazer felizes os outros.Como enfrentar o medo?R – Com aceitação. O medo é resistência ao desconhecido.Como médico, em que parte do corpo vê mais problemas?R – Na coluna, na parte baixa da coluna: as pessoas permanecem sentadas tempo demais na mesma posição. Com isso, se tornam rígidas demais.Temos muitos problemas.R - Acreditamos ter muitos problemas, mas, na realidade, nosso problema é que não os temos.O que isso quer dizer?R – Que nos acostumamos a ter nossas necessidades básicas satisfeitas, de modo que qualquer pequena contrariedade nos parece um problema. Então, ativamos a mente e começamos a dar voltas e mais voltas sem conseguir solucioná-la.Alguma recomendação?R – Se o problema tem solução, já não é um problema. Se não tem, também não.E para o estresse?R – Para evitá-lo, é melhor estar louco.??????R – É uma piada. Mas não tão piada assim. Eu me refiro a ser ou parecer normal por fora e, por dentro, estar louco: é a melhor maneira de viver.Que relação o senhor tem com sua mente?R – Sou uma pessoa normal, penso o tempo todo. Mas tenho a mente treinada. Isso quer dizer que não sigo meus pensamentos. Eles vêm, mas não afetam nem minha mente, nem meu coração.O senhor ri muito?R – Quando alguém ri nos abre seu coração. Se você não abre seu coração, é impossível entender o humor. Quando rimos, tudo fica claro. Essa é a linguagem mais poderosa que nos conecta uns aos outros diretamente.O senhor acaba de lançar um CD de mantras com base eletrônica, para o público ocidental.R – A música, os mantras e a energia do corpo são a mesma coisa. Como o riso, a música é um grande canal para nos conectar com o outro. Por meio dela, podemos nos abrir e nos transformar: assim, usamos a música em nossa tradição.O que gostaria de ser quando ficar mais velho?R: Gostaria de estar preparado para a morte.E mais nada?R – O resto não importa. A morte é o mais importante da vida. Creio que já estou preparado. Mas, antes da morte, devemos nos ocupar da vida. Cada momento é único. Se damos sentido à nossa vida, chegamos à mo[...]



Herberto Helder - porque Não Há Morte para a Poesia!

2015-03-24T17:51:46.816+00:00

Herberto Hélder (1930-2015)
"Não sei como dizer-te
Não sei como dizer-te que minha voz te procura e a atenção começa a florir, quando sucede a noite esplêndida e vasta. Não sei o que dizer, quando longamente teus pulsos se enchem de um brilho precioso e estremeces como um pensamento chegado. Quando, iniciado o campo, o centeio imaturo ondula tocado pelo pressentir de um tempo distante, e na terra crescida os homens entoam a vindima - eu não sei como dizer-te que cem ideias, dentro de mim te procuram.
 Quando as folhas da melancolia arrefecem com astros
ao lado do espaço
e o coração é uma semente inventada
em seu escuro fundo e em seu turbilhão de um dia,
tu arrebatas os caminhos da minha solidão
como se toda a casa ardesse pousada na noite.
- E então não sei o que dizer
junto à taça de pedra do teu tão jovem silêncio.

Quando as crianças acordam nas luas espantadas
que às vezes se despenham no meio do tempo
- não sei como dizer-te que a pureza,
dentro de mim, te procura.
Durante a
primavera inteira aprendo
os trevos, a água sobrenatural, o leve e abstracto
correr do espaço –
e penso que vou dizer algo cheio de razão,
mas quando a sombra cai da curva sôfrega dos meus lábios,
sinto que me faltam um girassol, uma pedra, uma ave – qualquer
coisa extraordinária.

 Porque não sei como dizer-te sem milagres
que dentro de mim é o sol, o fruto,
a criança, a água, o deus, o leite, a mãe,
que te procuram."
... no dia em que foi conhecida a morte do Poeta!...apesar de não haver Morte para a Poesia!



Sonoridades Femininas...

2015-03-22T23:43:13.671+00:00

width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/U3ZsBimsaUc" frameborder="0" allowfullscreen>... Hindi Zahra em "Imik Si Mik"...



Preciosidades...

2015-03-14T18:52:15.673+00:00

width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/ftsfAcGkBdg" frameborder="0" allowfullscreen>... para sorrir, aprender, lembrar... e ver na íntegra!... ... porque há patrimónios... inesquecíveis :)



Viva o 8 de Março - Da Realidade à Política e à Arte!

2015-03-08T11:57:47.314+00:00

No dia 8 de Março de 1857, as operárias de uma fábrica de têxteis em Nova York, iniciaram uma luta indefetível pelos direitos das mulheres! Por melhores condições de trabalho e de vida, melhores salários e igualdade de tratamento!... a luta que as ameaçou desde logo, teve continuidade por muitos, longos e penosos anos em que as suas reivindicações levaram a que fossem ameaçadas, perseguidas e reprimidas pela polícia - ao ponto de, já  no século XX, também nos EUA, acabarem cercadas num incêndio que deflagrou nas instalações de uma fábrica onde trabalhavam e onde resistiam às pressões externas de uma sociedade masculina e patriarcal. Houve vítimas e até, pelo menos, uma morte entre estas corajosas, solitárias e solidárias mulheres! O facto, enquanto atentado contra os direitos das mulheres e dos trabalhadores, foi sendo conhecido e o dia 8 de Março começou a ser assinalado, progressivamente, um pouco por todo o mundo. Desta luta temos hoje um excelente registo no filme "Anjos Rebeldes" (originalmente intitulado: Iron Jawed Angels), um trabalho cinematográfico notável da realizadora Katja von Garnier que conta com a extraordinária interpretação de Hilary Swank no papel de Alice Paul, uma das mulheres cujo nome ficará para sempre, associado à luta memorável e exemplar das Sufragistas a que, nesta obra, dão corpo e voz, também, outras atrizes de reconhecido e justo mérito como Julia Ormond e Angelica Houston. Da difícil, contínua e indefetível luta pelos Direitos Humanos das Mulheres, temos o exemplo simbólico no facto de só em 1975, a ONU ter proclamado o dia 8 de Março como Dia Internacional das Mulheres. Quanto à justeza da persistência desta luta, são tantos os argumentos, em pleno século XXI, que basta referir alguns dos problemas com que, nesta matéria, nos debatemos nas sociedades ocidentais: desigualdades salariais, desigualdades de tratamento, violência de género, violência doméstica, violência sexual, assédio sexual, tráfico de seres humanos para efeitos de exploração, exposição a estereótipos consumistas de mercados masculinizados e tantas, tantas outras, maiores e menores formas de expressão de "machismos" e "micro-machismos"!... Isto sem falar na urgência de solidariedade que é preciso reforçar e promover, por esse mundo fora, noutras esferas civilizacionais, em que as mulheres não têm direito de voto, não podem conduzir, não podem circular nas ruas sem estarem sujeitas à humilhação e falta de dignidade -que, muitas vezes, as próprias não reconhecem!- de cobrirem completa ou parcialmente o seu corpo, onde lhes é negado o direito ao livre-arbítrio, imposto o casamento forçado e a impossibilidade de determinar o seu futuro... e onde são, simplesmente!, consideradas, nada mais, nada menos,  do que mero património familiar e propriedade patriarcal.
 
allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/_3_mKzj7bKk" width="400">



Desigualdade Salarial, o rosto institucional da Discriminação Sexual...

2015-03-06T14:56:35.744+00:00

Por não existir igualdade salarial entre homens e mulheres, em Portugal, as mulheres são obrigadas a trabalhar mais 65 dias por ano para obter a mesma remuneração anual que os homens... Para ilustrar o que este facto significa, instituiu-se assinalar o Dia da Igualdade Salarial no dia 6 de Março, por ser exactamente neste dia que, a partir do 1º dia do ano, se completam os tais 65 dias de trabalho excedentário feminino para efeitos de igual remuneração, pelo desempenho de uma mesma tarefa realizada por homens. Se a este facto somarmos todo o trabalho não remunerado que, apesar da progressiva partilha dos afazeres domésticos e familiares entre pessoas de sexo diferente, continua a sobrecarregar a maioria das mulheres, a evidência de ausência de fundamento racional e o grau de injustiça desta realidade é incontornável. Quando uma sociedade legitima desigualdades básicas, como esta!, não pode, em caso algum!, considerar-se uma sociedade efectivamente republicana e democrática, pautada pela afirmação de valores tais como a igualdade, a liberdade, a responsabilidade social e a solidariedade.



Sonoridades...

2015-02-26T00:45:57.595+00:00

allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/1m-2RE2fCAQ" width="400">
... Jan Garbarek e Mari Boine em "Evening Land"...



Do Ano Novo como Património Cultural - Losar 2142

2015-02-17T07:34:20.147+00:00

Hoje começa a contagem decrescente para as celebrações de Ano Novo... no Tibete, no Nepal e no Butão! - onde o calendário, lunar, assinala o ano 2142. Com mais 127 anos do que o calendário que utilizamos no Ocidente (calendário gregoriano), o calendário tibetano é constituído por 20 meses lunares, celebrando o Losar (Ano Novo) no 1º dia do seu 1º mês, ou seja, na Primavera, quando se homenageiam e celebram,  com a prática de rituais de agradecimento, os 5 elementos: Terra, Água, Fogo, Ar e Espaço. Na sua origem, estiveram as celebrações do solstício de inverno e a introdução das práticas agrícolas, cuja natureza requer a regularidade cíclica (cultivo, irrigação) e, recorrentemente, as práticas metalúrgicas. Segundo reza a tradição, o assinalar festivo do calendário dever-se-á a uma velha mulher chamada Belma que introduziu as fases da lua como medida do tempo. Posteriormente, a celebração do Losar foi transferida para o primeiro mês lunar por um líder da Escola budista Gelup, criada no século XVI, no contexto da existência de um território alargado de influência cultural e religiosa que alcançava a Mongólia e a China - razão pela qual, hoje, o Losar tibetano se aproxima das datas de celebração do Ano Novo mongol e chinês. Tradicionalmente, as celebrações do Losar perduravam 15 dias, sendo os 3 primeiros dias os mais intensos no que respeita às práticas festivas. Nos nossos dias, as mesmas celebrações podem demorar entre 1 e 15 dias, em função da coesão e densidade cultural dos seus praticantes no território em que residem (Tibete, Nepal, Butão, Índia e em o mundo onde, com a diáspora, chegou a cultura tibetana). Segundo o calendário, os próximos dias 18 e 19 de Fevereiro correspondem ao Losar 2142!
Feliz Losar 2142 a todos! 
Tashi Delek!



Sonoridades Femininas...

2015-02-15T18:06:04.536+00:00

allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/4kvTNbc8d5s" width="400">
... Mari Boine Persen e Lui Sola em "Maze"...



Politicas Sociais, Homens, Mulheres e Cultura...

2015-02-14T22:54:31.499+00:00

[Este texto pretende ser uma homenagem - explicita no seu final!... Entretanto, fica o pedido de desculpa aos leitores, pelo facto do meu computador ter "perdido" os acentos!!!] A urgência do regresso das politicas sociais denota-se um imperativo! Esta realidade, demonstrada pelo aumento exponencial da taxa de pobreza e do risco de empobrecimento dos portugueses, reforça-se no sucinto e breve olhar que o quotidiano nos oferece, num quadro em que, indiscutivelmente!, os direitos das pessoas e dos trabalhadores, se vê progressivamente agravado numa curva descendente cuja dinâmica não apresenta sinais, sequer!, de estagnação. A verdade resulta da leitura dos dados de que dispomos e que, residindo na simples observação do mundo que, mais de perto, nos rodeia, evidencia, apesar da demagogia propagandística das entidades oficiais, que a perda de direitos sociais não se recupera com a facilidade com que se extingue... porque, para os extinguir, basta a decisão legislativa enquanto que, para os recuperar, se torna essencial ultrapassar as resistências que a perda de lucros administrativo-financeiros (leia-se receitas) significa. Neste contexto, recorrendo ao tradicional dizer da sabedoria oriental que nos ensinou que "quando o discipulo se encontra preparado, o mestre aparece", ontem, uma amiga tornou urgentes as notas que hoje aqui partilho. Veio a sugestão a "talhe de foice" da intervenção dos profissionais de Serviço Social que se defrontam, diariamente!, com os problemas mais obscuros do nosso quotidiano, para os quais escasseiam as respostas institucionais. Proponho, por isso, se me permitem!, o enfoque na questão dos Direitos das Mulheres no contexto de uma sociedade consumista que, para garantir o funcionamento dos mercados financeiros, desenvolve, estrategicamente, uma sedutora forma de reprodução de estereótipos, capaz de violar não apenas os direitos conquistados, "a pulso"!, nos últimos 140 anos mas, igualmente, a possibilidade de se crescer em liberdade e em igualdade. Efetivamente, a violência no namoro que (para estranheza da minha geração!), grassa atualmente entre os jovens, representa a reconfiguração dos dramas da sociedade tradicional - assente no autoritarismo e no sentido de propriedade privada e de posse patrimonial que caracterizam a cultura patriarcal. E se, para efeitos de demonstração desta afirmação, precisarmos de exemplos recentes, basta-nos pensar na estreia do filme "As 50 Sombras de Grey" que as ativistas do feminismo contemporâneo condenam, afirmando tratar-se da promoção da violência entre pessoas de sexo diferente, que implica a submissão das mulheres a um modelo velho de imagem de "masculinidade", decorrente de conceitos que se fundam nas noções de "domínio", de "controle" e das relações de poder. Não vi o filme e não pretendo discutir a liberdade da produção audiovisual que, como toda a liberdade de expressão, considero legitimada... mas, confesso!, dada a dimensão alcançada pelo quantidade de pessoas objeto de violência nas relações interpessoais e tendo ouvido espectadores de todas as idades, convergir na afirmação de que o filme não tem outra ação senão a descoberta de uma sexualidade que vive do desenvolvimento de fantasias que alimentam a produção e a venda de produtos transacionados nas chamadas "sex shop" (onde a marca que partilha o nome do filme se conv[...]



Pedrão do Maranhão - A Música, a Poesia e a Arte...

2015-02-07T12:42:17.821+00:00

allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/XoR6RiUczMk" width="400">
... e porque no Youtube não encontro os belos temas dos seus trabalhos "Canturias" e "Jazz Samba", partilho o lindíssimo tema que este compositor escreveu, na bonita voz de Ana Maria Carvalho: allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/QL3boW5nePY" width="400">



Sonoridades Femininas...

2015-02-02T19:56:50.197+00:00

width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/hNRNgtVNVz8" frameborder="0" allowfullscreen>



Sonoridades Femininas...

2015-02-01T09:20:27.976+00:00

allowfullscreen="" frameborder="0" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/KD15yirwhW4" width="400">
... Mari Boine em "I Come from the Other Side"...



Sonoridades Femininas...

2015-01-31T22:25:34.038+00:00

width="400" height="400" src="https://www.youtube.com/embed/YettpVCclNc" frameborder="0" allowfullscreen>... Mari Boine em "Mu Ustit Engeliid Sogalas" (My Friend of Angel Tribe)... para fechar (ou abrir) uma noite de paz...



Da Estratégia do Syriza...

2015-01-28T21:11:39.746+00:00

 
É interessante verificar o ataque "cego" à opção do Syriza em se aliar com os independentistas gregos. Sendo certo que não conheço Alexis Tsipras nem sequer a densidade ideológica do Syriza, a verdade é que dou a A.Tsipras o benefício da dúvida... e penso que a condenação "a priori" da sua aliança política para garantir uma maioria na governação da Grécia, resulta de um "parti pris" cujos resultados conduziram, até agora!, às calamitosas incapacidades de gestão e de salvaguarda das soberanias e das economias nacionais que põem em causa o regime democrático... Vale a pena perguntar se, por acaso!, já alguém colocou a hipótese da decisão de Tsipras ser uma estratégia inteligente que garante a viabilidade do governo que se propôs em campanha eleitoral? É que, de facto, uma aliança com alegados nacionalistas, reduz a margem de apoio popular à extrema-direita e alarga o apoio político parlamentar e dos cidadãos que querem emancipar a gestão do seu país das teias da dependência internacional!... Por isso, o mínimo que é exigível à pretensa esquerda portuguesa que "corre" a condenar a opção do Syriza, subscrevendo o incapaz "stablishment" que tão bem conhecemos!, é dar ao novo governo grego o benefício da dúvida. De qualquer forma, o cumprimento das promessas eleitorais, a escassíssimos dias das eleições legislativas!, aí está, já!, sob a forma de legislação pronta a ser usufruída pelo povo -que é, afinal, a razão de ser, primeira e última!, de todo o Estado e de toda a política: aumento do salário mínimo, suspensão das privatizações e eletricidade gratuita para os mais carenciados!... Será a raiva que o Syriza suscita uma reação de "velhos do Restelo"? ... Será que o Syriza vai provar que a mudança é possível?... Esperemos, sinceramente!, que o "governo de salvação nacional" que Tsipras protagoniza tenha sucesso e que, objetivamente!, a Europa comece a mudar!



Syriza, o Rosto Europeu da Esperança contra a Fome e contra o Medo!

2015-01-25T18:00:30.321+00:00



(image) Para surpresa das forças de bloqueio que continuam a fingir que só o "stablishment" vinga no sistema político (políticos, jornalistas, comentadores e outros "velhos do Restelo", sempre cautelosos, medrosos e cúmplices das malfeitorias a que os povos são sujeitos por abuso do poder dos que os governam), hoje, na Grécia, o Syriza venceu as eleições com uma vitória estrondosa que, felizmente!, se aproxima (faltam poucas horas para se ter a certeza!) da maioria absoluta. A maioria absoluta a que, ontem, no último discurso da campanha, o seu líder apelou perante 40.000 pessoas representando, como agora se confirma!, o empenhamento efectivo dos cidadãos gregos na mudança (ler aqui). Reacendida a esperança, Alexis Tsipras tem agora que manter o sorriso perante o desafio e a coragem a assumir perante as lideranças europeias e internacionais que têm na Senhora Merkel uma exímia protagonista e em Marine Le Pen o retrato de uma ameaça no futuro próximo. A contrapor ao negro cenário que o eixo franco-alemão nos oferece, em tempos tão conturbados e complexos, a Grécia emergiu do negro cenário das acusações neoliberais, defendendo e encarnando a Democracia que, desde a antiguidade, significa o exercício da soberania pelo povo! A Europa fica agora nas mãos da Grécia! Hoje, uma vez mais: Somos Todos Gregos! 



Da Grécia à UE - A Responsabilidade do Syriza

2015-01-25T09:37:59.561+00:00

  Hoje, na Grécia, podem votar 9 milhões de pessoas. O Syriza ocupa o primeiro lugar nas sondagens, a 6 pontos do segundo partido com maior taxa de intenção de votos. Considerado radical, o partido liderado por Alexis Tsipras, pode representar, para toda a Europa, o reacender da esperança. Hoje, Somos Todos Gregos e todos, pelo menos, em Portugal e em Espanha, gostaríamos de aí poder votar porque é incontornável e generalizada, a vontade extrema de mudança face à já insuportável política de austeridade que, sob o comando internacional do FMI, da troika e da política europeia, tem vindo, progressivamente e sem dar tréguas, a sufocar as economias em nome da extorsão de receitas cujo único objetivo é estancar a subida, imparável!, dos juros da famigerada "dívida", liquidando postos de trabalho e direitos fundamentais dos cidadãos: do emprego à saúde e da educação à habitação (para além da apropriação das casas pelos bancos, face à incapacidade das pessoas pagarem empréstimos contraídos em tempos em que tal dificuldade se não colocava, dada a existência de emprego, registe-se, por exemplo, que, na Grécia, 10% das famílias vive já sem eletricidade por ausência de capacidade financeira para pagar os consumos). Ao caos social europeu a que se somam os problemas de segurança acumulados pela dimensão da imigração, designadamente, magrebina, africana e do leste, bem como as péssimas condições de vida em que sobrevivem nos "países de chegada" (dando consistência à lógica de reprodução da pobreza) e o risco de sedução da violência e do extremismo que, face à desigualdade de oportunidades, se exerce sobre os jovens levando a que integrem e protagonizem actos atentatórios dos direitos e da vida das pessoas, a União Europeia e, em particular, os países da Europa do Sul deixaram de dar resposta! - preocupados apenas com os números de que se alimentam os organismos financeiros internacionais de anónimos rostos movidos por insaciáveis interesses accionistas e apesar do custo social que daí decorre, materializado em milhões de pessoas a viver sem trabalho e sem horizontes de esperança! Faz, por isso, todo o sentido, o aparecimento do discurso político do Syriza e, em Espanha, do Podemos, que, finalmente, emergem, anunciando a defesa de posturas políticas diferentes, valorizadoras da vida dos cidadãos e de economias sustentadas, orientadas para a produtividade e a distribuição social da riqueza, com o objetivo de devolver aos cidadãos os direitos que lhes foram usurpados e as condições de vida dignas que a suposta Europa Social garantiria. Da capacidade e competência de levar a cabo tais objetivos, no contexto das forças dominantes antagónicas que reeditaram, de forma incontestável, a luta de classes, falarão os tempos mais próximos. Hoje, os olhos estão postos na Grécia e a responsabilidade social do Syriza é, não só, nacional mas, europeia. Do seu sucesso depende, de certa forma, o nosso futuro! Por isso, hoje, mais uma vez: Somos Todos Gregos!  [...]